‹ voltar



QUANDO O FILHO DO HOMEM VOLTAR, ACHARÁ FÉ SOBRE A TERRA? (Lc 18, 8) Onde está a indignação com a blasfêmia a Jesus?

 

Numa época não muito distante, quando acontecia algum atentado contra a fé, toda a Igreja se levantava, imperiosa e destemida, para defender os direitos dos cristãos e o temor a Deus. Quando o sacrário dos Mares foi profanado na década de 50, o Cardeal da Bahia, Dom Augusto, fez a cidade de Salvador parar e participar de um ato solene e campal, em desagravo. Agora, nestes tempos sombrios, os inimigos sapateiam em cima da gente, fazem todo tipo de chacota com a nossa santa religião, e por incrível que pareça, reina um absoluto silêncio, uma grande indiferença. A Igreja apanha, nosso Deus é ridicularizado, e só uma minoria grita. Foi por isso que Jesus perguntou há 2000 anos: “quando o Filho do Homem voltar, achará fé sobre a Terra?””  (Lc 18, 8) – (Padre Gabriel Vila Verde)  

 

Artigo:

Cardeal Burke critica o silêncio dos bispos com a blasfêmia da Netflix

18 de dezembro de 2019 (La Nuova Bussola Quotidiana) – Um streaming da Netflix de um filme blasfemo que retrata um Jesus gay e um pôster que retrata Jesus no ato de impulsos pedófilos exibidos em um museu em Roma, são nojentos para o mundo católico. Cardeal Burke: “A arte se tornou uma expressão dos sem sentido da vida sem Deus; eles odeiam a Cristo porque ele revela esse vazio”. “É escandaloso que bispos e padres permaneçam calados quando Deus é atacado, é um sinal da grave crise na Igreja”. “Os fiéis devem fazer atos de reparação e fazer uso de todos os meios legais para impedir que essas obscenidades proliferem”.

“Eles chamam isso de arte, mas é uma expressão do vazio da vida sem Deus e da rebelião contra a lei que Deus colocou no coração de todas as pessoas. E o silêncio de padres e bispos diante desses ataques repugnantes ao Senhor. É um sinal de que também a situação na Igreja é muito séria”.

n/d O cardeal Raymond L. Burke não mede suas palavras ao julgar os trabalhos blasfemos clamorosos mascarados como expressão artística. Em particular, apenas recentemente, dois casos conquistaram as manchetes: o cartaz obsceno de um pedófilo Jesus em exibição fora do Museu de Arte Contemporânea de Roma (Macro) e o filme sobre um Jesus gay (“A primeira tentação de Cristo”), na plataforma de streaming da Netflix, que está provocando uma reação muito forte das comunidades cristãs de todo o mundo. E para não perder a cereja do bolo, há o caso do mega-pôster afixado em um prédio do Vaticano na Via della Conciliazione, em Roma, a poucos passos de San Pietro, anunciando o filme – também na Netflix – intitulado ” Os dois papas “, uma operação comercial de conteúdo duvidoso que deixou perplexo e escandalizou muitos fiéis que passavam.

Cardeal Burke, há um crescimento de obras blasfemas com a presunção de ser artístico. O que está acontecendo?

Em primeiro lugar, é um fenômeno devido em parte ao niilismo nas Artes, que não é mais uma expressão da verdade, beleza e bondade, mas se tornou uma expressão do vazio de uma vida sem Deus; eles são a expressão de rebelião contra a lei que Deus colocou em nossos corações. Esta é a sociedade de hoje; mas há também um aspecto que diz respeito à Igreja: o panteísmo entrou, o sincretismo com as religiões não-cristãs e até o secularismo. A figura de Jesus tornou-se relativizada. Ele não é mais o único Salvador, mas reduzido a ser um homem bom, um símbolo, portanto, com todos os méritos e defeitos de um homem. Para um cristão, isso é a coisa mais séria que poderia acontecer: Cristo se converteu em qualquer símbolo. Basta ler o que foi escrito nos documentos preparatórios do Sínodo da Amazônia: Jesus não é mais aquele que dá ordem a tudo, mas parte do cosmos… É inacreditável.

