‹ voltar



Rock: revolução e satanismo - PARTE III

n/d

Rock e Revolução

Políticos do erotismo, arautos da desordem e do caos, propugnadores da ação sem qualquer sentido. Rebeldes contra a sabedoria e a lei. Apóstolos da irracionalidade e do desespero. Tais se confessam os líderes do movimento Rock.

Enganam-se os que julgam que o Rock foi apenas uma revolução musical. Ele foi mais. Foi uma revolução cultural que se estendeu das modas à religião, do gosto ao comportamento social.

Neste final do século XX, século que assistiu o nascer, o triunfo e o desmoronamento surpreendentemente rápido e imprevisto de tantas ideologias revolucionárias, do nazismo ao comunismo - uma revolução se mantém e aparece como triunfante. Ela impôs uma nova ‘arte’, uma nova moda. Ela quer a libertação de todas as leis, regulamentos e normas sociais. Ela se impõe à sociedade liberal, querendo que ela se torne libertária. Ela exige o permissivismo. Contra tudo o que é refinado e aristocrático, ela ostenta a preferência pelo que é sujo, prosaico, baixo, vulgar ou grosseiro. Ela faz apanágio da obscenidade e da depravação. Radicalmente imoral, exige a liberação das drogas, além de sexo livre e público. Defende taras e perversões. Quer o absurdo e preconiza a abolição da racionalidade. Naquilo que a arte moderna fracassou, o Rock obteve êxito; torna o feio, o nojento e o monstro admiráveis.

Pior que as ideologias totalitárias que ofereciam a esperança insana de construir um paraíso quiliástico ou utópico na terra, em que não haveria males nem misérias, a revolução do Rock promete apenas frustração, desespero, suicídio, loucura e inferno. E, apesar disso, essa revolução que propõe o quiliasma do horror triunfa.

‘Mistura de ritmos e de gêneros musicais, de sons e tradições, a música corre mais depressa que os homens; ela conseguiu realizar a verdadeira revolução deste século’ (...). Ela é, ao mesmo tempo, o espelho e o instrumento de uma transformação política e cultural sem igual na história.’ (Le Nouvel Observateur no. 1441, 18-24, junho de 1992, artigo de Elizabeth Schemla - La Révolution Musique, pag. 4).Os próprios expoentes do movimento Rock proclamam que realizaram mais do que uma simples inovação em matéria musical: desencadearam uma avalanche revolucionária.

‘É necessário que nos levantemos em plena rua este é o tempo de revolução violenta.’ (Rolling Stones).

‘O Rock marcou o início da revolução. Nós fundamos uma nova vida política com um estilo de vida psicodélico. A nossa maneira de viver, o nosso ácido (droga), as nossas vestimentas ‘freaky’, a nossa música Rock, aí está a verdadeira revolução’. (Jerry Rubin).

O tristemente conhecido líder dos Beatles, John Lenon, declarou:

‘Eu não gosto de ouvir dizer que os Rolling Stones são como revolucionários e nós, os Beatles, não somos. Se os Stones o fossem, ou o forem, também os Beatles o seriam de fato’. (Apud Mons. R. Williamson - rev. Semper, no. 2, pag. 23).

‘O Rock é mais do que música, é o centro energético de uma nova cultura e de uma juventude em Revolução’.

Opinião semelhante foi expressa pelo conhecido maestro Leonard Bernstein:

‘Devemos encarar a música Rock'n Roll como sendo, ao mesmo tempo, um sintoma e um fator gerador desta revolução dos jovens de hoje’. (Leonard Bernstein, Rock'n Roll, the Devil's Diversion).

O Rock é de fato sintoma e fator gerador da revolução (L. Bernstein), é ‘espelho e instrumento de transformação política e cultural, sem igual na história’. (Elizabeth Schemla - Le Nouvel Observateur)

Note-se a correspondência dessas opiniões:

a) o Rock é sintoma e espelho da mentalidade que nasceu do liberalismo;
b) é fator gerador e instrumento de revolução.

Com efeito ele é espelho e sintoma, porque expressa as tendências libertárias, igualitárias, irracionais e anárquicas que o liberalismo e o romantismo punham como ideal a atingir.

O liberalismo e sua expressão artística, o romantismo, semearam os ideais falsos cujos frutos o Rock cultiva e colhe.

O liberalismo desejava que o homem fosse absolutamente livre de toda coerção de lei, regulamento, disciplina e até de regras de etiqueta. Os pais que tinham essa mentalidade liberal e romântica nela educaram os seus filhos, que coerentemente, levaram essas ideias às suas consequências lógicas. O jovem roqueiro, totalmente revoltado, radicalmente anárquico, absolutamente livre, realiza o ideal libertário de seus progenitores.

