‹ voltar



Em novo livro cardeal Sarah chama os padres católicos à renovação espiritual

 

19 Novembro 2021
Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/em-novo-livro-cardeal-sarah-chama-os-padres-catolicos-a-renovacao-espiritual-86639

 

Em um novo livro, o Cardeal Robert Sarah chama os sacerdotes à renovação espiritual, dizendo que ela não virá através de mudanças estruturais, mas através da redescoberta da missão e identidade do sacerdote como a presença de Cristo no mundo.

"Cristo nunca criou estruturas". Obviamente, não estou dizendo que elas não sejam necessárias. A organização é útil na sociedade, mas não é o primordial", diz Sarah em uma entrevista de 16 de novembro com o semanário católico francês Famille Chrétienne.

"Primordial é a primeira palavra de Cristo no Evangelho de Marcos: 'Convertei-vos e crede no Evangelho'".

O antigo encarregado pela liturgia na Cúria Romana "Pour l'éternité: Méditations sur la figure du prêtre" ("Para a Eternidade: Meditações sobre a figura do Sacerdote") no último 17 de novembro pela Fayard Edições.

O livro, atualmente disponível apenas em francês, inclui passagens de santos e dos Padres da Igreja para encorajar a meditação sobre a renovação do sacerdócio, que, segundo o cardeal, é um passo necessário no caminho para resolver a crise na Igreja Católica.

"Se os padres, se a sociedade olhar para Deus, então eu acho que as coisas vão mudar", disse à Famille Chrétienne. "Se os corações não forem mudados pelo Evangelho, a política não mudará, a economia não mudará, as relações humanas não mudarão". É Cristo que é nossa paz, que criará relações humanas mais fraternais, de colaboração, de cooperação".

As estruturas "são também muitas vezes um perigo, porque nos refugiamos atrás delas", disse ele. "Deus não vai pedir contas de uma conferência episcopal, de um sínodo... A nós, bispos, é que Ele pedirá contas: como você administrou sua diocese, como amou seus padres, como os acompanhou espiritualmente"?

Sarah terminou um mandato de mais de seis anos como prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, em fevereiro deste ano após renunciar ao cargo por motivo de idade, conforme o ordenamento canônico. O guineense de 76 anos escreveu também um livro sobre o sacerdócio, o celibato e a crise da Igreja Católica, "Das profundezas de nossos corações", em 2020. O livro atraiu a controvérsia centrada pela alegada co-autoria do papa emérito Bento XVI.

Sarah disse que em seu novo livro ele queria expressar seu afeto e encorajamento tanto aos padres que estão com dificuldades quanto àqueles que se sentem fortes em sua vocação.

"Trata-se de encorajá-los a não perder Deus, a ter a coragem de seguir Cristo como eles aceitaram desde o início, no dia de sua ordenação", explicou ele. "Porque a crise que estamos atravessando hoje na Igreja depende essencialmente da crise sacerdotal".

O cardeal comentou também o escândalo dos abusos no sacerdócio, dizendo que a Igreja "não deve ter medo da verdade".

"Devemos nos sentir profundamente feridos, sofrer com isso como Cristo sofreu quando Judas o traiu, quando Pedro o negou", disse ele, acrescentando que a Igreja e seus sacerdotes são supostamente modelos, e um só caso de abuso já é demais.

"A descoberta de tantos pecados cometidos nos dá uma melhor compreensão da aparente esterilidade de nossas igrejas locais". Como poderíamos dar frutos quando tal câncer nos estava roendo por dentro? Devemos redescobrir o significado da penitência e da contrição", disse ele, exortando à adoração de Jesus no Santíssimo Sacramento "em reparação pelas profanações cometidas contra sua imagem na alma das crianças".

Sarah acrescentou que os católicos não devem deixar-se vencer pelo desânimo, no entanto, porque a esmagadora maioria dos sacerdotes são fiéis, o que é motivo de ação de graças.  "Sua fidelidade diária e oculta não faz barulho, mas carrega silenciosamente sementes profundas de renovação", disse ele.  "Cabe a nós ver como os padres culpados podem ser castigados e, se possível, cuidados, curados, acompanhados, para que tais atos não voltem a acontecer", continuou. "Acima de tudo, cabe a nós não deixar que estes horrores afastem as almas de Cristo e prendam tantas vítimas inocentes em sofrimento", disse..

O livro de Sarah é dedicado aos seminaristas e ele disse que queria encorajá-los também, pois eles estão estudando para se tornarem padres em um momento difícil. Ele disse que queria dizer-lhes que se Cristo os chamou para o sacerdócio católico, ele também lhes dará os meios para segui-lo de fato.

"Tente levar este chamado a sério". O Senhor que te chama não vai abandonar-te. Ele te apoiará com sua graça, mas tu mesmo deves ser um homem plenamente realizado, um homem verdadeiro, honesto, íntegro, que tem todas as qualidades humanas", disse ele. As famílias desempenham um papel importante no apoio aos padres, observou o cardeal, encorajando as pessoas a convidar os padres para suas casas para rezar e conversar. Uma vida de oração forte é vital para cada padre, disse ele, citando o exemplo dos santos como São João Maria Vianney, o Cura d'Ars.

Quando seu entrevistador apontou que "a França do Cura d'Ars não é a França do século 21", Sarah respondeu: "De fato, mas o homem é o mesmo". O homem não muda". Ele tem as mesmas ambições, tem as mesmas falhas, os mesmos vícios de Adão até hoje". "Só as circunstâncias que criamos podem nos confundir, mas o homem não muda", insistiu ele, acrescentando que "o francês do Cura d'Ars é o francês de hoje, com a diferença de que o francês de hoje tem um telefone celular... Mas em suas ambições, em seus vícios e em suas faltas, ele é o mesmo. Ainda precisamos de sacerdotes santos identificados com Cristo".

O cardeal comentou também a forma como a França e outros países ocidentais se fecharam a Deus.

"Se a França, se o Ocidente, graças ao ministério dos sacerdotes, redescobrir que Deus veio entre nós, que Ele nos ama, que Ele quer nossa salvação, que Ele quer que descubramos a verdade e que esta verdade nos ajudará a nos libertar, então cumprir a missão será possível", disse o cardeal.

"Mas não há necessidade de desespero", prossegue. "É por isso que os padres devem redescobrir sua missão, os padres devem redescobrir sua identidade". Eles são a presença de Cristo no meio deste mundo". Se eles se comportam bem, se são a presença de Cristo, então a França e o Ocidente podem redescobri-Lo pouco a pouco".


Busca


Domingo, 28 de Novembro de 2021




Acessos








Mulher Vestida de Sol