‹ voltar



'NINGUÉM DE MODO ALGUM VOS ENGANE. PORQUE PRIMEIRO DEVE VIR A APOSTASIA...' (2 Ts 2, 3) Documento final do Sínodo da Amazônia pede padres casados e diaconato feminino

n/d

CIDADE DO VATICANO – A reunião do Sínodo dos Bispos para a região pan-amazônica aprovou um documento final que pede a ordenação de homens casados ​​como padres e a consideração de mulheres para a ordenação diaconal. O documento de 33 páginas, aprovado em 26 de outubro (2019), é o resultado de uma reunião de três semanas em Roma. Os 181 membros votantes do sínodo, juntamente com representantes de comunidades indígenas, ordens religiosas, grupos leigos e instituições de caridade, discutiram uma série de questões relacionadas à região, espalhadas por nove países.

Nas sessões ordinárias do Sínodo dos Bispos, os delegados são eleitos pelas conferências episcopais do mundo. Na sessão especial para a região pan-amazônica, todos os participantes foram convidados por convite especial. O documento apresenta as reflexões e conclusões da assembléia sinodal sobre temas que vão desde ambientalismo, inculturação na Igreja e direitos humanos das comunidades indígenas em face da exploração econômica, ambiental e cultural.

O texto preliminar foi apresentado à assembléia na noite de sexta-feira e várias emendas foram propostas e debatidas durante o processo de aprovação. O documento sinodal não possui autoridade magisterial; as conclusões são apresentadas ao Papa Francisco, que publicará seu próprio documento posteriormente. Um dos itens mais esperados e provavelmente controversos do documento é o apelo dos padres sinodais à ordenação de homens casados ​​comprovados, os chamados  viri  probati, em face de uma escassez aguda de padres em muitas partes da região. “Muitas comunidades eclesiais do território amazônico têm enormes dificuldades em acessar a Eucaristia”, diz o documento, observando que algumas comunidades passam meses, até anos entre visitas de um padre.

Os padres sinodais disseram que “apreciam o celibato como um presente de Deus, na medida em que esse dom permite que o discípulo missionário, ordenado ao sacerdócio, se dedique totalmente ao serviço do Santo Povo de Deus”. Mas os bispos concluíram , “A diversidade legítima não prejudica a comunhão e a unidade da Igreja, mas a expressa e serve.” 

O documento propõe “estabelecer critérios e disposições por parte da autoridade competente… ordenar como sacerdote homens adequados e estimados da comunidade, que tiveram um diaconado permanente frutífero e recebem uma formação adequada para o sacerdócio, tendo legitimamente um família constituída e estável, para sustentar a vida da comunidade cristã ”. Esses critérios, juntamente com cada parágrafo individual do texto, foram aprovados por dois terços dos votos dos membros votantes do sínodo. 

Falando após o término da sessão, o cardeal Peter Turkson disse que o processo de votação decorreu sem problemas e que todos os artigos do documento passaram por uma margem confortável.

O bispo Erwin Kräutler, chefe aposentado da prelatura do Xingu na Amazônia brasileira, disse a jornalistas que a proposta para a ordenação de homens casados ​​não era uma surpresa. “É o que esperávamos, é claro”, disse Kräutler. O artigo passou por uma margem de 128-41. Kräutler tem sido um defensor inflexível do clero casado, em entrevista coletiva em 9 de outubro que “não há outra opção” para a região, e disse que os povos indígenas na Amazônia não conseguiram entender o testemunho evangélico do celibato.

Enquanto a proposta de permitir a ordenação de homens casados ​​conquistou uma clara maioria de participantes do sínodo, a questão do clero casado foi um ponto focal de debate durante as semanas do sínodo. Pouco antes da abertura do sínodo, o cardeal Marc Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos, publicou um  livro  intitulado  Amigos do Noivo: Para uma Visão Renovada do Celibato Sacerdotal, e o cardeal Robert Sarah, chefe da Congregação para o Culto Divino, tornou públicos vários intervenções em favor do celibato. 

O documento final do sínodo vinculou explicitamente a proposta ao ministério “nas áreas mais remotas da Amazônia”, mas reconheceu que vários dos participantes sinodais “eram a favor de uma abordagem mais universal do assunto”.

Ao apresentar o documento em uma conferência de imprensa na noite de sábado, o cardeal Michael Czerny, secretário especial do Sínodo, disse que alguns membros acham que a proposta de mudar a disciplina do celibato clerical deve ser reservada à Igreja universal. “Outros achavam que as normas existentes do direito canônico… nos permitem considerar isso no contexto de uma região específica”, disse Czerny, que também atua como subsecretário da Seção de Migrantes e Refugiados do Dicastério para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral.

