‹ voltar



Japão aprova primeiros experimentos com embriões de humanos e animais

Por n3m3 em 30 de julho de 2019 

 

 

Cientista japonês planeja inserir células humanas em embriões de ratos (foto). Crédito: Science Pictures ltd / SPLCientista japonês planeja inserir células humanas em embriões de ratos (foto). Crédito: Science Pictures ltd / SPL

Hiromitsu Nakauchi, que lidera equipes da Universidade de Tóquio e da Universidade de Stanford, na Califórnia, planeja cultivar células humanas em embriões de ratos e camundongos, e então transplantar esses embriões em animais substitutos. O objetivo final de Nakauchi é produzir animais com órgãos feitos de células humanas que podem, eventualmente, ser transplantados para as pessoas.

Até março, o Japão proibia explicitamente o crescimento de embriões animais contendo células humanas além de 14 dias ou o transplante de tais embriões em um útero substituto. Naquele mês, o ministério de educação e ciência do Japão emitiu novas diretrizes permitindo a criação de embriões de humanos e animais que podem ser transplantados em animais substitutos e trazidos a termo.

Os embriões híbridos humano-animal foram fabricados em países como os Estados Unidos, mas nunca chegaram a termo. Embora o país permita esse tipo de pesquisa, os Institutos Nacionais de Saúde tiveram uma moratória no financiamento desse trabalho desde 2015.

Os experimentos de Nakauchi são os primeiros a serem aprovados de acordo com as novas regras do Japão, por um comitê de especialistas no ministério da ciência. A aprovação final do ministério é esperada para o próximo mês.

Nakauchi diz que planeja continuar devagar, e não tentará levar nenhum embrião híbrido a termo por algum tempo. Inicialmente, ele planeja cultivar embriões de camundongos híbridos até 14,5 dias, quando os órgãos do animal são formados principalmente e é quase a termo. Ele fará os mesmos experimentos em ratos, cultivando os híbridos a curto prazo, cerca de 15,5 dias.

Mais tarde, Nakauchi planeja solicitar a aprovação do governo para cultivar embriões híbridos em porcos por até 70 dias.

O pesquisador de política científica, Tetsuya Ishii, da Universidade de Hokkaido em Sapporo, Japão, diz: ' É bom seguir passo a passo com cautela, o que tornará possível ter um diálogo com o público, que está se sentindo ansioso e preocupado.'

 

Preocupações éticas

Alguns bioeticistas estão preocupados com a possibilidade de que as células humanas possam ir além do desenvolvimento do órgão visado, viajar para o cérebro do animal em desenvolvimento e potencialmente afetar sua cognição.

Nakauchi diz que essas preocupações foram levadas em consideração no projeto do experimento.

Ele disse: ' Estamos tentando fazer a geração de órgãos direcionados, de modo que as células irão apenas para o pâncreas.'

A estratégia que ele e outros cientistas estão explorando é criar um embrião animal que não possua um gene necessário para a produção de um determinado órgão, como o pâncreas, e então injetar células-tronco pluripotentes induzidas pelo homem (iPS) no embrião animal.

As células iPS são aquelas que foram reprogramadas para um estado semelhante ao embrionário e podem dar origem a quase todos os tipos de células. À medida que o animal se desenvolve, ele usa as células iPS humanas para produzir o órgão, o qual ele não pode produzir com suas próprias células.

Em 2017, Nakauchi e seus colegas relataram a injeção de células iPS de camundongos no embrião de um rato incapaz de produzir um pâncreas. O rato formou um pâncreas feito inteiramente de células de rato. Nakauchi e sua equipe transplantaram o pâncreas de volta para um camundongo que havia sido projetado para ter diabetes.

O órgão produzido em ratos conseguiu controlar os níveis de açúcar no sangue, curando efetivamente o camundongo do diabetes1.

Mas fazer células humanas crescerem em outra espécie não é fácil. Nakauchi e seus colegas anunciaram na reunião de 2018 da American Association for the Advancement of Science em Austin, Texas, que eles haviam colocado células iPS humanas em embriões de ovelhas que haviam sido projetadas para não produzir um pâncreas. Mas os embriões híbridos, cultivados por 28 dias, continham muito poucas células humanas e nada parecido com órgãos. Isto é provavelmente devido à distância genética entre humanos e ovelhas, diz Nakauchi.

Não faz sentido levar a termo embriões híbridos humano-animal usando espécies evolutivamente distantes, como porcos e ovelhas, porque as células humanas serão eliminadas dos embriões hospedeiros no início, diz Jun Wu, que pesquisa quimeras de humanos e animais no Southwestern Medical Center da Universidade do Texas, em Dallas.

Wu diz: 'Entender a base molecular e desenvolver estratégias para superar essa barreira será necessário para avançar o campo.'

Nakauchi diz que a aprovação no Japão permitirá que ele ataque esse problema. Ele fará experimentos com células iPS em estágios sutilmente diferentes e experimentará com algumas células iPS geneticamente modificadas para tentar determinar o que limita o crescimento de células humanas em embriões de animais.

 

Fonte: https://www.nature.com/articles/d41586-019-02275-3   via www.ovnihoje.com

 

‘Mil e uma formas de engano giram em torno da humanidade, tanto é assim que os cientistas investiram sua existência e seu tempo para procurar como superar-Me, criando vida à sua vontade, chegando até a integrar dentro do corpo de um animal, tecido humano, causando uma série de aberrações contra a natureza humana. A Torre de Babel é pequena diante do que esta geração chegou a realizar..., de igual maneira será grande o que advirá à humanidade.’ (Jesus ​​Cristo a Luz de Maria, em 21-01-2016)

 

 

 


Busca


Sexta-feira, 23 de Agosto de 2019







Acessos

Curta nossa página no facebook



Rainha Maria

Glória de Deus

Mulher Vestida de Sol