‹ voltar



"HAVERÁ PESTES" (Mt 24, 7) Doença cerebral misteriosa surge no Canadá; cientista canadense alega, em e-mails vazados, que foi impedido de estudá-la.

“Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e PESTES, e terremotos, em vários lugares.” (Mateus 24:7)

 

Fonte: https://www.theguardian.com/world/article/2024/jun/03/canada-email-leak-new-brunswick-mystery-illness
03 Junho 2024

 

Um importante cientista canadense alega, em e-mails vazados, que foi impedido de estudar uma doença cerebral misteriosa.

Exclusivo: As alegações de Michael Coulthart surgem depois que New Brunswick encerra sua investigação sobre a doença que afeta mais de 200 pessoas.

 

Um importante cientista federal do Canadá alegou ter sido impedido de investigar uma doença cerebral misteriosa na província de New Brunswick e disse temer que mais de 200 pessoas afetadas pela doença estejam sofrendo um declínio neurológico inexplicável.

As alegações, feitas em e-mails vazados para um colega, vistos pelo Guardian, surgiram dois anos depois que a província oriental encerrou sua investigação sobre um possível "grupo" de casos.

"Tudo o que direi é que minha opinião científica é de que há algo real acontecendo em [New Brunswick] que absolutamente não pode ser explicado pelo viés ou agenda pessoal de um neurologista individual", escreveu Michael Coulthart, um proeminente microbiologista. "Alguns casos podem ser melhor explicados por essa última hipótese, mas são muitos (agora mais de 200)."

As autoridades de saúde de New Brunswick alertaram em 2021 que mais de 40 residentes estavam sofrendo de uma possível síndrome neurológica desconhecida, com sintomas semelhantes aos do distúrbio cerebral degenerativo da doença de Creutzfeldt-Jakob. Esses sintomas eram variados e dramáticos: alguns pacientes começaram a babar e outros sentiam como se insetos estivessem rastejando em sua pele.

Um ano depois, no entanto, um comitê de supervisão independente criado pela província determinou que o grupo de pacientes provavelmente havia sido diagnosticado erroneamente e sofria de doenças conhecidas, como câncer e demência.

O comitê e o governo de New Brunswick também colocaram em dúvida o trabalho do neurologista Alier Marrero, que inicialmente recebeu dezenas de casos de médicos perplexos da região e, posteriormente, identificou mais casos. Desde então, o médico se tornou um defensor ferrenho dos pacientes que ele acredita terem sido negligenciados pela província.

Um relatório final do comitê, que concluiu que não havia um "grupo" de pessoas sofrendo de uma síndrome cerebral desconhecida, sinalizou o fim da investigação da província.

Mas os e-mails vazados vistos pelo Guardian contam uma história totalmente diferente e sugerem que os cientistas seniores da agência de saúde pública do Canadá (PHAC) continuam cada vez mais preocupados com a causa - e os sintomas debilitantes - de uma doença aparentemente inexplicável que afeta desproporcionalmente os jovens.

Em uma troca de e-mails em outubro de 2023 com outro membro da PHAC, Coulthart, que atuou como líder federal na investigação de 2021 sobre a doença de New Brunswick, disse que havia sido "essencialmente afastado" de qualquer envolvimento na questão, acrescentando que acreditava que o motivo era político.

Coulthart, um cientista veterano que atualmente dirige o Sistema de Vigilância da Doença de Creutzfeldt-Jakob do Canadá, não respondeu a um pedido de comentário do Guardian. No entanto, no e-mail que vazou, ele escreveu que acredita que uma "exposição ambiental - ou uma combinação de exposições - está desencadeando e/ou acelerando uma variedade de síndromes neurodegenerativas", com pessoas aparentemente suscetíveis a diferentes doenças de desdobramento de proteínas, incluindo o mal de Alzheimer e o mal de Parkinson.

Coulthart argumenta que esse fenômeno não se encaixa facilmente nos "paradigmas superficiais" da patologia diagnóstica e que a complexidade da questão deu aos políticos uma "brecha" para concluir que "nada coerente" está acontecendo.

"Acredito que a verdade se imporá com o tempo, mas, por enquanto, tudo o que podemos fazer (...) é continuar a coletar informações sobre os casos que chegam até nós como suspeita de doença priônica", escreveu Coulthart.

Cópias da troca de e-mails foram enviadas ao comitê parlamentar de saúde por um grupo de defesa dos pacientes em março, mas não está claro se alguma medida foi tomada. O comitê não respondeu a um pedido de comentário.

O departamento de saúde de New Brunswick não respondeu a perguntas específicas sobre os e-mails de Coulthart.

"Embora o Dr. Alier Marrero tenha feito declarações sobre descobertas e observações com relação a um grande número de pacientes, desde maio de 2023, a Public Health New Brunswick recebeu um total de apenas 29 notificações completas do Dr. Marrero", disse um porta-voz do departamento de saúde da província ao The Guardian em um e-mail.

"Elas estão sendo analisadas... até o momento, a Public Health New Brunswick não recebeu nenhuma notificação semelhante de outros médicos."

O e-mail de Coulthart surgiu mais de um ano depois que Marrero pediu ao governo canadense que realizasse testes ambientais que, segundo ele, mostrariam o envolvimento do glifosato.

Marrero, que inicialmente trabalhou em estreita colaboração com Coulthart, recusou-se a comentar sobre os e-mails de outubro, direcionando as perguntas à autoridade de saúde da província.

Nos anos que se passaram desde que os casos foram sinalizados pela primeira vez para as autoridades de saúde, os que estão sofrendo dizem que vários níveis de governo ignoraram sua situação.

"Os políticos não querem reconhecer que há algo sério acontecendo, porque então eles precisam resolver o problema", disse uma jovem, acrescentando que, desde que a província emitiu seu relatório final, ela não recebeu nenhuma assistência ou acompanhamento, apesar de estar sofrendo uma piora nos sintomas.

Ela agora sofre de tremores musculares e falta de coordenação, e os médicos disseram que sua deterioração visual e de memória lembra a de um paciente várias décadas mais velho.

"Minha condição está progredindo e as coisas têm sido muito mais desafiadoras", disse ela. A mulher, que pediu para não ter seu nome revelado, não consegue cozinhar porque suas mãos são muito difíceis de controlar e ela agora depende quase que exclusivamente de refeições congeladas. À medida que sua memória se deteriora, ela precisa de lembretes constantes de seu smart speaker para tomar medicamentos, tomar banho e comer.

"Sinto falta de poder dirigir e de ter um senso de independência", diz ela. "Eu não me reconheço por dentro."


Busca


Domingo, 21 de Julho de 2024










Mulher Vestida de Sol