‹ voltar



Visões e revelações a Maria Lataste - DEUS, A SANTÍSSIMA TRINDADE (Livro Um - Capítulos 9 a 17)

n/d
Marie Lataste (21-02-1822 / 10-05-1847) foi uma vidente católica francesa, freira e escritora. Ela recebeu uma forte impressão da presença divina, aos 11 anos de idade, em sua primeira comunhão. Cerca de um ano depois, Marie viu na Missa durante a Elevação da Hóstia, uma luz brilhante que parecia inflamar seu amor pelo Senhor Eucarístico e aumentar à medida que esse amor aumentava. Logo ela foi lançada em severas provações e tentações interiores. Seu diretor espiritual permitiu-lhe fazer um voto anual de virgindade, e o Santíssimo Sacramento tornou-se o pensamento central de sua vida. De acordo com sua própria narrativa, no final de 1839, quando tinha 17 anos, ela viu Cristo no altar. Na Epifania de 1840, isto se repetiu, e durante três anos inteiros cada vez que ela assistia à Missa, esta graça lhe era concedida. Quase diariamente ela recebia dos lábios de Jesus instruções formando uma completa educação espiritual e doutrinária. Ela nunca mencionou isto, exceto a seu confessor. Em 1840 M. l'Abbé Pierre Darbins sucedeu M. Farbos como pároco de Mimbaste. Marie lhe revelou sua alma. Ele pediu a ajuda do diretor do seminário de Dax, e eles concordaram em ordená-la a colocar por escrito tudo o que sobrenaturalmente ela tinha ouvido e visto no passado, e tudo o que ela poderia ouvir e ver no futuro. Após muitas objeções e atrasos, ela obteve permissão para entrar na Sociedade do Sagrado Coração, recentemente fundada, e partiu para Paris, em 21 de abril de 1844, sozinha. Ela foi recebida no Hotel Biron pela Madame de Boisbaudry, que a mandou examinar por um guia espiritual experiente. Ela foi admitida como irmã leiga no dia 15 de maio. Ainda noviça, ela foi enviada a Rennes na esperança de que uma mudança de ar melhorasse sua saúde. Os votos de Marie haviam sido adiados na esperança de uma melhoria em sua saúde. Mas no domingo, 9 de maio, ela ficou tão doente de repente que o fim parecia próximo. Ela foi autorizada a pronunciar seus votos, pouco antes de receber os últimos sacramentos. Seus restos mortais foram levados mais tarde para Roehampton, perto de Londres.

 

LIVRO UM - Capítulo 9

Depois destas palavras, o Salvador Jesus acrescentou: "Vós compreendeis, minha filha, como o homem encontrará o que procura na terra que Deus lhe deu; vedes a bondade que Deus demonstra para com o homem ao querer dar-lhe um lugar no céu, que pertence a Deus. Quero ressaltar algo em que você não pensou.

O céu é o lugar de recompensa para os justos; ele pertence a Deus e Deus o dá a Seus escolhidos. Mas existe um céu superior ao que Deus dará ao homem, um céu que é verdadeiramente chamado céu do céu, ou seja, o céu de Deus, o céu que pertence a Deus. Este céu é o ventre de Deus, no qual o Espírito Santo une o Pai e a Palavra; este céu é o próprio Deus. Este céu não é como aquele que será dado aos eleitos. Um céu criado; é um céu não criado, que nunca teve um começo e nunca terá um fim, que existiu antes da origem das coisas, que sempre existirá. Este céu estava em Deus, este céu era Deus. É o céu do céu; é o bem eterno em si mesmo, bem-aventurança eterna em si mesma, onipotência, sabedoria soberana, perfeição soberana, Deus."

 

LIVRO UM - Capítulo 10

Foi o que o Salvador me disse um dia: "O homem na terra é como um corpo que perdeu sua vida, ou como uma pessoa doente que precisa recuperar sua saúde. Deus no céu é um médico para o homem, que mata para animar, que ataca para curar. Ouça o significado destas palavras.

O homem é como um corpo sem vida. Qual é a vida do homem depois daquela da união da alma com o corpo? É a contemplação da verdade, caminhar no caminho da verdade, habitar na verdade. O homem tem a verdade? Não, ele a perdeu pelo pecado, por sua rebelião contra Deus, e foi impossível para ele encontrá-la novamente, e sem a verdade, o homem é como um corpo sem vida. O homem é como um homem doente. Em que consiste a saúde do homem, após a proporção em seus membros e a força que adere a cada um de seus membros? Ela consiste na retidão e no exercício fácil de suas faculdades. O homem tem retidão em suas faculdades? Ele tem um exercício fácil de suas faculdades? Não, o homem tem sido ferido na parte mais íntima de seu ser intelectual e moral pelo pecado. A retidão não está mais nele; suas faculdades não seguem mais a linha reta. Ele tem o exercício de suas faculdades, mas é um exercício cheio de labuta e não está de acordo com a sabedoria. O homem é, portanto, um homem doente que precisa recuperar sua saúde. Um princípio de vida será dado a este homem morto, ele será o Filho de Deus feito homem, e este homem morto ganhará vida. E a esse homem doente será dado um remédio eficaz, que será o sangue do Filho de Deus feito homem, e esse homem doente recuperará sua saúde. O médico do homem que tem vida e ainda está morto, que tem saúde e ainda está doente, esse médico é Deus. Agora Deus matará este homem para fazê-lo vivo; Ele o atacará para curá-lo.

