‹ voltar



Conheca os ingredientes de origem vegetal e animal nos produtos

n/d

 

É assustador descobrir a origem de vários alimentos, artigos de higiene, vestuário e outros itens comuns. A maioria das pessoas parece não querer saber ou até mesmo pensar sobre o que está realmente ingerindo e usando. Infelizmente, grande parte dos produtos comercializados no mundo são originários da exploração e morte de bilhões de seres inocentes. Caso soubessem sobre o lado negro de seus hábitos de consumo, provavelmente muitos iriam parar de financiar a crueldade contra outras espécies.

Além de partes de corpos de animais, sangue, pus etc, há diversos produtos químicos, antibióticos, ingredientes artificiais que poucas pessoas realmente sabem o que são. Veja uma longa lista de itens encontrados em alimentos e outros produtos que podem ser de origem animal. Alguns destes itens também podem ser derivados de animais, de plantas ou sintéticos como apontado abaixo.

Ingredientes

A

Acetato estearílico: (ver Ácido esteárico)

Ácido araquidônico: Um ácido líquido gorduroso e insaturado encontrado no fígado, cérebro, glândulas e em gordura de animais e de seres humanos. Geralmente isolado a partir do fígado de animais. Usado em alimentos para animais domésticos e em cremes e loções para pele com o propósito de acalmar eczemas e erupções cutâneas. Alternativas: sintéticos, aloe vera, óleo de Melaleuca, pomada de calêndula.

Ácido aspártico : um aminoácido presente em animais e plantas. Normalmente sintetizado a partir de glutamato para fins comerciais.

Ácido Benzoico: presente em quase todos os vertebrados e em bagas. Usado em enxaguantes bucais, desodorantes, cremes, loções pós-barba, perfumes, alimentos, bebidas. Alternativa: benjoim goma (tintura) a partir da resina balsâmico aromático de árvores cultivadas na China, Sumatra, Tailândia e Camboja.

Ácido Caprílico: Um ácido graxo líquido derivado do leite de vaca ou de cabra. Também pode ser obtido a partir de óleos de palma, coco, e outros óleos vegetais. Usado em perfumes, sabões. Derivados: Triglicérides do Ácido Capílico, Capril Betaína e Óxido de Caprilamina. Alternativas: fontes vegetais, especialmente óleo de coco.

Ácido Carmínico, C.I.75470: (ver Carmim)

Ácido de sebo: (ver Sebo)

Ácido Esteárico: quando tem origem animal é uma gordura de vacas, porcos e ovelhas e com cães e gatos que tem a morte induzida por abrigos de animais etc. Também podem ser de origem vegetal, como de manteiga de cacau e manteiga de karité. Pode ser duro e irritante. Usado em cosméticos, sabões, lubrificantes, velas, spray de cabelo, condicionadores, desodorantes, cremes, goma de mascar, aromas alimentares. Derivados: estearamida, estearamina, estearatos, hidrazida esteárica, estearona, estearoxitrimetilsilano, estearoil ácido estearílico, betaína estearilo, estearil de imidazolina. Alternativas: ácido esteárico que pode ser encontrado em muitas gorduras vegetais, coco.

Ácido Fólico. Folato. Vitamina B9: usado como fortificante de alimentos ou como suplemento, especialmente para mulheres grávidas. Geralmente é produzido sinteticamente. Folato é o termo geral para a vitamina B9, enquanto que o ácido fólico refere-se ao composto sintético usado em suplementos e fortificação de alimentos.

Ácido glicurônico: origem animal

Ácido glutâmico: aminoácido encontrado em tecidos vegetais e animal. Usado como tempero de alimentos e como um antioxidante em cosméticos.

Ácido hialurônico: quando tem origem animal é uma proteína encontrada em cordões umbilicais e em fluidos em torno das articulações. Utilizado em cosméticos e algumas aplicações médicas. Alternativas: ácido hialurônico sintético e óleos vegetais.

Ácido Lactil Lactato Estearoil: (ver Ácido Esteárico)

Ácido lático: normalmente derivado de plantas como a beterraba. Quando é derivado animal, é encontrado no sangue e em tecido muscular. Também em leite azedo, cerveja, chucrute, picles e outros produtos alimentares produzidos por fermentação bacteriana. Usado em purificadores de pele, como um conservante na formação de plastificantes etc. Alternativas: açúcares do leite vegetal, sintéticos.

Ácido linoleico: um ácido graxo essencial. Usado em cosméticos, vitaminas. Alternativas: (veja Ácidos Graxos)

Ácido Mirístico: ácido orgânico tipicamente derivados de óleos de castanhas, mas, ocasionalmente, de origem animal. Usado em xampus, cremes, cosméticos, em aromas alimentares. Derivados: miristato de isopropila, miristil éter sulfato, miristilo, miristato oleílico. Alternativas: manteigas vegetais, óleo de lovage, óleo de coco, extrato de sementes de noz-moscada etc.

Ácido oleico: a partir de vários óleos e gorduras animais e vegetais. Normalmente obtidos comercialmente a partir de sebo não comestíveis. (veja Sebo.) Utilizado em alimentos, sabões líquidos e em barra, permanentes para cabelo, cremes, esmaltes, batons, muitos outros produtos para a pele. Derivativos: oleato oleico, estearato oleico. Alternativas: óleo de coco. (veja alternativas para óleos e gorduras animais)

Ácido palmítico: ácido graxo frequentemente obtido a partir de óleo de palma, mas pode ter origem animal. Usado em xampus, loções de barbear, cremes. Derivativos: palmitato, palmitamina, palmitamida. Alternativas: fontes vegetais.

Ácido ribonucleico: (ver RNA)

Ácido Úrico: (ver Ureia)

Ácidos Graxos: pode ser uma ou qualquer mistura de ácidos sólidos e líquidos, tais como o ácido caprílico, láurico, mirístico, oleico, palmítico e esteárico. Usado em banhos de espuma, batons, sabonetes, detergentes, cosméticos, alimentos. Alternativas: ácidos derivados de vegetais, lecitina de soja, óleo de cártamo, óleo de amêndoas amargas, óleo de girassol etc.

Ácidos nucleicos: no núcleo de todas as células vivas. Utilizado em cosméticos, xampus, condicionadores etc. Também em vitaminas, suplementos. Alternativa: fontes vegetais.

Adesivos de Cola: Igual à gelatina, mas de uma forma bruta. Alternativas: dextrinas e adesivos à base de petroquímicos sintéticos. (Ver gelatina.)

Adrenalina: Hormônio de glândulas supra-renais de porcos, gado e ovelhas. Na medicina. Alternativas: sintéticos.

Alanina: (ver aminoácidos)

Alantoína: ácido úrico de vacas, e da maioria dos mamíferos. Também presente em muitas plantas (especialmente confrei) e em cosméticos (particularmente cremes e loções). É utilizada no tratamento de feridas e úlceras. Derivativos: Alcloxa, Aldioxa. Alternativas: extrato de raiz de confrei, sintéticos.