O romantismo defendia o sentimento contra a razão, que ele considerava enganadora. Negava, com o liberalismo, a existência da verdade objetiva, e punha o sentimento como valor supremo. Naturalmente, isso o levou a buscar sensações cada vez mais violentas. No Rock, o sensualismo, semeado pelo romantismo, chega ao ápice. O Rock quer o gozo de qualquer prazer, em grau máximo, sem nenhum controle. Ele quer a droga, seja como fonte de prazer, seja como meio de anular e destruir a razão e a visão racional do mundo.

O que Platão dissera sobre o poder da música no diálogo República, nós o vimos realizado em nosso século.

É portanto natural que nas letras das canções de Rock se explicitem as ideias revolucionárias que suas músicas expressam através dos símbolos sonoros.

Veja-se, por exemplo o que diz a canção Imagine, de Jonh Lenon:

‘Imagine não haver paraíso
É fácil você tentar
Nenhum inferno abaixo de nós. 
(...)
Imagine não haver países.
Não é difícil não.
Nada para matar ou pelo que morrer
E nenhuma religião também
Imagine todas as pessoas
vivendo a vida em paz.
(...)
Imagine não haver propriedade
Uma irmandade de homens.
Imagine todas as pessoas
Compartilhando o mundo todo. 

O que se prega nessa canção é a utopia comunista pela abolição das cercas e fronteiras, isto é, pela destruição das pátrias e das propriedades. Evidentemente esse mundo comunista sonhado por Lenon não podia ter religião, nem céu, nem inferno. Nele não haveria motivos para morrer, o que significa que não haveria razões para viver.

Na canção Ângela, Lenon pede igualdade como valor mais alto, negado aos homens de hoje:

‘Eles te deram a luz solar.
Eles te deram o mar.
Eles te deram tudo,
Menos a chave da cadeia.
Eles te deram café.
Eles te deram chá.
Eles te deram tudo,
Menos a igualdade.’ 

Veja-se como o ‘inocente’ líder dos Beatles incita os filhos dos liberais à revolta contra a família e a escola:

‘Nascemos numa prisão (a família)
Crescemos numa prisão.
Mandados para uma prisão chamada colégio.
Choramos numa prisão.
Amamos uma prisão.
Sonhamos numa prisão.
como tolos
(...) Trabalhamos numa prisão (...)
Vivemos numa prisão
entre juízes e diretores (...)
O espelho torna-se navalha quando
é quebrado 

Quantos pais democratas liberais permitem que seus filhos ouçam as canções dos Beatles, porque ‘elas não tem nada demais’! Entretanto, espantar-se-iam eles, se atentassem para o que diz a letra da canção ‘Only People’:

‘Somente o povo sabe como falar com o povo.
Somente o povo sabe como mudar o mundo.
Somente o povo percebe o poder do povo.
Um milhão de cabeças é melhor do que uma
Então vamos, participe.’ 

Espantar-se-iam eles? Mas não estão expressos nesses versos os ideais da Revolução de 89? Mas não está aí a linguagem da Teologia da Libertação, que os democratas condenam?

Em ‘Bring on the Lucie’, (Provoquem Lucie), Lenon canta:

‘Não nos importa a bandeira que você está segurando.
Não queremos nem mesmo saber o seu nome.
Não nos importa de onde você vem,
ou para onde você vai.
Tudo o que sabemos é que você veio.
Você está tomando todas as nossas decisões.
Só temos um pedido para fazer:
Enquanto você pensa coisas aí
Aqui há uma coisa que seria melhor você fazer:
Liberte o povo agora.
Faça-o, Faça-o, Faça-o, Faça-o, Faça-o já.
666 é o seu nome’ 

O escandaloso rebelde Jim Morrison, por sua vez, cantava o triunfo próximo da Revolução-jovem do Rock fundada no critério democrático do número:

‘Os velhos ficam velhos e os jovens ficam mais fortes.
Pode demorar uma semana e pode demorar mais.
Eles têm as armas, mas nós temos os números.
Vamos vencer, yeah, estamos tomando conta.
Vamos lá’. 
(canção ‘Five to one’) 

Compreende-se então quanto é verdadeira a confissão do anarquista Jerry Rubin em seu best-seller ‘Do it’.

‘O Rock'n Roll marcou o início da revolução...’