Você vai entender, minha filha, e vai adorar o trabalho admirável e os projetos da Providência. Deus é um médico que mata para vivificar. Qual é a vida do homem? A vida do homem é uma vida de pecado, crime, injustiça e pecaminosidade; uma vida de fornicação, uma vida de roubo, uma vida de assassinato, uma vida de opressão dos fracos, uma vida de perjúrio, uma vida de blasfêmia, uma vida de rebeldia contra Deus. Deus se aproxima deste homem, mata nele o homem da iniquidade e lhe dá a vida de justiça; mata este homem à concupiscência do mal e o faz viver no amor das virtudes; mata o homem adúltero e impiedoso para fazer viver o homem casto e virtuoso. Este é o trabalho por excelência de Deus sobre o homem. Deus é um médico que ataca para curar. Ele ataca os homens com Seus mandamentos para curá-los de seus vícios; Ele os ataca com Suas ameaças para curá-los de suas rebeliões; Ele os ataca com a visão do inferno para virar seus olhos para o céu; Ele os ataca revelando-lhes os truques de Satanás, para fazê-los observar as obras de Sua misericórdia divina.

Aceite, minha filha, o princípio de vida que meu Pai lhe dará; aceite o remédio que ele lhe oferecerá. Eu dou vida somente àqueles que querem receber vida, eu curo somente aqueles que querem ser curados; mas a cura que eu dou não é uma cura temporária, ela é cheia de eficácia e preserva a saúde para sempre; e a vida que eu dou não é uma vida de um dia, é uma vida que leva à eternidade da vida. Aquele que recusar a vida que eu quero lhe dar, permanecerá eternamente na morte; e aquele que recusar a saúde que eu quero lhe dar, perdê-la-á por toda a eternidade".

 

LIVRO UM - Capítulo 11

Um dia, eu estava presa em espírito e coração a Jesus no adorável sacramento do altar; eu estava feliz por estar tão perto de meu Deus e esperava que Ele me deixasse ouvir Sua palavra, que é sempre cheia de doçura para minha alma. Logo ouvi a voz de Jesus me dizendo: "Pegue um livro, abra-o e leia o que estará diante de seus olhos. Peguei meu livro e li este versículo do salmo: "O Senhor é infinitamente elevado, mas Ele olha para os humildes com complacência e vê apenas os orgulhosos de longe."

Quero explicar-lhes estas palavras hoje. Ouça-me, minha filha:

O Senhor é infinitamente exaltado; pois ele é eterno, imutável, imenso, onipotente, soberanamente sábio e justo; ele conhece todas as coisas, ele comanda todas as coisas, ele é mestre de todas as coisas. Toda a grandeza diante de sua grandeza é baixeza; todo poder, fraqueza diante de seu poder; todo conhecimento, ignorância diante de seu conhecimento. Ele é a única verdadeira bondade e o único que une todas as perfeições. Ele criou todas as coisas por Sua vontade, e manteve o domínio soberano de todas as coisas para Si mesmo.

No princípio Ele criou o céu e a terra; depois Ele criou o homem. E quando Ele formou seu corpo de terra, soprou sobre ele e lhe deu vida. Este sopro de vida é a alma do homem. Deus dotou a alma de nobres faculdades: razão, compreensão, vontade e memória. Através dessas faculdades, Ele tornou a alma capaz de conhecê-lo e de conhecer seus deveres para com seu criador e benfeitor. Ele estabeleceu a vontade como rainha e dona de todas as outras faculdades e de todo o homem. Ele deu a razão da vontade como seu guia e companheiro. A mente foi dada ao homem como uma tocha, como uma luz para direcionar seus passos e mostrar-lhe o caminho que ele deve seguir. Finalmente, por Sua glória e também pela do homem, Deus não queria que o homem fosse submetido a Ele pela força. Portanto, com as faculdades que o tornaram consciente de seus deveres para com seu autor, Deus lhe deu a liberdade de devolvê-los ou recusá-los, desejando que o cumprimento de seus deveres se tornasse para o homem uma questão de mérito, enquanto que deveria ter sido apenas uma obrigação de estrita justiça. Qual foi a ingratidão e audácia do homem quando, por seu pecado, ele se rebelou contra Deus e se voltou contra Ele, negando-Lhe os dons e benefícios que dele havia recebido! A justiça divina clamou por vingança, mas Deus não pôde trazer a si mesmo para destruir a obra mais nobre de Suas mãos e perder esta alma que tinha vindo dEle e que foi feita à Sua imagem. Nesta luta entre justiça e misericórdia, esta última venceu. Deus, cuja bondade é infinita, enviou seu Filho para salvar o homem, e o Filho, por sua morte e mérito, veio para satisfazer a justiça eterna e para dar a reparação que o homem não podia dar. Deus, porém, olha para os humildes com complacência."

Com estas palavras, o Salvador Jesus me retratou o homem humilde e me disse os sentimentos que o caracterizam. “Veja", disse-me ele, "veja este homem de perfeita humildade, como ele é agradável a Deus! Considere seus sentimentos para com seu Criador, para com seu vizinho, para com ele mesmo. Primeiro, em relação ao seu Criador. Ele reconhece Suas infinitas perfeições, O proclama como autor e mestre soberano de todas as coisas, Seu Deus, seu perpétuo preservador e benfeitor. Ele inclina-se profundamente diante Dele, oferece e consagra a Ele o ser que só ele possui, e lhe presta homenagem dando-lhe sua gratidão por todas as graças, todos os dons, todos os bens, todos os talentos, todas as qualidades, todas as perfeições de corpo e alma que ele recebeu. Longe de se apropriar de qualquer coisa para si mesmo, ele dá graças a Deus por tudo, como se tivesse recebido tudo dEle, agradece Sua bondade e misericórdia, e deseja que todos os homens com Ele ofereçam a Deus todo tipo de ação de graças.