Albúmen: Em ovos, leite, músculos, sangue, e em muitos tecidos e fluídos vegetais. Nos cosméticos, a albumina é normalmente derivada de clara de ovo e usada como um agente de coagulação. Pode causar reação alérgica. Em bolos, biscoitos, doces, etc. A clara de ovo por vezes utilizado na “compensação” de vinhos. Derivado: albumina.

Albumina (ver albúmen)

Alcloxa: (ver alantoína)

Álcoois Triterpenos: (ver Lanolina)

Álcool Batil: origem animal

Álcool cetílico: cera originalmente encontrada em espermacete de cachalotes e golfinhos, mas hoje costuma ser derivado do petróleo. Alternativas: álcool cetílico vegetal (por exemplo, coco), espermacete sintético.

Álcool de lanolina: (ver Lanolina)

Álcool Estearílico. Esteróis: Uma mistura de álcoois sólidos. Pode ser preparado a partir de óleo de cachalote. Usado em medicamentos, cremes, lavagens, xampus etc. Derivados: óxido de estearamina, acetato de estearilo, caprilato, citrato estearílico, estearil dimetilamina, glicerretinado de estearilo, heptonatode estearilo, octanoato de estearilo, Estearato de Estearilo. Alternativas: fontes vegetais, ácido esteárico vegetal.

Álcool oleico. Ocenol: encontrado em óleos de peixe. Utilizado na fabricação de detergentes, como um plastificante para tecidos de amolecimento e portador para medicamentos. Derivativos: Oleico, Araquidato oleico, imidazolina oleica.

Alfa-hidroxiácidos: Qualquer um dos vários ácidos usados como esfoliante e em produtos anti-rugas. O ácido lático pode ter origem animal (veja ácido lático). Alternativas: ácido glicólico, ácido cítrico, ácido salicílico são derivados de plantas ou de frutas.

Almíscar (óleo): secreção seca obtida dolorosamente a partir de genitais do cervo-almiscareiro, castores, rato-almiscareiro, civetas, e lontras. Os animais são mantidos em cativeiro em jaulas em péssimas condições e são chicoteados em torno dos genitais para produzir a fragrância; os castores são presos e os cervos são mortos. A fragrância é usada em perfumes e aromas alimentares. Alternativas: óleo esteva (a partir de vários arbustos esteva) e extratos de outras plantas que tem cheiro almiscarado.

Alternativas: carragenina, algas (algina, ágar-ágar), pectina a partir de frutos, dextrinas, goma de alfarroba, goma de algodão, gel de sílica. Os marshmallows foram originalmente feitos a partir da raiz da planta de marshmallow. Hoje, muitas empresas disponibilizam várias cápsulas vegetais e câmeras digitais não usam filme.

Alternativas: contraceptivos orais e medicamentos para menopausa à base de esteróides sintéticos ou fitoestrógenos (de plantas, especialmente óleo de amêndoa de palma).

Alternativas: parafina, óleos e gorduras vegetais, ceresinas, cera de carnaúba, cera de candelila, cera do Japão.

Alternativas: suco de beterraba, raiz de alkanet (utilizada como um corante vermelho para tintas, vinhos, hidratantes labiais, etc). (Consulte Cores).

Âmbar-cinza/âmbar de baleia: Originário de intestinos de baleias e usado como fixador em perfumes e aromatizantes em alimentos e bebidas. Alternativas: fixadores sintéticos ou vegetais.

Amerachol: origem animal

Amerchol L-101: (ver Lanolina)

Amida de sebo: (ver Sebo)

Amilase: Enzima derivada de qualquer animal (geralmente pâncreas suíno), fúngica, de origem bacteriana ou vegetal (malte de cevada).

Amina de sebo: (ver Sebo)

Amina hidrogenada de sebo PEG-13: (ver Sebo)

Aminoácidos: blocos de construção de proteínas em todos os animais e plantas. Em cosméticos, vitaminas, suplementos, shampoos etc. Alternativas: fontes vegetais ou sintéticas.

Amino-succinato: (ver ácido aspártico)

Anchova: pequeno peixe da família arenque

Angorá: cabelo do coelho angorá ou cabra. Usado em roupas. Alternativa: fibras sintéticas.

Araquidato Oleico: (ver Álcool Oleico)

Aspic: líquido salgado derivado de carne e peixe

Astrakhan: pele de cordeiros ainda não nascidos ou muito jovens de uma espécie originária da Astrakhan, Rússia

B

Banha: gordura de abdômen de porco. Usada em cremes de barbear, sabonetes, cosméticos. Em alimentos assados, batatas fritas, feijão frito e muitos outros. Alternativas: gorduras e óleos vegetais.

Betaína Estearil: (ver Ácido Esteárico)

Bílis de boi. Oxgall: de bovinos castrados. Usada em cremes.

Biotina, Vitmanina H: Em cada célula viva e em maiores quantidades no leite e fermento. Usada como um texturizador em cosméticos, xampus e cremes. Alternativa: fontes vegetais.

Bitartarato de Colina: (ver Lecitina)

Bonito: peixe parente do atum. Usado como ingrediente na culinária japonesa.

C

Cabelo de cavalo: (ver Pelo de animal)

Calciferol: (ver Vitamina D)

Camurça: (ver Couro)

Cana-de-açúcar: açúcar obtido a partir da cana. Em alguns países, por exemplo, Estados Unidos, esse açúcar é frequentemente derivado da queima de ossos animais.

Cantaridina: origem animal, lactose do ácido cantarídico e ingrediente das cantáridas, moscas espanholas.

Capiz: conchas

Capril Betaína: (ver Ácido Caprílico)

Caprilato Estearílico: (ver Álcool Estearílico)

Caracóis: em alguns cosméticos (moídos)

Caramelo : utilizado como um corante. É produzido por aquecimento de hidratos de carbono com ou sem ácidos e álcalis. Os hidratos podem ser de milho, açúcar de beterraba, açúcar de cana, trigo ou batata. A grande maioria dos caramelos é derivada de milho e vegana. No entanto, alguns caramelos são derivados do açúcar de cana e não necessariamente veganos.

Carbamida: (ver Ureia)

Carbonato de cálcio: insípido, inodoro que ocorre naturalmente em mármore, calcário, coral, cascas de ovo, pérolas ou conchas de ostras.

Carmim, Conchonilha, Ácido Carmínico, C.I.75470: pigmento vermelho originário do trituramento de insetos fêmea conchonilha. Estima-se que 70 mil animais morrem para produzir uma libra de corante vermelho. Usado em cosméticos, xampus, molho vermelho de maçã e em outros alimentos (incluindo pirulitos vermelhos e corantes alimentares). Pode causar reação alérgica.

