‹ voltar



São Januário (Bispo e mártir)

n/d

São Januário (ou Gennaro, em italiano) viveu no final do terceiro século. Januário chamava-se Prócolo e pertencia à família patrícia dos Ianuarii. Ainda jovem, graças às suas atitudes de fé e caridade, foi nomeado Bispo da cidade de Benevento, vizinha de Nápoles, da qual se tornou patrono. Ele é venerado como santo e mártir tanto pela Igreja Católica Romana como pelas Igrejas Católicas Ortodoxas.

Perseguição e morte

Naquele tempo, quando a Igreja e os cristãos eram perseguidos pelo império romano por causa de sua fé em Jesus Cristo, Januário estava preparado para o martírio. A palavra mártir vem do grego e quer dizer testemunha. Assim, Januário preparava-se para testemunhar seu amor a Jesus Cristo com a própria vida se fosse preciso. Como Bispo, ele foi um homem zeloso, conhecido pela grande bondade e pela sabedoria. Mas, então, como previsível, ele foi preso pelas forças romanas.

No ano 304, o imperador romano Diocleciano desencadeou a última e também a mais violenta perseguição contra a Igreja. São Januário foi jogado, juntamente com seus diáconos, na arena da pequena cidade Pozzuoli. A arena, claro, estava cheia de leões famintos. O povo que assistia ao espetáculo espera ansiosamente por ver o sangue dos cristãos derramado pelos leões. Todavia, ao se aproximarem do grupo, os animais ficaram dóceis e passaram a lamber os pés do Santo.

Acontecera como a Daniel, o profeta. As feras não os atacaram. O povo ficou pasmo, pois sabia que os leões estavam famintos. Muitos dos que estava na arena se converteram ao verem que aqueles homens eram protegidos pelo próprio Jesus. Então, por ordem de Diocleciano, o último imperador que perseguiu os cristãos, eles foram decapitados em 305.

Relíquias de São Januário

Alguns cristãos cheios de piedade e veneração pelo santo mártir recolheram o sangue de São Januário e coloram numa ampola para guardá-lo como relíquia preciosa. Seu corpo foi levado para a Catedral da cidade de Nápoles onde foi sepultado. Assim, a população começou a venerar São Januário como protetor contra a peste. Eles também pediam sua proteção contra as erupções do Vesúvio.

Milagres de São Januário

O maior dos milagres de São Januário é o do seu sangue, que fica em exposição na Catedral, todo dia 19 de setembro, dia da sua festa. Durante a cerimônia, quando o relicário é exposto aos fiéis, seu sangue, que está sólido passa para o estado líquido, sua cor se transforma e seu volume fica com o dobro do peso. O fenômeno acontece sempre no sábado que antecede o primeiro domingo de maio, dia da primeira trasladação do corpo do santo; no dia 19 de setembro, dia em que é festejado pela Igreja, e 16 de dezembro, porque nesse dia, em 1631, foi feita uma procissão com as relíquias de São Januário que impediu a iminente erupção do vulcão Vesúvio.

A notícia escrita mais antiga e segura do milagre consta de uma crônica do século XIV. Desde 1659, estão rigorosamente anotadas todas as liquefações, que já perfazem mais de dez mil.

A falta do milagre sempre esteve ligada a momentos nefastos da história da cidade: em setembro de 1939 e 1940, datas do início da Segunda Guerra Mundial e da entrada da Itália na guerra; em setembro de 1943, durante o início da ocupação nazista; em 1973, quando Nápoles foi atingida por uma epidemia de cólera; e, em 1980, por fim, ano em que se deu um terremoto de alta magnitude em Irpínia.

Comprovação científica

Em 1902, o sangue das ampolas foi examinado diante de testemunhas, a fim de se acabar com a incredulidade de muitas pessoas. O cientista que coordenou o exame, Dr. Sperindeo, declarou que, não há dúvida de que se trata de sangue humano que, uma vez coagulado, não perde o estado sólido, transformando-se em líquido por puro milagre.

O mais incrível é que a ciência ainda não conseguiu chegar a uma conclusão de como o sangue, depositado num vidro em estado sólido, de repente se torna líquido, mudando a cor e a consistência. Assim, através dos séculos, a liquefação do sangue de São Januário segue como um mistério que só mesmo a fé pode entender e explicar.

Oração a São Januário

Ó Deus, Pai de Bondade, São Januário derramou o seu sangue em nome de Jesus. Animados por seu testemunho, vivamos hoje atentos aos sinais de vossas maravilhas no mundo e em nossos corações. Amém. 

São Januário, rogai por nós.

 

Fonte: https://cruzterrasanta.com.br/historia-de-sao-januario/143/102/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Januário_de_Benevento

Busca


Domingo, 24 de Outubro de 2021




Acessos








Mulher Vestida de Sol