‹ voltar



Visões e revelações a Maria Lataste - O VERBO DE DEUS FEITO HOMEM (Livro Dois - Capítulos 1 a 10)

n/d

Marie Lataste (21-02-1822 / 10-05-1847) foi uma vidente católica francesa, freira e escritora. Ela recebeu uma forte impressão da presença divina, aos 11 anos de idade, em sua primeira comunhão. Cerca de um ano depois, Marie viu na Missa durante a Elevação da Hóstia, uma luz brilhante que parecia inflamar seu amor pelo Senhor Eucarístico e aumentar à medida que esse amor aumentava. Logo ela foi lançada em severas provações e tentações interiores. Seu diretor espiritual permitiu-lhe fazer um voto anual de virgindade, e o Santíssimo Sacramento tornou-se o pensamento central de sua vida. De acordo com sua própria narrativa, no final de 1839, quando tinha 17 anos, ela viu Cristo no altar. Na Epifania de 1840, isto se repetiu, e durante três anos inteiros cada vez que ela assistia à Missa, esta graça lhe era concedida. Quase diariamente ela recebia dos lábios de Jesus instruções formando uma completa educação espiritual e doutrinária. Ela nunca mencionou isto, exceto a seu confessor. Em 1840 M. l'Abbé Pierre Darbins sucedeu M. Farbos como pároco de Mimbaste. Marie lhe revelou sua alma. Ele pediu a ajuda do diretor do seminário de Dax, e eles concordaram em ordená-la a colocar por escrito tudo o que sobrenaturalmente ela tinha ouvido e visto no passado, e tudo o que ela poderia ouvir e ver no futuro. Após muitas objeções e atrasos, ela obteve permissão para entrar na Sociedade do Sagrado Coração, recentemente fundada, e partiu para Paris, em 21 de abril de 1844, sozinha. Ela foi recebida no Hotel Biron pela Madame de Boisbaudry, que a mandou examinar por um guia espiritual experiente. Ela foi admitida como irmã leiga no dia 15 de maio. Ainda noviça, ela foi enviada a Rennes na esperança de que uma mudança de ar melhorasse sua saúde. Os votos de Marie haviam sido adiados na esperança de uma melhoria em sua saúde. Mas no domingo, 9 de maio, ela ficou tão doente de repente que o fim parecia próximo. Ela foi autorizada a pronunciar seus votos, pouco antes de receber os últimos sacramentos. Seus restos mortais foram levados mais tarde para Roehampton, perto de Londres.

 

O Verbo de Deus feito Homem

LIVRO DOIS – Capítulo 1 

Glória e louvor, amor e gratidão sejam sempre dados a Jesus no santo sacramento do altar, ao Pai e ao Espírito Santo para todo o sempre.

“Minha filha", disse-me um dia o Salvador Jesus, "eu sou o caminho, a verdade e a vida.  Eu sou o caminho, aquele que me segue não se desviará; eu sou a verdade, aquele que acredita em mim não será enganado; eu sou a vida, aquele que não está unido a mim no amor está em morte. Eu sou o caminho e não todos os caminhos. O tempo leva à eternidade por três caminhos; mas estes três caminhos não são meus, pois em mim há apenas um caminho muito diferente dos outros dois, pois só ele foi traçado por minhas mãos divinas. Quero, minha filha, fazer com que você conheça estes três caminhos, e distingua entre eles o que me pertence e o que aqueles que querem vir até mim devem seguir.

O primeiro caminho é amplo, conveniente e muito prático. Satanás traçou o sulco no paraíso terrestre, e o pecador, o escravo de Satanás, caminha neste caminho. O caminho é forrado de flores, mas estas flores, que brotam do inferno e não do céu, escondem espinhos que dão a morte. O homem se alimenta de um mel selvagem cujo sabor parece doce, mas que na verdade serve como veneno para aqueles que o comem e o deixam sem vida. O fim deste caminho é o abismo eterno.

O segundo caminho é menos largo, menos conveniente, menos agradável. Não foi Satanás quem o rastreou, mas ele o inspirou a chamar os homens para o seu. As flores que cobrem este caminho são menores que as outras e menos numerosas; seus espinhos, também, são menos perigosos e menos afiados, e não atingem o coração e fazem feridas mortais. Aqueles que caminham desta maneira preservam suas vidas, se não a deixam para entrar na primeira. Caminham por este caminho e ao final dele encontram o purgatório e seus tormentos temporários, mais assustadores e terríveis.

A terceira via não é nada parecida com as duas primeiras; é muito estreita, muito difícil e pouco praticada. Fui eu que o rastreei no Calvário, e o cristão, que é outro eu mesmo, caminha por aqui. Está coberto de espinhos, mas esses espinhos abrigam flores do céu, cujo perfume alegra a alma e faz desaparecer as feridas feitas pelos espinhos. Estas feridas, longe de serem fatais, removem tudo o que há de corrupto no homem e respeitam tudo o que há de bom nele. Aquele que caminha desta maneira encontra apenas absinto amargo para se recuperar de sua fadiga, mas assim que o bebe, ele se transforma em doçura. Sou eu que sigo este caminho, que coloco as flores debaixo dos espinhos, a doçura na amargura, o céu após a viagem. Eu sou o condutor deste caminho; eu guio aqueles que querem segui-lo, por mim ou por outros eu mesmo, ou seja, por homens mais avançados e com mais experiência; mas o guia principal sou eu. Eu sou a verdade. A verdade é uma só, a verdade é firme, a verdade não engana, a verdade nunca falha: ela dura para sempre. O oposto da verdade é a falsidade, assim como o oposto do bem é o mal; e a falsidade se autodenomina verdade, e o mal se autodenomina bem, a fim de derrotar o bem e a verdade. A graça de Deus ajuda a razão do homem e lhe permite distinguir seguramente entre o bem e o mal ou entre a verdade e a mentira. A verdade sou eu, assim como a mentira é Satanás. A verdade sou eu, e a manifestação desta verdade eterna está nesta palavra: "Eu sou aquele que é"! A mentira é Satanás, e a principal manifestação da mentira está nesta palavra: "Eu me elevarei e me tornarei como Deus". 

Eu sou a verdade; eu ilumino o caminho estreito do qual lhes falei. Satanás é a mentira; ele ilumina o caminho amplo que eu lhes dei a conhecer. Satanás é o condutor do caminho largo, risonho, agradável e cheio de flores; ele promete bens, prazeres, felicidade àqueles que o seguem; ele lhes promete vida; mas como Satanás é a mentira, ele não lhes dará nada além de miséria, dores, aflições e morte eterna. Eu prometo bens eternos e não transitórios; prometo a felicidade da eternidade e não a do tempo; prometo a vida do céu e não a da terra; e porque sou a verdade, darei bens eternos, a felicidade da eternidade, a vida do céu. A vida sou eu! Eu sou a vida. Aquele que caminha no caminho largo encontra a morte. Aquele que caminha no caminho estreito encontra a vida. Aquele que cai com Satanás, vai com Satanás para o lugar da perdição eterna. Aquele que se agarra a mim vai para onde eu vou, para meu Pai que o abençoa.