Em segundo lugar, em relação a si mesmo. Ele reconhece o que é por si mesmo, o nada e o pecado. Ele reconhece que recebeu tudo de Deus, que é indigno de aparecer diante dele por causa de sua miséria, sua falta de fidelidade em corresponder às graças acima, sua negligência em cumprir a vontade de seu Pai que reina no céu, e acima de todos os seus defeitos e pecados. No entanto, vendo que Deus não cessa de amá-lo e de banhá-lo com suas bênçãos, e não sabendo demonstrar-lhe gratidão suficiente, ele se entrega inteiramente a ele com tudo o que ele é e com tudo o que ele tem. Reconhecendo que ele é indigno e incapaz de todo bem, e digno, ao contrário, e capaz de todo mal, ele coloca sua confiança em Deus e espera de sua bondade toda a ajuda de que precisa para vencer seus inimigos, evitar o pecado e praticar o bem. Quando ele se vê cheio de todos os dons do céu, ele nunca perde de vista o fato de que não pode fazer nada por si mesmo, e que, sem a ajuda perpétua de Deus, ele cairia a cada passo. É por isso que ele está sempre unido a Deus, implorando constantemente sua graça e ajuda.

Em terceiro lugar, em relação ao vizinho. O homem humilde se vê como o menor dos homens e os coloca todos acima de si mesmo. Ele vê Deus em cada um de seus semelhantes e dá a Ele a honra que lhe é devida em sua pessoa. Ele não olha para as coisas materiais nelas, mas reconhece a imagem de Deus em seu semelhante e lhe mostra todas as honras e serviços que estão em seu poder. Por outro lado, se ele reconhece que é indigno de toda consideração e honra, ele acredita que merece, com o esquecimento de tudo, todo tipo de ofensas, insultos, sofrimentos e aflições, o abandono de todas as criaturas, e até mesmo a morte, por causa de seu nada e seus pecados. Em uma palavra, ele acredita que merece que toda a criação se levante contra ele, porque ele se levantou contra o Criador. Portanto, quando testado por Deus ou pelos homens, e sabendo que ele merece ainda mais, ele permanece submisso, preserva a alegria em sua alma e coloca tudo o que lhe diz respeito nas mãos de Deus. Quão agradável a Deus é este homem, quanta glória Ele lhe dá, quanta satisfação Ele lhe dá ao cumprir seus deveres com sentimentos tão próprios e santos!

Deus vê apenas os orgulhosos à distância. Há dois tipos de pessoas orgulhosas: os ímpios orgulhosos que se levantam contra Deus, se rebelam contra Ele, recusam-Lhe a honra e a homenagem que lhe é devida e não reconhecem nenhum outro Deus além de seu prazer, nenhuma outra lei além de sua satisfação. Este homem orgulhoso que Deus vê apenas à distância, mas para a ruína do homem orgulhoso, pois esta visão será sua condenação. O outro homem orgulhoso é aquele que, sob o véu da virtude, esconde um coração estragado pelo orgulho.

Um homem está no caminho certo, vigia a si mesmo, observa a si mesmo em tudo e odeia o pecado. Eis como ele pode tornar-se culpado por ser justo e por ser um filho de Deus, um filho de Satanás. O inimigo de sua salvação não lhe sugerirá, desde o início, falhas graves, ele não o inspirará com pensamentos malignos, ele sabe que fazê-lo seria expor-se à derrota. Não, o diabo deixa este homem em repouso por algum tempo, ele até mesmo o apóia em sua devoção, longe de afastá-lo; ele o inspira em oração com pensamentos sublimes, que são cheios de consolo para ele, e aos quais ele se apega às custas da glória de Deus, a qual ele só deveria buscar. Então o diabo sugere a este homem uma vã complacência para si mesmo, convence-o de que ele é algo e até mais do que outros, e este homem, em vez de rejeitar estes pensamentos para voltar seu olhar para Deus e trazer tudo o que ele tem, escuta a voz do sedutor, recebe calmamente suas inspirações malignas, e, por uma injustiça criminosa, tira de Deus, apropriando-se dele mesmo, um bem que ele tinha de Sua misericórdia. Assim, este homem pratica a virtude não em vista de Deus, mas para sua própria satisfação, acreditando ser tão bom quanto se convence de ser por causa da paz e do consolo que experimenta. O Diabo aproveita para acalmar sua vigilância, divertindo-o com imaginações vãs, persuadindo-o de que está desfrutando de Deus e fazendo-o negligenciar os cuidados de seu coração. A partir daí, ele reacende as paixões no coração deste infeliz homem, que, cego por seu próprio amor-próprio, não percebe. Veja, porém, como o abismo se abre sob seus pés. Se ele recebe o menor insulto, ele, que acredita ser um santo, o suporta com grande dor e mal pode esquecê-lo ou perdoá-lo. Ele não pode suportar nenhuma reprovação ou representação, porque acredita ser mais sábio e mais esclarecido que qualquer outra pessoa; tudo o ofende, uma palavra, uma expressão, um nada. Ele termina tendo apenas um desejo, de ser elogiado e honrado por todos. "

 

LIVRO UM - Capítulo 12

Para que eu pudesse entender melhor estas palavras, Jesus soube passar diante dos meus olhos os vários movimentos do coração humano e tudo o que o coração experimenta através destes movimentos. E eu vi a cegueira, a loucura, a injustiça do homem, o insulto que ele faz a Deus ao perdê-lo de vista para apegar-se às coisas da terra, para satisfazer suas paixões e sacrificar tudo a elas. Ele esquece que Deus é o criador de todas as coisas e que nada é preferível a Ele. Ele esquece que recebeu de Deus todos os seus bens e os considera como algo que não lhe pode ser tirado, que não pode perder, e faz todo o esforço para aumentá-los. Seu coração também está endurecido para a miséria dos pobres, ele os olha com mau olhado, ele preferiria que não houvesse nenhum, e se ele vem em auxílio deles, é apenas com pesar. Deus, desejando trazer este homem de volta a si mesmo, desprendendo-o dos bens da terra, envia-lhe aflições e provações. Mas, não entendendo a ação de Deus, este homem torna-se perturbado, agitado e rebelde contra Aquele de quem tudo recebeu, volta seu ódio contra o próximo e busca em sua mente, entre seus semelhantes, aquele que poderia ter causado sua desgraça. Se ele se tornou pobre na realidade, não deixa de ser rico em mente e coração, ainda agarrado ao pouco que resta, ou se ele o gasta, será apenas para satisfazer suas paixões.

