‹ voltar



“...E ENTREGARÃO O SEU PODER E AUTORIDADE À BESTA.” (Ap 17, 13) – Perigoso "tratado da Pandemia” quer que países deem à OMS controle total sobre a saúde de seus povos.

 

As nações entregarão seu poder e autoridade à organização que será, em breve, o Ministério da Saúde do Governo Mundial do Anticristo?

 

n/d

Poder absoluto? Médica alerta para perigos por trás do “tratado da pandemia” da OMS

Fonte: https://tierrapura.org/br/2022/05/03/poder-absoluto-medico-alerta-para-perigos-por-tras-do-tratado-da-pandemia-da-oms/
03 Maio 2022 - Por Agustina Sucri – La Prensa

 

A médica de família Katarina Lindley alerta para os perigos por trás das alterações do Regulamento Sanitário Internacional proposto pelos Estados Unidos e do “tratado pandêmico” cujas negociações já começaram. A entidade internacional de saúde, com amplo financiamento privado, busca centralizar o poder de decisão diante de possíveis epidemias futuras e outras questões centrais do nosso modo de vida, que não têm nada a ver com a ameaça de um vírus.

Como se não bastasse o desempenho errático e perigoso da Organização Mundial da Saúde (OMS), após declarar que a “pandemia” da Covid-19 não foi suficiente, surgiu a ideia de elaborar um tratado pelo qual essa entidade internacional de saúde, desacreditada, tem o poder de decidir a ação que os países membros adotarão diante de uma possível pandemia futura – cuja definição foi modificada em 2009. É um plano que, entre outras coisas, privaria as nações do direito de determinar suas próprias políticas de saúde no caso de uma situação semelhante ao coronavírus.

Em uma sessão especial, apenas a segunda do tipo desde a fundação do órgão, em 1948, a Assembleia de Saúde da OMS se reuniu em dezembro de 2021 para adotar um acordo intitulado: “O Mundo Unido”. Assim, a Assembleia de Saúde instituiu um órgão de negociação intergovernamental para elaborar e negociar o “Acordo da OMS sobre a Preparação Pandêmica” no âmbito da Constituição da OMS.

No entanto, o acordo não se limita às pandemias. O órgão de negociação intergovernamental também é instruído a abordar “a produção de alimentos e a pecuária insustentáveis, o comércio de animais selvagens, estilos de vida e consumo intensivos em recursos, a destruição do ecossistema, a resistência antimicrobiana e o aumento do número de câncer”, juntamente com uma série de outras questões. Tal acordo vinculativo impediria, por exemplo, países como a Suécia de se recusarem a fornecer bloqueios e mandatos dentro de suas fronteiras, como tem feito durante a Covid.

“O que isso significa para o resto de nós? Significa que a Constituição da OMS substituiria literalmente as constituições de cada nação no domínio da “prevenção, preparação e resposta pandêmicas”. Um desastre, como eu vejo, quando se trata de nossos direitos individuais, nossa soberania nacional e nosso modo de vida”, disse a Dra Katarina Lindley, médica de família do comitê diretor do Conselho Mundial de Saúde.

Em entrevista ao La Prensa, Lindley se referiu a este tratado perturbador e a uma questão que hoje é ainda mais preocupante: uma série de alterações ao atual Regulamento Sanitário Internacional (IHR), que remonta a 2005.

“Em janeiro deste ano, a delegação dos EUA na OMS apresentou emendas ao IHR, que serão votadas durante a Assembleia Geral de 22 a 28 de maio deste ano. Se aprovadas, essas alterações permitirão que os diretores regionais de saúde declarem uma “emergência de saúde pública de interesse regional”, sem o acordo do país em questão. Também permitiria que os diretores gerais determinassem os critérios necessários para declarar uma Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional ou um Alerta de Saúde Intermediária, todos ignorando as leis e a soberania dos países membros”, disse Lindley.

– Quais são os riscos do “tratado da pandemia”? Por que o Conselho Mundial de Saúde começou a campanha #StopTheTreaty (Detenham o Tratado)?