A morte natural é a separação da alma do corpo. Quando a alma é separada do corpo, o corpo fica sem vida, mas a alma retém a vida. Assim, eu sou a vida da alma. Separada de mim, a alma está morta, mas eu conservo a vida que ela perdeu quando me perdeu. Aquele que me conserva até o fim de seu caminho sempre me possuirá. Terei sido sua vida na Terra, serei também sua vida na eternidade. Eu serei sua recompensa, sua felicidade, seu tudo. Comigo, ele terá tudo, mesmo que tenha perdido tudo para me possuir. Quão pouca atenção os homens prestam ao caminho que seguem, ao que escolheram como guia, ao que os espera no final de suas vidas; e ainda, o que é mais importante, o que é mais essencial, já que a salvação ou condenação eterna depende disso?

Ó minha filha, anda sempre no meu caminho; não temas nem espinhos, nem aflições, nem nada que te frustre nele: tem sempre os olhos na tocha da verdade que acendi no Calvário, descansa em mim; estarei sempre contigo e sempre te darei vida. "

 

LIVRO DOIS - Capítulo 2

Depois de ter falado comigo desta maneira, o Salvador Jesus me disse novamente: "Minha filha, eu sou a fonte da vida, eu sou aquele que dá vida aos homens. Eu sou a fonte da vida. Há dois tipos de vida: a vida eterna e a vida temporal. A vida eterna é a vida que pertence somente a Deus; a vida temporal é aquela que Deus deu ao homem para torná-lo, na medida do possível, um participante da vida eterna. A vida eterna é Deus, e eu sou a fonte da vida eterna, embora Deus Pai seja o princípio de minha vida desde a eternidade, porque sou Deus como Ele, e tudo o que a Ele pertence pertence a mim. Ele é a fonte da vida, eu também sou a fonte da vida. Ele deposita vida em mim, eu nele, e isto desde toda a eternidade, na união amorosa e eterna do Espírito Santo, que une o Pai ao Filho, o Filho ao Pai, o Espírito Santo ao Pai e o Filho um ao outro.

A vida temporal é a vida dada à criatura que Deus quer fazer participar de sua vida eterna. Entre as criaturas, há uma que, mais particularmente, participa da vida eterna, e que está tão unida à divindade e à vida divina que tem a divindade nela e na vida divina, e que é realmente Deus. Esta criatura é a pessoa do Filho de Deus feito homem; sou eu que sou ao mesmo tempo criador e criatura, Deus e homem juntos. Dei vida divina à natureza humana, que uni à minha natureza divina, para que pelo meu corpo e alma humana, apropriando-me e vivificando a humanidade, pudesse começar a depositar nela vida eterna, depois de ter-lhe dado vida natural e temporal por quatro mil anos. Fui eu quem criou o homem, fui eu quem soprou nele movimento e vida, sou eu quem dá vida aos homens todos os dias; é de mim, como de uma fonte sempre abundante, que a vida se derrama sobre a humanidade e sobre o mundo. Derramo a todos que me pedem; dou a toda vida natural, vida intelectual e vida sobrenatural; vejo aqueles que perderam esta última vida e prolongo neles as outras duas, para que possam recuperar a que perderam e que é a única verdadeira, essencial e necessária. E o que os homens fazem? Esquecem que eu sou a fonte da vida, que eles a receberam de mim; fogem da verdadeira vida e caminham na morte, como cadáveres que uma força desconhecida faria mover e caminhar sobre a terra.

Abençoados sejam aqueles que compreendem que eu sou a fonte de suas vidas. Bem-aventurados aqueles que me dão testemunho e se vangloriam de me ter tido como o princípio de sua vida. Conheço todos eles pelo nome como aqueles que fogem de Mim, que me desprezam e blasfemam contra Mim. Eu os farei ouvir minha voz; todos a ouvirão por recompensa ou castigo, por vida ou morte, por céu ou inferno, para reinar comigo ou para reinar com Satanás. A alguns tirarei vida para lhes dar vida, a outros tirarei luz para lhes dar luz, a outros tirarei tempo para lhes dar a eternidade. Deixarei os outros na escuridão, na morte, longe de mim; fecharei a entrada do meu paraíso para eles e direi ao inferno para engoli-los. Todos ficarão espantados: os justos, recebendo vida eterna, luz e felicidade; os pecadores, caindo na morte, na escuridão e no tormento eterno. O céu ressoará com as canções de triunfo e alegria dos eleitos, e o inferno ribombará como um trovão impetuoso, repetindo o pranto, os gritos, o ranger dos dentes dos condenados.

Eu sou a fonte da vida. Por isso, dou-a aos homens. Eu lhe disse, minha filha, há dois tipos de vida: a vida de Deus e a vida do homem. A vida do homem também é dupla, a vida natural e a vida sobrenatural. Eu dou a vida natural através da criação. Quero que vocês entendam como eu dou a vida sobrenatural. É bem diferente da outra. Esta é a forma desta, é a força, o movimento que a leva a Deus, o impulso que a separa da terra para elevá-la a Deus. A vida sobrenatural não é a vida do homem no homem, é a vida de Deus no homem, é Deus trabalhando no homem. Fui eu quem depositou esta vida na humanidade. Eu a depositei na humanidade através do corpo que concebi no ventre de minha mãe. Este corpo o possuía como um imenso reservatório fechado por todos os lados, e do qual deveria ser derramado para o mundo. Eu escolhi um lugar alto; eu tinha um trono estabelecido lá, e subi a esse trono. Eu vi o mundo inteiro e todas as gerações a meus pés, ao redor do trono que eu ocupava. Aquele lugar alto era o Calvário; aquele trono era minha cruz, onde eu estava amarrado, onde derramei meu sangue, onde dei minha vida para espalhá-la como uma semente cheia da fecundidade de Deus sobre toda a humanidade.

Esta é a primeira maneira pela qual eu dei vida sobrenatural aos homens. Eu a dou a eles em particular e a cada um através do batismo. A água do batismo, que é uma figura do meu sangue, regenera a pessoa sobre a qual ela flui, e deposita nele não uma vida que será para o tempo, mas para a eternidade; não uma vida que é a vida do homem, mas a vida de Deus no homem. Esta vida não passará, mas matará ou vivificará eternamente. E quantos têm morte com esta vida! O que mais eu poderia fazer pelos homens? E, no entanto, não parei por aí. Eu queria dar ao homem uma saída para a morte sobrenatural através da instituição do tribunal de penitência, onde todos os Lázaros podem recuperar o que perderam, e regozijar-se pela ressurreição de seus amigos do tempo e da eternidade. Eu não estava contente em dar vida sobrenatural aos homens. Eu também queria fornecer-lhes os elementos necessários para preservá-la, dando-lhes dois tipos de alimentos. O primeiro é o pão de minha palavra, que meus ministros têm a ordem de partir e distribuir para sustentá-los no decorrer de sua peregrinação. A segunda é o pão eucarístico do meu corpo e a bebida do meu sangue consagrado. Todos podem receber estes dois alimentos; todos podem ficar satisfeitos com eles, e ninguém pode reclamar que sua parte é muito pequena e insuficiente.