Pro-vitamina A. Beta-caroteno: pigmento encontrado em muitos tecidos animais e em todas as plantas. Quando usado como aditivo, normalmente deriva de fontes vegetais. Utilizado como corante em cosméticos e na fabricação de vitamina A.

Carvão de osso: Cinzas de ossos animais. Usado em porcelanas e muitas vezes para fazer açúcar branco. Utilizado em filtros de aquário. Alternativa: fosfato sintético de cálcio tribásico.

Carvão vegetal: derivado da queima de uma matéria vegetal ou combustão incompleta de gás natural, carvão ativado, ossos, sangue, óleos à base de carne ou várias gorduras e resinas.

Carvão: carbonização de ossos ou de madeira

Caseína. Caseínatos Caseínato de sódio: a proteína do leite. Usado em produtos não lácteos, queijos à base de soja, cosméticos, preparações para tratamento de cabelo, máscaras de beleza. Alternativas: proteína de soja, leite de soja e outros leites vegetais.

Caseinato de Potássio: origem animal

Caseínato de sódio: (ver Caseína)

Caseínato: (ver Caseína).

Caseinogênio: de caseína

Cashmere: lã obtida da cabra Cashmira e usada em roupas. Alternativa: fibras sintéticas,

Castóreo: substância cremosa com odor forte, originalmente de rato almiscarado e genitais de castor, mas normalmente sintética. Usada como um fixador em perfumes e em incensos. Embora algumas empresas de cosméticos ainda utilizem a substância, a maioria delas não a usa.

Castóreo: (ver Castor)

Catalase: enzima que decompõe o peróxido de hidrogénio em água e oxigênio. É obtida do fígado de gado ou fungo e utilizada na indústria alimentar.

Catgut: fibra resistente feita a partir do intestino de ovelhas, cavalos, etc. usada para suturas cirúrgicas. Também é utilizada para amarrar raquetes de tênis, instrumentos musicais etc. Alternativas: nylon e outras fibras sintéticas.

Caviar: ovas do esturjão e outros peixes

Cera de abelha, Favos de mel: Cera obtida a partir do derretimento de favos de mel com água fervendo, esticando-os e resfriando-os. É originária de abelhas virgens. Muito barata e amplamente utilizada, pode ser prejudicial para a pele. Usada em batons e em muitos outros cosméticos, principalmente cremes para o rosto, loções, rímel, cremes para os olhos e sombras, maquiagem, branqueadores de unhas, protetores labiais etc. Derivados: Cera Flava.

Cera de lã: (ver Lanolina)

Cera Flava: (ver Cera de abelha)

Cera: substância que amolece quando é esquentada extraída de animais e plantas. Usada em batons, cremes depilatórios, alisadores de cabelo. Alternativa: ceras vegetais.

Cerdas de javali: cabelo de animais selvagens ou em cativeiro. Em escovas de dentes “naturais” e buchas para banho e pincéis de barbear. Alternativas: fibras vegetais, nylon, peelu.

Cerebrosídeos: ácidos graxos e açúcares encontrados no revestimento de nervos. Podem ser sintéticos ou de animais. Quando tem origem animal, podem incluir tecido cerebral. Utilizado em hidratantes.

Ceteth-2, -4, -6, -10, -30: do espermacete de cachalotes ou golfinhos.

Chamois: couro da pele de antílopes, ovinos, caprinos, veados etc.

Cisteína: aminoácido de cabelo que pode ser proveniente de animais. Usado em produtos capilares e cremes, em alguns produtos de padaria e em formulações para cicatrização de feridas. Alternativas: fontes vegetais.

Cistina: aminoácido encontrado na urina e na crina de cavalos. Utilizado como um suplemento nutricional e em emolientes. Alternativas: fontes vegetais

Citrato Estearílico: (ver Ácido Estearílico)

Civeta, Algália: secreção dolorosamente raspada de glândulas próximas aos órgãos genitais de civetas/gatos-de-algália. Usada como fixador em perfumes. Alternativas: (veja alternativas para almíscar)

Quimosina, Renina: enzima originada nos estômagos de bezerros. Usada na fabricação de queijos, creme de coalho, e em muitos produtos lácteos coagulados. Alternativas: agentes coagulantes microbianos, cultura de bactérias, suco de limão, ou coalho vegetal.

Coalho: (ver Renina)

Colágeno: proteína fibrosa em vertebrados. Normalmente, derivada de tecidos animais e um alérgeno. Alternativas: proteína de soja, óleo de amêndoa, óleo Amla (ver alternativas para queratina) etc.

Colecalciferol: forma solúvel de vitamina D

Colesterina: (ver Lanolina)

Colesterol: álcool esteroide encontrado presente em todas as gorduras e óleos animais, tecido nervoso, gema de ovo e no sangue. Pode ser derivado da lanolina. Usado em cosméticos, cremes para os olhos, xampus, etc. Alternativas: álcoois complexos sólidos obtidos a partir de fontes vegetais.

Coleth24: (ver Colesterol)

Complexo de Vitamina B: (ver Pantenol)

Conchonilha: (ver Carmim)

Condroitina: presente em produtos que aliviam os efeitos da osteoartrite. Produzida sinteticamente ou derivada da cartilagem de vacas, porcos, tubarões, peixes ou aves.

Corantes/Tintas: (ver Cores)

Cores usadas pelas indústrias farmacêutica, de cosméticos, de alimentos e de cuidados pessoais: (ver Cores)

Corantes: pigmentos de animais, vegetais e fontes sintéticas utilizadas para colorir alimentos, cosméticos e outros produtos. A cochonilha é de insetos. Derivados do alcatrão mineral são amplamente usados como corante de alimentos, de cosméticos e de produtos da indústria farmacêutica. Eles são continuamente testados em animais por causa de suas propriedades cancerígenas. Alternativas: uva, beterraba, cúrcuma, açafrão, cenoura, clorofila, urucum e alkanet.

Corticosteroide: (ver Cortisona)

Cortisona, Corticosteroide: Quando deriva de animais é um hormônio das glândulas suprarrenais. No entanto, costuma ser um material sintético bastante usado. Normalmente utilizado na medicina. Alternativas: sintéticos.

Camurça: Pele bovina. Pele de carneiro. Pele de crocodilo. Outros tipos de pele: subsidia a indústria da carne. Usados para fazer carteiras, bolsas, mobília e revestimento de automóveis, calçados etc. Alternativas: algodão, lona, nylon, vinil, ultrasuede, outros produtos sintéticos.

D

Dashi: caldo de peixe japonês

DEA-10 oleth fosfato: origem animal

Desamido colágeno: (ver Colágeno)

Dexpantenol: (ver Pantenol)

Dicaprilil Cistina: (ver Cistina)

Dietileno Tricaseínamida: origem animal

Diglicéridos: (ver Monoglicéridos e Glicerina)

Dihidroxiacetona: um emulsionante, umectante e fungicida que é obtido pela ação de certas bactérias em glicerol.