Veja, pelo contrário, o homem virtuoso, ele possui riquezas? Ele reconhece que Deus é o seu dono, enquanto ele é meramente o mordomo, o guardião, o guardião em nome de Deus. Ele entra nos planos da Providência para os pobres, dando-lhes uma parte do que ele possui. Se alguém quer tirar parte de sua propriedade ou mover um processo contra ele, ele coloca tudo nas mãos de Deus e toma todas as medidas necessárias de acordo com Sua vontade divina para preservar o que lhe pertence, sem negligenciar nada. Mas ele nunca perde de vista Deus e permanece em paz com a pessoa com quem está lidando. Será que ele consegue? Ele dá graças a Deus; se falhar, ele o atribui a suas falhas, que desviaram a bênção de Deus, e não retém nenhuma animosidade ou ressentimento para ninguém. Ele é pobre? Ele não olha com ciúmes para o homem rico; ele se contenta com sua pobreza e se submete à vontade de Deus, que faz toda a sua riqueza. Ele está sofrendo, doente ou enfermo? Ele oferece a Deus suas enfermidades, sua doença, seu sofrimento, até mesmo o sacrifício de sua vida. Ele está com boa saúde? Ele agradece a Deus por isso e usa sua força e vigor para servi-Lo melhor, para honrá-Lo melhor. Assim o homem virtuoso relata tudo a Deus - riqueza ou pobreza, bem-estar ou dificuldade, doença ou saúde - e repousa unicamente naquele a quem ele chama de seu pai e seu Deus.

 

LIVRO UM - Capítulo 13

"O Deus do céu e da terra", disse-me certa vez o Salvador Jesus, "é um Deus de paz. Há três pessoas em Deus, mas estas três pessoas estão tão unidas umas com as outras que são um só Deus, e existe uma paz soberana e eterna entre elas. A desordem ou discórdia não pode ser concebida entre as três pessoas, pois elas são a ordem e a tranquilidade da ordem por essência e por natureza. Portanto, o que Deus mais ama na Terra são almas pacíficas; o que Ele mais odeia são aquelas almas que têm prazer na discórdia e semeiam a discórdia entre seus irmãos.

Uma alma pacífica é aquela que tem paz com Deus, paz com seu próximo, paz consigo mesmo. Ela tem paz com Deus porque está sujeita em todas as coisas à Sua santa vontade e porque esta submissão mantém a harmonia entre o Criador e Sua criatura. Ela tem paz com Deus porque segue e executa pontualmente tudo o que Deus lhe ordena, e esta obediência a une cada vez mais a Ele. Ela tem paz com Deus, porque O ama com todo seu coração, com todas as suas forças, e nada como o amor pode colocar a paz entre ela e Deus. 

Ela tem paz com o próximo, porque nunca faz nada que possa desagradá-lo, porque esquece o mal que pode receber dele e só o faz bem, porque desculpa as falhas de todos e procura corrigir cada vez mais suas próprias falhas.

Ela tem paz consigo mesma, porque é tudo para Deus e Deus lhe dá de volta cem vezes mais do que ela Lhe dá. A recompensa das almas no céu será a paz eterna; na Terra, embora não seja uma paz perfeita e completa, a situação de uma alma pacífica é como um antegozo do que a espera no céu.

Estas são as almas que Deus estima e ama; aquelas que estão e permanecem na ordem que Ele estabeleceu e constituiu: em ordem com relação a si mesmo pelo cumprimento de Sua vontade, em ordem com relação ao próximo vivendo com Ele na caridade, em ordem com relação a si mesmo fazendo o bem, evitando o mal; e Deus ama com amor de predileção somente estas almas, porque elas são verdadeiramente pacíficas.

A alma dos ímpios não é uma alma pacífica; em vão eles sufocam o remorso dentro de si mesmos; sentem que Deus está ali, vêem-no pronto para atingi-los, sua consciência os tortura terrivelmente. Eles não têm paz com Deus, não têm paz consigo mesmos, não têm paz com seus vizinhos, porque a impiedade não é apenas uma luta contra Deus, é também uma luta contra seus vizinhos e contra si mesmos.

A alma morna que, pelo número de suas infidelidades, chegou ao ponto de sentir pouco remorso, e de resistir sem dificuldade ao sopro da graça e do Espírito Santo, não é uma alma pacífica. Ela sente que Deus tem o direito de exigir mais dela; entende que se familiarizar com a ofensa a Deus não é agir de acordo com a ordem. Sua conduta para com Deus direcionará sua conduta para com o próximo e, em oposição a Deus, estará também em oposição a seu próximo.

A alma que age somente por razões humanas, e por isso não tem medo de fazer um pacto com o mundo, com suas máximas e suas doutrinas, não é uma alma pacífica. O mundo não se baseia na ordem; ele é o oposto da ordem e, consequentemente, da paz.