Eu dou vida aos homens, minha filha, e a dei pela primeira vez, quando eles estavam me dando a morte; e enquanto eu continuo a dar-lhes vida, eles também continuam a me dar a morte. Longe de terem sentimentos de gratidão e amor por Mim, eles têm prazer em me insultar todos os dias. Não contentes em ter derramado meu sangue uma vez, eles adoram renovar todas as minhas dores pelo número e pela multidão de seus crimes. É possível expressar tal ingratidão e esquecimento? Ah, posso me gabar do que tenho feito pelos homens. Eu posso chamar o mundo para testemunhar minha misericórdia por eles. Dei-lhes minha vida; dei-lhes e sacrifiquei a minha; lavei-os em meu sangue; dei-lhes meu corpo como alimento; cobri-os com minha graça; reuni-os como uma galinha reúne seus filhotes para protegê-los de Satanás, do mundo e de si mesmos; como um bom pastor, escolhi os pastos mais gordos para eles. Eu me fiz o pastor do divino rebanho da humanidade, redimido pela minha morte. Escondi todos os homens em minhas feridas como em fortalezas inexpugnáveis, e os homens, em número incontável, fogem do meu coração, dos meus pastos; deixam meu redil, renunciam à minha vida, e não têm medo de esquecer minhas leis, de rejeitar meus mandamentos, e de desafiar minhas ameaças. Deixe-os ir em frente. E eu também me levantarei contra estes transgressores não arrependidos de minhas leis, e também me levantarei contra estes desertores de minha família, e também me levantarei contra estes rebeldes que quebraram meu jugo.

Quantos jovens, que ainda se prometiam dias longos e felizes, pararam por minha justiça! Quantos homens ricos, que ainda prometiam a si mesmos desfrutar de suas riquezas, parados por minha justiça! Quantas pessoas poderosas, que ainda prometiam a si mesmas o gozo tranquilo de sua força e poder, paradas por minha justiça! Quantos criminosos de todos os tipos, que ainda meditavam em novos crimes, presos por minha justiça! Que justiça se assemelha à minha justiça? Que braço vingador se assemelha ao meu braço? Ah, minha filha, que os homens procurem mais os efeitos de minha misericórdia do que os de minha justiça; que tenham o prazer de renunciar a seus erros, de ouvir minha voz, de considerar tudo o que fiz por eles, e assim se tornem dóceis e cheios de submissão. Que recebam a vida pela vida e não pela morte. Que recebam minha morte como o princípio de sua vida; que se apeguem a esta vida para não cairem na morte. Eu sou a vida, eu sou a fonte da vida, eu sou o doador e o distribuidor da vida, e a vida que eu dou é uma vida que pode ser mantida sempre, que deve ser mantida sempre a fim de uni-la na eternidade com a vida de Deus. Lembre-se destas palavras, minha filha, e tema que durante sua vida você possa cair nos braços da morte eterna".

 

LIVRO DOIS - Capítulo 3

Um dia eu tinha Jesus em meu coração. Ofereci-lhe minha adoração, meus agradecimentos e meu amor; entreguei-me a ele completamente, dizendo: Senhor Jesus, aqui está sua serva. Imediatamente vi uma luz de maior brilho do que qualquer outra luz. Foi com os olhos do corpo ou da alma? Não sei, mas eu a vi, e apesar de seu brilho, não fiquei ofuscada por ela, pois esta luz era ao mesmo tempo de uma doçura inexprimível. De seu foco se espalhou sobre mim, e quando, por assim dizer, eu me transformei naquela luz, ou me tornei uma com ela, tudo desapareceu de minha vista, e eu vi apenas Jesus, que veio até mim e me levantou no exato momento em que eu caí de joelhos para adorá-lo. Ele me disse: "Minha filha, eu sou a luz do mundo, e estou dando a você a esta hora uma idéia da luz que eu vim trazer aos homens. Minha luz não ilumina apenas os olhos do corpo, ela também ilumina a alma, o espírito e o coração, e aquele que uma vez olhou bem para esta luz, nunca deseja outra, porque é suficiente para ele, e ela não o deixa em momento algum nas trevas.

Minha luz produz nas almas as mesmas operações que no seio de meu Pai que está nos céus. No seio de meu Pai, minha luz produz a inteligência da Divindade, regula os atos da Divindade e faz arder a Divindade com seus fogos, a fim de unir eternamente as três pessoas uma com a outra. Minha luz também produz inteligência no homem, regula os atos do homem e incendeia o coração do homem com seus fogos para uni-lo intimamente a Deus. Bem-aventurados aqueles que recebem minha luz, que caminham guiados por minha luz, que não querem outra luz além da minha luz, pois têm a verdadeira luz, a luz que nunca passará, que nunca será eclipsada por eles, e que os iluminará enquanto não fecharem os olhos para ela. Deus Pai é luz, Deus Filho é luz, Deus Espírito Santo é luz. Eu sou como o centro destas três luzes, e através de mim estas três luzes se tornam uma só. Deus Pai vê sua luz em minha luz, e Deus Espírito Santo vê a luz do Pai na luz do Filho. É por isso que sou chamado o esplendor da luz eterna, o esplendor da glória eterna. Mas eu não sou apenas o esplendor da luz eterna, o brilho da glória eterna na Divindade; eu também estou na humanidade. Reuni toda a luz divina no corpo e na alma que tomei em minha encarnação, e a força e o poder de minha divindade a concentraram e retiveram ali para o grande espanto da terra e do céu. O céu a viu como a vê no seio de meu Pai; mas os olhos da terra estavam demasiado enevoados para vê-la. Três de meus discípulos a viram, como vós a vê agora, por alguns momentos; mas para isso tive que separá-los da terra, como eu vos separei dela desta vez; eu tive que fechar os olhos deles para todas as outras vistas materiais e terrestres, como fechei seus olhos, para que eles pudessem ver apenas minha pessoa e minha glória. É assim que os homens me veriam se fossem justos, se fossem puros, se estivessem unidos a mim. Eles me veriam, desde o primeiro momento em que desfrutassem de sua inteligência, me levantando os olhos como um sol, cheio de glória e majestade. Este sol que eles veriam seria sem o leste, meio-dia ou pôr-do-sol. Estaria sempre diante de seus olhos, e seus olhos sempre fixos neste sol. Assim, para eles, não haveria trevas, mas sempre luz, e por esta luz eles veriam, não as belezas da terra que passam, mas as do céu que não passam. Esta luz seria tão brilhante e esplêndida que seus olhos não se deslumbrariam com ela, mas se encheriam dela; eles se apegariam a ela como uma criança ao seio de sua mãe.

Quão poucos são os que buscam minha luz, que andam no brilho da minha luz, que têm prazer no esplendor da minha luz. Você sabe porque, minha filha, o número é tão pequeno; é porque eu sou a luz, não do crime e da iniquidade, mas da virtude; é porque eu sou o sol, não da injustiça que separa de Deus, mas da justiça que une a Deus. Foi com razão o Filho do Homem comparado ao sol que ilumina o mundo, pois eu sou o verdadeiro sol que faz brilhar sobre os homens seus raios dessa luz, que os abençoa com seu calor vivificante e os governa e dirige por seus movimentos. Eu sou o sol do mundo, o mundo sobrenatural, o mundo feito para a eternidade. Eu sou a imagem de meu Pai, muito melhor do que o sol material que vos ilumina; pois este último é a imagem de Deus somente na mente dos homens, enquanto que eu sou a imagem real, verdadeira e eterna de meu Pai. Eu sou o sol, não apenas a luz e o calor do mundo, mas o sol cheio de ação que fez o mundo e lhe dá vida.

