‹ voltar



Visões abertas do Inferno (Extraído do Livro "A Divina Revelação do Inferno")

n/d

O Senhor disse: "Esta visão é para o futuro, e acontecerá. Mas Eu retornarei para redimir a Minha noiva, a Minha igreja, e isso eles não verão. Acorde, Ó povo Meu! Soem o alarme nos quatro cantos da terra, porque Eu voltarei exatamente como a Minha palavra diz."

Observei a serpente de fogo que estava no braço direito do inferno.

Jesus disse: "Venha e veja o que o Espírito diz ao mundo."

Vi os chifres da serpente de fogo entrando no corpo das pessoas na terra Muitos ficaram completamente possuídos pela serpente. Vi uma besta colossal aparecer num lugar enorme e transformar-se num homem. Os habitantes da terra fugiam dele, alguns para o deserto, outros para as cavernas e outros para as estações de metrô e para os abrigos anti-áereo. Eles buscavam qualquer abrigo para se esconderem dos olhos da besta. Ninguém louvava a Deus ou falava sobre Jesus.

Uma voz me perguntou? "Onde está o Meu povo?"

Olhei mais de perto e vi que as pessoas andavam como mortos vivos. Havia uma grande tristeza no ar, ninguém se virava, nem para a esquerda e nem para a direita. Eu podia sentir que elas estavam dominadas por uma força invisível. De vez em quando uma voz falava a eles do ar, eles obedeciam a voz e não falavam entre si. Vi também que o número "666" estava escrito nas suas testas e nas suas mãos. Vi soldados a cavalo, conduzindo as pessoas como se fosse um rebanho. A bandeira americana, rasgada e esfarrapada, abandonada no chão. Não havia alegria, risos ou felicidade.

Vi a morte e o mal por toda parte. As pessoas entravam em uma grande loja de departamentos. Elas marchavam como soldados desencorajados e vestidos com roupas iguais, como de presidiários. Uma grade cercava a loja e havia guardas em todos os cantos. Para onde eu olhasse, via soldados com uniformes de batalha. Essas pessoas, verdadeiros zumbis, entravam na loja, onde só podiam comprar o estritamente necessário. Quando eles acabavam as suas compras, eram colocados em um caminhão verde grande do exército. O caminhão, bem guardado, era então levado para um outro lugar. Esse outro lugar era uma clínica onde as pessoas eram examinadas, para saber se tinham alguma doença contagiosa ou invalidez. Um pequeno número deles era arrastado para os lados como refugo. Os que não passavam nos exames eram levados para uma outra sala, com um arranjo impressionante de interruptores, botões e medidores alinhados por toda a parede. Uma porta se abriu e vários técnicos entraram. Um deles começou a chamar pelo nome as pessoas que estavam lá. Sem reagir, elas se levantavam à medida que seus nomes eram chamados, e marchavam para dentro de uma sala grande. Quando todos estavam dentro, um outro técnico fechou a porta e apertou um dos botões do painel na parede. Alguns minutos depois, ele abriu a porta, pegou uma vassoura e uma pá, e varreu o que sobrou das pessoas no chão: Nada mais do que um punhado de pó ficou onde antes havia uma sala cheia de gente.

Vi aqueles que passaram no exame médico, sendo colocados de volta no mesmo caminhão e levados para um trem. Ninguém falava ou nem mesmo olhava para o outro. Num outro prédio, todos recebiam suas tarefas e começavam a trabalhar, sem discutir. Observei como eles davam duro no trabalho, e no final do dia eram levados para um prédio, com uma cerca alta ao seu redor. Cada um deles tirava a roupa e ia dormir. No outro dia teriam de trabalhar duro, de novo.

Ouvi uma voz potente ecoar na noite. Vi uma besta enorme sentada num trono grande! Todas as pessoas obedeciam a besta. Vi chifres espirituais que saíam de sua cabeça e entravam e saíam em todos os lugares da terra. A besta tomou para si muitas posições de autoridade e muitos ministérios, tornando-se grande em poder. A própria besta ia a muitos lugares e enganava muita gente. Os ricos e os famosos foram enganados por ele, assim como o pobre e o desprotegido. Pequenos e grandes lhe rendiam homenagem.

Uma máquina grande foi colocada em seu escritório e ela colocou a sua marca nela. Sua voz saía através dela. Havia também uma máquina semelhante ao filme "Big Brother" (Grande Irmão), que podia ver dentro das casas e dos escritórios. Só uma máquina como essa existia e pertencia a besta. A parte da máquina que controlava as casas das pessoas era invisível a olho nu, mas relatava à besta cada movimento que as pessoas faziam. Vi quando a besta virou o seu trono e ficou de frente para mim. Na sua testa estava o número 666.

Quando olhava, vi um outro homem no escritório muito zangado com a besta. Ele exigiu falar com ele (a besta é um homem). Ele gritava com toda força. A besta apareceu e parecia bem educado quando disse: "Vem, posso ajudá-lo a resolver os seus problemas." A besta levou-o, então, para uma sala grande e pediu que se deitasse numa mesa. A mesa e a sala lembravam uma sala de emergência de hospital. Deram-lhe uma anestesia e o transportaram para uma máquina grande. A besta prendeu alguns fios na cabeça do homem e ligou a máquina. Na parte superior da máquina estavam as palavras: "Este apagador de mentes pertence a besta, 666." Quando o homem saiu da mesa, seus olhos tinham um olhar vazio e seus movimentos lembravam os de um zumbi num filme. Vi uma grande mancha branca no alto da sua cabeça, eu sabia que a sua mente tinha sido cirurgicamente alterada, para que deste modo ela pudesse ser controlada pela besta.