Dihydrocholeth-15: origem animal

Dihydrocholeth-30: origem animal

Dimetil Estearamina: (ver Ácido Esteárico)

DNA/RNA: ácido desoxirribonucleico. Ácido ribonucleico. Polipeptídeos. Obtido a partir de resíduos de matadouros. Presente em todas as células vivas. Usado em muitos zampus, proteína e cosméticos. Alternativa: células vegetais.

Down: ver Pena

E

Elastina: proteína encontrada nos ligamentos do pescoço e aortas de vacas. Semelhante ao colágeno, não pode afetar a própria elasticidade da pele. Alternativas: sintéticos, proteína a partir de tecidos de plantas.

Ergocalciferol: (ver Vitamina D)

Ergosterol: (ver Vitamina D)

Escamas de peixe: usadas em maquiagens. Alternativas: mica, rayon e pérolas sintéticas.

Escovas/Pincéis de Zibelina: fabricados a partir da pele de martas. Usados para maquiagem dos olhos, batom e para materiais de arte. Alternativa: fibras sintéticas.

Esmalte/Verniz Resinoso: (ver Goma laca)

Palmitato de cetilo. Óleo de Cachalote: óleo derivado da cabeça do cachalote ou de golfinhos, mas agora mais frequentemente derivado do petróleo. Utilizado em muitas margarinas, em cremes para a pele, pomadas, xampus, velas etc. Usado na indústria do couro. Pode se tornar rançoso e causar irritações. Alternativas: espermacete sintético, óleo de jojoba, e outros emolientes vegetais.

Esponja (Luna e do Mar): um animal marítimo semelhante a uma planta e que está cada vez mais escasso. Alternativas: esponjas sintéticas, lufas (plantas utilizadas como esponjas).

Esqualano: (ver Óleo de fígado de tubarão)

Esqualeno: óleo de fígado de tubarão etc. Presente em cosméticos, hidratantes, tinturas de cabelo, agentes tensoativos. Alternativas: emolientes vegetais tais como óleo de oliva, óleo de gérmen de trigo, óleo de farelo de arroz etc.

Estearamida: (ver Ácido Esteárico)

Estearamina: (ver Ácido Esteárico)

Estearato de cálcio: a partir de cálcio mineral com ácido esteárico.

Estearato de Estearil: (ver Álcool Estearil)

Estearato Oleico: (ver Ácido Oleico)

Estearato: (ver Ácido Esteárico)

Estearil de Imidazolina: (ver Ácido Esteárico)

Estearil Dimetil Amina: (ver Álcool Estearílico)

Estearil Octanoato: (ver Álcool Estearil)

Estearina: sólido obtido do sebo de animais.

Estearoil Lactato de Sódio: (ver Ácido Láctico)

Estearona: (ver Ácido Esteárico)

Estearoxitrimetilsilano: (ver Ácido Esteárico)

Esteróides. Esteróis: a partir de várias glândulas animais ou a partir de tecidos de plantas. Esteróides incluem esteróis. Esteróis são o álcool derivado de animais ou plantas (por exemplo, colesterol). Utilizados em preparações hormonais, em cremes, loções, condicionadores para cabelo, perfumes etc. Alternativas: tecidos vegetais, sintéticos.

Esteróis: (veja Álcool Estearílico Álcool e Esteróides.)

Estradiol: (ver Estrogênio)

Estrogênio. Estradiol: hormônios femininos da urina de éguas grávidas. Considerado uma droga e pode ter efeitos sistêmicos nocivos se usados por crianças. Usado para tratar problemas reprodutivos, em pílulas de controle de natalidade e em Premarin, um medicamento para a menopausa. Usado em cremes, perfumes e loções. Tem um efeito insignificante quando usado como um restaurador de pele nos cremes.

Extrato Spleen: de animais.

Extrato testicular: de animais

F

Farinha de carne e ossos: Ossos de animais triturados ou em pó. Usada em alguns fertilizantes, vitaminas, suplementos e em cremes dentais. Alternativas: cobertura vegetal, compostos vegetais, dolomita, argila e vitaminas vegetarianas.

Fator Vitamina B: (ver Biotina)

Favo de mel: (ver Cera de abelha)

Feltro: pano feito de lã, pelos ou cabelos.

Fluído amniótico: o fluido que fica em torno do feto dentro da placenta

Fonte natural: (ver Sabor natural)

Fontes naturais: pode significar fontes de origem animal ou vegetal. Normalmente, na indústria de alimentos saudáveis e especialmente na área de cosméticos, a origem é animal, como elastina, glândulas, gordura, proteína e óleo. Alternativas: fontes vegetais.

Fosfato de cálcio: (monobásico, dibásico e tribásico), um sal mineral encontrado em rochas e ossos. Usado como um agente anti-aglutinante em cosméticos e alimentos, suplementos minerais, abrasivos de creme dental e agente de gelificação.

Fosfato de osso: de ossos de animais

G

Gel: (ver Gelatina)

Gel: proteína obtida por fervura de pele, ligamentos, tendões, ossos e / ou na água. De vacas e porcos. Usado em xampus, máscaras faciais e outros cosméticos. Utilizado como espessante para gelatinas de frutas e pudins. Em doces, marshmallows, bolos, sorvetes, iogurtes. Em filme fotográfico e em vitaminas como um revestimento e como cápsulas. Às vezes usado para ajudar a “compensação” vinhos.

Geléia real: a secreção das glândulas da garganta de abelhas operárias. Alimentado das larvas em uma colônia. Não há comprovação de seu proveito em cosméticos. Alternativas: aloe vera, confrei, outros derivados de plantas.

Giz: do carbonato de cálcio

Glacê de confeiteiro: ver Goma-laca

Glicérideos de Sebo: (ver Sebo)

Glicerídeos: (ver Glicerina)

Glicérido Banha acetilado hidrogenado

Gliceril seboato PEG28: origem animal

Glicerilo: (ver Glicerina)

Glicerol: subproduto da fabricação de sabão (normalmente usa gordura animal). Usada no segmento de cosméticos, alimentos, antissépticos bucais, gomas de mascar, cremes dentais, sabonetes, pomadas, medicamentos, lubrificantes, transmissão e fluído de freios em plásticos. Derivativos: glicerídeos, glicerilo, Glycreth-26, poliglicerol. Alternativas: glicerina vegetal (um subproduto do sabão de óleo vegetal), derivados de algas, de petróleo.

Polietileno de glicerol . Glicol. PEG: (ver Glicerina)

Glicerretinado de Estearilo: (ver Álcool Estearilíco)

Glicosaminoglicanos Hidrolisados: origem animal

Glicose tirosinase: (ver Tirosina)

Glucosamina: feita a partir de conchas de caranguejos, lagostas, e camarão.