Quatro mil anos após a criação do homem, eu, a luz incriada, eterna, subsisto na divindade, a luz de Deus, a luz que era Deus, desejei unir-me e incorporar-me à minha humanidade, para manifestar através dessa humanidade o sol da justiça eterna. Entrei no mundo das almas iluminando a todos com minha luz, tanto os que vieram antes de mim como os que vieram depois, pois o sol ilumina tudo o que está acima e abaixo dele. Eu vim não apenas para mostrar minha luz, não apenas para fazer justiça, não apenas para recordar Deus, mas também para fazer os homens participantes de meu trono no céu, participantes de minha justiça, participantes de minha divindade.

O sol material ilumina e sustenta a vida; o verdadeiro sol da justiça, que é o Filho do Homem, transforma-se em sua própria luz e dá sua vida.

O sol material queima quando se aproxima demais da terra; o verdadeiro sol da justiça, que é o Filho do Homem, se transforma em si mesmo à medida que se aproxima dela.

O verdadeiro sol da justiça, que é o Filho do Homem, não se reflete apenas na alma cristã, mas habita nela e a transforma em si mesmo.

Sim, minha filha, eu sou o verdadeiro sol da justiça, e das alturas inacessíveis do seio de meu Pai desço às profundezas das almas dos homens; dos esplendores da divindade desço às trevas da humanidade, para comunicar a ela tudo o que me pertence. Assim como meu Pai, através de sua geração eterna, me comunica tanto sua vida quanto sua existência, assim eu comunico à humanidade minha divindade e minha luz através de minha geração temporal. Eu me estabeleço nela como um legítimo conquistador no reino que conquistou, e eu completo e aperfeiçoo o ser criado pelo dom e comunicação de meu ser não-criado. Agora, esta comunicação, este estabelecimento, este presente de minha luz para a criatura, não são apenas para o tempo, são para a eternidade. Meus dons são sem arrependimento; eu dou de bom grado e dou para sempre. Minha luz é incorruptível, é eterna; eu posso dá-la e a dou para a eternidade. Como brilhou no tempo, assim brilhará na eternidade; pois no céu nunca haverá, como nunca houve, nenhuma outra luz além da minha luz.

Ah, quem poderá jamais compreender o quanto é preciosa para as almas a luz do verdadeiro sol da justiça? A estrela que brilha no céu é tão bela, tão grande, tão rápida em seus movimentos, tão regulada em seu curso, que nunca podemos admirar suficientemente esta obra do Criador. Quão mais admirável é o verdadeiro sol da justiça! Sua beleza é a beleza de Deus, sua grandeza a imensidão de Deus! A rapidez de seus movimentos é incalculável para qualquer mente criada, a regra de seu curso é invariável e sempre a mesma, e repousa sobre a vontade divina, que faz tudo o que lhe agrada. 

A estrela que brilha no céu prevalece sobre todas as outras criaturas inanimadas. Que criatura prevalecerá sobre o verdadeiro sol da justiça, que é o Filho de Deus?

A estrela que brilha no céu é necessária para iluminar o mundo, para vivificá-lo, para torná-lo fecundo. O que seria do mundo das almas sem o verdadeiro sol da justiça? Escuridão e morte.

A estrela que brilha no céu é tão bela que nunca nos cansamos de olhar para ela, e o homem cego é muito infeliz porque não desfruta de sua luz. Que beleza jamais ultrapassará a beleza do verdadeiro sol da justiça, e que infelicidade é igual à do pecador, pobre cego que não olha para a minha luz?

A estrela que brilha no céu é para o tempo, teve um começo, terá um fim. O verdadeiro sol da justiça é para a eternidade; ele brilha para a alma; nunca teve um começo e nunca terá um fim.

Ah, minha filha, que a visão da luz que você vê nesta hora a prenda sempre ao coração que a produz, ao sol da justiça que sou eu mesmo. Não tenha olhos para nada além desta luz, não tenha nenhum calor além do calor desta luz, nenhuma outra frutificação além da frutificação produzida por esta luz, nenhuma outra manutenção de sua vida além desta luz. 

Piedade dos pobres pecadores que se afastam de mim na escuridão e na morte; agarrados a mim, eu serei sua luz e sua vida; serei também sua recompensa um dia. Como Deus fez sua fronte para olhar para o céu, não imite aquelas almas infelizes que, como os animais sem sentido que Deus fez inclinados para a terra, longe de olhar para cima, mantêm seu olhar sempre fixo para baixo por seus pensamentos, suas inclinações, seus desejos e seus afetos. A terra está sob seus pés para que você possa pisar nela, o céu está sob seu olhar para que você possa olhar para ela incessantemente. Minha filha, eu quero ser seu céu, e nesse céu farei meu sol brilhar, e meu sol a iluminará com sua luz, a aquecerá com seu calor, e a vestirá com seu brilho. "

 

LIVRO DOIS - Capítulo 4

Um dia, durante a oitava da Epifania, eu tinha vindo oferecer minha adoração a Jesus no sacramento do altar. Eu assisti à missa sagrada. Na elevação, o Salvador Jesus apareceu para mim no altar. O altar tornou-se como um imenso trono de ouro maciço e todo cintilante com pedras preciosas. No meio estava uma poltrona coberta com um tecido que parecia veludo branco; este veludo não era tecido; não posso dizer como era, e não posso me fazer entender melhor do que dizer que parecia aos meus olhos como folhas de rosas brancas presas umas às outras, e preservando seu frescor e beleza inalterados, mesmo quando se senta sobre ele. O Salvador Jesus estava nesta cadeira, que não descansava sobre o altar, mas era segurada no alto pelas mãos dos anjos que rodeavam Jesus. Finalmente, uma magnífica coroa circundava a testa de Jesus; era uma coroa de espinhos, e estes espinhos se assemelhavam a cristais nos quais os raios do sol se concentravam.

Eu olhei para o Salvador Jesus por muito tempo; me pareceu que Ele iria falar comigo. Eu o desejava muito; contudo, renunciei de bom grado à satisfação deste desejo, e disse a Jesus: Meu doce Salvador, não seja feita a minha vontade, mas a tua. O Salvador Jesus me chamou para Ele depois da santa missa e me disse: "Minha filha, você deseja ouvir minha palavra, eu quero satisfazê-la e falar-lhe de minha realeza. Eu sou rei porque sou Deus. Eu sou rei e não preciso de súditos, meu reino sou eu mesmo. Minha realeza, desde o seio da Divindade, estende-se sobre a criação, sobre os anjos no céu que Deus criou não por necessidade, mas por bondade e para celebrar sua glória, e sobre os homens na terra que me pertencem como Deus Criador. Esta realeza é inerente à própria essência das coisas; por este mesmo fato de que existem criaturas, aquele que as criou é e deve ser seu mestre.

Sou um rei também em outro sentido, porque sou o Salvador. O mundo existia há quatro mil anos, e há quatro mil anos o homem estava em cativeiro. Ele havia desconsiderado a realeza de seu Criador que o havia libertado, e havia caído sob o jugo de Satanás. Não há nada mais terrível do que a escravidão do homem. A luz desapareceu dele, e as trevas em que ele andava eram as trevas da morte. A força do homem era a fraqueza, seu vigor era a impotência. Ele nunca se livraria do jugo. A misericórdia de Deus clamou para mim e eu vim para ajudar o homem. Vim para afastá-lo de seu governante e me colocar em seu lugar; mostrei-lhe o que ele havia perdido em seu afastamento de Deus, mostrando-lhe o que vim trazer a ele, não mais como Criador, mas como Salvador.