Entre estes três tipos de almas há uma grande diferença; mas ainda não há nada que as separe, e a alma que vive em tibieza pode cair e morrer em impiedade; ainda mais facilmente a alma que vive segundo as máximas do mundo: pois o mundo é o império de Satanás; e viver segundo o mundo é viver segundo Satanás, e a vida de Satanás é a vida da iniquidade.

Portanto, como as almas pacíficas são amadas por Deus, as almas que não são pacíficas são amadas por Satanás. Deus é a ordem soberana, ele ama o que está em ordem ou as almas pacíficas; Satanás é desordem, ele ama o que está em desordem, as almas não pacíficas.

Ser pacífico é assemelhar-se a Deus, imitar a Deus, seguir as inclinações que, das três Pessoas divinas, passam para as faculdades da alma e produzem união, concórdia, através da ordem. Não ser pacífico é assemelhar-se a Satanás, é imitar Satanás, é seguir as inclinações que, de Satanás, passam para as faculdades da alma e produzem desunião, desordem, através da desordem.

Ai daqueles que não amam a paz com Deus, a paz com o próximo, a paz consigo mesmos, a paz nas famílias, a paz nas cidades, a paz nos impérios; eles caminham com o sopro de Satanás, eles são filhos de Satanás.

Felicidade e bem-aventurança para sempre para aqueles que querem paz com Deus, paz com o próximo, paz consigo mesmos, paz nas famílias, paz nas cidades, paz nos impérios; eles caminham no sopro de Deus, são filhos de Deus."

 

LIVRO UM - Capítulo 14

Um dia eu estava pensando na redenção do homem e na misericórdia de Deus que nos havia dado seu Filho divino para nos salvar. Agradeci a Deus no fundo de minha alma e também agradeci ao Salvador Jesus que naquele momento estava se imolando diante de meus olhos nas mãos de seu ministro. “Minha filha", disse-me o Salvador, "Deus quer a salvação de todos os homens e Ele a quer sinceramente. O que Ele não fez por isso? O que Ele não fez? Ele o quer, mas com uma vontade condicional, desde que o homem faça seus esforços para aproveitar os meios de salvação que Ele lhe dá, desde que ele corresponda às Suas graças, que nunca lhe falharão. Se o homem se perde, não é por falta de conhecimento, pois Deus gravou no coração de cada homem uma lei, a lei natural, e o conhecimento desta lei com sua prática é suficiente para que cada homem seja salvo, se ele não tiver o conhecimento da lei da graça que eu estabeleci na Terra.

Não é por falta de ajuda; Deus chama todos os homens para Si pela oferta e doação de Sua graça. Quando uma pessoa é tentada, Deus lhe oferece uma graça proporcional à sua tentação; cabe a ela receber essa graça e corresponder-lhe. Desta correspondência depende a operação do bem e consequentemente da salvação; e a graça é maior ou menor, mais ou menos urgente, de acordo com o julgamento de justiça ou misericórdia de Deus; e ninguém deve ou pode achar errada a distribuição das graças de Deus. Pois ele não deve sua graça a ninguém; ele é dono de seus dons, ele os dispõe como quiser e ninguém tem direito a eles por seu próprio mérito. Você consideraria injusto que um rei escolhesse o filho de uma família pobre e numerosa para fazer sua fortuna, mesmo que ele não fizesse o mesmo por seus irmãos, e quando esse filho, sozinho e com exclusão de todos os outros, deveria desfrutar da fortuna que o rei fez para ele? Da mesma forma, Deus tem uma predileção por algumas almas e quer fazê-las experimentar a grandeza de Suas misericórdias pelas graças mais abundantes que Ele dará no momento que Lhe aprouver. Mas quem pode se lisonjear com tamanha predileção? Quem, na incerteza em que todos os homens se encontram, não vai resolver sua salvação com medo e tremor, se ele não for um tolo? Quem, nesta incerteza, mesmo o mais justo dos homens, não se sentirá humilhado e coberto de confusão? Quem, acima de tudo, ousará condenar um pecador, mesmo o maior pecador do mundo? Você é justo a esta hora e seu irmão mereceria a reprovação; quem lhe disse que amanhã você não será reprovado, porque Deus só lhe dará graças suficientes e você não corresponderá a esta graça; e seu irmão salvo, porque Deus lhe concederá abundantes graças que o tirarão do abismo, para colocá-lo entre os santos? Aquele que é bem penetrado com estas verdades não negligencia nada que possa ser agradável a Deus e evita cuidadosamente tudo o que possa ofendê-lo ou desagradá-lo."

 

LIVRO UM - Capítulo 15

"A glória de Deus não depende de forma alguma da salvação do homem. No entanto, Ele quer que o homem lhe dê glória, mas Ele o deixa livre para recusar. Se ele der glória a Deus, o homem será salvo; se ele recusar, será reprovado. Mas se o homem for salvo ou condenado, Deus não perderá nada de Sua glória; os eleitos darão glória eterna à Sua misericórdia e os réprobos à Sua justiça. Este, além disso, é o destino de todos os homens. Deus, em Seus juízos secretos e inescrutáveis, quis que uma parte da humanidade glorificasse Sua misericórdia na eternidade, e a outra, Sua justiça."