‘Nós vemos o sexo, o Rock'n Roll e a droga, como fazendo parte de uma conspiração comunista para conquistar a América... Nós combinamos a juventude, a música, o sexo, as drogas e a revolta, tudo isto fazemos coincidir com a traição, de modo a formar um todo coerente, uma frente inexpugnável’. (Apud. Mons. R. Williamson, revista Semper no. 2, pag. 23)

O ódio à autoridade e o amor à rebelião pregado nas canções de Rock têm como primeiras vítimas os pais e os mestres dos jovens roqueiros. Em casa, eles se revoltam contra a autoridade do ‘velho’ e da ‘velha’. Na escola (prisão), subvertem toda a ordem, desacatando professores e diretores. Quantas tragédias familiares não tiveram raiz nos discos de Rock que os pais permitiam que seus filhos - mimados e ‘inocentes’ - ouvissem. Em São Paulo, houve casos de um jovem que matou toda a família depois de ouvir Rock no mais alto volume de seus aparelhos de som.

Veja-se agora o que prega a canção ‘The end’ do conjunto Doors de Jim Morrison, um revoltado contra a autoridade de seu pai:

‘(...) Cavalgue a serpente, cavalgue a serpente 
(...)
O matador acordou antes da aurora,
calçou suas botas.
Colheu um rosto da antiga galeria
e seguiu pelo corredor.
Foi até o quarto onde morava sua irmã,
e então fez uma visita a seu irmão, 
e então seguiu pelo corredor
e chegou a uma porta
e olhou para dentro
‘Pai?’
‘Sim, filho’
‘Eu quero matá-lo’ 
‘Mãe, eu quero...’ 

No Brasil, o conjunto ‘Garotos Podres’ (Les bien auto nommés) berram na canção Anarquia:

‘Um dia você vai descobrir
que todos te odeiam e te
querem morto, pois você
representa um perigo ao poder
Anarquia
Anarquia
Anarquia
Eles não querem que você
viva, destrua o sistema
antes que ele o destrua, etc.. 

Portanto, a revolução que o Rock desencadeia nas almas - como reconhecem os seus arautos - é que visa destruir toda a autoridade na família, na escola, na sociedade. O Rock é anárquico.

 

O ritmo e seus efeitos 

A tudo isto reponder-nos-ão alguns roqueiros, insistindo, que nada disto lhes interessa. O que apreciam no Rock, o que querem ouvir - mesmo que as letras pregarem submissão e obediência - é o ritmo. Só o ritmo lhes importa. E, segundo eles, o ritmo não transmite ideias.

Platão não concorda, pois afirma que há ritmos moles e frouxos que devem ser banidos (Platão, República III). Também o anarquista e roqueiro Jerry Rubin não aceita que o ritmo não transmite ideias. Ele escreveu: Elvis [Presley] despertou nossos corpos, mudando-os completamente. O Hard-Rock animal que guarda seu segredo no ‘beat’ enérgico (esta repetição de pulsações regulares combinadas com ritmos sincopados é a base do Rock) penetrava ardorosamente no interior de nosso corpo; o ritmo arrebatador fazia surgir todas as paixões que estavam comprimidas (...) O Rock marcou o princípio da Revolução’ (Apud Luc Adrian - Hard Rock, la danza del diablo - Revista Jesus Cristus - No. 26 março/abril 1993 - pag. 8)

E. R. Dodds, mostra como o ritmo do tambor do culto de Baco tinha um efeito físico e psicológico espantoso nas bacantes, que influenciadas pelo ritmo do tambor e pelo som da flauta - pareciam loucas. ‘Uma tradição délfica recordada por Plutarco sugere que o ritmo, por vezes, produz uma verdadeira perturbação de personalidade (...) Em muitas sociedades, talvez em todas as sociedades, há pessoas para as quais, como nota Mr. Aldous Heixley, ‘as danças rituais permitem uma experiência religiosa que é mais satisfatória e convincente do que qualquer outra... É com seus músculos que muitas pessoas obtém mais facilmente o conhecimento do divino’ (E. R. Dodds, The Greeks and the irrational, Univ. of California Pres, Berkley and Los Angeles, 1963, pag. 232- 233) ...segundo um sábio maometano, ‘aquele que conhece o poder da dança, reside em Deus’, mas o poder da dança é um poder perigoso. Como outras formas de autocapitulação, é mais fácil começar do que acabar com ele. Na extraordinária loucura de dançar que periodicamente invadiu a Europa do século XIV ao século XVII, as pessoas dançavam até cair - como o dançarino no Bacchal 136 ou o dançarino no vaso (grego) de Berlim (No. 2471) e jazia inconsciente pisoteado por seus amigos’.(E.R. Dodds, op. cit., pag. 271 à 272) 