Eu disse ao homem: 'Você me chamou porque viu sua miséria; eu vim. A misericórdia de Deus me enviou até você, eu vim. Minha caridade me atraiu até você, eu vim. Você tem apenas a escuridão do inferno; eu sou a verdadeira luz, ando na claridade desta luz. Desde o início, você não teve nada além de problemas, discórdia, sofrimento e correntes. Aqui está a paz, a calma, a felicidade e a liberdade. Satanás foi seu rei, você deve se levantar comigo contra Satanás e odiá-lo para sempre. Vocês rejeitaram minha soberania como Criador; devem aceitá-la novamente e me reconhecer como Rei, como Deus Criador e Deus Libertador.

Eu sou rei, e minha realeza não é como os reis deste mundo. Eu não governo somente sobre corpos, eu governo sobre as almas, as vontades, os corações. Eu sou rei e um rei conquistador cujas conquistas não são nem as cidades nem os impérios da terra, mas as almas e os corações dos homens. Sou um rei e imponho um tributo; mas não é ouro e prata; peço apenas os desejos, as orações, a adoração dos homens. Sou um rei e dei um código aos meus súditos; ele contém minhas leis. Seu número não é grande; eles estão contidos em dois artigos: o primeiro é o amor a Deus, o segundo é o amor ao próximo. Eu dei liberdade para todo o resto, desde que se ame a Deus e ao próximo. Sou um rei e tenho um cetro em minhas mãos e uma coroa na testa. Você vê, minha filha, que meu cetro é minha cruz, na qual morri para salvar meus súditos; você vê minha coroa, uma coroa de espinhos que me lembra tudo o que sofri para adquirir minha realeza sobre as almas. Eu sou um rei, e tenho servos e soldados. Todos os meus súditos são servos e soldados ao mesmo tempo; eles são meus servos, mantendo a dignidade dos cristãos que lhes dei; eles são meus soldados, lutando contra o pecado e os demônios. Eu sou rei e tenho recompensas para todos aqueles em meu reino.

Minha filha, veja como é grande e gloriosa a minha realeza. Será que pode haver alguma outra como ela? Eu venho ao mundo, mas ainda não apareci no mundo, e já está sendo anunciada minha realeza. Um anjo vem do céu anunciando que eu irei reinar sobre a casa de Davi para sempre. Antes dele, os profetas deram seus oráculos ao mundo e proclamaram minha realeza mil vezes; assim a terra e o céu me proclamaram rei antes de eu nascer.

Nasci, e os anjos do céu cantam, 'Glória a Deus', e proclamam um libertador aos homens. Glória a Deus, de quem sou Filho e cujo reino vim restaurar; paz aos homens que a haviam perdido e que a encontrarão em minha realeza.

Nasci, e uma nova estrela aparece nos ares, e seu brilho chama os reis do oriente para o meu berço. Estes reis vêm correndo e se curvam diante de mim para me reconhecerem como seu soberano.

Nasci, e os reis tremem diante de minha autoridade; eles me perseguem, eu frustro seus desígnios; eles caem, eu me levanto.

Eu me manifesto ao mundo, e sem que o mundo me conheça, eu lhe dou minha lei. Trabalho para a salvação do mundo, redimo-o, dou minha vida, morro na cruz; mas ao dar minha vida não perco minha realeza, estabeleço-a sobre uma base inabalável. Veja o título imortal que a cruz traz: Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus. Então, minha filha, eu poderia realmente me chamar de rei do mundo que eu havia salvado. Então eu poderia me chamar de rei e rei dos reis. Então, eu tive um vislumbre de todos os povos, todas as nações e seus reis vindo se curvar diante da minha realeza. Bendito aquele que me reconhece como rei, que se submete à minha lei, que me paga o tributo que lhe peço, que morre com as armas na mão proclamando que não tem rei senão o Filho do Homem; pois eu lhe darei uma recompensa eterna, que será a partilha da minha realeza. Ai daquele que me desrespeita como rei, que transgride minha lei, que me recusa seu tributo, que morre com as armas na mão contra mim e nega minha realeza; ele receberá a condenação eterna, e não terá outro trono que o de Satanás, construído e edificado com o sopro da maldição de Deus ".

 

LIVRO DOIS - Capítulo 5

“Minha filha", disse-me um dia o Salvador Jesus, "Deus fez o homem para o céu, para fazê-lo participar da felicidade do céu, para mostrar-se a ele no céu, para ser sua recompensa no céu. Mas ele não queria dar-lhe o céu imediatamente após sua criação; ele queria testá-lo, e o colocou na Terra no paraíso das delícias como se o preparasse para o paraíso celestial; ele lhe deu a vida de corpo e alma como se o preparasse para a vida eterna desse mesmo corpo e alma em glória. Comunicou-se a ele e conversou com ele como se o acostumasse a vê-lo face a face na eternidade, e a suportar o brilho de Sua palavra, que ressoa no céu com força e doçura, majestade e poder, do seio de Deus em todas as partes do céu. Contudo, o homem não quis mais o paraíso terrestre, nem a vida do corpo e da alma, nem as comunicações íntimas de seu Deus, nem suas conversas familiares. Ele se rebelou contra seu Criador, violou Suas leis e mandamentos; e o homem foi expulso do paraíso das delícias, condenado à morte, e Deus já não lhe falava tão familiarmente; mas sim em meio aos trovões e relâmpagos que rasgavam os céus, quando Deus veio ao homem no resplendor de Seu poder e glória.

Em meio aos tempos, Deus fez um novo homem e um novo céu. Ele fez este novo homem com uma nova terra, e este novo paraíso era diferente do primeiro. Este homem deveria consertar o trabalho do primeiro homem e repará-lo no paraíso onde seria colocado, não imediatamente após seu nascimento, mas trinta e três anos depois. Sua reparação deveria ser a reparação de todos os homens; mas era necessário, com sua reparação tão plena de eficácia, que todos os homens reparassem sua culpa com ele. Para isso, todos os homens tinham que voltar ao paraíso preparado para o novo homem que o havia recebido de Deus, e ali colher os frutos não do conhecimento do bem e do mal, mas da reparação.

O novo homem de quem vos falo, minha filha, sou eu que tomei um corpo no ventre da Bem-Aventurada Virgem Maria. O paraíso em que fui colocado, você não consegue adivinhar? É a cruz sobre a qual fui erguido, como se fosse separado do resto da terra que não poderia ser meu paraíso. O sangue que eu derramei é o fruto que a árvore da cruz deu desde aquele dia. É esse fruto que todos os homens devem colher para encontrar aquilo que eles perderam. Não basta colher este fruto, deve-se também, seguindo meu exemplo, carregar a cruz; seguindo meu exemplo, sofrer e se imolar a cada dia; seguindo meu exemplo, vencer e conquistar o céu passando pelo paraíso do sofrimento e não pelo paraíso das delícias.

A cruz, minha filha, é a salvação do mundo. A cruz é a chave do paraíso. A Cruz é o ventre admirável no qual dei à luz a todos os homens para a glória do céu. A cruz é a reparação a Deus. A cruz é o bastão do peregrino que caminha em direção ao céu. Tudo está agora na cruz: vida, morte, eternidade."