 

LIVRO UM - Capítulo 16

Estas últimas palavras causaram uma profunda impressão em minha mente; eu não podia entendê-las, nem poderia explicá-las. Então, quando me perguntaram que significado eu pretendia dar-lhes, tive que responder apenas que elas tinham sido gravadas em minha mente como o Salvador Jesus as tinha falado. Mas um dia, quando tive a felicidade de possuí-lo em mim através da Sagrada Comunhão, ajoelhei-me ao Seu lado, como faz uma criança ao lado de sua mãe, e, com a simplicidade de uma criança, implorei-Lhe que me explicasse o significado destas palavras, se fosse a Sua vontade. Então o Salvador Jesus me disse: "Minha querida filha, Deus, em seus juízos secretos e inescrutáveis, destinou uns para glorificar sua misericórdia e outros para glorificar sua justiça. A explicação destas palavras é a seguinte:

"Deus, sendo soberanamente perfeito, sabe tudo? Respondi: "Sim, Senhor, o passado, o presente e o futuro são um e o mesmo para Deus; para Ele o futuro e o passado são sempre presentes...". Eu respondi: Sim, Senhor. - Ele sabia desde toda a eternidade que o homem pecaria; Ele sabia desde toda a eternidade quais seriam os pecados do homem. Portanto, quando se diz nos livros sagrados que Deus se arrependeu de ter criado o mundo por causa dos pecados dos homens, não se deve entendê-lo no sentido de que Deus, antes da criação do mundo, não tinha previsto os pecados dos homens. Pois se isso tivesse sido assim, Deus não seria perfeito. Deus, portanto, em Sua presciência, conhecendo as iniquidades de todos os homens, conhecia o verdadeiro número dos eleitos e dos reprovados; de modo que ninguém será condenado ou salvo a menos que Deus o tenha previsto desde toda a eternidade. Mas não pense por isso que Deus nega as graças que são necessárias para sua salvação. Deus as concede, mas eles não correspondem a elas; e por esta razão eles são reprovados, e por esta razão também Deus previu sua reprovação. Agora esta predição de Deus não tem influência sobre a reprovação dos homens, pois não tem efeito sobre o homem, que retém toda sua liberdade, e pode ou não abusar das graças de Deus. Se a predição de Deus influenciasse a reprovação de alguém, Deus não quereria a salvação dessa pessoa. Agora, é certo que Deus quer a salvação de todos, e que Ele dá a todos as graças necessárias para que eles possam trabalhar sua salvação. É porque o homem está perdido que Deus o prevê, e não porque Deus o prevê que o homem está perdido e condenado. Deus dá graças, mas Ele sai com elas com liberdade, e o homem, dando ou recusando sua correspondência a essas graças, condena-se livremente ou salva a si mesmo.

Quando Deus criou o homem, Ele lhe deu uma alma dotada de qualidades nobres e capaz de conhecê-lo, amá-lo e servi-lo. Ele lhe deu a liberdade de servi-lo ou de ser infiel a Ele, de obedecê-lo ou de se rebelar contra Ele; pois Ele quer a servidão livre e voluntária. Ele fez o homem rei sobre a natureza e permitiu que ele comesse do fruto de todas as árvores exceto uma, ameaçando-o de morte se comesse dele, mas não lhe tirando a liberdade de comer dele se ele quisesse.

O homem, usando sua liberdade, comeu o fruto proibido, e Deus, que é soberanamente justo, teve que puni-lo. A partir de então, a justiça de Deus irrompeu no homem tanto espiritual como temporalmente. Esta ofensa de Deus exigia uma separação radical e eterna entre o homem, que é pecador, e seu Criador, que é santo por excelência; ou então Deus precisava reparar a ofensa do homem. O homem não podia fazer reparações, ele só podia permanecer vítima da maldição eterna. No entanto, a misericórdia de Deus, movida com compaixão pelo homem, que era Sua obra, não podia resolver destruí-lo, perdê-lo para sempre. Ele me propôs dar a satisfação que o homem não podia dar. Eu aceitei o papel de reparador e, ao dar a Deus reparação, obtive não apenas o perdão pela ofensa do homem, mas também as graças necessárias para realizar sua salvação. Pois o pecado do primeiro homem o havia degradado tanto e toda sua posteridade ao mal que era impossível para ele mesmo resistir ao mal e fazer o bem. Fui eu quem, pela minha morte, dei ao homem a resistência ao mal e a operação do bem. Assim, o homem se salva e obtém a graça de Deus somente através de mim, desde que vim à Terra; e antes de encarnar, pela fé em minha reparação, em meus méritos como Redentor e Salvador, uma fé fundada na promessa que Deus fez a Adão, imediatamente após sua culpa, de lhe dar um Reparador cuja morte apagaria o pecado dos homens.

A graça, tanto antes como depois de meu nascimento e morte, é oferecida ao homem por causa de meus méritos. Todos os homens a recebem, e todos têm a liberdade de corresponder ou de resistir: obtêm a salvação por sua correspondência, e se perdem por sua resistência a essa mesma graça. Assim, se o homem está perdido, não é porque Deus não lhe deu graça suficiente para se salvar, nem porque a graça de minha redenção não foi suficiente ou não foi aplicada a todos; não, a graça dada a cada homem é suficiente para efetuar sua salvação, e a graça de minha redenção poderia sozinha ter salvado mil mundos. O homem não corresponde à graça e se perde.

Agora, é certo que há homens que resistem e continuarão a resistir à graça, e que, portanto, serão condenados. É certo que Deus sabe tudo desde toda a eternidade, e portanto sabe quem será rebelde. É certo que Deus poderia ter salvado todos os homens. Por que então, prevendo quem seria condenado, Ele os criou? Por que, sendo capaz de salvá-los a todos, Ele não o fez? Isto é algo que a mente do homem não pode penetrar, e diante do qual ele deve baixar e apresentar sua razão, a fim de adorar profundamente os conselhos e julgamentos secretos de Deus, os quais não é permitido ao homem investigar. Deve ser suficiente para o homem saber que ele pode e deve se salvar, que ele tem as graças necessárias para fazê-lo, e que se ele está perdido ou salvo, será porque ele o quis, e não porque Deus, para quem tudo está presente desde toda a eternidade, sempre previu que o homem seria salvo ou condenado. Basta que o homem saiba que Deus poderia não ter lhe dado um Salvador, e que, não lhe dando um, Ele teria sido soberano apenas na punição eterna de todos os homens. Basta que o homem saiba que se Deus quisesse dar-lhe um Salvador, seria apenas para permitir-lhe glorificar Sua misericórdia eternamente, se corresponder à graça de Sua salvação; e para obrigá-lo a glorificar Sua justiça se, depois de ter se rebelado contra Deus, seu Criador, ele também se revolte contra Deus, seu Salvador."

