‹ voltar



Cardeal denuncia "ateísmo prático" de bispos que preferem o mundo à cruz

 

Ao participar nesta semana da Conferência Episcopal de Camarões, na África, o cardeal guineense Robert Sarah acusou bispos ocidentais de mundanismo e de sucumbirem à tentação do “ateísmo prático” ao perderem a fé nos ensinamentos da Igreja Católica.

O ex-prefeito da Congregação para o Culto Divino e os Sacramentos do Vaticano disse que muitos bispos tanto desejam ser “amados pelo mundo” que se esqueceram que o cristianismo os chama a serem “sinais de contradição”.

O cardeal de 78 anos também repetiu as suas críticas à declaração Fiducia Supplicans, o documento do Vaticano que prevê as bênçãos de pares envolvidos em uniões do mesmo sexo, insistindo que não é apenas a cultura tradicional africana, mas o próprio ensinamento católico que torna o documento inaceitável.

Robert Sarah acusou muitos bispos de “falta de coragem” quando confrontados com as sucessivas revoluções culturais que convulsionam o Ocidente. “Muitos prelados ocidentais estão fascinados pela ideia de se opor ao mundo”, disse o cardeal. “Eles sonham em ser amados pelo mundo; eles perderam o desejo de ser um sinal de contradição”.

O Cardeal Sarah disse aos bispos camaroneses que acredita que “a Igreja do nosso tempo está experimentando a tentação do ateísmo”. “Não o ateísmo intelectual”, explicou ele, “mas aquele estado mental sutil e perigoso [de] ateísmo fluido e prático, que é uma doença perigosa, mesmo que os seus sintomas iniciais pareçam benignos”.

Segundo o prelado nascido na Guiné, o ateísmo prático é mais insidioso do que a sua contraparte intelectual porque não se declara abertamente, mas infiltra-se em todos os aspectos da cultura contemporânea, incluindo o discurso eclesiástico. Sarah afirmou que a Igreja e a sua liderança têm sido culpadas de acomodação. “Fingimos ser crentes cristãos e homens de fé. Celebramos ritos religiosos, mas na verdade vivemos como pagãos e incrédulos.”

Sarah descreveu o “ateísmo fluido e prático” como uma força traiçoeira e evasiva, que age como uma teia de aranha, fazem que os esforços da vítima para escapar apenas aumentam o controle do animal predador. Este tipo de ateísmo, argumenta o Cardeal, “é uma armadilha magistral armada pelo próprio Satanás”.

Ele insistiu que dentro da Igreja não deveria haver facções ou salvadores autoproclamados, uma vez que tais divisões jogam a favor do adversário. “Não temos que criar partidos na Igreja; não precisamos nos proclamar salvadores desta ou daquela instituição. Mas cada um de nós pode decidir hoje: A mentira do ateísmo não passará mais por mim; Não desejo mais renunciar à luz da fé; Não desejo mais, por conveniência, preguiça ou conformismo, permitir que a luz e as trevas coabitem dentro de mim. Manter o espírito de fé é rejeitar qualquer coisa que o enfraqueça e ver o mundo apenas através das lentes da fé, agarrando-se firmemente à mão de Deus”.

O Cardeal Sarah condenou a “amargura e o partidarismo” que têm atormentado a Igreja, sugerindo que estas questões são sintomáticas de uma crise espiritual mais profunda. Para o prelado, “só um espírito de fé pode promover o genuíno amor fraternal e trazer paz a um mundo devastado pelo engano e pelo conflito”.

Exortou também o episcopado em África a defender o que chamou de “unidade da fé” face às distorções ocidentais.

Referindo-se à sessão de Outubro de 2024 do Sínodo dos Bispos em curso sobre a Sinodalidade, o Cardeal Sarah elogiou a defesa vigorosa que os líderes da Igreja Africana montaram em relação à doutrina e aos valores tradicionais.

“No último Sínodo, a Igreja em África defendeu vigorosamente a dignidade do homem e da mulher criados por Deus. A sua voz foi ignorada e desprezada por aqueles cuja única obsessão é agradar aos lobbies ocidentais”, disse ele.

“A Igreja em África terá em breve de defender a verdade do sacerdócio e a unidade da fé. A Igreja em África é a voz dos pobres, dos simples e dos pequenos”.

O cardeal observou que, embora a Igreja africana desempenhe hoje um papel crítico na defesa da palavra de Deus, os cristãos ocidentais parecem ser induzidos pela sua riqueza a um falso sentido de esclarecimento e modernidade.

Robert Sarah destacou a posição única dos bispos africanos como guardiões da universalidade da fé, posicionando-se contra aqueles, disse ele, que fragmentam a verdade e promovem uma cultura do relativismo. Ele elogiou o seu papel como mensageiros da verdade divina, sugerindo que Deus muitas vezes escolhe os aparentemente fracos e impopulares para confundir os fortes e bem vistos.

Ele também elogiou os bispos dos Camarões pela sua oposição à declaração Fiducia Supplicans, dizendo que a sua decisão foi um “movimento ousado e profético” que defende a unidade da Igreja e a verdade dos seus ensinamentos. O cardeal rejeitou a alegação de que a resistência dos bispos africanos ao documento está enraizada na cultura tradicional africana, rejeitando tais reivindicações como uma forma de neocolonialismo intelectual.

Em vez disso, Sarah apontou para o Simpósio da Conferência Episcopal de África e para a declaração de Madagáscar, que delineou razões teológicas e doutrinais para não adoptar tais bênçãos em África, incluindo declarações anteriores sobre a homossexualidade, o Catecismo da Igreja Católica, as Sagradas Escrituras e preocupações sobre a linguagem usada no documento do Vaticano.

Fonte: https://brasilsemmedo.com/cardeal-denuncia-ateismo-pratico-de-bispos-que-preferem-o-mundo-a-cruz/

Busca


Domingo, 26 de Maio de 2024










Mulher Vestida de Sol