 

LIVRO DOIS - Capítulo 6

Era o terceiro dia da Semana Santa. Eu tinha vindo à igreja para rever minha consciência e para me preparar para receber em minha alma o derramamento do sangue de meu Salvador. Eu tinha recebido a absolvição de minhas faltas e agradeci a Deus interiormente. Eis o que o Salvador Jesus me disse nesta ocasião: "Minha filha, esta semana santa chamada a semana santa, a grande semana, a semana da paixão, porque nesta semana a santidade foi restaurada aos homens; porque nesta semana eu fiz as maiores maravilhas que o mundo já viu desde sua criação, e sofri a tortura da cruz.

Esta é a Semana Santa. Veja de fato como a santidade aparece de uma forma admiravel. A santidade de Deus não poderia ser compatível com o pecado do homem, e era preciso que o homem fosse separado eternamente de Deus ou que o pecado fosse destruído por Deus. O que você verá nesta semana senão o Filho de Deus, Deus como Seu Pai, santo como Seu Pai, o Filho de Deus feito homem, tomando sobre si todas as iniquidades do mundo e pregando-as à árvore da cruz por Sua paixão e morte? Sim, isto é o que você verá: a manifestação da santidade de Deus, a santidade de Deus fez o homem lutar contra o pecado, a santidade de Deus apagando o pecado do coração do homem, a santidade de Deus entrando no homem, a santidade de Deus levantada entre o céu e a terra, para dizer ao céu que o pecado da terra é expiado, para dizer à terra que a santidade do céu está vindo para cobri-la e para se espalhar sobre ela como um véu branco brilhante.

Esta é a grande semana, a semana dos maiores mistérios que foi dada à terra para ver e contemplar. O mistério da união e do abraço da justiça e da misericórdia; o mistério da manifestação do amor de Deus pelos homens e da cegueira dos homens a Deus; o mistério da morte de um Deus dando vida aos homens e dos homens dando morte a um Deus; o mistério da redenção do homem e da reconciliação com Deus; o mistério de um Deus morrendo e ressuscitando; o mistério da morte de um Deus renovado pela vontade desse Deus, não mais de forma sangrenta, mas de forma mística, para que sua morte e os méritos de sua morte possam ser reproduzidos a cada dia, e para que nessa reprodução Deus possa encontrar reparação a cada dia, e o homem misericórdia e perdão. A semana da Paixão, ou seja, a semana dos meus maiores sofrimentos, do derramamento do meu sangue, da minha morte e do meu sepultamento. Foi através da minha paixão que fui vítima de Deus, vítima da misericórdia e da justiça: a vítima da misericórdia, pois fui dado por Deus ao homem para expiar seu pecado; a vítima da justiça, que reivindicou seus direitos a tal ponto que quis a expiação de um Deus, pois a expiação mesmo de todos os homens juntos teria sido insuficiente; a vítima da misericórdia, pois Deus preferiu ver seu Filho morrer do que ver o homem morrer por toda a eternidade; a vítima da justiça, que não me poupou, embora eu fosse o Filho de Deus, e que me deixou derramar a última gota do meu sangue; a vítima da misericórdia, que restaurou os direitos do homem e até os aumentou consideravelmente; a vítima da justiça, que por exclusivamente por mim foi satisfeita.

Oh, a grande semana, a semana santa, a da morte do Filho de Deus, a expiação pelo pecado, a plena satisfação da justiça de Deus, a libertação do homem, sua reconciliação com o céu. Pense frequentemente, minha filha, nesta semana admirável, nesta semana fixada no Concílio de Deus para a glorificação da humanidade pela maior humilhação de minha divindade. Pense nisso com frequência, você não poderia fazer nada que fosse mais agradável para mim: desde toda a eternidade, eu estava pensando na reparação do homem através da minha paixão. Durante minha vida terrena, não passou um dia que eu não me lembrasse daquela grande semana, e desde que subi ao céu, continuei no altar as maravilhas do Calvário. Imite-me, minha filha, pensando no objeto perpétuo de meus pensamentos. Pense nisso com frequência, e você encontrará força, coragem e apoio; pense nisso com frequência, e você encontrará a consolação e a felicidade em suas angústias e tribulações; pense nisso com frequência, e esse pensamento lhe trará as maiores graças e as maiores bênçãos. Pense nisso com frequência, e seus pensamentos nunca ficarão desgostosos por isso; seus pensamentos nunca encontrarão um fim a estas considerações: você sempre descobrirá algo novo. Dos sofrimentos do meu corpo, passe aos sofrimentos da minha alma; dos sofrimentos da minha alma e do meu corpo, passe à aceitação que a Divindade faz disso.

Lembre-se de minha última ceia, minha oração e agonia no Jardim das Oliveiras, o abandono de meus discípulos, a traição de Judas, a negação de Pedro, a condenação iníqua de meus juízes, o clamor do povo contra mim, os insultos dos soldados, minha flagelação, minha coroação com espinhos, o despojamento de minhas roupas, o furor de minhas mãos e pés na cruz, minha morte, o corte do meu lado, meu sepultamento, e sempre inspirarei em seu coração gratidão e amor por seu Salvador, medo e horror pelo pecado, sede e desejo pelo sofrimento e as tribulações.

Entra especialmente nestes dias nos sentimentos da santa Igreja; ela está imersa no luto, e isto por causa do sofrimento de seu Esposo. A Igreja chora por causa do sofrimento de quem a deu à luz; ela chora por causa dos contínuos insultos que os ímpios ainda prodigalizam sobre ela; ela chora só de pensar na inutilidade dos meus sofrimentos por tantas almas. Ela reza por seus filhos que se rebelam contra ela, como eu rezei por meus algozes; ela reza por seus filhos que secretamente a traem ou a abandonam, como eu mesmo fui traído e abandonado por meus discípulos; ela reza por aqueles que a despojam e gostariam de fazê-la nua, como eu mesmo fui despojado de minhas roupas. Ore, minha filha, e sua oração será ouvida; ore, e verá sua oração respondida, e um dia você se alegrará, abençoará e louvará a Deus por sua grande misericórdia.

Minha filha, eu vos deixo a minha paixão, eu a dou a teu espírito, à tua alma, ao teu coração. Que este bem seja suficiente para você, nunca deseje nenhum outro, você encontrará tudo neste, porque você me encontrará nele."

 

LIVRO DOIS - Capítulo 7

Uma noite, na quinta-feira santa, ajoelhei-me para rezar a Deus, mas não consegui rezar. A memória da paixão de meu Salvador estava em minha mente. Senti uma atração irresistível para seguir Jesus e rezar com Ele antes de sua paixão. Eu O vi separado de Seus Apóstolos, à parte, com o rosto no chão, e O ouvi gritar: "Meu Deus, que este cálice passe de mim, no entanto, não seja feita a minha vontade, mas a tua". Vim a Jesus para limpar o suor que estava derramado de sua testa: "Vem a mim, minha filha", disse-me ele, "enquando todos me abandonam, eu lhe agradeço". - Senhor", eu disse, "quão grande é sua dor! - Minha filha, você não consegue entender isso. Neste momento estou experimentando todos os sofrimentos de minha paixão, e os cristãos piedosos, que se lembram do que estou experimentando a esta hora, me honram com sua veneração pelo que eles chamam de agonia das oliveiras.

