‹ voltar



Robôs sexuais e bebês híbridos: o fim da sociedade

Publicado em 4 DE MAIO DE 2018 em https://www.unitycianorte.com.br
Autor: Lucas Gomes

Robôs pragramados para se relacionarem sexualmente com humanos e capazes de satisfazerem seus desejos. Absurdo? Aterrorizante? Pois é, esse será o futuro. n/d

O canal RT participou de uma conferência chamada “Amor e robôs sexuais”, celebrada nesta semana em Londres, Reino Unido. O evento contou com a participação de especialistas em ética, inteligência artificial e genética, em informática e desenvolvedores de brinquedos sexuais.  Adrian David Cheok, professor da Universidade de Londres e um dos organizadores do evento, assegura que o “amor” entre humanos e robôs será em breve algo habitual.

“Na medida em que robôs se tornam mais inteligentes e reais, mais pessoas sentirão atração por eles e, consequentemente, terão relações sexuais”, estima Cheok. O autor do livro “Amor e sexo com robôs”, David Levy, considera que robôs já desempenham um papel importante na sociedade.  “Há milhões de pessoas que, por uma ou outra razão, não têm ninguém para amar, nem alguém que os ama, podendo, assim, ocupar este vácuo da sua vida com robôs sexuais.”

Marc Behrendt, filósofo e especialista em ética robótica da Universidade Livre de Bruxelas, Bélgica, explica que robôs sexuais com traços infantis poderiam ser usados na reabilitação de doentes sexuais para prevenir delitos contra crianças. Consciente de que essa opção “pode parecer imoral, absurda e chocante”, o analista argumenta que poderia ser uma forma de “proteger crianças de predadores”.

David Levy diz que é muito cedo para afirmar que robôs sexuais infantis ajudarão a prevenir delitos de pedofilia.

 

Bebês humanoides

Graças aos avanços nos estudos de células-tronco, inteligência artificial, genética e robótica, é possível que humanos e robôs possam ter filhos juntos e criar uma nova espécie híbrida no futuro, estipula David Levy.

Kathleen Richardson, professora de Ética da Universidade de Montfort, Reino Unido, deu sua opinião a respeito. Ela advertiu que as pessoas deveriam temer robôs sexuais porque, se não forem tomadas medidas para desacelerar o crescimento desta indústria, a sociedade chegará ao fim.

 

Minha opinião como autor

Muitas pessoas acham interessante toda essa história de relações com robôs. Mas a verdade é que, se você for uma pessoa sensata, vai perceber que isso é aterrorizante.

Voltando ao que Kathleen Richardson disse logo antes, é muito simples de entender porque a sociedade chegará ao fim. No futuro será possível ter “bebês robôs”. Isso quer dizer que as pessoas terão a opção de se envolverem sexualmente com pessoas ou com robôs. Porém, elas vão preferir o parceiro “mecânico”. Isso é devido a diversos fatores como ser algo novo e diferente (as próximas gerações serão cada vez mais viciadas no “novo”), a vantagem de poder controlar diversas habilidades e conhecimentos que não é possível (ainda) em humanos, talvez também a maior expectativa de vida e, se não, o bloqueio do envelhecimento nos robôs.

Bem provavelmente, cada indivíduo poderá escolher as características desejadas para seu parceiro sexual robô. Isso vai fazer com que o indivíduo se conecte ainda mais.

Logo, os robôs substituirão os humanos no ato sexual e até nos relacionamentos duradouros. A população “robótica” aumentará incrivelmente e a humana reduzirá como nunca antes visto.

 

“Taxa de fecundação robótica”

Se os governos e grupos científicos tiverem de fato uma mente maligna, eles melhorarão o sistema de fertilidade nos robôs. Isso vai acelerar e aumentar sua capacidade de reprodução, ultrapassando a velocidade dos humanos. Será da mesma forma como acontece entre a população mulçumana e a européia. Em breve, você concorde ou não, um tomará o lugar do outro.

Mas, voltando para o mundo robótico, é claro que quando houver a inversão das “espécies”, haverá a polêmica redução populacional. Se não houver um controle, não será uma questão de “se” vai acontecer mas “quando”. E se não houver um controle sobre essa redução, a sociedade como conhecemos hoje entrará em colapso.

Você não precisa ser um estudioso para descobrir esses fatos, basta apenas se questionar o suficiente.

 

Curiosidades

-> Fazer sexo com robô é chamado de “robofilia”.

-> Enquanto alguns especialistas acreditam que as pessoas podem vir a suprir suas carências afetivas e sexuais com robôs, algumas empresas já estão um passo à frente desenvolvendo-os para este objetivo. As companhias norte-americanas True Companion e Real Doll criaram “parceiros(as) mecânicos” que fazem sexo e ainda reagem quando são tocados. Os modelos fazem pequenos movimentos e conversam com o parceiro. De acordo com o lugar onde são tocados, soltam frases como “estou tão excitada” ou “faz mais forte”.

-> Noel Sharkey, professor emérito de robótica e inteligência da Universidade de Sheffield (Reino Unido), publicou um relatório que dizia algumas possíveis funções dos robôs: companhia para pessoas solitárias ou idosos, como um novo modelo de “cura sexual”, “terapia sexual” para estupradores e pedófilos e até como prostitutas;

 

Fonte: https://www.unitycianorte.com.br/robos-sexuais-e-bebes-hibridos-o-fim-da-sociedade/

Busca


Quarta-feira, 25 de Novembro de 2020







Acessos




Mulher Vestida de Sol