‹ voltar



O horror, a heresia e a divisão se ampliam na Igreja

Onze anos depois da eleição papal, a Igreja está profundamente dividida.

 

Por Joachim Heimerl, sacerdote

 

Quando Francisco disse que Cristo esperaria uma "sinodalidade" da Igreja atual, eu me perguntei como o Papa sabe disso. Será que ele recebeu uma revelação particular e Cristo falou com ele? Provavelmente não, especialmente porque o que Francisco quer dizer com "sinodalidade" é desconhecido tanto para o Evangelho quanto para a história da Igreja. Em outras palavras: a "sinodalidade" é uma ideia fixa do Papa, mas não é uma recomendação "divina" e não deve ser levada a sério. Francisco também não a leva a sério.

Isso ficou claro em 18 de dezembro, quando o Papa surpreendentemente permitiu a "bênção" de casais do mesmo sexo e dos que se casaram novamente. O documento correspondente foi publicado rapidamente, sem que Francisco tivesse esperado por uma recomendação do Sínodo Mundial, que não deve ser concluído até o próximo outono.

O "sínodo" acabou, assim, se tornando uma aldeia Potemkin (nota do editor: a expressão "aldeias Potemkin" vem de longa data. De acordo com a lenda, em 1787, durante a visita da imperatriz russa Catarina II à Crimeia, o governador do sul da Rússia, Grigory Aleksandrovich Potëmkin, mandou construir palácios de papel-machê para esconder as condições decadentes da vila), um pano de fundo atrás do qual nada se esconde; e até hoje ninguém consegue explicar o que exatamente o Papa quer dizer com "sinodalidade". O termo oscila entre tudo e nada; digamos assim: "sinodalidade" é o grande show de Francisco, que tem apenas um propósito: esconder o fato de que o Papa quer transformar a Igreja de acordo com suas ideias. Francisco está na posição - falsa -: "Eu sou a Igreja", e pobre daqueles que negarem isso.

É justo que suas decisões sejam tomadas na sala dos fundos da "Santa Marta". De qualquer forma, Francisco só ouve seus irmãos jesuítas e outros favoritos. Entre eles, acima de tudo, o estranho prefeito da fé e autor da pornô-teologia Victor Fernandez.

Depois de onze anos de Francisco, é óbvio que isso não é bom para a Igreja. Nunca antes um papa causou tanta confusão e se afastou tanto do Evangelho e dos ensinamentos da Igreja. Muitos exemplos provariam isso. No entanto, o polêmico documento sobre as bênçãos, com o qual Francisco ultrapassou os limites, é o que mais causa impacto.

Uma onda de protestos se levantou de todas as partes do mundo.

Afinal de contas, nenhum papa pode mudar as verdades reveladas. Entre elas, que o matrimônio é indissolúvel e que  praticar a homossexualidade é um pecado grave. Portanto, ninguém pode "abençoar" casais recasados ou homossexuais, mesmo que Francisco pretenda fazer isso. Pelo contrário, tal bênção inevitavelmente leva à heresia e causa uma divisão tão profunda na Igreja como nunca se viu sob nenhum papa nos tempos modernos. Se vivêssemos em outros tempos e os cardeais fossem mais corajosos, Francisco teria sido deposto e um novo papa teria sido eleito; não teria sido a primeira vez na história.

E ainda assim: o documento de bênção tornou evidentes os déficits teológicos desse pontificado. Por exemplo, a distinção entre bênção "litúrgica" e "pastoral" acabou se tornando um fabuloso constrangimento. O mesmo se aplica à declaração subsequente do Prefeito da Fé de que os casais podem ser abençoados sem confirmar seu relacionamento. A intenção era tranquilizar os católicos "conservadores". Na verdade, porém, Fernandez se desqualificou. E ele deixou claro em que pés de barro está o pontificado de Francisco.

Não há dúvida de que o documento de bênção se tornou um ponto de inflexão. Os fiéis não se deixam enganar. Eles entendem bem que Francisco abandonou os ensinamentos da Igreja nesse ponto, embora o documento afirme descaradamente o contrário. A credibilidade do Papa se foi. Cada vez mais católicos estão se conscientizando de seus erros: a carta "Amoris laetitia" (relativização do casamento), a Declaração de Abu Dhabi (relativização do cristianismo) e, finalmente, o motu proprio "Traditiones custodes" (perseguição da missa tradicional) têm o efeito de uma onda de devastação que não pode ser negligenciada com a melhor vontade do mundo. Isso também se aplica ao escândalo Pachamama durante o Sínodo da Amazônia e à aberrante "teologia do clima" do Papa, com seus elementos neopagãos.

Quando Francisco foi eleito há onze anos, ele foi apresentado como o queridinho da América do Sul. Mas essa história acabou. Enquanto isso, o horror, a heresia e a divisão estão se espalhando na Igreja. O próximo papa terá, portanto, que assumir uma posição clara sobre o que era católico na Igreja "bergogliana" - e o que não era. Em nenhum caso, porém, o show deve continuar como antes.

Fonte original: https://www.marcotosatti.com/
Visto em: https://religionlavozlibre.blogspot.com/2024/03/el-horror-la-herejia-y-la-division-se.html

Busca


Quarta-feira, 24 de Abril de 2024










Mulher Vestida de Sol