O cardeal Osward Gracias, arcebispo de Bombaim e conselheiro próximo do papa, disse em uma entrevista no sábado que era a favor da proposta, na medida em que representava uma mudança meramente disciplinar. “Eu acho que a lei canônica atual… diz que é um impedimento se você tiver uma esposa para receber ordens, mas é um impedimento que pode ser dispensado pela Santa Sé – e foi dispensado. Mas acho que deve haver critérios muito claros, condições colocadas [na proposta] ”, disse Gracias, referindo-se à maneira como a Igreja havia trabalhado para incorporar ex-ministros anglicanos casados ​​que haviam sido ordenados como sacerdotes católicos.

O documento sinodal também pedia novos e aprimorados papéis ministeriais para as mulheres na vida da Igreja na região. Observando que “o Magistério da Igreja desde o Concílio Vaticano II destacou o lugar central que as mulheres ocupam na Igreja”, o documento pedia que a Igreja “reconhecesse e promovesse [a liderança das mulheres], fortalecendo sua participação nos conselhos pastorais, paróquias e dioceses, ou mesmo em instâncias de governo. ”

Os bispos também reconheceram que na Amazônia “a maioria das comunidades católicas são lideradas por mulheres” e pediram “que fosse instituída a instituição de um ministério para que a ‘liderança feminina da comunidade’ fosse criada e reconhecida a serviço das demandas mutantes da evangelização e assistência comunitária. ” Os bispos também observaram que “em um grande número dessas consultas, foi solicitado o diaconado permanente para as mulheres”. “Por esse motivo, o tema foi importante durante o sínodo”, escreveram os bispos, mas observaram que o papa Francisco já havia criado uma comissão para examinar a questão e solicitou que eles tivessem a chance de se alimentar desse processo.

 

Ministério oficial de mulheres na Missa

LifeSiteNews ) – O documento final do Sínodo da Amazônia pede a permissão dos ministérios da mulher na missa, dizendo especificamente que as mulheres podem “receber os ministérios de Leitor e de Acólito, entre outros, a serem desenvolvidos”. Não solicitando especificamente um “diaconato” permanente para as mulheres, refere-se à Comissão criada pelo Papa Francisco para estudar a questão e diz que os Padres sinodais compartilharão suas observações com a Comissão e aguardarão o relatório da Comissão (parágrafo 103).

“É urgente que a Igreja Amazônica promova e confira ministérios para homens e mulheres de maneira equitativa”, afirma o documento (parágrafo 95). Citando a exortação do Papa Francisco Evangeli Gaudium , o documento do Sínodo (parágrafo 99) pede que a Igreja “crie oportunidades ainda mais amplas para uma presença feminina mais incisiva na Igreja”. Citando novamente o Papa Francisco (de um discurso de 2013), diz , “Não reduzamos o compromisso das mulheres na Igreja, mas promovamos sua participação ativa na comunidade eclesial.”

“O Magistério da Igreja desde o Concílio Vaticano II destacou o lugar de liderança que as mulheres ocupam dentro dele”, diz o documento (parágrafo 100). E citando o Papa Paulo VI, acrescenta: “Chegou a hora, chegou a hora de a vocação da mulher ser plenamente cumprida, a hora em que a mulher adquire no mundo uma influência, um peso, um poder nunca alcançado até agora.”

O documento pede ao papa que crie um ministério específico para mulheres na Amazônia chamado “líder comunitária da mulher”.

O documento do sínodo abre feridas dolorosas na Igreja Católica, onde a abordagem modernista predominou na maioria das vezes entre paróquias não-latinas (forma não-extraordinária). O documento basicamente exige um papel oficial para as mulheres para o serviço no altar, que as mulheres já desempenham na maioria das igrejas no Ocidente. Igrejas católicas mais tradicionais, mesmo dentro das paróquias não latinas (Rito Ordinário), mantiveram a prática de não permitir o “serviço” das mulheres no altar como eleitores, servidores do altar ou ministros (extraordinários) da Santa Comunhão.

Embora o subsídio para o serviço das mulheres seja amplo, os argumentos contra essa prática são notavelmente autoritários, tanto nas Escrituras quanto nos escritos dos papas ao longo dos séculos.

São Paulo em 1 Coríntios. 14:34 escreve: “As mulheres devem permanecer caladas nas igrejas” – uma lei que foi seguida na Igreja até que várias interpretações do Concílio Vaticano II viram mulheres lendo as Escrituras na missa, mas não o Evangelho.