Glycreth-26: (ver Glicerina)

Goma-laca. Cobertura resinosa: secreção resinosa de certos insetos. Usada em esmalte, doces, em spray para cabelos, e em joias. Alternativas: ceras vegetais, zein (de milho).

Gordura de lã: (ver Lanolina)

Gorduras (ver Gorduras Animais)

Essência de pérola: obtidas a partir de escamas de peixe. Constituinte de ácido ribonucleico e ácido desoxirribonucleico e encontrado em todos os tecidos animais e vegetais. Utilizadas em xampus, esmaltes e em outros cosméticos. Alternativas: leguminosas, pérolas sintéticas, ou partículas de alumínio e bronze.

H

Heptanoato de Estearilo: (ver Álcool Estearilíco)

Hialunorato de sóldio: pode ter origem animal ou sintética

Hide: Pele animal

Hidrazida Esteárica: (Ver Ácido Esteárico)

Hidrocortisona: (ver Cortisona)

Hidrogenado Laneth-5, -20, -25: origem animal

I

Ictiocola, Cola de peixe: uma forma de gelatina preparada a partir de membranas internas de bexigas de peixe. Às vezes usada em vinhos e em alimentos. Alternativas: argila bentonita, ictiocola japonesa, agar-agar (veja alternativas à gelatina), mica, um mineral utilizado em cosméticos.

Imidazolina de Sebo: (ver Sebo)

Imidazolina Hidroxietil de soja: origem animal

Imidazolina Oleica: (ver Álcool Oleico)

Inosinato Dissódico: intensificador de sabor frequentemente derivado de carne ou de peixe (sardinha). Também pode ser de origem fúngica ou vegetal.

Insulina: do pâncreas de porcos. Utilizada diariamente por milhões de diabéticos. Alternativas: sintéticos, dieta vegetariana e suplementos nutricionais, insulina humana cultivada em laboratório.

Isoestearato Batil: origem animal

Isomerato de Sacarídeo: de fonte animal

Isopropílico lanolato: (ver Lanolina)

Okala: de peixe, usado na culinária japonesa como uma cobertura ou recheio em muitos pratos. É o ingrediente principal de dashi.

L

Lã: de ovelhas. Usada em roupas. Os cordeiros e ovelhas são abatidos pela sua carne. Carneiros são transportados sem comida ou água em condições extremas de calor e frio. As pernas são quebradas, os olhos feridos etc. Os carneiros são criados para produzir lã, o que não é natural dos animais e gera infestações de insetos em torno de suas áreas traseiras. A solução do agricultor para isto é fazer um doloroso corte da carne do rabo. Ovelhas consideradas inferiores são mortas. Quando as ovelhas são tosquiadas, elas são amarradas violentamente e cortadas de maneira brutal, por isso suas peles são machucadas. Todos os anos, centenas de milhares de ovelhas tosquiadas morrem de exposição ao frio.

Lactato de cálcio: o sal de cálcio do ácido láctico

Lactato ferroso: derivado da ação direta do ácido láctico em limalha de ferro ou da interação de lactato de cálcio com sulfato ferroso.

Lactoferrina: origem animal

Lactose: o açúcar do leite de mamíferos. Utilizada em loções oculares, alimentos, comprimidos, cosméticos, produtos de panificadoras, medicamentos. Alternativas: açúcares de leites vegetais.

Laneth: (ver Lanolina)

Lanogene: (ver Lanolina)

Lanoilamina DEA: (ver Lanolina)

Lanolina Acetilada: origem animal

Lanolina Hidrogenada PEG-5 até PEG-70: origem animal

Ácidos lanolina. Gordura de lã. Cera de lã: um produto das glândulas de óleo de ovelhas, extraídos de sua lã. Usado como um emoliente em muitos produtos de cuidados da pele, em cosméticos e medicamentos. Um alérgeno sem eficácia comprovada. (Veja lã para a crueldade aos carneiros.) Derivativos: álcool alifático, colesterol, isopropílico lanolato, Laneth, Lanogene, álcool de lanolina, lanosterol, esterol, álcoois triterpeno. Alternativas: óleos de plantas e vegetais.

Lanosterol: (ver Lanolina)

Bitartarato de colina: substância cerosa encontrada no tecido nervoso de todos os organismos vivos. Mas frequentemente obtida, para fins comerciais, de ovos e de soja. Também a partir de tecido nervoso, sangue, leite, milho. O bitartarato de colina, o constituinte básico de lecitina existe em muitos tecidos animais e vegetais e pode ser preparado sinteticamente. A lecitina pode ser usada em cremes para os olhos, batons, formas líquidas, cremes para as mãos, loções, sabonetes, xampus, outros cosméticos, e alguns medicamentos. Alternativas: lecitina de soja, sintéticos.

Leucina: aminoácido de origem animal

Leveduras lácticas: origem animal

Linoleato de lanolina: (ver Lanolina)

Lipase: enzima do estômago e glândulas da língua de bezerros, criançaa e cordeiros. Presente em queijos e em adjuvantes da digestão. Alternativas: enzimas vegetais, mamona.

Lipídios: (ver Lipoides)

Lipoides, Lipídios: gordura e substâncias semelhantes à gordura que são encontradas em plantas e animais. Alternativas: óleos vegetais.

Lisina: aminoácido de origem animal

M

Magnésio Lanolato: origem animal

Maionese: pode ter ovos

Massa: pode ter ovos

Mel: alimento das abelhas e produzido por elas. Pode causar reações alérgicas. Usado como corante e emoliente em cosméticos e como aromatizante em alimentos. Nunca deve ser consumido por crianças. Alternativas: em alimentos, melaço, tâmaras, xaropes feitos a partir de grãos, como malte de cevada. Em cosméticos: cores e óleos vegetais

Metionina: aminoácido essencial encontrado em várias proteínas (geralmente de albumina de ovo e caseína). Usado como texturizador e para conversar batatas fritas. Alternativa: sintéticos.

Miristato de isopropila: (ver o ácido mirístico)

Miristato Oleico: (ver Ácido Mirístico)

Miristil éter sulfato: (ver Ácido Mirístico)

Miristilo: (ver Ácido Mirístico)

Mohair: tecido semelhante à seda, produzido a partir da cabra angorá.

Monoglicerídeos. Glicerídeos. (ver Glicerina): a partir de gordura animal. Presentes na margarina, em misturas para bolos, doces, outros alimentos etc. Também usados em cosméticos. Alternativa: glicerídeos vegetais.

