‹ voltar



O que é o ‘cisne verde', que pode causar a próxima crise financeira mundial

Por Cecilia Barría - BBC News Mundo
12 fevereiro 2020

Diferente de outras crises passageiras, as mudanças climáticas trazem um comprometimento diferente para o futuro.Diferente de outras crises 'passageiras', as mudanças climáticas trazem um comprometimento diferente para o futuro.

Quando o dinheiro estava correndo fartamente nos corredores de Wall Street e a festa parecia nunca acabar, poucos viram que uma crise financeira brutal estava a caminho. Seus efeitos profundos pelo mundo contam esta história até hoje. Após a crise de 2008, a urgência em tentar antecipar crises como essa cresceu tanto quanto o medo da reincidência. Foi nessa época que os economistas começaram a usar o termo "cisne negro" para se referir a eventos fora da curva e que têm um forte impacto negativo ou até catastrófico.

Na semana passada, o Bank for International Settlements (BIS), conhecido como "o banco dos bancos centrais", com sede na Suíça, publicou o livro The green swan (O cisne verde), um estudo de Patrick Bolton, Morgan Despres, Luiz Pereira da Silva, Frédéric Samama e Romain Svartzma.

A partir do cisne negro, os autores criaram a figura do "cisne verde" para se referir à perspectiva de uma crise financeira causada pelas mudanças climáticas.  "Os cisnes verdes são eventos com potencial extremamente perturbador do ponto de vista financeiro", resumiu à BBC News Mundo o brasileiro Luiz Pereira da Silva, vice-diretor geral do BIS e co-autor do estudo.

 

Efeito cascata

O economista explica que eventos climáticos extremos, como os recentes incêndios na Austrália ou furacões no Caribe, aumentaram sua frequência e magnitude, o que traz grandes custos financeiros. Explicam os prejuízos as interrupções na produção, destruição física de fábricas, aumentos repentinos de preços, entre outros. Pessoas, empresas, países e instituições financeiras podem ser afetados.

Recentemente, no Brasil, fortes chuvas com intensidade muito superior à média mensal castigaram os Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, causando dezenas de mortes, prejuízos materiais e interrupções de atividades produzindo um efeito negativo ainda não totalmente medido na economia.

"Se houver um efeito cascata na economia, outros setores também sofrerão perdas. Tudo isso pode acabar em uma crise financeira", diz Pereira da Silva. A esse cenário são adicionados outros riscos que o especialista chama de "transição", altamente perigosos. Isso ocorre quando, por exemplo, há uma mudança abrupta nos regulamentos, como uma proibição repentina da extração de combustíveis fósseis. Ou se houver uma mudança inesperada na percepção do mercado e, por exemplo, os proprietários de certos ativos financeiros decidirem repentinamente se livrar deles. Nesse caso, se produz um efeito em cascata: o pânico afeta outros investidores, que acabam se desfazendo de ativos.

Todos esses riscos estão sendo estudados por bancos centrais e reguladores do sistema financeiro, que buscam uma maneira de antecipar ou se prevenir para a chegada de um cisne verde.

 

Como enfrentar um cisne verde?

A verdade é que, nos círculos financeiros, não há resposta para essa pergunta. Os autores do livro explicam que os modelos de previsão do passado não foram projetados para incluir as mudanças climáticas. É por isso que eles convidam outros pesquisadores a desenvolver novas fórmulas considerando isto.

Os autores também alertam que, se uma crise como a de 2008 acontecer de novo, os bancos centrais não terão mais como auxiliar no resgate mundial como naquele tempo — quando tiveram papel vital reduzindo as taxas de juros a níveis historicamente mínimos. Acontece que, mais de uma década depois, as taxas continuam baixas, o que deixa pouco espaço de manobra para estimular as economias e impulsionar o crescimento. O livro também afirma que os níveis mínimos de capital acumulado para enfrentar crises, exigidos pelos regras atuais, não seriam suficientes para mitigar os efeitos de um cisne verde no sistema financeiro.

Outros alertas já vieram também de outras partes do mercado. Larry Fink, diretor executivo do BlackRock, o maior fundo de gerenciamento de ativos do mundo, alertou em meados de janeiro que as mudanças climáticas estão prestes a desencadear uma grande reforma.  "Estamos à beira de uma mudança fundamental no sistema financeiro", escreveu Fink em sua carta anual aos acionistas. Ele explica que "as mudanças climáticas se tornaram um fator determinante nas perspectivas de longo prazo das empresas" e prevê que uma realocação significativa de capital ocorrerá "antes do previsto""As mudanças climáticas são quase sempre a principal questão que os clientes em todo o mundo levantam para o BlackRock. Da Europa à Austrália, América do Sul, China, Flórida e Oregon, os investidores perguntam como devem modificar seus portfólios de investimentos".

E embora Fink não seja uma autoridade política ou monetária, sua empresa administra ativos avaliados em quase US$ 7 trilhões. Portanto, quando ele fala, é ouvido com atenção.

"Durante os 40 anos de minha carreira em finanças, testemunhei uma série de crises e desafios financeiros: aumento da inflação nos anos 70 e início dos 80; a crise monetária asiática em 1997; a bolha da internet e a crise financeira global", afirmou. "Mesmo quando esses episódios duraram muitos anos, eles eram todos de um tipo de curto prazo. É diferente com as mudanças climáticas."