Soubemos do “tratado da pandemia” no ano passado. Eles se reuniram em janeiro deste ano e esboçaram o que aconteceria com o tratado da pandemia e começaram a negociá-lo em março. A forma como o tratado da pandemia funcionaria seria em face de um evento de outra pandemia. Permitiria que a OMS se encarregasse da resposta à pandemia e os artigos 19, 20 e 21 de sua Constituição determinassem que a Assembleia de Saúde deveria ter autoridade para adotar regulamentos relativos a disposições de quarentena e outros procedimentos para evitar a propagação internacional da doença, também podem alterar a nomenclatura sobre as causas da morte, doenças e práticas de saúde pública. Além disso, poderá decidir quais procedimentos diagnósticos serão usados internacionalmente, normas de segurança e produtos farmacêuticos a serem usados em toda a comunidade internacional. Pelo que entendemos, este tratado da pandemia permitiria que a Constituição da OMS – com esses artigos que mencionei, 19, 20 e 21 – substituísse a constituição ou as leis de um país. Eles estão trabalhando nisso e votarão isso em 2024. A maneira como funciona na América é que, se houver um tratado como este, precisaríamos de dois terços do nosso Senado para ratificar o tratado, antes que seja parte de nossas leis. Então cada país tem uma resposta diferente para isso. É muito importante que cada país veja o que aconteceria se a OMS aprovasse, como se tornaria uma lei ou parte da constituição de seu país. Por isso iniciamos a campanha #StopTheTreaty no Conselho Mundial de Saúde.

E, mais recentemente, há dez dias, descobrimos algo ainda mais preocupante do que o tratado da pandemia: as alterações propostas pela delegação dos EUA. Algumas das alterações propostas pelos EUA, se aprovadas, permitirão que os ministros regionais da saúde declarem emergências de saúde pública de preocupação regional, sem o consentimento do país envolvido. E outra alteração dará poderes ao diretor-geral para determinar os critérios necessários para declarar uma emergência de saúde pública de interesse internacional ou um alerta de saúde intermediário. Estas alterações serão agora votadas em Genebra entre 22 e 28 de maio. Se forem aprovadas, cada país terá uma maneira diferente de incorporá-lo em suas leis. Há o perigo de que essas alterações se tornem parte da nossa lei dentro de seis meses… todos nós precisaremos descobrir em que tipo de perigo estamos e quão rapidamente eles podem ser incorporados em nossos próprios países.

– Se o tratado pandêmico for aprovado, diante de uma situação como a da Covid, os países não poderão tomar suas próprias decisões sobre como gerenciar a epidemia e quais medidas implementar?

– Sim, todos os países membros terão que cumprir e será a OMS que orquestrará a resposta globalmente. Dr. Tedros diz: “Só podemos prevenir futuras pandemias com uma abordagem integrada ‘One Health’ para a saúde pública, a saúde animal e o meio ambiente que compartilhamos. Agora é a hora de levar nossa aliança a um novo nível.” Se alguém ouve seus discursos recentes, ele não para de repetir “uma saúde, um mundo”. Acho que o que a OMS está tentando alcançar é essa resposta centralizada a qualquer tipo de emergência de uma pandemia ou outras coisas que acontecem, o que coloca todas as nossas soberanias em risco. Porque a Argentina poderia responder a uma pandemia diferente dos Estados Unidos, com base em sua população, na forma como seu sistema de saúde funciona, e outros fatores. Somos todos únicos, mas com essa abordagem global da OMS eles estão tentando criar um mundo. Com essa abordagem centralizada, eles tirarão nossa individualidade.

– E o que é pior, nossa liberdade…

Exatamente. Você pode imaginar uma entidade para a qual não votamos, porque como cidadãos não votamos na OMS, que vem e nos diz ‘eles têm que fazer assim, porque é isso que dizemos’. E que as pessoas vêm com outras culturas, de mundos diferentes, para lhe dizer como gerenciar sua própria vida… Como seres humanos, nascemos livres e queremos permanecer livres.

– Isso é ainda mais preocupante se levarmos em conta o desempenho da OMS em face da Covid-19, fornecendo diretrizes sem apoio científico, como o uso de máscaras, confinamentos… e outras medidas de mitigação que se provaram erradas.

Com certeza. Em Uttar-Pradesh eles tinham um kit que incluía ivermectina e lá eles não tinham tantos casos de covid como nos outros lugares, mas a OMS – com a participação dos países – colocou propaganda de que certos medicamentos não poderiam ser usados. Sendo médico e praticando medicina, quando tudo isso começou, a maioria de nós pensou que vamos entrar em ação, descobrir o que funciona e usá-lo. Porque não há nenhuma doença no mundo para a qual você não pode encontrar algo que possa ajudar. Mesmo no caso das coisas mais perigosas, elas podem não estar necessariamente curadas ainda, mas você pode descobrir como ajudar as pessoas. Esta é a primeira vez na história da medicina que dissemos aos pacientes para ficarem em casa e não virem a menos que estejam sem fôlego e, se assim for, para irem ao hospital. Nunca fizemos isso. E, na verdade, eu nunca fiz. Comecei a tratar meus pacientes cedo. Eles queriam que nos sentissemos impotentes para que eles pudessem tomar conta de nossas vidas e se tornar indispensáveis, dizendo-nos que eles têm que fazer isso ou aquilo. Inicialmente estava tudo bem. Mas, como continuou, começamos a perceber que não fazia sentido e começamos a perceber que todas essas entidades têm muito poder sobre nós. Não é assim que a maioria dos humanos quer viver.

