‹ voltar



O incrível relato da Visão do Inferno por Dom Bosco

n/d

São João Bosco, nascido na Itália em 1815, começou a ter sonhos vívidos aos nove anos, o que continuaria ao longo de sua vida. Um dos seus sonhos mais memoráveis, e também uma das experiências mais aterrorizantes de sua vida, envolveu uma visita ao Inferno, da qual ele acordou com marcas de queimaduras na palma de sua mão após ter tocado a parede exterior do Inferno. O seguinte é o relato do santo em suas próprias palavras.

 

Relato da Visão do Inferno por Dom Bosco

Eu tenho outro sonho para lhes contar, uma espécie de resquício daqueles que eu lhe falei quinta e sexta-feira passadas, o que me esgotou totalmente. Os chame de sonhos ou o que você quiser.

Passei todo o dia seguinte preocupando com a noite miserável que estava me aguardando e, quando chegou a noite, não queria ir para a cama, então sentei-me à minha mesa navegando pelos livros até a meia-noite. O simples pensamento de ter mais pesadelos me assustava. No entanto, com grande esforço, finalmente fui para a cama.

Para que eu não adormecesse imediatamente e começasse a sonhar, coloquei meu travesseiro em pé na cabeceira da cama e praticamente me sentei, mas logo, com meu cansaço, simplesmente adormeci. Imediatamente a mesma pessoa da noite anterior apareceu ao pé da minha cama.

“Levante-se e me siga!” ele disse.

— “Pelo amor de Deus”, – protestei, – “deixe-me em paz. Estou exausto! Fui atormentado por uma dor de dente por vários dias e preciso de descanso. Além disso, pesadelos me desgastaram completamente”. – Eu disse isso porque a aparição desse homem sempre significa problemas, fadiga e terror para mim.

— “Levante-se,” – ele repetiu – “Você não tem tempo a perder.

— “Para onde você está me levando?” – Eu perguntei.

— “Não importa, você verá.”

Ele me levou a uma planície extensa e sem limites, verdadeiramente um deserto sem vida, sem uma alma à vista ou uma árvore ou um riacho. A vegetação amarela e seca aumentava a desolação. Eu não tinha ideia de onde eu estava ou o que deveria fazer. Por um momento, perdi de vista o meu guia e temi que estivesse perdido, totalmente sozinho. Quando eu finalmente vi meu amigo vindo em minha direção, suspirei de alívio.

— “Onde estou?” Eu perguntei.

— “Venha comigo e você descobrirá!”

Ele foi à frente e eu segui em silêncio, mas depois de uma longa e triste marcha, comecei a me preocupar se eu poderia atravessar o vasto campo mesmo com minha dor de dente e minhas pernas inchadas. De repente, vi uma estrada à frente.

— “Por onde vamos agora?” – Perguntei ao meu guia.

— “Por aqui” – ele respondeu.

“O caminho dos pecadores é calçado de pedras unidas, mas ele conduz à região dos mortos, às trevas e aos suplícios.” (Eclesiástico 21:11).

Nós pegamos a estrada. Era bonita, ampla e muitíssimo pavimentada. Ambos os lados estavam alinhados com magníficas cercas verdejantes enfeitadas por lindas flores. Rosas, especialmente, apareciam por toda parte nas folhas. À primeira vista, a estrada era nivelada e confortável, e então eu caminhei sem a menor suspeita, mas logo percebi que ela imperceptivelmente inclinada para baixo. Embora não tenha ficado íngreme, encontrei-me movendo tão rapidamente que senti que estava deslizando sem esforço pelo ar. Realmente, eu estava deslizando e quase não usando meus pés. Então logo percebi que a viagem de volta seria muito longa e árdua.

— “Como devemos voltar ao Oratório?” – Perguntei com preocupação.

— “Não se preocupe,” – ele respondeu. – “O Todo-Poderoso quer que você vá. Ele, que o conduz, saberá como levá-lo de volta”.