Morruato Etil: origem animal

Músculos: carne cozida, orelhas e língua de porco

O

Ocenol: (ver Álcool de Oleyl)

Octilo Dodecanol: mistura de álcoois sólidos ceroso, obtido principalmente a partir de álcool de estearilo. (ver Álcool estearílico)

Oleato Oleico: (ver Ácido Oleico)

Oleil lanolato: origem animal

Oleílico: (ver Álcool Oleico)

Óleo de Emu: de aves ratites nativas da Austrália e agora criadas em fábricas. Utilizado em cosméticos e cremes. Alternativas: vegetais e óleos vegetais.

Óleo de fígado de bacalhau: (ver Óleo Marinho)

Óleo de fígado de peixe: usado em vitaminas e em suplementos. No leite enriquecido com vitamina D. Alternativas: extrato de levedura ergosterol e exposição da pele à luz solar.

Óleo de fígado de tubarão: usado em cremes e loções lubrificantes. Derivados: esqualano, esqualeno. Alternativa: óleos vegetais.

Óleo de Marta. Óleo de Vison: de martas. Presente em cosméticos, cremes etc. Alternativas: óleos vegetais e emolientes tais como óleo de abacate, óleo de amêndoas e o óleo de jojoba.

Óleo de Menhaden: de peixe semelhante ao arenque

Óleo de peixe: (veja Óleo Marinho.) O óleo de peixe também pode ser de mamíferos marinhos. Usado na fabricação de sabonetes.

Óleo de tartaruga. Óleo de tartaruga do mar: extraído dos músculos e órgãos genitais de tartarugas marinhas gigantes. Presente em sabonete, cremes para a pele, cremes para as unhas e outros cosméticos. Alternativas: emolientes vegetais (ver alternativas para óleos e gorduras animais).

Óleo flétan: derivado de fígado de peixe e que inclui lecitina, vitamina A e vitamina D.

Óleo marinho: obtido a partir de peixe ou de mamíferos marinhos (incluindo botos). Usado em na fabricação de sabões, como redutor (especialmente em algumas margarinas), como lubrificante e em pinturas. Alternativa: óleos vegetais.

Óleo Purcellin: origem animal

Óleos e gorduras animais: Usados em alimentos, cosméticos etc. Altamente alergênicos.  Alternativas: azeite de oliva, óleo de gérmen de trigo, óleo de coco, óleo de linhaça, óleo de amêndoas, óleo de cártamo etc.

Óleos: (veja alternativas para óleos e gorduras animais)

Oleosterina: origem animal

Olestra: gordura artificial que contém ácidos graxos. Originalmente planejada para ser comercializado como uma droga. Usada em algumas batatas fritas e em outros alimentos fritos. Alternativa: fontes vegetais.

Oleth-2, Oleth-3 ao 20, Oleth 25, Oleth-50. Oleil Betaína: (ver Ácido Oleico)

Os predadores naturais de ovinos (lobos, coiotes, águias etc.) são envenenados, presos e atingidos com disparos. Nos Estados Unidos, o pastoreio de gado bovino e ovino transforma mais de 150 milhões de acres de terra em deserto. A produção de lã usa quantidades enormes de recursos e energia (para reprodução, criação, alimentação, corte, transporte, morte etc.). Derivativos: lanolina, cera de lã, gordura de lã. Alternativas: algodão, flanela de algodão, de fibras sintéticas, rami etc.

Outras vitaminas, como colina, biotina, inositol, riboflavina etc: Muitas podem vir de fontes animais. Alternativas: vitaminas vegetarianas, fontes vegetais e minerais.

Óxido de Caprilamina: (ver Ácido Caprílico)

Óxido estearamina: (ver Álcool Estearílico)

P

Palmitamida: (ver Ácido Palmítico)

Palmitamina: (ver Ácido Palmítico)

Palmitato Ascorbilo: pode ser ou não de origem animal

Palmitato de cetilo: (ver Espermacete)

Palmitato de isopropila: misturas complexas de isómeros de ácido esteárico e ácido palmítico. (Ver ácido esteárico)

Palmitato: (ver Ácido Palmítico)

Pantenil: (ver Pantenol)

Dexpanthenol. Complexo de vitamina B. Provitamina B-5: pode vir de fontes sintéticas, animais ou vegetais. Usado em xampus, suplementos, emolientes etc. Em alimentos. Derivada: Pantenil. Alternativas: sintéticos, plantas.

Papel encerado: é muitas vezes revestido com parafina ou sebo.

Paracaseína: produto químico da ação da renina ou pepsina em caseína. Usado para fazer queijo e combinado com sais de cálcio solúveis para formar o paracaseínato de cálcio (requeijão)

Pele bovina: (ver Couro)

Pele de carneiro: (ver Couro)

Pele de jacaré: (ver couro)

Pele de animais (geralmente martas, raposas ou coelhos) cruelmente capturados pela mandíbula com armadilhas de aço ou criados em confinamento intensivo em fazendas de peles. Alternativas: sintéticos. (Veja Escovas Sable).

Pelos de animais: Usado em alguns cobertores, colchões, escovas, móveis etc. Alternativas: fibras vegetais e sintéticas.

Pena/Pluma de ganso: penas de ganso ou de pato. De animais mortos ou cruelmente explorados. Usadas como isolantes em colchas, , sacos de dormir, travesseiros, etc. Alternativas: poliéster e substitutos sintéticos, sumaúma (fibras de seda obtidas a partir das sementes de algumas árvores tropicais) e fibras de asclepias.

Penas/Plumas: de animais explorados e mortos. Usadas como ornamentos ou moídas em xampus. (Veja Pena de ganso e queratina.)

Pepsina: do estômago de porcos. Um agente de coagulação. Presente em alguns queijos e vitaminas. Mesmo uso do coalho.

Proteína de Polipéptidos de Placenta: contém resíduos eliminados pelo feto. Derivado do útero de animais mortos. A placenta animal é amplamente utilizada em cremes para a pele, xampus, máscaras, etc. Alternativas: alga marinha. (Veja alternativas para óleos e gorduras animais).

Pó de seda. Seda. Sericina: a seda é uma fibra brilhante feita por bichos para formação de seus casulos. Os bichos da seda são cozidos em seus casulos para obtenção da seda. A seda é usada em tecidos. Em serigrafia (outro tecido fino pode substituir o material). Tafetá pode ser feita a partir de seda ou de nylon. Já o pó de seda é obtido da secreção do bicho da seda e usado como um agente de coloração em pós faciais, sabonetes etc. Pode causar reações cutâneas alérgicas graves e reações sistêmicas se inalado ou ingerido. Alternativas: fibras de flor de cera, nylon, paineira e filamentos de árvores ceiba (sumaúma), rayon e sedas sintéticas.

Pólen de abelha: grãos micrósporos em plantas com sementes recolhidas pelas abelhas, e em seguida, recolhidos a partir as pernas de abelhas. Em algumas pessoas, causa reações alérgicas. Usado em suplementos nutricionais, xampus, cremes dentais, desodorantes. Alternativas: sintéticos, aminoácidos de plantas, pólen coletados de plantas.