Qual é a agenda oculta por trás das alterações ao IHR e ao tratado pandêmico? Quem se beneficiará disso?

– É uma pergunta difícil. Talvez seja sobre centralizar a resposta do mundo, que na minha opinião é o caminho errado porque cada país tem sua própria maneira de fazer as coisas e devemos permitir que os países permaneçam soberanos, livres e para as pessoas que vivem lá decidir o que é melhor para eles. Esse é um dos objetivos. Quanto à agenda final, é difícil dizer, mas algo que foi revelado para mim é que a OMS é financiada por muitos contribuintes privados e quando olhamos para esse tipo de coisa temos que começar a nos perguntar qual é o verdadeiro papel, o propósito e o objetivo final, porque não parece estar pensando em pessoas comuns como você e eu.

– A questão dos patrocinadores é extremamente importante porque no final do dia serão eles que tomarão as decisões assim que a OMS conseguir garantir o poder através desses regulamentos e do tratado da pandemia. Essas decisões serão a favor da saúde das populações ou em benefício de certas empresas e interesses particulares?

– Eu não queria cavar muito fundo porque acho que ficaria desapontado com a natureza de muitas pessoas se o fizesse. Mas mesmo na superfície, quando você pensa que essas pessoas que são doadoras são as que estão ganhando dinheiro com diferentes testes ou com terapêutica… se eles realmente tivessem benevolência e amor pelos seres humanos, tudo isso seria gratuito e ninguém teria que pagar por tudo isso. Porque nestes últimos dois anos algumas pessoas ficaram mais ricas e ricas, enquanto outras de nós sofreram. Pelo menos nos Estados Unidos, e suponho que esse seja o caso na Argentina também, as pequenas empresas tiveram que fechar. A razão pela qual eles estão fechando pequenos negócios é porque eles têm independência de pensamento, eles são pessoas trabalhadoras, que querem ter sucesso, eles não são influenciados pelo “irmão mais velho”. Se mais e mais pequenas empresas forem eliminadas, tudo está se tornando cada vez mais centralizado. Eu cresci no comunismo e sei o que é quando você tem esse poder sobre a vida de todos, esse poder se torna corrupto. A única maneira de as pessoas viverem com prosperidade e felicidade é se você deixar os indivíduos tomarem decisões. Não precisamos de todas essas diretivas nos dizendo para fazer isso ou fazer isso. O bom senso e o amor ao próximo é tudo o que as pessoas precisam, mas eles estão realmente tentando tirar isso de nós e nos dizer “se você se comportar bem, isso é o que você pode fazer.” Ainda não estamos falando de passaportes digitais, mas a OMS – em fevereiro – assinou um contrato com a Telekom, empresa alemã para implementar passaportes digitais. Se pensarmos em passaportes digitais e no que eles fizeram em outros países totalitários, eles começaram a atribuir ao comportamento social um sistema de pontuação que permite que as pessoas façam algumas coisas com base na pontuação que têm. Esse não pode ser o tipo de vida que queremos viver.

Se o tratado pandêmico ou as alterações ao IHR (que é a principal emergência agora porque será votado em maio em Genebra) avançarem, teremos um curto período de tempo para rejeitá-lo e ver como tiraremos isso da lei. Só porque a OMS aprova, não significa que seja um fato. Cabe aos nossos países adotá-lo. E é por isso que devemos conscientizar as populações para que elas possam dizer aos seus governos que não querem isso. Eu sou um médico, mas eu gostaria que os advogados também se envolvessem e olhassem nossas próprias leis para nos dizer como escapar deste tratado e desses regulamentos.

– A questão é que tanto o tratado quanto as alterações às regulamentações sanitárias internacionais estão sendo realizadas em completo silêncio, quase sem cobertura da mídia…

– Notamos que muitos jornalistas, como advogados e médicos, não sei por quê, mas não estão interessados em dizer a verdade ou podem ter medo de contar. Se a mídia fosse neutra e realmente cobrisse ambos os lados igualmente, sem tomar partido, provavelmente não estaríamos neste buraco em que estamos agora. O mesmo vale para médicos e advogados e cada uma das outras profissões. Então eu acho que há culpa de ambos os lados. Mas, é verdade que os alarmes sobre o RSI foram disparados pelo meu amigo James Roguski, que viu isso e graças a ele estamos falando sobre isso. Caso contrário, só falaríamos sobre o tratado da pandemia, e isso durará até 2024.

