‹ voltar



Catedrais francesas em chamas: 'A fase final da descristianização'?

Por Giulio Meotti
25 de Julho de 2020

 

"A profanação continua a crescer na Europa. Recentes atos em estátuas da Virgem Maria nas igrejas francesas mostram o quanto estes gestos são o resultado de um ódio bárbaro. Eles apelam a reações. Os católicos já não podem permanecer em silêncio". - Cardeal Robert Sarah, 10 de Janeiro de 2020.

 

"Temos de tentar tudo, enquanto ainda é possível, para salvar a nossa civilização". A nossa civilização é a herança grega, romana, judaico-cristã". - Alain Finkielkraut, autor, L'Opinon, 17 de Dezembro de 2013.

 

Se a França continuar a não proteger a sua identidade cristã, a França tal como a conhecemos deixará de existir; tornar-se-á um lugar completamente diferente.

Um importante curador do Museu Metropolitano de Arte de Nova Iorque, Keith Christiansen, foi criticado por colocar no Instagram uma pintura de Alexandre Lenoir a salvar os monumentos franceses da devastação da Revolução Francesa. Christiansen escreveu:

"Alexandre Lenoir lutando contra os revolucionários zelotas empenhados em destruir os túmulos reais em Saint Denis. Quantas grandes obras de arte se perderam devido ao desejo de nos livrarmos de um passado do qual não aprovamos. E como estamos gratos a pessoas como Lenoir que se aperceberam que o seu valor - tanto artístico como histórico - se estendeu para além de um momento determinante de convulsões e mudanças sociais e políticas".

Christiansen estava a criticar a atual remoção e profanação de monumentos históricos. Ele não podia saber que, algumas semanas mais tarde, outra catedral francesa seria vandalizada e um órgão antigo, que tinha sobrevivido aos zelotes revolucionários de Lenoir, seria destruído pelo fogo.

Acredita-se que o incêndio na Catedral de São Pedro e São Paulo de Nantes tenha sido iniciado deliberadamente. Foi apenas há um ano atrás que um incêndio maciço eviscerou quase totalmente a Catedral de Notre-Dame de Paris. Depois disso, a histórica Igreja de Saint-Sulpice em Paris incendiou-se, assim como a Basílica de Saint Denis (a mesma representada no quadro afixado por Christiansen). Bombeiros trabalham para apagar as chamas do incêndio na Catedral de Nantes em 18 de Julho de 2020. (Foto de Sebastien Salom-Gomis/AFP via Getty Images)Bombeiros trabalham para apagar as chamas do incêndio na Catedral de Nantes em 18 de Julho de 2020. (Foto de Sebastien Salom-Gomis/AFP via Getty Images)

"O incêndio na Catedral de Nantes, depois de Notre-Dame de Paris, deveria fazer as nossas elites refletirem sobre a grande desordem e a grande mudança, a descivilização está em curso", comentou Philippe de Villiers, o autor e ex-ministro francês.

"Na França há uma destruição silenciosa das raízes cristãs", disse o filósofo Michel Onfray. "Há cerca de um ou dois atos anti-cristãos por dia e é preciso uma catedral em chamas para começar a falar sobre isso".

Seis grandes catedrais e igrejas francesas incendiaram-se durante o último ano e meio: Notre Dame, Nantes, Rennes, Saint-Sulpice, Lavaur e Pontoise. Talvez seja por isso que o historiador Rémi Brague chamou ao incêndio em Notre Dame "o nosso 11 de Setembro". O Observatório do Património Religioso listou um total de 20 igrejas francesas que se incendiaram em apenas um ano.

Pouco divulgados e menos condenados, os ataques contra locais de cultos cristãos na França estão multiplicando-se e atingindo proporções alarmantes. O incêndio de Nantes foi simplesmente o último de uma sucessão de destruições de igrejas que têm vindo a ocorrer há anos e que aparentemente não escandalizaram ninguém.

Há quatro anos, a Basílica de Saint-Nicolas, em Nantes, foi quase destruída pelo fogo. Tinha concluído uma renovação em 2014 e estava em perfeito estado. As primeiras reportagens na imprensa francesa sobre o vandalismo das igrejas foram publicadas há dez anos. No ano passado, houve uma semana em que quatro igrejas francesas foram profanadas.

O Cardeal Robert Sarah, um prelado guineense da Igreja Católica, escreveu:

"A profanação continua a crescer na Europa. Recentes atos contra estátuas da Virgem Maria nas igrejas francesas mostram o quanto estes gestos são o resultado de um ódio bárbaro. Eles apelam a reações. Os católicos já não podem permanecer em silêncio".

A Cardeal Sarah acrescentou:

"A profanação e o vandalismo nas igrejas são o triste reflexo de uma civilização doente que é apanhada na rede do mal. Bispos, padres, fiéis devem manter a força e a coragem".

Algumas figuras públicas seculares têm-se pronunciado contra os ataques. "Tira as mãos da minha igreja!" le-se no título de uma petição francesa de escritores, jornalistas, políticos e professores universitários, que exigiam a proteção das igrejas.