A estrada continuava inclinada para baixo. Enquanto continuávamos nosso caminho, cercados por margens de rosas e outras flores, percebi que os meninos do Oratório e muitos outros que não conhecia estavam me seguindo. De alguma forma, encontrei-me no meio deles. Enquanto eu estava olhando para eles, eu notei que às vezes um, às vezes outro caiam no chão e eram instantaneamente arrastados por uma força invisível para uma queda assustadora, distantemente visível, que se inclinava para uma fornalha.

“ Os soberbos armaram-me laços e cordas; estenderam uma rede à beira do caminho; puseram-me armadilhas” (Salmo 139: 6).

— “O que faz cair esses meninos?” – Perguntei ao meu companheiro.

— “Veja mais de perto” – ele respondeu.

Eu o fiz. As armadilhas estavam em todo lugar, algumas perto do chão, outras ao nível dos olhos, mas todas bem escondidas. Ignorando seu perigo, muitos garotos foram pegos e tropeçaram; eles se esparramavam pelo chão, pernas ao ar. Então, quando eles conseguiam voltar a ficar de pé, eles corriam de cabeça baixa pelo caminho em direção ao abismo. Alguns ficaram presos pela cabeça, outros pelo pescoço, mão, braços, pernas ou lados e foram puxados para baixo instantaneamente. As armadilhas terrestres, bem como as teias de aranhas e quase invisíveis, pareciam muito frágeis e inofensivas; ainda assim, para minha surpresa, todos os garotos que foram pegos caíram ao chão.

Percebendo meu espanto, o guia observou: — “Você sabe o que é isso?”

— “Apenas uma fibra transparente”, respondi.

— “Um nada,” – disse ele, – “simplesmente respeito humano”.

Ao ver que muitos meninos estavam sendo pegos nessas armadilhas, perguntei: — “Por que tantos são pegos? Quem os puxa?”

— “Vá mais perto e você verá!” – ele me disse.

Segui seu conselho, mas não vi nada de peculiar.

— “Olhe mais perto”, – ele insistiu.

Peguei uma das armadilhas e puxei. Eu imediatamente senti alguma resistência. Eu puxei mais forte, apenas para sentir que, ao invés de puxar o fio, eu estava sendo puxado para baixo. Não resisti e logo me encontrei na boca de uma caverna assustadora. Parei, não queria me aventurar naquela caverna profunda e novamente comecei a puxar o fio para mim. Ele cedeu um pouco, mas apenas depois de um grande esforço da minha parte. Continuei puxando e, depois de um longo tempo, surgiu um monstro enorme e terrível, agarrando uma corda ao qual todas essas armadilhas estavam amarradas. Foi ele quem instantaneamente arrastou aqueles que foram apanhados nas armadilhas.

— “Não vou tentar comparar minha força com a dele”, – falei comigo mesmo. – “Eu certamente vou perder. É melhor lutar contra ele com o sinal da cruz e com pequenas invocações”.

Então eu voltei para o meu guia.

— “Agora, você sabe quem ele é” – ele me disse.

“Eu certamente sei! É o próprio diabo!”

Examinando atentamente muitas das armadilhas, vi que cada uma trazia uma inscrição: Orgulho, Desobediência, Inveja, Sexto Mandamento, Roubo, Gula, Preguiça, Raiva e assim por diante.

Voltando um pouco para ver quais capturavam o maior número de meninos, descobri que as mais perigosas eram as de impureza, desobediência e orgulho. Na verdade, estes três estavam ligados entre si. Muitas outras armadilhas também causavam grandes danos, mas não tanto quanto as duas primeiras. Ainda observando, percebi que muitos meninos corriam mais rápido do que outros.

— “Por que tal pressa?” Eu perguntei.

— “Porque eles são arrastados pela armadilha do respeito humano”.