– O tratado da pandemia curiosamente também incluirá outras questões, ou seja, a OMS busca ter poder também sobre um amplo espectro de coisas como o que podemos comer, crescer, etc…

Com certeza. Não se trata apenas de saúde pública, mas também de saúde animal – que tem a ver com a cadeia alimentar e pecuária – e o meio ambiente. Então é mais do que a próxima pandemia, o próximo vírus ou a próxima bactéria, é realmente todo o modo de vida que eles estão procurando abranger. 

Eles usam a palavra “equidade” como desculpa para implementar todas essas formas de controle.

– Aprendi a ver o que significam palavras, porque o inglês é a minha quinta língua. Às vezes as palavras soam semelhantes, mas não significam a mesma coisa. Eles tentam nos fazer acreditar que a equidade é igualdade, mas não é assim. A equidade tem um significado totalmente diferente. E as pessoas vão pensar que têm um bom sentimento de que vão apoiar, mas não é a verdadeira definição. Na constituição da OMS, um dos artigos – artigo 21 – diz que as definições das palavras podem mudar. E é muito interessante como nesta pandemia, nosso governo nos Estados Unidos e em outros países de língua inglesa mudou a definição de pandemia, imunidade de rebanho, vacina… e eles farão o mesmo com equidade e igualdade.

– Durante a pandemia da Covid, o fator medo teve um papel importante.

Não sei se chamaria de experimento, embora talvez fosse. Mas percebemos que o medo é um grande fator em nossas vidas. Queremos que alguém cuide de nós e se achamos que alguém tem boas intenções e eles querem que fiquemos a dois metros de distância porque eles vão fazer a diferença, nós vamos; se eles querem que usemos uma máscara porque dessa forma estaremos protegidos, com certeza. Algumas pessoas tomaram a vacina porque pensaram que isso iria ajudá-los e acho que o que aconteceu com o tempo é que pensadores críticos disseram: “Eu entendo o que você está dizendo, mas não faz sentido”. Com as máscaras, no começo eles queriam que usássemos como traje espacial, então eles correram para fora deles e disseram vamos usar uma máscara N95, então eles correram para fora de N95 e disse vamos usar máscaras cirúrgicas e neste momento como um médico eu estava pensando máscara cirúrgica para um vírus? Então eles ficaram sem isso e disseram vamos usar bandanas. E lá eu disse “eles estão cheios de mentiras” porque não há como uma bandana evitar a propagação do vírus. Percebemos que há uma agenda maior em jogo. Eu não sei o que é, mas definitivamente não é para nos proteger do vírus porque nenhuma dessas medidas realmente funciona.

O que essas medidas fizeram foi prejudicar nossos filhos porque os fizemos usar máscaras e muitos agora têm problemas com a fala. As crianças mais novas precisam ver a metade inferior do rosto para saber qual é a intenção das palavras. A máscara esconde as emoções por trás das palavras. Eles perderam dois anos processando essas coisas. E em idades como 4, 5 ou 6 anos é crucial no desenvolvimento. Agora vemos muitas crianças com atraso ou bloqueio emocional, por causa dessas máscaras. Nos Estados Unidos, mostraram que o QI caiu 22 pontos. Então, nós ferimos toda uma geração de crianças por causa dessas medidas que não fazem sentido.

O que as pessoas podem fazer para parar essas alterações e o tratado de pandemia?