Depois destas palavras, que o Salvador Jesus me dirigiu mais ou menos desta maneira, até onde me lembro, ele me perguntou da seguinte maneira: "Filha, o homem é livre para fazer o bem ou o mal? Eu respondi: "Sim, Senhor". - Ele pode fazer o bem? - Sim, Senhor, com a graça de Deus. - De quem ele espera pela graça? - De Deus. - Pode um homem, por causa de si mesmo, esperar por essa graça de Deus? - Não, Senhor, é em tua consideração, por teus méritos e pela misericórdia de Deus que ela lhe é dada. - O que é preciso para ser salvo ou condenado? Corresponder à graça ou bem, ou resistir-lhe. - Pode um homem por si mesmo corresponder à graça? - Não, Senhor, para isso é necessária uma nova graça, a graça da correspondência. - Deus é obrigado a dá-la? - Deus não é obrigado a dá-la, mas Ele prometeu concedê-la a todos aqueles que Lhe pedirem. - Deus sempre a dá àqueles que Lhe pedem? - Sim, Senhor, para aqueles que Lhe perguntam apropriadamente. - Como Deus quer a salvação de todos os homens? - Ele a quer com uma vontade condicional, ou seja, no sentido de que os homens farão o que Ele lhes pede, e não com uma vontade absoluta, porque Ele quer deixar aos homens a liberdade de se salvarem. - Por que Deus quer que o homem tenha a liberdade para se salvar? - Meu Senhor, porque Ele o quer. Não posso dizer mais nada.

- Muito bem, minha filha. Portanto, lembre-se sempre do que acabou de me dizer, que não é a graça que faz os santos, mas a correspondência à graça; que esta correspondência é uma graça e, por assim dizer, a graça das graças; que esta graça não está no poder do homem, mas vem de Deus; que Deus não a deve a ninguém, mas nunca a recusa quando é pedida a Ele.

Será que Deus precisa do homem? - Não, Senhor. - O que o homem ganhou com seu pecado? - Morte eterna. - Deus é o mestre do homem? - Sim, Senhor. - O que é o homem? - Uma criatura racional, dependente de Deus, seu Criador. - O que esta criatura, que você chama de dependente de Deus, fez desde o início? - Ela se rebelou contra Deus. - Foi correto que Deus tenha infligido punição ao homem? - Sim, Senhor. - Poderia ser considerado injusto que Deus, depois do pecado do homem, quisesse salvar apenas uma parte da humanidade? - Não, Senhor, mas Ele queria salvá-los a todos, e Ele quer que todos sejam salvos. - Como é que Deus quis a salvação de todos os homens, mas nem todos são salvos? - É porque a vontade dos homens se opõe à vontade de Deus. - Não poderia a vontade de Deus triunfar sobre a vontade dos homens? - Poderia, mas não quer, porque Deus fez o homem livre. - Deus abandona as almas, ou as almas abandonam Deus? - São as almas, Senhor, que abandonam Deus; não correspondem mais à graça, perdem a amizade de Deus e caem em pecado. - A alma comete o pecado voluntariamente e com total liberdade? - Sim, Senhor; caso contrário, não haveria pecado. - Seria impossível para Deus impedi-lo de pecar? - Não, Senhor. - O que Deus faz, então, ao não impedir que uma pessoa O ofenda? - Ele o deixa usar sua liberdade. - E quando esta alma passou pelo curso de sua existência na Terra, o que Deus faz? - Ele faz o que deve fazer; ele exerce um julgamento de justiça sobre ele. - Como Deus exerce um julgamento de justiça sobre esta alma? – Devolvendo de acordo com suas obras, ou seja, punindo-a. - Tem Deus o direito de puni-la - Sim, Senhor. - Será injusto se Ele o fizer? - Não, Senhor, porque ele lhe dá apenas o que ela procurou, e a justiça de Deus aparece na punição que ele inflige.

- Você acha que Deus nunca encontra uma correspondência para sua graça? - Não, Senhor; creio que há almas que correspondem às graças de Deus. - Estas almas correspondem voluntariamente? - Sim, Senhor. - O que Deus deve fazer pelas almas que correspondem à sua graça? – As recompensar, por não tornar inútil a misericórdia que vós lhes concedestes com sua morte. - O que será então o julgamento de Deus sobre essas almas? - Um julgamento de misericórdia. E sobre as almas rebeldes, Senhor, será um julgamento de justiça.

- O que fará a alma que resiste à graça de Deus na eternidade? - Ela servirá como testemunha da justiça divina que pune o mal e a iniquidade. - O que você acha deste testemunho? - Senhor, parece-me que será a manifestação da justiça de Deus. - E a manifestação da justiça de Deus é algo mais do que a glorificação dessa mesma justiça? - Não, Senhor, pois dar testemunho de Deus é glorificá-Lo.