Olhando ainda mais de perto, vi facas entre as armadilhas. Uma mão providencial as colocou lá para que se livrem. As maiores, que simbolizavam a meditação, eram para uso contra a armadilha do orgulho; outras, não tão grandes, simbolizaram a leitura espiritual bem feita. Havia também duas facas que representavam a devoção ao Santíssimo Sacramento, especialmente através da frequente comunhão e da Santíssima Virgem. Havia também um martelo que simbolizava a confissão e outras facas que significavam devoção a São José, a Santo Aloísio e a outros santos. Por esses meios, poucos garotos conseguiram se libertar ou escapar a captura.

Quando meu guia estava satisfeito de que eu havia observado tudo, ele me fez prosseguir ao longo dessa estrada coberta de rosa, mas quanto mais andamos mais escassas as rosas se tornaram. Espinhos longos começaram a aparecer, e logo as rosas não apareciam mais. As sebes tornaram-se queimadas pelo sol, sem folhas e espinhosas. Nós já havíamos chegado a um barranco cujos lados íngremes escondiam o que estava além. A estrada, ainda inclinada para baixo, estava ficando cada vez mais íngreme, escavada e eriçada com pedras e pedregulhos.

Continuei, mas quanto mais avançava, mais árdua e íngreme tornou-se a descida, de modo que eu caí e caí várias vezes, prostrado até recuperar o fôlego. De vez em quando meu guia me apoiava ou me ajudava a levantar. Arfando, eu disse ao meu guia:

— “Meu bom amigo, minhas pernas não me levarão a mais um passo. Eu simplesmente não posso continuar.

— “Agora que chegamos tão longe, você quer que eu o deixe aqui?” – meu guia perguntou severamente.

Com essa ameaça, respondi: — “Como posso sobreviver sem sua ajuda?”

— “Então, siga-me”.

Continuamos nossa descida, a estrada agora se tornando tão espantosamente íngreme que era quase impossível manter-se ereto. E então, no fundo deste precipício, na entrada de um vale escuro, um enorme edifício apareceu, o seu portal no alto firmemente trancado, de frente para a nossa estrada. Quando finalmente cheguei ao fundo, fiquei asfixiado por um calor sufocante, enquanto uma fumaça gordurosa, verde, iluminada por flashes de chamas escarlates subia por trás das paredes enormes mais altas do que as montanhas.

— “Onde estamos? O que é isso?” – Perguntei ao meu guia.

— “Leia a inscrição nesse portão e você saberá”.

Eu olhei para cima e li estas palavras: “O lugar sem renúncia”. Eu percebi que estávamos no portão do inferno. O guia me mostrou todo este horrível lugar. Em distâncias regulares os portais de bronze, como o primeiro, divisavam as descidas; em cada um existia uma inscrição, como: “Malditos, apartem-se de mim para o fogo eterno, preparado para o diabo e os seus anjos.” (Mateus 25:41)

De repente, o guia virou-se para mim. Chateado e assustado, ele me fez sinal para me afastar.

— “Veja!” – ele disse.

Olhei para cima assustado e vi ao longe alguém correndo pelo caminho a uma velocidade incontrolável. Fiquei de olho nele, tentando identificá-lo, e quando ele se aproximou, eu o reconheci como um dos meus meninos. Seu cabelo desgrenhado estava em parte de pé na cabeça e parcialmente jogado de volta pelo vento. Seus braços estavam estendidos como se estivesse nadando na tentativa de não se afogar. Ele queria parar, mas não podia. Atravessando as pedras salientes, ele continuou caindo ainda mais rápido.

— “Vamos ajudá-lo, vamos detê-lo” – eu gritei, estendendo minhas mãos em um esforço vago para restringi-lo.

— “Deixe-o em paz”, – respondeu o guia.

— “Por quê?”

— “Você não sabe o quão terrível é a vingança de Deus? Você acha que pode conter alguém que está fugindo de Sua justa ira?”