Frank Zapper, músico de Rock, afirma: ‘Dei-me conta de que esta música se apodera dos jovens, porque o seu forte bater corresponde aos grandes ritmos do corpo humano’. (Mons. R. Williamson, op. cit., pag. 27)

Walter Matt escreve: ‘O martelamento da música Rock visa intencionalmente excitar sexualmente os ouvintes, sobretudo os jovens certamente. Disto pode-se dar uma breve explicação. A música Rock quase não tem melodia, e o texto quase não tem senso - bom senso - (Hélas às vezes tem sentido horrível e espantoso). Resta o elemento essencial: o ritmo, e nosso corpo é sensível a ele. Aos membros da ‘American Psychiatric Association’, o Dr. Howard Hanson declarou:

‘Primeiramente, ainda que considerando tudo o mais, quanto mais o movimento ultrapassa em velocidade o ritmo do pulso e sobe além do ordinário, mais também se acresce a tensão emotiva’. (W. Matt, op. cit., pag. 5)

Ele cita ainda as observações de Alice English Monsarrat, segundo a qual, com o ritmo do Rock (...) pode-se produzir sobre não importa qual organismo humano uma desintegração histérica, como se notaria numa pessoa que quisesse precipitar-se, com raiva, em duas direções opostas, ao mesmo tempo (...). Tem-se experiência disso em psiquiatria: é precisamente o conflito de emoções criado pela ação de dois estimulantes com percussões divergentes que conduz a nossa clínicas, em grande número, irrecuperáveis destroços de humanidade’. (W. Matt, op. cit., pag. 6)

Monsenhor Richard Williamson chega às mesmas conclusões, quando explica os efeitos do ritmo do Rock:

‘Dirigindo com cuidado a sequência dos ritmos, diz John Phillips, do grupo ‘Mamas and Papas’, pode-se induzir a histeria no seio do auditório. Nós sabemos fazê-lo. Qualquer um sabe fazê-lo. E para provar o que diziam, eles causaram um motim num concerto em Phoenix, Arizona!’ (Mons. R . Williamson - in Semper no. 2 Revista da Fraternidade Sacerdotal S. Pio X, Portugal, pag. 28)

Em outra citação dada por Mons. Williamson se informa que: ‘A título de exemplo de análise médica do processo pelo qual o ritmo pode ‘quebrar’ o corpo, os médicos observam que o sistema nervoso autônomo do corpo humano é banhado pelo líquido cérebro-espinal, o qual possui um pulsação dirigida em parte pela glândula pituitária, aquela que governa todo o corpo. Esta glândula influi sobre quase todos os processos vitais do corpo, dirigindo, por exemplo, a secreção dos hormônios das glândulas endócrinas do corpo. Se, portanto, ela for desgovernada pelas vibrações do ‘beat’ (batida do Rock), a glândula pituitária arrastará consigo todo o sistema nervoso, que por causa disso, ficará subvertido. Ora, daí pode se imaginar uma excreção anormal dos hormônios sexuais, por exemplo, o que explicaria os movimentos eróticos das danças do ‘Rock’. O ritmo e a dança constituem os meios para atingir o sistema nervoso. Possuo filmes que demonstram que os ritmos primitivos de uma tribo primeva do Quênia, e um grupo de músicos no interior de um sala de danças em Londres, produzem as mesmas emoções de transe’, disse o Dr. Willian Faragut na Royal Society of Medicin’(...).

‘Além disso, o ‘beat’, estimulando a secreção do hormônio epinefrina, faz diminuir no sangue o cálcio de grande importância para dirigir o sistema nervoso, e o açúcar, único alimento do cérebro. Daí os nervos ficarem esgotados e o cérebro desarranjado, após um concerto de Rock. Esta forte estimulação da sensualidade, e concomitante depressão da inteligência e da razão desemboca no erotismo e na violência; ora este suicídio da razão tende ao suicídio propriamente dito.’(Mons. R. Willianson, op. cit., pag. 28-29)

O padre Regimbal afirma que o ‘beat’ pode produzir uma aceleração da pulsação cardíaca e um aumento da taxa de adrenalina; ele pode provocar não só um bem estar sexual, mas também uma excitação que pode ir até o orgasmo’. (Pe. Regimbal, op. cit., pag. 26)

Esse autor traz importantes observações acerca dos efeitos do ritmo do Rock. Ele cita um trabalho do Dr. Bob Larson e de uma equipe médica de Cleveland, que examinou cerca de 200 pacientes, ouvintes habituais de Rock. Diz então do Dr. Larson:

"Notou-se que essa música podia ter efeitos físicos espantosos: alterações da pulsação e na respiração, aumento de secreção das glândulas endócrinas, em particular da glândula pituitária que regula os processos vitais no organismo. Quando a melodia sobe, a laringe se contrai; quando ela desce, ela se relaxa.