A besta disse: "E agora, senhor, não está se sentindo melhor? Eu não lhe disse que cuidaria de todos os seus problemas? Eu dei-lhe uma mente nova. Não terá mais problemas nem preocupações."

O homem não respondeu. "Você obedecerá ao meu comando", disse a besta, enquanto pegava um pequeno objeto e o prendia na camisa dele. Falou de novo com o homem e ele respondeu sem mover os lábios. Ele se movimentava como um morto vivo! "Você vai trabalhar e não vai se sentir zangado ou frustrado, nem mesmo gritar ou se sentir triste. Vai trabalhar para mim até morrer. Tenho muitos como você sob o meu controle. Alguns mentem, outros matam, outros roubam, outros fazem guerra, alguns têm filhos, alguns mexem com o maquinário e alguns fazem outras coisas. Sim eu controlo tudo." E deu uma gargalhada demoníaca.

Foi dado ao homem alguns papéis para serem assinados. Ele alegremente deu todos os seus pertences a besta. Continuando a visão, vi o homem deixar o escritório da besta, pegar o carro e ir para a sua casa. Quando chegou, sua mulher tentou beijá-lo, mas ele esquivou-se. Ele não tinha mais nenhum sentimento por ela, nem por ninguém. A besta o tinha incapacitado de sentir qualquer emoção. A mulher ficou muito zangada e gritou para o marido, mas sem sucesso. Finalmente ela disse: "OK, chamarei a besta. Ele saberá o que fazer." Após um rápido telefonema, ela saiu da casa e dirigiu-se para o mesmo prédio onde seu marido tinha acabado de sair. A besta deu as boas vindas e perguntou: "Diga-me todos os seus problemas, tenho certeza de que posso ajudá-la." Um homem muito bonito levou-a pelo braço, colocando-a na mesma mesa onde seu marido havia estado antes. Após sofrer a mesma operação, tornou-se também uma escrava despersonalizada da besta.

Ouvi quando a besta perguntou: "Então, como se sente agora?" E ela não respondeu até que ele prendeu um pequeno objeto em sua blusa, aí ela reconheceu que a besta era o seu mestre e senhor, e começou a adorá-lo. "Você será uma reprodutora", disse ele. "Você terá bebês perfeitos, que me adorarão e me servirão." A mulher respondeu numa voz robotizada: "Sim, meu mestre, obedecerei."

Vi a mulher outra vez, desta vez ela estava num outro prédio. Haviam muitas mulheres grávidas lá, que deitavam inanimadamente em suas camas, cantando monótono louvor à besta. As enfermeiras também tinham 666 em suas testas. Quando os seus bebês nasciam, eram levados para um outro prédio, onde enfermeiras com mentes alteradas, tinham a incumbência de criá-los. Elas também tinham o número 666 na testa. A besta cresceu em poder até que o seu império se estendeu por toda a terra. Os bebês também cresceram, e num determinado momento, eles também foram colocados na máquina de destruição de mente. Eles adoravam a besta e a sua imagem. Mas a máquina não tinha poder sobre os filhos de Deus.

Escutei a voz do Senhor, dizendo: "Esses que adoram a besta e a sua imagem perecerão. Muitos serão enganados e cairão, mas salvarei os meus filhos da besta. Estas coisas acontecerão no final dos tempos. Não recebam a marca da besta, arrependam-se agora antes que seja tarde."

"A besta vai intitular-se um homem de paz, e a trará para muitas nações em um tempo muito confuso. Ele será capaz de suprir o mundo com muitos bens baratos, e se certificará que o salário de todos seja suficiente. Fará aliança com muitas nações e os grandes homens do mundo o seguirão, iludidos por um falso sentimento de segurança.

"Antes dessa época, Eu levantarei um exército de crentes que permanecerão na verdade e na justiça. O exército poderoso do qual Joel falou, ouvirá a Minha voz desde o nascer até o por do sol."

"Durante a noite eles também ouvirão a Minha voz e me responderão. Trabalharão para Mim e correrão como homens valorosos de guerra. Farão grandes obras para Mim, pois estarei com eles."

Todas essas coisas me foram reveladas pelo Senhor Jesus Cristo, numa visão aberta. São palavras da Sua boca, e são sobre o tempo do fim. Jesus e eu voltamos para casa, e meditei sobre todas as coisas que Ele falou e me mostrou. Eu adormeci orando pela salvação de toda a humanidade."

 

Fonte: Livro “A Divina Revelação do Inferno”, Mary K. Baxter, Ed. Danprewan, 1995. Pode ser lido em:
https://drive.google.com/file/d/1D7RvTNNo2bfrUx_UQXihOWKxRhTpsPyC/view
https://docs.google.com/file/d/0Bwn8ncapellEeUpVTEw1S29jVE0/edit?resourcekey=0-3fc8sYBNGb-YXszxcWdVhw

Busca


Terça-feira, 21 de Setembro de 2021




Acessos








Mulher Vestida de Sol