Enquanto isso, o jovem havia virado o olhar para trás, na tentativa de ver se a ira de Deus continuava perseguindo-o. No momento seguinte, caiu no fundo do barranco e caiu contra o portal de bronze, como se não encontrasse um refúgio melhor em sua fuga.

— “Por que ele estava olhando para trás com tanto medo?” – Eu perguntei ao guia.

— “Porque a ira de Deus atravessará os portões do inferno para alcançá-lo e atormentá-lo, mesmo no meio do fogo!”

Quando o menino entrou pelo portal, este se abriu com um rugido e, instantaneamente, mil portais internos se abriram com um barulho ensurdecedor como se fosse atingido por algo que tinha sido jogado por um vendaval invisível, violento e irresistível. À medida que essas portas de bronze — uma atrás da outra, embora a uma distância considerável uma da outra — permaneciam momentaneamente abertas, eu vi ao longe na distância algo como portas de fornalha lançando bolas de fogo no momento em que o jovem se precipitava. Tão rapidamente quanto abriram, os portais então fecharam. Tentei anotar o nome desse infeliz garoto, mas o guia me impediu.

— “Espere”, – ele ordenou. – “Veja!”

Três outros meninos nossos, gritando de terror e de braços estendidos, estavam rolando um atrás do outro como pedras maciças. Eu os reconheci no momento em que eles atingiram os portões. Naquela fração de segundo, ele se abriu e os outros milhares também. Os três rapazes foram sugados para aquele corredor infinito, em meio a um grande eco, desbotado e infernal, e então os portais fecharam novamente.

Em intervalos, muitos outros rapazes caíram atrás deles. Eu vi um menino desafortunado sendo empurrado para baixo da ladeira por um companheiro. Outros caíram sozinhos ou com outros, de braços dados ou lado a lado. Cada um deles carregava o nome de seu pecado em sua testa. Eu continuei chamando-os enquanto eles caíam, mas eles não me ouviram. Mais uma vez, os portais se abriram estranhamente e fecharam com um estrondo. Então, silêncio!

— “Maus companheiros, maus livros e maus hábitos,” – disse meu guia, – “são os principais responsáveis ​​por tantos eternamente perdidos”.

As armadilhas que eu tinha visto anteriormente estavam realmente arrastando os meninos para a ruína. Vendo tantos em perdição, eu gritei desconsoladamente:

— “Se tantos de nossos meninos acabam assim, estamos trabalhando em vão. Como podemos evitar tais tragédias?”

— “Este é o estado atual deles”, – disse o meu guia, – “e é para aí que eles iriam se morressem agora”.

Naquele momento, um novo grupo de meninos apareceu e os portais abriram-se momentaneamente.

— “Entremos”, – disse o guia.

Eu me afastei em horror.

— “Venha”, – insistiu meu guia. – “Você aprenderá muito”.

Nós entramos no corredor estreito e horrível e passamos por ele com uma velocidade relâmpago. As inscrições ameaçadoras brilhavam ameaçadoramente em todos os portais internos. O último abriu a um vasto e sombrio pátio com uma grande e incrivelmente ameaçadora entrada no extremo oposto.

— “A partir daqui”, – disse ele, – “ninguém poderá ter um companheiro útil, um amigo reconfortante, um coração amoroso, um olhar compassivo ou uma palavra benevolente. Tudo isto acabou para sempre. Você quer apenas ver ou prefere experimente essas coisas você mesmo?

— “Eu só quero ver!” – Eu respondi.

— “Então venha comigo”

Meu amigo me levou arrastado, atravessou aquele portão em um corredor em cujo extremo distante estava em um deque de observação, fechado por um enorme e único painel de cristal que chegava do chão ao teto. Assim que atravessei o seu limite, senti um terror indescritível e não ousei dar outro passo.

A minha frente eu podia ver algo como uma imensa caverna que gradualmente desaparecia em fundos recuos até as entranhas das montanhas. Tudo estava em chamas, mas não era um fogo terrestre com chamas saltitantes. Toda a caverna — paredes, teto, chão, ferro, pedras, madeira e carvão — tudo era um branco brilhante a temperaturas de milhares de graus. No entanto, o incêndio não incinerava, não consumia. Eu simplesmente não consigo encontrar palavras para descrever o horror da caverna.