O Filho do Homem, minha filha, teve muitas agonias. Você sabe, de fato, o que é uma agonia? A agonia é a considerável diminuição da vida, é a luta de um ser vivo contra a morte que vai atingi-lo. Você entenderá então como pode ter havido em mim várias agonias.

A primeira agonia ocorreu no momento da minha concepção. Antes de minha concepção, eu possuía apenas vida divina. Eu era o Filho de Deus, a Palavra eterna. Mas eu fiz minha voz ser ouvida pelo meu Pai: "Eis que eu venho! "E eu vim a Deus meu Pai, não apenas pelo retorno de minha pessoa divina a si mesmo, em seu ventre, mas pela humilhação de minha divindade, de minha vida divina, que eu encerrei na humanidade que tomei no ventre de Maria. Esta foi uma redução que sua mente nunca irá compreender. Houve uma luta entre minha vida divina e a vida humana que eu estava prestes a levar; foi a verdadeira agonia de minha vida divina; pois, minha filha, tal rebaixamento foi uma verdadeira agonia, não capaz de tirar minha divindade, mas capaz de aniquilar minha humanidade, se meu poder divino não tivesse dado à minha humanidade a força para receber minha divindade e unir-me a ela.

A segunda agonia foi no ventre de minha mãe. No seio eterno de meu Pai celestial, eu estava cercado por sua glória; eu refletia eternamente essa glória para ele; eu era Deus em Deus, Deus distinto de Deus e Deus unido a Deus, Deus eternamente gerado por Deus e Deus eternamente vivendo em Deus. Mas no ventre de Maria eu tive que abaixar, ignorar e quase aniquilar minha glória da eternidade. Em Deus, eu tive uma vida divina e gloriosa; em Maria, eu tive uma vida obscura, desconhecida e pacífica. Minha glória como Deus não pode desaparecer, não pode ser aniquilada; minha vida divina não pode ser tirada de mim, porque eu deixaria de ser Deus; mas unir esta vida com a vida da humanidade, para preservar esta vida com a vida da humanidade, é baixá-la e aniquilá-la o máximo possível, é constituí-la em estado de agonia até o dia em que minha humanidade residirá, cheia de glória, no seio da Divindade.

Estas duas agonias não são duas verdadeiras agonias, porque dizem respeito especialmente e em primeiro lugar à minha divindade; eu as dou a conhecer a fim de que vocês possam parar para considerá-las e, ante a humilhação e a humildade de minha divindade, aprendam a se rebaixar e a se humilhar também vós.

A terceira agonia começou no dia do meu nascimento. Minha vida, de fato, era para ser uma expiação, um sofrimento contínuo, até minha morte. Agora, minha vida sempre foi passada em sofrimento, e a cada dia o sofrimento me aproximava mais da minha morte. Nasci na pobreza; oito dias após meu nascimento comecei a derramar meu sangue; quarenta dias depois me ofereci como vítima; mais tarde tive que fugir para evitar a raiva dos reis da terra. Depois trabalhei com Maria e José em nossa casa em Nazaré; jejuei durante quarenta dias no deserto; durante três anos trabalhei para evangelizar os pobres, para curar os doentes, para instruir meus apóstolos, tudo em preparação para minha morte na árvore da cruz.

Vivi durante trinta e três anos como uma vítima preparada para a morte, esperando a morte, mesmo desejando a morte para a salvação dos homens.

O estado em que me mostro a vocês a esta hora é o estado da minha quarta agonia. Minha divindade me mostra todos os tormentos de minha paixão, todos os crimes dos homens a serem expiados; a expiação destes crimes, inúteis para um número imenso, porque eles não vão querer lucrar com isso; e esta visão me arrancaria a vida, se eu não a retivesse para testar a realidade dos tormentos destinados a mim pela justiça de meu Pai.

Finalmente, minha filha, uma quinta e última agonia é a da cruz. Os homens haviam esgotado toda sua crueldade sobre mim; haviam me pregado na cruz e me feito beber fel e vinagre; o sangue de minhas veias foi quase todo derramado; as profecias se cumpriram; clamei com um grito forte e entreguei meu espírito nas mãos de meu Pai."

 

LIVRO DOIS - Capítulo 8

Na manhã seguinte, cheguei cedo ao túmulo do Salvador Jesus. Ele me disse: "Eis que este é o dia, a fonte de salvação para uns e a ocasião de infortúnio para outros. Abençoadas são as almas que amam a justiça e as obras de luz. Meu sangue foi derramado para sua salvação, e será como uma fonte de retidão para eles beberem. Ai das almas que amam a iniquidade e as obras das trevas! Ai dos pecadores endurecidos que não querem tirar proveito da salvação oferecida a eles! Meu sangue os esmagará com seu peso e os impedirá de se erguerem jamais.

Almas justas, não se escandalizem em mim nos dias de hoje. Você pode um dia ser coberto de vergonha e confusão por minha causa, mas comigo você também será glorificado para sempre. A vergonha, como a glória de um pai, recai sobre seus filhos. Se você compartilhar da minha humilhação, você também compartilhará do meu triunfo. Prometo-lhe que sua vergonha chegará ao fim, e a derrubarei sobre seus inimigos, e será sete vezes maior do que a vergonha com que eles quiseram cobri-lo. Eles os viram em humilhação, no passado, quando pensavam que sua glória duraria para sempre; sua glória passará; encontrarão a humilhação na eternidade, e vocês terão a glória do céu.

Ah, minha filha, o que dirão os pecadores não arrependidos a Deus que não querem tirar proveito do meu sangue, derramado para sua salvação e para obter todo tipo de graças? Que desculpa eles trarão ao tribunal de Deus? Eles dirão que não poderiam fazer isso? Mas o exemplo de seus irmãos não será contra eles como uma maldição eterna? A voz do meu sangue clamará por vingança através da eternidade pelo desprezo que demonstraram por ele, porque o pisaram, e ele cairá sobre eles como caiu sobre os judeus por seu eterno infortúnio.

Eu morri neste dia, porque fui entregue nas mãos dos pecadores assim que quis salvá-los. Falei-lhes a linguagem da bondade, da gentileza, a linguagem do amor mais terno, e eles a desprezaram, e meu coração ficou triste além de qualquer expressão. Vi tudo o que iria acontecer até o fim dos tempos, e a inutilidade de meus sofrimentos para um grande número. Homens cegos e tolos, tornaram inútil a onipotência da minha oração, para que só explodisse a onipotência da minha justiça!

Os julgamentos de Deus estavam diante dos meus olhos. Eu os conhecia, porque conheço meu Pai e meu Pai me conhece, e seus julgamentos foram um grande conforto para mim. Rezei por aqueles que tiveram que parar de olhar minhas feridas, meus sofrimentos e minhas dores. Pedi a Deus por graças e bênçãos para todo o meu povo. Eu as dei em suas mãos, para que lhe dessem glória para sempre, e para que dessem glória ao Filho do Homem. E assim eu glorifiquei a Deus em meus irmãos e Deus me glorificou neles, e um dia meu Pai e eu lhes devolveremos cem vezes a glória que nos deram, e eles abençoarão meu amor e o amor de meu Pai, minha vida e minha morte para sempre, porque encontraram misericórdia em meu Pai, reparação no Filho do Homem; e em sua morte, vida pelo tempo e vida acima de tudo pela eternidade.”

