‹ voltar



“HAVERÁ PESTES” (Mt 24,7) Cientistas ressuscitam o vírus da gripe espanhola de 1918

 

“Não encontrais a paz e não a encontrareis se não vos aproximardes de Mim. Se não vos converterdes, o mal continuará espalhando as pestes espirituais e as pestes surgidas do passado sobre a humanidade, em parte angustiada, em parte incrédula a respeito desta peste atual.” (Jesus Cristo a Luz de Maria, em 02-07-2020)

n/d

Artigo publicado em 05 de October de 2005
Fonte: https://www.nature.com/articles/437794a
(Título original: The 1918 flu virus is resurrected)

A recriação de uma das doenças mais mortíferas conhecidas poderia ajudar-nos a prevenir outra pandemia. Ou pode desencadear uma, dizem os críticos. Andreas von Bubnoff investiga se os benefícios compensam os riscos.

Pensa-se que matou 50 milhões de pessoas, e, no entanto, os cientistas ressuscitaram-na. Nesta edição da Nature, os cientistas publicam uma análise da sequência completa do genoma do vírus da gripe humana de 1918. E na Science desta semana, os investigadores descrevem como utilizaram essa sequência para recriar o vírus e estudar os seus efeitos em ratos.

Alguns cientistas já aclamaram o trabalho como dando uma visão sem precedentes do vírus. Dizem que a forma como surgiu e porque foi tão mortal poderia ajudar os especialistas a detectar a próxima estirpe pandêmica e a conceber medicamentos e vacinas apropriados a tempo.

Mas outros levantaram a preocupação de que os perigos de ressuscitar o vírus são demasiado grandes. Um especialista em biossegurança disse à Nature que o risco de a estirpe recriada poder escapar é tão elevado, que é quase uma certeza. E a publicação da sequência completa do genoma dá a qualquer nação desonesta ou grupo bioterrorista toda a informação de que necessitam para fazer a sua própria versão do vírus.

Jeffery Taubenberger, do Instituto de Patologia das Forças Armadas em Rockville, Maryland, é o autor principal do estudo de sequenciação. Ele diz que o trabalho era necessário e que os riscos eram baixos. O artigo de 889 páginas dá pormenores sobre os três genes finais; as sequências dos restantes já foram publicadas.

A sequência completa é uma forte evidência de que o vírus da gripe de 1918 deriva totalmente de um antepassado que infectou originalmente as aves. Em contraste, os vírus que causaram as pandemias de gripe de 1957 e 1968 surgiram quando os vírus da gripe humana e aviária infectaram a mesma pessoa ao mesmo tempo, permitindo que os seus genes se misturassem.

Todos os oito segmentos do genoma do vírus de 1918 diferem de formas importantes de outras sequências de gripe humana, sugerindo que nenhum do genoma provinha de uma estirpe que tinha infectado pessoas anteriormente. "É o mais parecido com o de todos os vírus da gripe dos mamíferos", diz Taubenberger.

Identificar exatamente quais as mutações genéticas que permitiram que o vírus saltasse para os seres humanos permitirá aos cientistas reconhecer outros vírus de aves que poderiam desencadear uma pandemia. A equipe de Taubenberger já identificou 25 alterações nas sequências proteicas da estirpe de 1918 que têm estado presentes em vírus da gripe humana subsequentes. Estas mutações são susceptíveis de ser particularmente importantes, diz ele. Uma dessas alterações, no gene da polimerase PB2, foi encontrada no vírus isolado da única fatalidade humana num surto de gripe aviária H7N7 de 2003 nos Países Baixos.

Quando utilizaram a estirpe para infectar ratos, descobriram que era extremamente virulenta, e após 4 dias tinham gerado 39.000 vezes mais partículas de vírus nos pulmões dos animais do que uma estirpe moderna da gripe (ver "Quão virulenta é a gripe de 1918?"). "Não esperava que fosse tão letal como era", diz Tumpey.

Os investigadores compararam o vírus completo de 1918 com estirpes em que alguns genes tinham sido substituídos por genes de estirpes contemporâneas. Descobriram que a substituição do gene da hemaglutinina, que ajuda o vírus a entrar nas células, tornava-o incapaz de matar ratos. A substituição dos três genes da polimerase, que permitem a replicação do vírus, reduziu significativamente a sua virulência. O gene da hemaglutinina é essencial, diz Tumpey. "Mas nenhuma alteração ou gene é a resposta", acrescenta Taubenberger. "É um efeito de combinação".

A investigação futura envolverá testes de vírus reconstruídos com e sem certas mutações, para ver quais são os mais importantes para a virulência. Espera-se que a informação deste tipo de estudo seja útil na concepção de vacinas e medicamentos, mas até agora o trabalho consiste mais em obter uma compreensão básica do vírus do que quaisquer benefícios imediatos para a saúde.

Os estudos têm sido elogiados como inovadores. "É um marco", diz Eddie Holmes, um virologista da Universidade Estatal da Pensilvânia, no Parque Universitário. "Não só é a primeira vez que isto é feito para qualquer patógeno antigo, como também trata do agente da pandemia da doença mais importante da história da humanidade".

A equipe obteve autorização do chefe do CDC Julie Gerberding e Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas, sediado em Bethesda, Maryland.

Mas os estudos suscitaram receios entre outros investigadores. "Há definitivamente motivos de preocupação", diz Richard Ebright, bacteriologista da Universidade Rutgers em Piscataway, Nova Jersey, que trabalha em painéis de biossegurança. "Tumpey et al. construíram, e forneceram procedimentos para outros construírem, um vírus que representa talvez o agente de armas biológicas mais eficaz atualmente conhecido".