Eu estava olhando com perplexidade quando um rapaz encontrou correndo por um portão. Aparentemente inconsciente de qualquer outra coisa, ele emitiu um grito aterrorizante, como alguém que está prestes a cair em um caldeirão de bronze líquido, e caiu no centro da caverna. Instantaneamente ele também se tornou incandescente e perfeitamente imóvel, enquanto o eco de seu lamento moribundo permanecia por mais um instante.

Terrivelmente assustado, eu olhei para ele por um tempo. Ele parecia ser um dos meus meninos do Oratório.

— “Ele não é fulano?” – Perguntei ao meu guia.

— “Sim”, – foi a resposta.

— “Por que ele está tão quieto, tão incandescente?”

— “Você escolheu ver”, – ele respondeu. – “Fique satisfeito com isso. Apenas continue olhando”.

Quando olhei novamente, outro garoto entrou na caverna a uma velocidade vertiginosa. Ele também era do Oratório.

Mais assustado do que nunca, perguntei ao meu guia:

— “Quando esses meninos estão correndo para esta caverna, eles não sabem para onde estão indo?”

— “Eles certamente sabem. Eles foram advertidos mil vezes, mas ainda sim optaram por se jogar ao fogo porque eles não detestam o pecado e tem preguiça em abandoná-lo. Além disso, eles desprezam e rejeitam os incessantes e misericordiosos convites de Deus para fazer penitência. Assim provocada, a Divina Justiça os persegue, os persegue e os estimula para que não possam parar até chegarem a este lugar “.

— “Oh, quão miserável esses garotos infelizes devem se sentir ao saber que não têm mais nenhuma esperança”, – exclamei.

— “Se você realmente quer saber sua loucura e fúria íntimas, chegue um pouco mais perto”, – observou meu guia.

Fui alguns passos para a frente e vi que muitos desses pobres infelizes se espancavam furiosamente como cães loucos. Outros estavam arranhando seus próprios rostos e mãos, arrancando sua própria carne e a jogando com toda violência. Naquele momento, todo o teto da caverna tornou-se tão transparente como o cristal e revelou um pedaço do céu e seus companheiros radiante seguros por toda a eternidade.

Os pobres miseráveis, furiosos e ofegantes de inveja, queimavam de raiva porque haviam ridicularizado os justos em vida.

“O ímpio o verá, e se entristecerá; rangerá os dentes, e se consumirá; o desejo dos ímpios perecerá.” (Salmo 111: 10)

— “Por que não ouço nada?” – Perguntei ao meu guia.

— “Chegue mais perto!” – ele aconselhou.

Pressionando minha orelha contra a janela de cristal, ouvi gritos e soluços, blasfêmias e xingamentos contra os santos. Foi um tumulto de vozes e gritos, estridente e confuso.

— “Tais são os cantos lúgubres que devem ecoar aqui durante a eternidade. Mas seus gritos, seus esforços e seus gritos são todos em vão.”

“Toda a força da miséria virá sobres eles.” (Jó 20:22).

— “Aqui, o tempo não existe mais. Aqui existe apenas a eternidade”.

Enquanto eu via a condição de muitos dos meus meninos em pleno terror, um pensamento me aconteceu de repente.

— “Como esses meninos podem ser condenados?” – Eu perguntei. – “Ontem à noite eles ainda estavam vivos no Oratório!”

“Os meninos que você vê aqui”, – ele respondeu, – “estão todos mortos para a graça de Deus. Se eles morressem agora ou se persistissem em seus maus caminhos, eles seriam condenados. Mas estamos perdendo o tempo. Vamos continuar”.

Ele me conduziu e passamos por um corredor para uma caverna inferior, em cuja entrada eu li: “porque o seu verme nunca morrerá, nem o seu fogo se apagará” (Isaías 66:24).