‘O metabolismo de base e a taxa de açúcar no sangue se modificam no decorrer de uma audição. Pode-se pois considerar que é possível ‘tocar’ o organismo humano como se ele fosse um instrumento musical, e, de fato, certos compositores de música eletrônica se tem proposto manipular o cérebro provocando um ‘curto-circuito’ nas faculdades conscientes, exatamente como o faz a droga. O ritmo predominante no Rock e na Pop Music inicialmente condiciona o corpo, depois estimula certas funções hormonais do sistema endócrino’. (Dr. Bob Larson, apud Pe. J. P. Regimbal, op. cit., pag. 32) Note-se que, segundo o Dr. Larson, o Rock tem um efeito semelhante ao provocado pelas drogas.

Dessa mesma obra, queremos dar outra citação importante:

O célebre músico terapeuta Adam Knieste, no relatório de um estudo que durou dez anos sobre os efeitos da música Rock escreveu: ‘O problema central causado pela música Rock nos pacientes que tratei decorre claramente da intensidade do barulho que provoca hostilidade, esgotamento, narcisismo, pânico, indigestão, hipertensão e uma estranha narcose. o Rock não é um passatempo inofensivo, é uma droga mais mortal do que a heroína, e que envenena a vida de nossos jovens’. (Pe. J. P. Regimbal, op. cit., pag. 33)

Confirma então o Dr. Knieste o que dissera o Dr. Larson e ainda com mais ênfase: ‘o Rock é uma droga pior que a heroína.’

Ainda da obra citada do Pe. Regimbal, extraímos conclusões tiradas pelos médicos Drs. Mac Rofferty, Gramby Blaine, Barnard Saibel, Walter Wright, Frank Garlock, Tom Allen e outros mais. Segundo esses médicos o Rock, com seu ritmo literalmente alucinante, provocaria nos ouvintes, entre outros efeitos: 

‘Modificações das reações emotivas, indo da frustração à violência incontrolável’.

‘Sobre-excitação neuro sensorial produzindo euforia, sugestibilidade, histeria e mesmo alucinação’.

‘Sérias perturbações de memória’.

‘Estado hipnótico ou cataléptico que transforma a pessoa numa espécie de zumbi ou robô’.

‘Estado depressivo indo até a neurose e a psicose’.

‘Tendências suicidas e homicidas’.

‘Auto mutilação, auto imolação e auto punição’.

‘Impulsos irresistíveis de destruição e vandalismo’.

(Pe. J. P. Regimbal, op. cit., pag. 33)

Durante o I Congresso Mundial sobre Pré-Natal, em Granada, foram apresentados estudos mostrando que a música de Madona, por exemplo, favorece a ocorrência de aborto, motivo pela qual a Cruz Vermelha aconselhou as mulheres grávidas que forem a concertos de rock a ocupar as últimas fileiras. (O Estado de São Paulo, pág. 15, 18- III-93) 

São bem conhecidas as ações a que se entregam os jovens uns contra os outros, e sem razão alguma, nas danceterias. Hoje em dia são também conhecidos muitos grupos de Rock que destroem totalmente a cara aparelhagem de som que usaram, no final de seus ‘concertos’. A prática do ‘mosh’ - roqueiro que levado pela euforia, já não se contém e se joga no ar, caindo sobre os outros - é outra prova dessa falta de domínio que leva à violência e a atos incontroláveis.

Em suma, os efeitos fisiológicos e psicológicos do ritmo do Rock levam os jovens, como é de conhecimento público, a atitudes imorais que os cantores de Rock preconizam pelas letras de suas canções e pelos exemplos de suas vidas, tais como:

- Perversões sexuais e pornografia
- Uso de droga
- Revolta contra toda lei contra toda autoridade
- Violência
- Suicídio
- Crime e parricídio
 

 

(Fim da PARTE III)



Fonte: http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cadernos&subsecao=arte&artigo=rock〈=bra
 

 

 


Busca


Domingo, 28 de Novembro de 2021




Acessos








Mulher Vestida de Sol