Poliamina de sebo PEG-15: origem animal

Poligliceril-2 Lanolina Álcool de Éter: origem animal

Poliglicerol: (ver Glicerina)

Polipeptídeos: ver DNA/RNA

Polipéptidos: obtidos a partir de proteína animal. Usado em cosméticos. Alternativas: proteínas vegetais e enzimas.

Polissorbatos: derivados de ácidos graxos. Utilizados em cosméticos, alimentos.

Pregnenolona Acetato: de vários órgãos e tecidos animais

Pristano: do óleo de fígado de tubarão e de âmbar-cinzento. (Ver Esqualeno, Âmbar) Usado como lubrificante e agente anticorrosivo. Também usado no segmento de cosméticos. Alternativas: óleos vegetais, sintéticos.

Produtos de abelhas: produzidos pelas abelhas para seu próprio uso. As abelhas são seletivamente criadas, mortas e suas pernas normalmente arrancadas. Um açúcar barato é a alternativa para o mel roubado desses animais.

Progesterona: hormônio esteroide utilizado em cremes antirrugas para a pele. Pode ter efeitos sistêmicos adversos. Alternativas: sintéticos.

Propilpabereno: origem animal

Propionato Araquidílico: Uma cera que pode ser derivada de gordura animal. Alternativas: óleo vegetal ou amendoim.

Própolis: seiva de árvore recolhida pelas abelhas e usada como um selante em colmeias. Na composição de cremes dentais, xampus, desodorantes, suplementos etc. Alternativas: seiva de árvore, sintéticos.

Proteína animal hidrolisada: usada no segmento de cosméticos, especialmente em xampus e tratamentos capilares. Alternativas: proteína de soja, outras proteínas vegetais, óleo de amla (veja alternativas à queratina).

Proteína Animal Isotérica Hidrolisada AMPD: origem animal

Proteína animal benziltrimônio hidrolisada: origem animal

Proteína do leite: proteína hidrolisada do leite de vaca. Presente em cosméticos, xampus, hidratantes, condicionadores etc. Alternativas: proteína de soja, outras proteínas vegetais.

Proteína do Ovo: usada em xampus, produtos para pele etc. Alternativa: proteínas vegetais.

Provitamina A: (veja Caroteno)

Provitamina B-5: (veja Pantenol)

Provitamina D-2: (veja Vitamina D)

Q

Quaternium 27: (ver Sebo)

Queratina: proteína moída de chifres, cascos, penas, penas e pelos de diversos animais. Usada em produtos para lavar o cabelo, xampus, permanentes no cabelo. Alternativas: óleo de amêndoas, proteína de soja, óleo de amla (a partir do fruto de uma árvore indiana), cabelo humano em salões de beleza. Alecrim e urtiga também deixam o cabelo mais resistente.

Quimotripsina, Tripsina: enzima derivada principalmente do pâncreas de boi.

Quitina: das partes duras de insetos e crustáceos.

Quitosano: fibra derivada de conchas de crustáceos. Usado em produtos de dieta lipídica, produtos para cabelo, pele e higiene bucal, em antitranspirantes  e desodorantes. Alternativas: framboesas, inhame, legumes, damascos secos e muitas outras frutas e legumes.

R

Reticulina: um dos elementos estruturais (juntamente com elastina e colágeno) do músculo esquelético.

Retinol: vitamina A de fonte animal. Aternativa: caroteno

Ricinoleato de Lanolina Acetilada: origem animal

Ácido ribonucleico: o RNA está em todas as células vivas. Usado em muitos xampus proteicos e cosméticos. Alternativa: células vegetais.

S

Sabor natural: aromatizantes naturais. Podem ser animais, vegetais ou minerais. Na maioria das vezes na indústria de alimentos saudáveis, isso significa uma fonte animal, especialmente em cosméticos.

Sacarídeo Hidrolisado: de fonte animal

Sangue: De qualquer animal morto. Utilizado como adesivo na madeira compensada, também encontrado na fabricação de queijos, espuma de borracha, alimentação intravenosa e medicamentos. Possivelmente em alimentos como lecitina. Alternativas: sintéticos, fontes vegetais.

Sebo Aminopropilamina PEG-3, -10, -15: origem animal

Álcool Graxo de Sebo. Ácido Esteárico: extraídos da gordura da carne. Podem causar eczema e cravos. Usados em papel de cera, lápis de cor, margarinas, tintas, borracha, lubrificantes etc. Em velas, sabonetes, batons, cremes de barbear e outros cosméticos. Produtos químicos (por exemplo, o PCB) podem estar no sebo animal. Derivativos: Seboato de Sódio, Ácido de sebo, Amida de sebo, Amina de sebo, Talloweth-6, Glicerídeos de sebo Imidazolina de sebo. Alternativas: sebo vegetal, sebo do Japão, parafina, ceresinas (veja alternativas à cera de abelha). A parafina é geralmente de petróleo, madeira, carvão, ou óleo de xisto.

Seboato de sódio: (ver Sebo)

Seboato PEG-20: (ver Sebo)

Sódio Metil Oleoyl Taurate: de origem animal

Sódio N-metil-N-oleil Taurtate: de origem animal

Sódio, Proteína animal hidrolisada TEA-Lauroyl: fonte animal

Sorbitano Lanolato PEG-40, -75, -80: origem animal

Soro de leite: geralmente colocado em bolos, biscoitos, doces e pães. Usado na fabricação de queijos. Alternativa: soro de leite de soja.

Substâncias Duodeno: dos tratos digestivos de vacas e porcos. Adicionados a alguns comprimidos de vitaminas e em medicamentos. Alternativas: vitaminas vegetarianas, sintéticos.

T

Talloweth-6: (ver Sebo)

Tirosina: aminoácido normalmente de origem vegetal ou sintética, mas, por vezes, hidrolisado de caseína (leite). Utilizado em cosméticos e cremes. Derivada: Glucose tirosinase.

Treonina: aminoácido encontrado em ovos, leite, gelatina etc.

Triglicérides do Ácido Caprílico: (ver Ácido Caprílico)

Trilaneth-4 Fosfato: de origem animal

U

Undecilenato de sódio: origem animal

Ureia Imidazolidinil: (ver Ureia)

Uréia. Carbamida: normalmente sintética. Quando extraída de animais, é excretada da urina e de outros fluídos corporais. Presente em desodorantes, cremes dentais com amoníaco, enxaguantes bucais, colorações para cabelo, cremes para as mãos, loções, xampus etc. Usada para dar um aspecto marrom em alimentos como pretzels. Derivativos: imidazolidinil ureia , ácido úrico. Alternativa: sintéticos.

V

Velino: fino pergaminho preparado a partir de peles de vitelos ou cordeiros.