"Isto seria extremamente perigoso se escapasse, e há uma longa história de fuga", diz Barbara Hatch Rosenberg, bióloga molecular e membro do Grupo de Trabalho sobre Armas Biológicas da Federação de Cientistas Americanos. "Que vantagem é tão maior do que esse risco?"

Ebright concorda que existe um risco significativo, "que se aproxima da inevitabilidade", de libertação acidental do vírus na população humana, ou de roubo por um "funcionário de laboratório descontente, perturbado ou extremista". E há o perigo de uma nação hostil poder reconstruir a sua própria versão do vírus, diz ele, salientando que qualquer um destes cenários poderia resultar num grande número de mortes.

Ebright também acredita que a utilização de um laboratório de nível 3 de biossegurança melhorado para o trabalho foi inadequada. Se os investigadores iam fazer o trabalho, deveriam ter usado o nível 4, a condição de biossegurança mais rigorosa, diz ele. Isto exige que os experimentadores usem fatos de corpo inteiro. Em 2003, assinala, um vírus da SRA escapou acidentalmente de um laboratório de nível 3 em Singapura, e em 2004 ocorreram mais duas fugas de tais laboratórios em Pequim.

Os contadores de tumefacção que melhoraram o nível 3, que requer fatos de corpo inteiro e respiradores, são suficientemente seguros. Os funcionários descontentes também não são uma preocupação, diz ele, porque ele é o único que trabalha com o vírus. Os poucos investigadores com acesso ao laboratório são submetidos a extensas verificações de antecedentes, e são utilizados scans de retina e impressões digitais para impedir qualquer entrada não autorizada no laboratório.

Ele acrescenta que mesmo que o vírus escapasse, não teria as mesmas consequências que a pandemia de 1918. A maioria das pessoas tem agora alguma imunidade ao vírus de 1918 porque os subsequentes vírus da gripe humana são em parte derivados do mesmo. E, nos ratos, as vacinas e medicamentos regulares contra a gripe são pelo menos parcialmente eficazes contra uma infecção com vírus reconstruídos que contêm alguns dos genes da gripe de 1918.

Publicar e ser condenado?

A outra ameaça potencial provém da disponibilidade da sequência completa do genoma, que foi colocada na base de dados GenBank - uma condição da publicação do artigo. Qualquer pessoa pode encomendar que o ADN seja feito para uma determinada sequência, aponta Jonathan Tucker, um analista político do Center for Nonproliferation Studies, em Washington DC. Não existem actualmente controles governamentais sobre que sequências podem ser utilizadas, diz Tucker, embora algumas empresas de síntese de ADN possam agora analisar as suas encomendas de sequências patogénicas. Se alguém quiser reconstruir o vírus, diz Taubenberger, "a tecnologia está disponível".

Philip Campbell, editor-chefe da Nature, diz que embora não tenha procurado aconselhamento sobre a publicação do trabalho, fê-lo para trabalhos anteriores sobre a gripe-virulência e o genoma patogénico. Ele diz que os benefícios superam claramente os riscos. Donald Kennedy, editor-chefe da Science, concorda sobre os méritos da publicação. "Penso que vamos depender deste tipo de conhecimento", diz ele.

O National Science Advisory Board for Biosecurity (NSABB) dos EUA chegou a uma conclusão semelhante sobre ambos os estudos, após ter convocado uma reunião de emergência na semana passada para considerar os riscos. Mas, preocupado com os receios do público, pediu aos autores de ambos os trabalhos que acrescentassem uma passagem aos manuscritos declarando que o trabalho é importante para a saúde pública e foi conduzido em segurança.

Campbell diz estar preocupado que as agências governamentais comecem a procurar envolver-se no processo de publicação. "Estamos felizes por cooperar com a NSABB para considerar os princípios pelos quais os resultados de dupla utilização podem ser publicados de forma responsável", diz ele. "Mas as burocracias e comités governamentais podem pressionar para evitar riscos percebidos, à custa potencial dos benefícios para a segurança pública".

Taubenberger admite que não pode haver garantia absoluta de segurança. "Estamos conscientes de que todos os avanços tecnológicos podem ser mal utilizados", diz ele. "Mas o que estamos a tentar compreender é o que aconteceu na natureza e como evitar outra pandemia. Neste caso, a natureza é o bioterrorista".

Quão virulenta é a gripe de 1918?

  • 50 vezes mais partículas de vírus são libertadas das células pulmonares humanas um dia após a infecção com o vírus de 1918 do que após a exposição a uma estirpe contemporânea chamada o vírus do Texas.
  • 13% do peso corporal é perdido por ratos 2 dias após a infecção com a gripe de 1918; a perda de peso é apenas transitória em ratos infectados com a estirpe do Texas.
  • 39.000 vezes mais partículas de vírus são encontradas no tecido pulmonar de ratos 4 dias após a infecção com a gripe de 1918 do que as encontradas com o vírus do Texas.
  • Todos os ratos morreram no prazo de 6 dias após a infecção com a gripe de 1918; nenhum morreu da estirpe do Texas.

 

Veja também: 

AMERICANOS DESCOBREM SEGREDO DA VIOLÊNCIA DA GRIPE ESPANHOLA

CIENTISTAS RESSUSCITAM VÍRUS DA GRIPE ESPANHOLA PARA ESTUDAR SUA LETALIDADE

CIENTISTAS RECONSTROEM VÍRUS DA GRIPE ESPANHOLA DE 2018

 

‘Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e PESTES, e terremotos, em vários lugares.’ (Mateus 24, 7)


Busca


Terça-feira, 26 de Outubro de 2021




Acessos








Mulher Vestida de Sol