Nesta caverna inferior novamente vi os meninos do Oratório que haviam caído no forno de fogo. Eu me aproximei deles e notei que eles estavam todos cobertos de vermes e insetos que roíam seus órgãos vitais, corações, olhos, mãos, pernas e corpos inteiros tão ferozmente que desafiam a descrição. Desamparados e imóveis, eram presa de todo tipo de tormento.

Esperando poder falar com eles ou ouvir algo deles, cheguei ainda mais perto, mas ninguém falou nem olhou para mim. Então, perguntei ao meu guia por que, e ele explicou que os condenados estão totalmente privados de liberdade. Cada um deve suportar completamente seu próprio castigo, sem absolutamente nenhuma ajuda.

Aqui, podia-se ver como era atroz o remorso daqueles que haviam sido alunos em nossas escolas. Como era um tormento para eles lembrar cada pecado imperdoável e seu justo castigo, os inúmeros e até extraordinários meios que eles tinham para consertar seus caminhos, perseverar na virtude e ganhar o paraíso e sua falta de resposta aos muitos favores prometidos e concedidos pela Virgem Maria. Que tortura para eles pensar que poderiam ter sido salvos tão facilmente, mas agora estão irremediavelmente perdidos e lembrar as muitas boas resoluções feitas e nunca mantidas. O inferno é realmente pavimentado com boas intenções!

— “E agora”, – acrescentou, – “você também deve entrar naquela caverna”.

— “Ah não!” – Eu objetei com terror. – “Antes de ir ao inferno, alguém deve ser julgado. Ainda não fui julgado, então não irei ao inferno!

— “Ouça”, – ele disse, – “o que você prefere fazer: visitar o inferno e salvar seus meninos ou ficar fora e deixá-los em agonia?

Por um momento, fiquei sem palavras. — “Claro, eu amo meus meninos e desejo salvá-los todos”, – respondi, – “mas não há outra saída?”

— “Sim, há um caminho”,– ele prosseguiu, – “desde que você faça tudo o que puder”.

Respirei com mais facilidade e instantaneamente disse:

— “Não me importo de ficar se eu puder resgatar esses amados filhos de tais tormentos”.

— “Entre por aqui”, – continuou meu amigo, – “e veja como nosso Deus bom e poderoso oferece amorosamente mil meios para guiar os seus meninos à penitência e salvando-os da morte eterna”.

Ao pegar minha mão, ele me levou até a caverna. Quando entrei, encontrei-me de repente transportado para um magnífico salão cujas portas de vidro cortadas ocultavam mais entradas.

Acima de uma delas, li esta inscrição: o Sexto Mandamento. Apontando para isso, meu guia exclamou:

— “Transgressões a este mandamento causaram a eterna ruína de muitos meninos”.

— “Eles não foram se confessar?”

— “Sim, o fizeram, mas omitiram ou insuficientemente confessaram os pecados contra a bela virtude da pureza. Outros meninos podem ter caído nesse pecado, mas em sua infantilidade e vergonha nunca confessaram ou fizeram isso de forma insuficiente. Outros não lamentavam real ou sinceramente em sua determinação de evitá-la no futuro. Havia mesmo alguns que, ao invés de examinar sua consciência, passaram seu tempo tentando descobrir a melhor forma de enganar seu confessor. Qualquer um que morra neste estado de espírito escolhe estar entre os condenados, e assim ele está condenado por toda a eternidade. Apenas aqueles que morrerem verdadeiramente arrependidos serão eternamente felizes. Agora, você quer ver por que nosso Deus misericordioso trouxe você aqui?

Ele levantou a cortina e vi um grupo de meninos do Oratório — todos conhecidos por mim — que estavam lá por causa deste pecado. Entre eles estavam alguns cuja conduta parecia ser boa.

— “Agora você certamente me deixará anotar seus nomes para que eu possa avisá-los individualmente”, – exclamou.