– Neste momento temos que trabalhar nas alterações ao IHR porque temos apenas um mês. Acho que esses países vão aprová-los. A primeira coisa que podemos fazer é conversar com o maior número de pessoas que pudermos sobre esse tema para que mais pessoas saibam sobre ele e, por sua vez, multipliquem a atenção sobre esse assunto. Você tem que escrever artigos, falar com deputados e senadores, falar com advogados para ver como ir legalmente depois disso… provavelmente já existem instrumentos que colocam um freio nisso, mas temos que saber quais são eles. Eu diria que uma das principais coisas que eu avisei nos últimos anos é que as pessoas têm poder, elas devem se levantar e dizer que não gostam disso, que não querem ser “um mundo só”. Agora, o objetivo a longo prazo para muitas pessoas – incluindo eu e talvez você e outros – é provavelmente deixar a OMS, acho que é do interesse de todos. Não vejo valor no que a OMS está fazendo por nós.
Eu os vejo recebendo muito dinheiro de todos os nossos países para suas iniciativas, que não estão necessariamente em consonância com o que pensamos. Isso poderia realmente acontecer? É difícil dizer porque governos e legisladores tomam essas decisões, mas acho que eles precisam começar a ouvir seu próprio povo e perceber que todos nós queremos viver em harmonia uns com os outros. Eu acho que, em geral, as pessoas vão cuidar umas das outras sem o irmão mais velho cuidar de nós. Eu definitivamente não quero um futuro de passaportes digitais e identidade digital para meus filhos. Porque eles não podem ser quem são. Eles terão que ser o que os outros querem que sejam.

 


Mensagens do Céu:

 

A quem servem os organismos internacionais?

“Meus amados filhos, a Nova Ordem Mundial começou, duras provas esperam o Povo de Deus. Os governantes de muitas nações, os meios de comunicação e os organismos internacionais servem a este novo governo mundial, que trará escravidão, controle, opressão e pobreza, especialmente aos habitantes das nações chamadas terceiro-mundistas. Neste último reinado de meu adversário, toda a humanidade estará submetida pela Nova Ordem Mundial. Este será o governo único que regerá o mundo durante o último reinado de Meu adversário.” (Maria Rosa Mística a Enoc, em 25-06-2020)

 

Por que buscam centralizar na OMS as decisões ligadas à saúde dos povos no mundo inteiro, que atualmente cabe unica e exclusivamente aos respectivos governos dos países? Será que é porque querem poder ditatorial para impor a todos a vacina que virá com o microchip (luciferase)?

Veja abaixo a orientação de Jesus sobre este assunto:

“Rebanho Meu, cuidado com as campanhas massivas de vacinação, financiadas pelas Elites e amparadas e promovidas pelos organismos internacionais, porque estas vacinas têm como finalidade dizimar a população mundial. Anuncio-vos sobre uma vacina em especial, que, segundo as Elites a serviço do mal, irá proteger toda a humanidade das pandemias; cuidado com esta vacina porque ela vem com o Microchip, que ao ser injetada na população das nações irá marcar com a marca da besta. Os organismos internacionais e as Elites que governam este mundo no silêncio querem controlar a humanidade para prepará-la para a aparição do Anticristo.

Filhos Meus, quando os organismos internacionais vos anunciarem uma vacinação da população a nível mundial, para terem controle da humanidade, abstende-vos de vacinar-vos, porque irão vos introduzir o Microchip. Lembrai-vos que todo aquele que for marcado com a marca da besta perderá a vida do Espírito e deixará de ser ovelha de Meu rebanho.

Muito em breve, através dos meios midiáticos, começará a ser anunciada uma campanha de vacinação em massa de toda a população mundial, a qual estará patrocinada e financiada pelas Elites e pelos organismos internacionais. Antes da vacinação, farão um censo populacional a nível mundial, para estabelecer o número de bebês, crianças, jovens, adultos e idosos. Não temais, confiai e orai e o Céu se encarregará de proteger-vos. Tudo isto começará a ocorrer depois do Aviso e do Milagre. Perder-se-ão todos aqueles que não estão inscritos no Livro da Vida. Eu, vosso Eterno Pastor, não permitirei que se perca nenhuma de Minhas ovelhas, vos asseguro!

Rebanho Meu, os vírus e pandemias serão a desculpa para vacinar massivamente a humanidade; estas vacinas despertarão novas pandemias que dizimarão em grande quantidade a população mundial. No último reinado de Meu adversário, a humanidade marcada com o Microchip perderá sua identidade como ser humano; já não terão nome, mas serão conhecidos por um número, que será codificado na memória do “O Grande Irmão”.

Estais avisados, rebanho Meu, ponde em prática as instruções, orações e remédios naturais que o Céu vos enviou para que possais vencer as pandemias, armadilhas e enganos do inimigo de vossa alma.

Caminhai como Filhos da Luz que sois, com vossa Armadura Espiritual colocada, confiando e orando; cobrindo-vos a todo instante com o Poder de Meu Glorioso Sangue. Não vos afasteis de Nossos Dois Corações, consagrai-vos a Eles, para que nada nem ninguém possa fazer-vos dano.” (Jesus de Nazaré a Enoc, em 06-05-2020)


Busca


Sábado, 28 de Maio de 2022




Acessos








Mulher Vestida de Sol