A especialista em assuntos religiosos Nina Shea escreveu que os autores são anarquistas, ladrões, esquerdistas militantes, satanistas e islamistas, que partilham o mesmo ódio pela França e pela civilização ocidental. O anti-semitismo parece andar de mãos dadas com sentimentos anti-cristãos. Na França, as sinagogas são protegidas "como fortalezas"; as escolas judaicas têm sido alvo de ataques terroristas, e os judeus têm sido aconselhados a não usar quaisquer símbolos religiosos para sua própria segurança.

Os incidentes anti-cristãos aumentaram em 285% entre 2008 e 2019.

A revista Reveue des deux mondes chamou os ataques às igrejas de "a tragédia das igrejas francesas". Além disso, mais de 5.000 igrejas francesas estão ameaçadas devido às suas estruturas em decadência. 875 igrejas francesas foram vandalizadas em 2018. Em 2019, realizaram-se 1.052 atos anti-cristãos.

"Penso que há uma hostilidade crescente na França contra o cristianismo e os símbolos do cristianismo", observou Ellen Fantini, diretora do Observatório de Intolerância e Discriminação contra os Cristãos na Europa, sediado em Viena.

"Todos os dias, pelo menos duas igrejas são profanadas", disse a deputada francesa Valerie Boyer ao Sol.

Gilbert Collard, deputado do Partido do Rally Nacional, comparou o incêndio em Nantes com a recente decisão das autoridades turcas de converter a antiga Catedral de Hagia Sophia numa mesquita. "Os símbolos ardem", disse ele.

Nos últimos anos, as igrejas francesas foram também alvo de uma série de provocações e ataques por parte de islamistas. Dalil Boubakeur, reitor da Grande Mesquita em Paris e presidente do Conselho Francês de Fé Muçulmana, pediu à França que transformasse as igrejas vazias do país em mesquitas. Em Saint-Étienne-du-Rouvray, no norte da França, dois terroristas do Estado islâmico mataram o padre Jacques Hamel durante uma missa matinal. O choque foi imediato e imenso. Os islamistas também planejavam atacar Notre-Dame de Paris e conseguiram de fato conduzir um ataque terrorista inspirado no ISIS ao Mercado de Natal de Estrasburgo.

A proposta de Boubakeur reflete uma compreensão realista do patrimônio cristão francês. "Abandonadas, profanadas, transformadas, igrejas são transformadas em salas de espectáculo, discotecas, restaurantes, adegas... Tudo para escapar à demolição", observou a jornalista Marie de Greef-Madelin na revista Valeurs Actuelles. Estas transformações são por vezes chamadas "a segunda vida das igrejas da França". "Ao ritmo atual, a França vai perder 10% das suas igrejas e capelas até 2030", prevê Édouard de Lamaze, presidente do Observatório do Património Religioso. "Ou porque serão vendidas ou porque serão destruídas".

A Basílica de Saint Denis, local de sepultamento de reis franceses, já é um museu cristão num subúrbio islamizado de Paris, e a Catedral de Notre-Dame, antes do incêndio, tinha-se tornado um museu para turistas. "Chegamos à fase final da descristianização", comentou o analista político Jerome Fourquet, como se os incêndios nas suas principais catedrais fossem um símbolo da despossessão da França de um território, uma história e uma identidade.

"O quanto pior pode ficar depende da linha que os ativistas estão dispostos a desenhar para si próprios", observou Ellen Fantini, diretora do Observatório de Intolerância e Discriminação contra os Cristãos na Europa, de Viena. "Será que vão parar de queimar uma igreja vazia? Será que vão parar de decapitar estátuas?"

"Estamos numa encruzilhada" disse o autor francês Alain Finkielkraut. "Temos de tentar tudo, enquanto ainda é possível, para salvar a nossa civilização". A nossa civilização é a herança grega, romana, judaico-cristã".

A Europa não é uma construção abstrata. A sua identidade é determinada por muitas fontes. A identidade cristã é obviamente a mais importante. Se a França continuar a não a proteger, a França tal como a conhecemos deixará de existir; tornar-se-á um lugar completamente diferente.

Giulio Meotti, Editor Cultural de Il Foglio, é um jornalista e autor italiano.

 

Fonte: https://www.gatestoneinstitute.org/16264/france-cathedrals-fire?utm_source=wnd&utm_medium=wnd&utm_campaign=syndicated

 

“O caminho do Meu Povo é agitado, a Humanidade labuta no protesto, mas o que está na base de toda a desordem, de todo protesto, dos atos de vandalismo e da ira, resume-se no que é a causa da verdadeira origem das ações do homem: a luta interna, a doença da inveja e da cobiça. Disto tem-se servido o demônio para encobrir o seu mal e para que o homem veja seus irmãos como inimigos. 
Meu Povo, sois perseguidos neste instante, não pelo anticristo, mas por aqueles que não Me amam nem querem que a Minha Paz irradie no coração dos Meus Filhos. 

Meus Templos são destruídos e o serão mais frequentemente, infundindo assim, o temor em Meus filhos para que não se aproximem de Mim. 
Meu Povo amado,
as relíquias que Minha Igreja possui serão levadas para serem profanadas, devido a isto solicitei previamente que as relíquias sejam resgatadas e guardadas a partir deste instante, caso contrário, nenhum vestígio delas restará.” (Jesus Cristo a Luz de Maria, em 16-10-2017 – Para ler a mensagem na íntegra CLIQUE AQUI ) “


Busca


Sexta-feira, 04 de Dezembro de 2020







Acessos




Mulher Vestida de Sol