A encíclica Allatae Sunt, de 1755, do Papa Bento XIV resume a história e os ensinamentos da Igreja, dizendo:

“O Papa Gelasius, em sua nona carta (cap. 26) aos bispos de Lucania, condenou a prática maligna que havia sido introduzida de mulheres servindo o sacerdote na celebração da Missa. Como esse abuso se espalhou para os gregos, Inocente IV proibiu-o estritamente. em sua carta ao bispo de Tusculum: ‘As mulheres não devem ousar servir no altar; elas deveriam ser totalmente recusadas ​​neste ministério. ‘ Nós também proibimos essa prática com as mesmas palavras em nossa constituição freqüentemente repetida Etsi Pastoralis, seita. 6, n. 21.”(Papa Bento XIV, Encíclica Allatae Sunt , 26 de julho, 1755, n. 29)

Quanto a uma sugestão para as “diáconas”, o papa João Paulo II enfatizou a impossibilidade de “ordenação” feminina no documento de 1994 Ordinatio Sacerdotalis :

Embora o ensino de que a ordenação sacerdotal deva ser reservada somente aos homens tenha sido preservado pela Tradição constante e universal da Igreja e firmemente ensinado pelo Magistério em seus documentos mais recentes, atualmente, em alguns lugares, ainda é considerado ainda aberto para debater, ou o julgamento da Igreja de que as mulheres não devem ser admitidas à ordenação é considerado uma força meramente disciplinar.

Portanto, para que todas as dúvidas sejam removidas em relação a uma questão de grande importância, uma questão que pertence à própria constituição divina da Igreja, em virtude do meu ministério de confirmar os irmãos (cf. Lc 22, 32), declaro que a Igreja não tem autoridade alguma para conferir a ordenação sacerdotal às mulheres e que esse julgamento deve ser mantido definitivamente por todos os fiéis da Igreja.

O papa João Paulo II também apontou Nossa Senhora como a prova definitiva de que as mulheres não deveriam estar no ministério ordenado, pois, como ele sugeriu, era Cristo por ter escolhido qualquer mulher na história para ordenação, teria sido sua mãe. Ele disse:

'O fato de a bem-aventurada Virgem Maria, mãe de Deus e mãe da Igreja, não ter recebido nem a missão própria dos apóstolos nem o sacerdócio ministerial mostra claramente que a não admissão de mulheres na ordenação sacerdotal não pode significar que as mulheres são de menor dignidade, nem pode ser interpretado como discriminação contra elas. Pelo contrário, deve ser visto como a fiel observância de um plano a ser atribuído à sabedoria do Senhor do universo.'

 

Palavras do Papa Francisco

Em seu discurso na sessão de encerramento do Sínodo no sábado, o Papa Francisco disse que consideraria reconstituir a comissão, que estabeleceu em 2016 sob os auspícios da Congregação para a Doutrina da Fé, para examinar o papel histórico das diáconas. E expandir a comissão para incluir novos membros.  

No início deste ano, o papa abordou a questão diretamente, observando que “as fórmulas de ‘ordenação’ das diáconas encontradas até agora, segundo a comissão, não são as mesmas para a ordenação de um diácono masculino e são mais parecidas com o que hoje seria a bênção abbatial de uma abadessa. ” 

Por si só, o documento sinodal final não possui autoridade didática ou vinculativa própria. Os sínodos são meramente assembléias consultivas, convocadas pelo papa ou por um bispo, para aconselhar sobre algum tópico em particular. Normalmente, após uma reunião do Sínodo dos Bispos em Roma, o papa emite uma exortação apostólica pós-sinodal.

Em suas declarações no sínodo no sábado, Francisco disse que esperava emitir uma exortação antes do final do ano, se o tempo permitir. 

Durante a conferência de imprensa no sábado, Paulo Ruffini, prefeito do Dicastério do Vaticano para Comunicações, confirmou que o papa esperava emitir uma exortação “dentro de um período relativamente curto de tempo”.

 

Fonte: https://templariodemaria.com.br/documento-final-do-sinodo-da-amazonia-pede-padres-casados-e-diaconato-feminino/

 

"Orai, filhos meus, orai pela Igreja para que, como Corpo Místico de meu Filho, resista aos embates das novidades que não são Vontade Divina."

(Virgem Maria a Luz de Maria, em 20-10-2019)

 

 


Busca


Segunda-feira, 18 de Novembro de 2019







Acessos

Curta nossa página no facebook



Rainha Maria

Glória de Deus

Mulher Vestida de Sol