‹ voltar



“ENTÃO, VOS HÃO DE ENTREGAR PARA SERDES ATORMENTADOS E MATAR-VOS-ÃO” (Mt 24, 9) Genocídio dos cristãos da Nigéria

 

Artigo:

O mundo olha para o outro lado ante o genocídio dos cristãos da Nigéria

11 Novembro 2021
Fonte: https://tierrapura.org/2021/11/11/el-mundo-mira-a-otro-lado-ante-el-genocidio-de-los-cristianos-de-nigeria/

Desde meados de 2009 até hoje, mais de 60.000 cristãos foram mortos ou desapareceram por rebeldes fundamentalistas islâmicos na Nigéria. Estimo que cerca de 20.000 igrejas e escolas cristãs tenham sido incendiadas desde aquele ano. A insurgência inicial da organização terrorista Boko Haram foi acompanhada nos últimos anos por pastores muçulmanos Fulani radicalizados pela ideologia jihadista.

Em seu relatório de 4 de agosto, a ONG nigeriana International Society for Civil Liberties and Rule of Law, também conhecida como Intersociety, explicou que

"O número total de mortes cristãs (...) de julho de 2009 a julho de 2021 (...) não é inferior a 43 mil (...) As mortes são devidas à propagação do islamismo radical na Nigéria (...) a maioria dos muçulmanos sequestrados por jihadistas são posteriormente libertados (...) cristãos são mortos em cativeiro ou forçados a se converter ao islamismo (...) Entre as atrocidades (.... ) dirigidas principalmente contra os cristãos (...) incluem assassinatos, mutilações, cortes de garganta, estripamento de mulheres grávidas, decapitações, tortura, mutilações, sequestros, tomada de reféns, estupro e humilhação de meninas, casamentos forçados, desaparecimentos, extorsões, conversões forçadas, queimadas de casas e lugares de aprendizagem ou culto, ocupação de fazendas, destruição de cultivos...".

Nos primeiros sete meses de 2021, o número de igrejas atacadas ou incendiadas ultrapassa 300. Nos últimos 12 anos, nada menos que 30 milhões de cristãos no norte da Nigéria foram ameaçados e dez milhões deles foram desalojados.

Nas primeiras semanas de agosto os terroristas Fulani mataram 70 cristãos no estado de Kadu, deslocaram cerca de 30.000 e queimaram 500 casas cristãs e destruíram colheitas em cerca de mil fazendas cristãs. Mais tarde naquele mês, outros 36 cristãos foram reportados como mortos por terroristas Fulani em Kadu. No funeral de algumas dessas vítimas, o bispo anglicano Jacob Kwashi disse:

"O governo está em segundos de derramamento de sangue. Estamos sendo mortos simplesmente porque não somos muçulmanos. Estes malvados jihadistas Fulani desfrutam do apoio do governo quando matam pessoas, destroem suas casas e fazendas; e quando tentamos nos defender, o governo nos prende. Que tipo de justiça é esta?".

Na noite de 24 de agosto, em Jos North Plateau, os jihadistas Fulani atacaram um povoado de maioria cristã de casa em casa, matando 37 cristãos. Pouco antes disso, os terroristas Fulani se dispersaram por quatro aldeias de maioria cristã ao sul de Kaduna matando 27 cristãos, queimando centenas de casas e destruindo plantações agrícolas. Jonathan Asake, um ex-membro da Câmara dos Deputados da Nigéria, disse:

"Eles cometem genocídio contra os cristãos no sul de Kaduna (...) nos últimos seis anos, as valas comuns são testemunho do que estamos dizendo. (...) Nenhum atacante foi preso (...) enquanto os governos federal e estaduais de Kaduna fazem vista grossa (...) a mídia ocidental acredita que um genocídio dos cristãos nigerianos não merece atenção".

O governo do Presidente Muhamadu Buhari nega a maioria dos assassinatos e aqueles que ele reconhece não estarem relacionados à religião. Segundo Buhari, o derramamento de sangue é devido a disputas de terra, pobreza e desigualdade. Quando lidam com a Nigéria, a grande mídia ocidental esconde o genocídio dos cristãos, reduzindo-o a um conflito étnico, não religioso. Qualquer pessoa que relata o genocídio dos cristãos nigerianos às mãos dos fundamentalistas islâmicos corre o risco de ser cancelado por turbas woke sob a "acusação" de "islamofobia".

Já em 2018, o especialista em Oriente Médio Raymond Ibrahim concluiu que:

"O governo nigeriano e a comunidade internacional (...) fizeram muito pouco desde o início para enfrentar a situação (...) não podem sequer reconhecer suas raízes, ou seja, a ideologia intolerante da jihad. Como resultado, o número de cristãos mortos apenas aumentou, e certamente continuará a aumentar exponencialmente, até que esta realidade não seja apenas reconhecida, mas abordada".

E de fato, o genocídio dos cristãos nigerianos tem continuado a "crescer exponencialmente" enquanto o mundo continua a se recusar a vê-lo.


 

“Então, vos hão de entregar para serdes atormentados e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as gentes por causa do meu nome.” (Mateus 24:9)

 

REZEMOS PELOS NOSSOS IRMÃOS DE FÉ NIGERIANOS.


Busca


Domingo, 28 de Novembro de 2021




Acessos








Mulher Vestida de Sol