- O que fará a alma que tem correspondido à graça de Deus na eternidade? - Ela servirá como testemunha da misericórdia divina que recompensa a bondade e a virtude. - O que você acha deste testemunho? - Senhor, parece-me que será a manifestação da misericórdia de Deus. - E a manifestação da misericórdia de Deus é outra coisa além da glorificação dessa mesma misericórdia? - Não, Senhor, pois dar testemunho de Deus é glorificá-Lo. - Você acha que Deus tinha que esperar pela existência dos homens para saber se eles seriam fiéis ou infiéis a Sua graça? - Não, meu Senhor. - Por que não? - Porque Deus é eterno, porque o passado não existe para Ele, e porque Ele vê em uma só visão o passado, o presente e o futuro. - Se o olhar de Deus é eterno, não é Seu conhecimento de todas as coisas também eterno? - Sim, Senhor. - Se Deus vê e sabe de toda a eternidade, qual deve ser o complemento desta visão e conhecimento eternos? - Senhor, um julgamento eterno. - Qual será este julgamento a favor das almas fiéis? - Um julgamento de felicidade eterna. - E para as almas infiéis? - Um julgamento de eterna desgraça. - Como você chama este último julgamento? - A da justiça de Deus contra o homem que rejeitou Sua misericórdia divina. - E o segundo? - A da misericórdia em favor do homem, que, através de Jesus Cristo, apaziguou a justiça divina. - Por que você chama um desses dois julgamentos de julgamento de justiça, e o outro de julgamento de misericórdia? - Eu chamo o primeiro julgamento de justiça, porque só a justiça de Deus me aparece neste julgamento; chamo o segundo julgamento de misericórdia, porque neste julgamento é sobretudo a misericórdia de Deus que aparece. - Neste segundo julgamento, existe apenas um julgamento de misericórdia? - Meu Senhor, há ao mesmo tempo também um julgamento de justiça; mas de justiça misericordiosa, ou de justiça estreitamente unida à misericórdia, que os eleitos desfrutarão eternamente, enquanto os réprobos nunca mais terão misericórdia de Deus. - Se Deus viu, soube e julgou tudo desde toda a eternidade e antes da existência do homem, o que você tem o direito de concluir a partir das palavras que lhe dirigi anteriormente; a saber Que Deus, em seus juízos secretos e inescrutáveis, destinou uns para glorificar sua justiça e outros para glorificar sua misericórdia? - Concluo, Senhor, que estas palavras, como todas aquelas que vêm de sua boca, estão cheias de verdade.

Depois disso, agradeci ao Salvador Jesus por ter falado comigo com tanta familiaridade e pedi-lhe que me abençoasse. Ele levantou sua mão sobre minha cabeça, abençoou-me e eu provei em minha alma uma felicidade inenarrável.

 

LIVRO UM - Capítulo 17

Um dia, o Salvador Jesus falou-me assim: "Os pontos de vista de Deus, minha filha, são diferentes dos dos homens; ninguém pode penetrar neles; ele faz com que tudo funcione para a realização de seus propósitos e para o bem das almas.

Ele coloca sua mão sobre os justos e sobre os pecadores: sobre os justos, a fim de facilitar a aquisição de maiores méritos; sobre os pecadores, a fim de castigá-los em seus corpos e assim salvar suas almas através de uma penitência sincera. A mãe mais terna nem sempre dá açúcar e leite a seu filho, pois isso seria contrário à saúde do fruto de seu ventre. Quando seu filho está doente, ela o obriga a tomar os remédios mais amargos para curá-lo. Mas ninguém acusaria essa mãe de dureza; pelo contrário, todos a culpariam se, por afeto mal concebido, ela tivesse permitido que seu filho morresse porque ela não lhe ter dado os remédios necessários para sua doença. Deus age da mesma maneira, e os homens são suficientemente tolos para considerar como um efeito de Sua raiva o que é antes o efeito de Sua misericórdia. Ah, tomai sempre os males que Deus vos enviará com respeito e submissão, como provenientes da mão gentil e paternal de Deus.

Veja novamente como é admirável a ação de Deus sobre os justos e sobre os pecadores.

Deus às vezes derrama sobre uma pessoa a abundância de suas graças e bênçãos; ele a enche de seus dons mais perfeitos, ele faz dela um prodígio pelas maravilhas que opera nela, e depois de tê-la elevado a um grau muito alto de santidade e virtude, ele faz dela um espetáculo para os homens, e todos admiram nela a bondade e misericórdia de Deus e o poder de suas obras.

Quando um homem perverso persegue um homem justo, Deus permite que ele teste a virtude do justo. O homem justo considera seu perseguidor como o instrumento que Deus usa para puni-lo. Ele considera a vara que o golpeia menos que a mão soberana que o segura, e recebe cada golpe com paciência e submissão. O homem mau é frequentemente movido pela conduta daquele que ele perseguiu tão injustamente, e ele é convertido e faz penitência. É assim que a perseguição dos ímpios se transforma na perfeição dos justos, e a paciência dos justos na conversão dos ímpios, tudo para a glória de Deus.

Às vezes Deus também atinge o pecador no meio de seu crime e injustiça, a fim de mostrar aos homens o brilho de Sua justiça e vingança, e para inspirá-los com medo e pavor.

Ninguém tem o direito de examinar ou pedir uma razão para a conduta de Deus para com os homens; nem ninguém pode entender os juízos de Deus; eles são infinitos e, portanto, escondidos e incompreensíveis; são os juízos de Deus e, portanto, justos e equitativos. Não procure, portanto, a razão da conduta de Deus, mas submeta-se inteiramente a Ele; pois a justiça e a equidade lhe pertencem, e quando tais pensamentos lhe vierem à mente, diga com fé e humildade: "Vossos julgamentos, Senhor, são tão secretos quanto impenetráveis".

 Glória a Jesus no sacramento de Seu altar!

 

Fonte: http://livres-mystiques.com/partieTEXTES/MarieLataste/Sainte_Trinite_1.html

Busca


Sexta-feira, 25 de Junho de 2021







Acessos




Mulher Vestida de Sol