Veludo: tecido feito normalmente de seda, mas também pode ser de rayon ou nylon.

Violeta manganês. CI 77742: pode ser de animais, plantas ou produzido sinteticamente

Vitamina A: Pode ser de óleo de fígado de peixe (por exemplo, óleo de fígado de tubarão), gema de ovo, manteiga, erva-cidreira, óleo de germe de trigo, caroteno em cenouras e sintéticos. Um álcool alifático. Presente em cosméticos, cremes, perfumes, tinturas de cabelo etc. Em vitaminas, suplementos. Alternativas: cenouras, outros vegetais, sintéticos. (Por favor, note que a vitamina A existe em duas formas: veja também caroteno, retinol).

Vitamina B12: pode vir de produtos animais ou culturas de bactérias. A marca Twinlab de vitaminas B12 contém gelatina. Alternativas: vitaminas vegetarianas, leites de soja fortificados, levedura nutricional, substitutos de carne fortificados. Em rótulos alimentícios, a vitamina B12 é frequentemente listada como cianocobalamina. Profissionais de saúde advertem que veganos devem tomar entre 5 a10 mcg por dia de vitamina B12 a partir de alimentos fortificados ou suplementos.

Vitamina D. Ergocalciferol. Vitamina D2. Ergosterol. Provitamina D2. Calciferol. Vitamina D3: a vitamina D pode ser de óleo de fígado de peixe, leite, gema de ovo e outros produtos de origem animal, mas também pode vir de fontes vegetais. A vitamina D2 é tipicamente vegana . A vitamina D3 pode ter origem animal. Todas as vitaminas D podem ser utilizadas em cremes, loções, outros cosméticos, comprimidos de vitamina etc. Alternativas: fontes vegetais e minerais, sintéticos, vitaminas completamente vegetarianas, exposição da pele à luz solar.

Vitamina H: (ver Biotina)

Volaise: carne de avestruz 

Números E

Os códigos pintados de roxo podem ser ou não de origem animal, já os pintados de vermelho são de origem animal

E101: riboflavina, vitamina B2

E101a: Riboflavina-5-fosfato

E102: Tartrazina, Cor Amarelo 5, usada pelas indústrias Alimentícia, Farmacêutica e de Cosméticos

E104: Amarelo de quinoleína

E120: ácido carmínico, carmim, Vermelho Natural 4, Cochonilha

E129: vermelho allura, vermelho 40, usado pelas indústrias Alimentícia, Farmacêutica e de Cosméticos

E133: azul 1, azul brilhante FCF, usado pelas indústrias Alimentícia, Farmacêutica e de Cosméticos

E150a: caramelo simples. É produzido por aquecimento hidratos de carbono com ou sem ácidos e álcalis

E150b: caramelo cáustico. É produzido como E150a, mas na presença de compostos de sulfito

E150c: caramelo amoníaco. É produzido como E150a, mas com compostos de amônia

E150d: caramelo de sulfito de amônia. É produzido como o E150a, mas com compostos sulfito e de amônia

E153: Carvão Preto, o carvão vegetal

E170: carbonato de cálcio, giz

E270: ácido láctico

E322: Lecitina

E325: Lactato de Sódio

E326: Lactato de potássio

E327: Lactato de cálcio

E341: fosfato de cálcio

E375: Vitamina B3

E422: glicerina, Glicerol

E431: estearato polioxietileno

E432: polioxietileno, monolaurato de sorbitano, polissorbato 20

E433: polioxietileno, monooleato de sorbitano, polissorbato 80

E434: polioxietileno, monopalmitato de sorbitano, polissorbato 40

E435: polioxietileno, monoestearato de sorbitano, polissorbato 60

E436: polioxietileno, triestearato de sorbitano, polissorbato 65

E441: Gelatina

E470: de sódio, sais de potássio e de cálcio de ácidos graxos, sais de magnésio de ácidos graxos

E471: mono e diglicéridos de ácidos graxos, monoestearato de glicerilo, diestearato de glicerilo

E472: ésteres acéticos de mono- e diglicéridos de ácidos graxos, ésteres de ácido láctico de mono- e diglicéridos de ácidos graxos, ésteres cítricos de mono- e diglicéridos de ácidos graxos, ésteres tartáricos de mono e diglicéridos de ácidos graxos, Mono- e ésteres de ácido diacetil tartárico de mono- e diglicéridos de ácidos graxos, mistura de acético e ésteres de ácido tartárico de mono- e diglicéridos de ácidos graxos.

E473: ésteres de sacarose de ácidos graxos

E474: sucroglicéridos

E475: ésteres de poliglicerol de ácidos graxos

E476: polirricinoleato de poliglicerol

E477: ésteres propano-1, 2-diol de ácidos graxos, ésteres de propilenoglicol de ácidos graxos

E478: ésteres de lactilato de glicerol e de propano-1 de ácidos graxos de glicerol

E479: óleo de soja termicamente oxidada que interage com mono- e diglicéridos de ácidos graxos

E481: estearoil 2-lactil-lactato de sódio

E482: estearoil-2 lactilato de cálcio

E483: Tartarato de estearilo

E491: monoestearato de sorbitano

E492: O triestearato de sorbitano

E494: monooleato de sorbitano

E542: fosfato de osso

E570: ácido esteárico

E572: estearato de magnésio, estearato de cálcio

E585: Lactato ferroso

E631: inosinato dissódico

E640: glicina e o seu sal de sódio

E901: cera de abelha

E904: goma-laca

E910: L-cisteína

E913: lanolina

E920: cloridrato de L-cisteína

Observação: Os chamados “E numbers” são um sistema estabelecido pela União Europeia e usado por alguns países. Segundo a Anvisa, o sistema de categorização de aditivos alimentares usados no Brasil é o International Numbering System(INS). Trata-se do sistema internacional estabelecido pelo  Codex Alimentarius, o programa conjunto da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação/ Organização Mundial de Saúde (FAO/OMS) que desenvolve padrões, manuais e normas alimentares internacionais com o objetivo de proteger a saúde dos consumidores e garantir práticas leais de comércio de alimentos.

Desta forma, um aditivo no Brasil é identificado na rotulagem de alimentos pela sua função, juntamente com seu nome ou seu número INS (Resolução RDC n 259/02).

A Anvisa informa ainda que a nomenclatura de corantes e aditivos em medicamentos seguem as regras estabelecidas pela Denominação Comum Brasileira (DCB), ou, na sua ausência, pela Denominação Comum Internacional (DCI) ou Chemical Abstratcts Service (CAS).

 

 

Fontes: PETA, Veganwolf, Logical Harmony e Vegan Peace via www.anda.jor.br


Busca


Sábado, 24 de Junho de 2017



Acessos

Curta nossa página no facebook



Rainha Maria

Glória de Deus

Mulher Vestida de Sol