 

5 grandes riscos

Em The green swan, os autores identificam cinco tipos de riscos associados às mudanças climáticas que podem contribuir para uma crise financeira. São eles:

  1. Risco do crédito: as mudanças climáticas podem atrapalhar os devedores a honrar seus compromissos. Além disso, a possível depreciação dos ativos utilizados como garantia para os empréstimos também pode contribuir para o aumento dos riscos de crédito.
  2. Risco dos mercados: se houver uma mudança acentuada na percepção de rentabilidade pelos investidores, poderá haver vendas rápidas de ativos (liquidações de preços baixos), o que pode desencadear uma crise financeira.
  3. Risco de liquidez: ele também pode afetar bancos e instituições financeiras não bancárias. Se estes não conseguirem se refinanciar no curto prazo, isto poderia levar a uma crise maior.
  4. Risco operacional: ocorre quando, como resultado de um evento climático extremo, escritórios, redes de computadores ou data centers têm problemas em funcionar.
  5. Risco de cobertura: no setor de seguros, uma quantidade maior de sinistros poderia ser acionada, colocando as empresas do ramo em xeque.

 

Visto em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-51452947

 

"Deveis levar a sério tudo o que vos revelo, sejais filhos obedientes e não desconsidereis Meus chamados. Esperáveis sinais que vos indicassem que o início do cumprimento de Minhas advertências e as de Minha Mãe se cumpririam? Já os estais vivendo, não continueis apegados ao deus dinheiro, a guerra que as potências mantêm fará cair a economia, e quantos de meus filhos perderão a razão por causa disso! Como doi Meu Coração!" (Jesus Cristo a Luz de Maria, em 09-07-2019)

"Grandes mudanças ocorrerão em toda a Terra, a natureza fustigará as grandes nações e as pequenas nações, repetidas vezes. O homem apegado ao dinheiro cairá sem esse deus que criou e do qual se orgulha. Vós sois aqueles que testemunharão as grandes mudanças da terra, os grandes cataclismos e no final direis: tudo sobre o que fomos advertidos cumpriu-se." (Jesus Cristo a Luz de Maria, em 28-09-2018)

"Orai, Meus filhos, orai, o homem fica desorientado perante a queda inesperada do deus dinheiro." (Jesus Cristo a Luz de Maria, em 08-02-2017)

"O homem sem o deus dinheiro se impacienta, se levanta contra seus irmãos e os saques se tornam iminentes, preparai-vos para isto. Cresçais no Amor a Deus e ao próximo para que não percais a sanidade devido a isso." (São Miguel Arcanjo a Luz de Maria, em 12-10-2019)

"Mais uma vez tenho que dizer-vos que as economias do mundo cairão uma a uma, entrarão em colapso e aqueles que confiaram as suas vidas ao deus dinheiro, se encontrarão num terrível estado de desespero, tanto que alguns não o suportarão. Agora sim digo-vos, Meus filhos, que o pobre se sentirá rico, porque não carecerá de mais do que precisa e que não possui, mas o rico e ostentoso se sentirá pobre, porque carecerá do que ostentou e não voltará a possuir mais." (Jesus Cristo a Luz de Maria, em 10-10-2018)

"Não vos confundais, Meus filhos, mantende-vos alerta em todos os aspectos. Quando a economia aparentar grande solidez, não confieis nisto. Eu vejo mais além e não continuareis a viver como fizeram até agora. Aquele que possui dinheiro será como o mendigo e o mendigo o ensinará a viver sem posses." (Jesus Cristo a Luz de Maria, em 17-05-2017)

"Neste momento, a economia é uma das fortes estratégias do anticristo, com a qual desestabilizará as nações e as levará a sucumbir e comprará as almas daqueles que não desejam sofrer por falta de dinheiro. Neste momento tecnológico em que vive a humanidade, levaram o homem a encarar como normal o implantar um chip, mas os Meus filhos não devem aceitá-lo, é a marca da besta mediante a qual se tornarão seus escravos." (Jesus Cristo a Luz de Maria, em 21-01-2016)

"Pobres filhos esses que perante o dinheiro caem de joelhos! Antes da queda deste, de forma irrecuperável em todo o mundo, será como um jogo de dominó, em que o dinheiro será derrubado sem que possa ser parado. Vós, Meus filhos, ireis assistir com perplexidade como demasiados dos vossos irmãos serão presa da doença da falta de poder econômico e o demônio, aproveitando esse momento, irá oferecer-lhes conforto em troca das suas almas. Será nessa altura que as legiões do mal tomarão os corpos destes Meus filhos que se vendam por dinheiro, sendo perseguidores de quem antes eram seus irmãos.  ORAI COM FÉ, ANTES QUE ESTA PROFECIA SE CUMPRA." (Virgem Maria a Luz de Maria, em 05-04-2016)

"Não vos oculto a carestia que se fará sentir em todo o mundo: ricos e pobres passarão fome, o dinheiro não será meio para adquirir alimentos, nem roupas, nem medicamentos. Perante a economia em declínio, nada será válido para a subsistência humana até que vos disponhais a colocar no vosso corpo a marca da besta, o microchip, que os governantes das nações exigirão aos seus povos para entregá-los nas mãos do anticristo." (Virgem Maria a Luz de Maria, em 02-05-2016)

 

“Vale mais o pouco que tem o justo, do que as riquezas de muitos ímpios.” (Salmos 37:16)

 

“E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede.” (João 6:35)

 

"Eis que os olhos do Senhor estão sobre os que o temem, sobre os que esperam na sua misericórdia;
Para lhes livrar as almas da morte, e para os conservar vivos na fome.
A nossa alma espera no Senhor; ele é o nosso auxílio e o nosso escudo.
Pois nele se alegra o nosso coração; porquanto temos confiado no seu santo nome.
Seja a tua misericórdia, Senhor, sobre nós, como em ti esperamos."
(Salmos 33:18-22)

 


Busca


Segunda-feira, 30 de Março de 2020







Acessos

Curta nossa página no facebook



Rainha Maria

Glória de Deus

Mulher Vestida de Sol