Pode-se argumentar que, mesmo que Sua divindade única não seja mais reconhecida, não está claro por que deveria haver tanta raiva contra Sua pessoa, por que desfigurar Seu rosto?

Esta é a vida sem Deus; não há indiferença, mas uma reação evidente e irada para destruir Aquele que é um sinal de contradição, que revela o vazio que existe na vida. Eles não podem tolerar Sua luz.

No que diz respeito à luz, um tema típico de Natal. Parece uma coincidência estranha que esses ataques blasfemos ocorram exatamente quando a Igreja está se preparando para o Natal.

Não é uma coincidência, é um ato diabólico. O diabo chega em cena para destruir a alegria do Natal, ele tenta roubar a alegria dos cristãos.

Uma coisa que não pode deixar de ser percebida é o silêncio da Igreja diante desses ataques blasfemos. Os políticos tomaram medidas contra o manifesto Macro, os leigos protestaram contra o filme da Netflix com uma grande coleção de assinaturas, mas em ambos os casos não houve nenhum sinal forte do topo, dos pastores.

Você está certo, este silêncio de bispos e padres é um escândalo. Não tenho dúvidas de que também existem bons padres que defendem seu rebanho, mas infelizmente são casos isolados. Também na Igreja, uma visão politizada da vida tem precedência: está dividida em campos opostos, conservadores ou progressistas, a favor ou contra o Papa. Tudo isso é absurdo. A Igreja é guiada pela verdade, não por conveniência política. Em vez disso, a tendência é fazer o que é politicamente correto; assim, mesmo quando o Senhor é alvo de um ataque repugnante, há silêncio. É uma indicação clara de que a situação na Igreja é muito séria.

Mas, diante desses ataques, o que um crente deve fazer? Qual deve ser o próximo passo após a óbvia indignação e dor?

Antes de tudo, devem ser realizados atos de reparação. Intenções de oração oferecidas para reparar essas terríveis ofensas. Também penitências devem ser servidas para esse fim. Mas então devemos usar todos os dons dados por Deus que temos para impedir que essas obscenidades se espalhem: a escrita e qualquer outra ação legítima para impedir a recorrência e a disseminação de atos blasfemos. Devemos perguntar quem são os patrocinadores de certas exposições ou eventos, quais teatros ou salas os acolhem; e faça um balanço.

Matéria do site LifeSiteNews (que postou com permissão da La Nuova Bussola Quotidiana).

 

Visto em: https://salveroma.com/2019/12/18/cardeal-burke-critica-o-silencio-dos-bispos-com-a-blasfemia-da-netflix/

 

Nota:

Importante destacar que, ligados a Igreja Católica, identificamos que se manifestaram na mídia, sobre o blasfemo Especial de Natal:

Pode ter havido alguma manifestação na web que não tenhamos identificado, portanto esta postagem poderá ser revista e alterada a qualquer tempo, com o acréscimo de informações.  

 

O quanto você, que é cristão, se engaja na defesa de Jesus quando ele é vilipendiado? O que de fato faz para dar testemunho de seu filial amor a Deus quando ele é ridicularizado, blasfemado, ofendido?

Rezar, sim, sempre. Mas ocorre que estamos em um momento que nos pede muito mais além da oração; pede também um testemunho firme, que é mostrarmos, de fato, ao mundo, que somos cristãos e estamos dispostos a refutar, rejeitar e combater contra tudo que venha a depreciar, zombar, escarnecer de Deus, de Jesus, de Nossa Senhora, de Jesus Eucarístico. É a hora de nos mantermos fiéis ao TESTEMUNHO DE JESUS, conforme está escrito em Apocalipse 12, 17.


“Então, irou-se tremendamente o Dragão contra a mulher e partiu para atacar o restante da sua descendência, os que obedecem aos mandamentos de Deus e se mantêm fiéis ao testemunho de Jesus. E assim, o Dragão se colocou em pé sobre a areia do mar.” (Apocalipse 12:17)


Busca


Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2020







Acessos

Curta nossa página no facebook



Rainha Maria

Glória de Deus

Mulher Vestida de Sol