 

LIVRO DOIS - Capítulo 9

“Quando eu respirei pela última vez, minha alma se separou do meu corpo: esta é a lei da natureza. Pois a morte nada mais é do que a separação da alma do corpo. Agora, tendo tomado o corpo do homem, submeti-me à morte decretada contra todos os homens; e quando meu corpo sofreu todos os sofrimentos da paixão, minha alma foi separada dele para descer ao inferno, ou seja, aos lugares escuros onde as almas dos justos do Antigo Testamento eram guardadas, aguardando a vinda do Cordeiro imaculado e o derramamento de seu sangue, que lhes abriria as portas do céu. Minha alma estava separada do meu corpo, mas minha divindade não estava separada de nenhum deles, e permaneceu sempre unida ao meu corpo e à minha alma. Estes últimos desceram ao inferno, não para habitar ali com as almas que lá habitavam, mas para consolá-las e anunciar-lhes, com libertação, a entrada para o céu. A palavra do Profeta, de fato, era para ser cumprida, e este Profeta, fazendo-me falar pela boca, tinha dito: "Senhor, não deixarás minha alma nos infernos e darás meu corpo à corrupção".

Que alegria entre essas almas, quando aperceberam minha alma descer até elas! Que felicidade vislumbrar a libertação após um cativeiro tão longo! Lá, eles não estavam infelizes, mas não tinham a felicidade que esperavam. Durante minha paixão, eles tinham sido muito solidários com meus sofrimentos, mas se regozijaram pensando que somente esses sofrimentos poderiam libertá-los. A privação da visão de Deus era para eles uma aflição. Você pode compreender bem, minha filha, você que sofre tanto quando eu a privo por algum tempo de minha presença sensível. Você pode compreendê-lo porque me ama e sabe como é dolorosa a separação entre dois verdadeiros amigos. Sua dor, entretanto, não é nada em comparação com o sofrimento dessas almas. Você não está separada de seu corpo, e o corpo obscurece a inteligência da alma; você Me entende menos do que aquelas almas que se sentiram feitas para Deus, prontas para voar até Deus, e que foram retidas por uma força intransponível, longe de Deus. Mas havia uma grande causa de alegria que diminuía seu sofrimento e quase parecia aniquilá-lo: a certeza de que eles não perderiam Deus e que um dia O possuiriam para sempre, enquanto que você, minha filha, não tem tal certeza. Você deve lutar e lutar até o fim.

O amor dessas almas por Deus as fez compreender muito melhor o infortúnio de estarem separadas Dele; mas, por outro lado, a certeza de amá-Lo sempre e eternamente as fez esperar pacientemente pela hora da libertação.

Minha filha, faça sua vida como o limbo das almas justas; deixe sua alma encontrar em seu corpo seu próprio limbo. Que sua alma encontre em seu corpo seu próprio limbo. Que suspire sempre para Mim; que espere a hora de minha visita, não mais por minha morte, mas por sua morte. Vivam de tal forma que, após sua morte, nossa separação não dure, mas sim que estejamos unidos imediatamente para sempre. Se você viver de acordo com meus ensinamentos, levarei sua alma enquanto ela deixa seu corpo, e lhe darei um lugar ao meu lado no céu".

 

LIVRO DOIS - Capítulo 10

No sábado santo, ajoelhei-me no túmulo de Jesus para fazer minha meditaçção. Eu me coloquei na presença de Deus, e depois de ter unido meu coração a Nosso Senhor, a fim de dirigir-me ao Pai eterno e pedir-Lhe que me enviasse o Espírito Santo, vi o Salvador descansar no seio de Deus, e fazer fluir algo tão doce e gentil em minha alma e coração que não pude falar. O Salvador Jesus veio até mim e disse: "Minha filha, o que você queria considerar em sua meditação?” Imediatamente minha língua foi solta e eu respondi: 'Queria lembrar, Senhor, a ocasião de tua paixão quando o povo clamou por tua morte e Pilatos te entregou à sua fúria. - O que você acha disto, minha filha? - Eu penso, Senhor, que todos os dias o crime de Pilatos se repete, e que você é abandonado pela falsa vergonha ou pela complacência covarde. Admiro, Senhor, sua humildade, sua paciência, sua submissão. - Minha filha, minha conduta deve servir de modelo para você. Não teria sido difícil para mim pedir a Pilatos que falasse com o povo. Pilatos ter-me-ia dado permissão. Minha palavra teria mudado o coração dessas pessoas; pois minha palavra não é como a dos pregadores ou dos livros, que não causa impressão, a menos que minha graça a acompanhe. Posso falar e dar entendimento à minha palavra, iluminar a mente e tocar o coração. Isto é o que eu poderia ter feito com os judeus. Eu não queria fazer isso. Minha filha, siga meu exemplo. Quando você for perseguida por maledicência ou calúnia, sofra tudo calmamente; no entanto, não lhe é proibido defender-se e justificar-se; se o fizer, que seja com paz e tranquilidade. Evite aquela profusão de palavras que faz com que as pessoas fiquem irritadas e com raiva e não mantenham mais limites, pois desta forma ofendem a Deus e ao próximo. Se aqueles que se opõem a você falam alto e por muito tempo, não os detenha; escute-os com paciência, serenidade e modéstia. Se você falar, não será ouvido, e sua calma o justificará muito mais do que todos os seus discursos. Quando estas pessoas tiverem parado de falar e se acalmado um pouco, digam abertamente, simples e sinceramente o que sua consciência dita. Se eles não quiserem acreditar em suas palavras, não se preocupem com isso, retirem-se em paz, sofram seus julgamentos e condenações com paciência; nunca falem mal delas, não relatem a ninguém o que aconteceu e esperem. Acima de tudo, não imitem aqueles que afastam todos os erros para colocar a culpa de tudo ou quase tudo sobre os outros, e isto para se lisonjear e manter sua vaidade. Ah, ao contrário, nunca diga nada além de coisas boas sobre pessoas que o ofenderam ou que não gostam de você. Mostre que você os perdoa, que você os deseja bem, que você os ama a todos da mesma forma; e assim, pouco a pouco, essas pessoas voltarão para você, e você será justificado por isso aos olhos do mundo. Tenha coragem, minha filha, despreze ou sofra pacientemente os julgamentos dos homens. Não se pode ser ao gosto de todos. Cada um julga de acordo com seus próprios caprichos e inclinações; mas não pare por aí mais do que uma folha soprada pelo vento. Quando os homens pensam e acreditam que você é digno da condenação eterna, o que lhe importa se por sua virtude você merece o céu? E de que lhe serviria ser considerado um santo na terra pelos homens, se sua conduta aos olhos de Deus merece o inferno? Aja como eu, minha filha, e coloque seu corpo, mente, alma e coração nas mãos de Deus, e você encontrará nEle a paz que a agitação do mundo ou a inquietação dos homens nunca lhe roubarão."

 

Fonte: http://www.livres-mystiques.com/partieTEXTES/MarieLataste/Verbe_de_Dieu_2.html

Busca


Sexta-feira, 25 de Junho de 2021







Acessos




Mulher Vestida de Sol