— “Não será necessário!”

— “Então, o que você sugere dizer a eles?”

— “Sempre pregue contra a imodéstia. Tenha em mente que, mesmo que você os corrigisse individualmente, eles prometeriam, mas não sempre de coração. Para uma resolução firme, é preciso a graça de Deus, que não será negada aos seus meninos se eles orarem. Deus manifesta o Seu poder, especialmente por ser misericordioso e perdoador. Por sua parte, reze e faça sacrifícios. Quanto aos meninos, deixe-os ouvir suas correções e consulte suas consciências. Isso lhes dirá o que fazer .”

— “Posso mencionar todas essas coisas aos meus meninos?”

— “Sim, você pode dizer o que quer que você lembre.

— “Que conselho devo dar para protegê-los de tal tragédia?”

— “Continue dizendo-lhes que obedecendo a Deus, a Igreja, seus pais e seus superiores, mesmo nas pequenas coisas, serão salvos. Avise-os contra a ociosidade. Diga-lhes que se mantenham ocupados em todos os momentos para que o diabo não tenha chance para tentá-los.

Inclinei a cabeça e prometi. Fraco pela consternação, eu só podia murmurar:

— “Obrigado por ter sido tão bom comigo. Agora, me leve para fora daqui”.

— “Tudo bem, então, venha comigo”.

Encorajadoramente, ele pegou minha mão e me levantou porque eu mal conseguia fazê-lo. Saindo daquele salão, em pouco tempo nós voltamos pelo horrível pátio e pelo longo corredor. Mas, assim que atravessamos o último portal de bronze, ele se virou para mim e disse:

—  “Agora que você viu o que os outros sofrem, você também deve experimentar um toque do inferno.”

— “Não, não!” Gritei aterrorizado.

Ele insistiu, mas eu continuei recusando.

— “Não tenha medo”, – ele me disse; – “apenas tente. Toque nesta parede.”

Não consegui reunir coragem suficiente e tentei fugir, mas ele me segurou de volta.

— “Experimente”, – ele insistiu. Agarrando meu braço firmemente, ele me puxou para a parede. — “Apenas um toque”, – ele ordenou, – “para que você possa dizer que você viu e tocou as paredes do sofrimento eterno e que você pode entender o que o último muro deve ser como se o primeiro fosse tão insuportável. Olhe para este muro!

Eu o fiz com atenção. Parecia incrivelmente grosso. — “Há mil paredes entre esta e o fogo real do inferno”, – continuou meu guia. – “Mil paredes as englobam, cada uma mil medidas grossas e igualmente distantes uma da outra. Cada medida são mil milhas. Esse muro, portanto, está há milhões e milhões de quilômetros do fogo real do inferno. É apenas uma borda remota do próprio inferno.

Quando ele disse isso, instintivamente fui para trás, mas ele agarrou minha mão, abriu-a e apertou-a contra a primeira das mil paredes. A sensação era tão excruciante que eu acordei com um grito e me encontrei sentado na cama. Minha mão estava ardendo, e eu continuava esfregando-a para aliviar a dor. Quando levantei esta manhã, notei que estava inchada. Ter minha mão pressionada contra a parede, embora apenas em um sonho, foi tão real que, mais tarde, a pele da minha palma descascou.

Tenha em mente que tentei não assustar-vos muito, e por isso não descrevi essas coisas com todo o seu horror quanto as vi e me impressionaram. Sabemos que Nosso Senhor sempre retratou o Inferno em símbolos porque, se ele o descrevesse como realmente é, não o teríamos entendido. Nenhum mortal pode compreender essas coisas. O Senhor conhece-os, e Ele os revela a quem Ele quiser.

 

Fonte: https://templariodemaria.com/o-incrivel-relato-da-visao-do-inferno-por-dom-bosco/

Busca


Terça-feira, 02 de Março de 2021







Acessos




Mulher Vestida de Sol