‹ voltar



Visões e revelações a Maria Lataste - O VERBO DE DEUS FEITO HOMEM (Livro Dois - Capítulos 11 a 20)

n/d Marie Lataste (21-02-1822 / 10-05-1847) foi uma vidente católica francesa, freira e escritora. Ela recebeu uma forte impressão da presença divina, aos 11 anos de idade, em sua primeira comunhão. Cerca de um ano depois, Marie viu na Missa durante a Elevação da Hóstia, uma luz brilhante que parecia inflamar seu amor pelo Senhor Eucarístico e aumentar à medida que esse amor aumentava. Logo ela foi lançada em severas provações e tentações interiores. Seu diretor espiritual permitiu-lhe fazer um voto anual de virgindade, e o Santíssimo Sacramento tornou-se o pensamento central de sua vida. De acordo com sua própria narrativa, no final de 1839, quando tinha 17 anos, ela viu Cristo no altar. Na Epifania de 1840, isto se repetiu, e durante três anos inteiros cada vez que ela assistia à Missa, esta graça lhe era concedida. Quase diariamente ela recebia dos lábios de Jesus instruções formando uma completa educação espiritual e doutrinária. Ela nunca mencionou isto, exceto a seu confessor. Em 1840 M. l'Abbé Pierre Darbins sucedeu M. Farbos como pároco de Mimbaste. Marie lhe revelou sua alma. Ele pediu a ajuda do diretor do seminário de Dax, e eles concordaram em ordená-la a colocar por escrito tudo o que sobrenaturalmente ela tinha ouvido e visto no passado, e tudo o que ela poderia ouvir e ver no futuro. Após muitas objeções e atrasos, ela obteve permissão para entrar na Sociedade do Sagrado Coração, recentemente fundada, e partiu para Paris, em 21 de abril de 1844, sozinha. Ela foi recebida no Hotel Biron pela Madame de Boisbaudry, que a mandou examinar por um guia espiritual experiente. Ela foi admitida como irmã leiga no dia 15 de maio. Ainda noviça, ela foi enviada a Rennes na esperança de que uma mudança de ar melhorasse sua saúde. Os votos de Marie haviam sido adiados na esperança de uma melhoria em sua saúde. Mas no domingo, 9 de maio, ela ficou tão doente de repente que o fim parecia próximo. Ela foi autorizada a pronunciar seus votos, pouco antes de receber os últimos sacramentos. Seus restos mortais foram levados mais tarde para Roehampton, perto de Londres.

 

LIVRO DOIS – Capítulo 11

Num dia de Páscoa, participei da Santa Missa. A tristeza havia se transformado em alegria, as roupas de luto haviam desaparecido, e o padre estava vestido com suas vestes mais ricas.  O Aleluia estava em cada boca; e em quase toda testa eu parecia ver paz e tranquilidade de alma. No meio desta festa, minha língua podia pronunciar apenas uma palavra: Aleluia! Meu coração tinha apenas um pensamento, Jesus ressuscitou; meus olhos tinham apenas uma visão, a pedra do túmulo tombada e o anjo de pé, gritando ao mundo: Ele ressuscitou. Então Jesus me deixou ouvir sua voz e me disse:

"Minha filha, eu fui gerado de toda a eternidade no seio de meu Pai, e minha pessoa é uma palavra que diz eternamente a Deus, meu Pai, as glórias de meu nascimento eterno. Fui gerado no tempo, no ventre da gloriosa Virgem Maria, e no dia do meu nascimento, no tempo, os anjos vieram à terra para cantar: Glória a Deus nas alturas, paz aos homens de boa vontade na terra! Eu também fui gerado para a vida de glória na terra; o túmulo foi o ventre que me deu esta nova vida, e no dia da Páscoa, quando recebi meu nascimento para a vida de glória, a Divindade, os anjos, os homens, toda a natureza, celebraram este terceiro nascimento de Deus, por cujo poder eu saí do túmulo; os anjos, que vieram para testemunhar minha ressurreição; os homens, que já foram levados pela morte, levantando-se comigo; aqueles que quiseram impedir-me de levantar, anunciando minha ressurreição; outros, contemplando-me ressuscitado; a natureza, permanecendo em silêncio diante de mim, esquecendo suas leis para reconhecer apenas a força de minha divindade. Isto é o que você celebra neste dia, minha filha; você celebra minha ressurreição, ou seja, meu nascimento na vida de glória".

"Ó vida do Filho do Homem! Morte do Filho do Homem! A Ressurreição do Filho do Homem! A vida eterna do Filho de Deus! Admirável união da vida do Filho de Deus com a do Filho do Homem! Vida eterna do Filho de Deus com a vida gloriosa do Filho do Homem! A surpreendente vida de um Deus, de um Deus feito homem, de um Deus feito homem ressuscitado! Vida eterna e vida mortal, vida eterna e vida imortal, vida sem começo nem fim, vida que começou e terminou, vida que começou e nunca terminará, vida que é gloriosa e, doravante, impassível! Considere o máximo que puder o mistério destas vidas. Não procure compreendê-los, mas busque seu descanso neles. Não procure examiná-los, mas procure atraí-los ao seu coração. Fazei um túmulo para Mim em vosso coração; quero encerrar nele estas três vidas, minha vida divina, minha vida mortal e dolorosa de Redentor, minha vida de triunfo e glória. A primeira para fazer de você uma filha de Deus; a segunda para aperfeiçoá-la e santificá-la cada vez mais; e a terceira para fazer com que a vida gloriosa que a espera na eternidade se enraíze em você. Não posso mais morrer, mas quero estar em você como um sacrifício, em você como um enterro, em você como uma morte; como uma morte que comanda a vida, como um enterro que quebra a pedra de seu túmulo, como um sacrifício que salva aquele que o atingiu. Encontrei a morte na vida; mas na morte pude retomar a vida, e esta vida nunca mais terminará.

"Você também está viva, minha filha; viva com a vida de Deus, que não pode ser tirada de você, assim como a vida divina não pode ser tirada de você; você está viva com a vida natural, com a vida do corpo, com a vida dos sentidos, com a vida que é própria e pessoal para você, bem! Esta vida pode ser tirada de você: o que devo dizer? Você tem que sacrificá-la. Você deve morrer para si mesmo, para suas inclinações, para seus desejos, para seus pensamentos, para seus afetos, para tudo o que é você; você deve entregar tudo nas mãos de Deus, agora como no momento em que Ele o chamará para si mesmo, e o túmulo lhe dará à luz a vida gloriosa, a vida impassível, a vida da eternidade que você compartilhará com o Filho do Homem.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 12

No dia da Ascensão de Nosso Senhor, eu estava na igreja meditando sobre o mistério do dia. Fui transportada para a montanha onde Jesus iria subir ao céu. Eu O vi cercado por Seus discípulos, ouvi Suas últimas palavras para eles, e finalmente O vi, cheio de majestade, subir ao trono onde Ele reside com Seu Pai.

O Salvador Jesus me disse: "Vem comigo, minha filha, quero deixar-te penetrar na glória e no espírito deste mistério. Neste dia, meu corpo, que se tornou glorioso através da ressurreição, entra na verdadeira e real glória que o esperava no seio de Deus. Neste dia, ele se sentará à direita de Deus, receberá Sua autoridade sobre todas as coisas no céu e na terra; preparará a descida do Espírito Santo sobre a Igreja; alegrará os anjos com sua presença, e os santos abrindo-lhes a morada da eterna bem-aventurança. Minha ascensão é, particularmente para o céu, o tema da maior alegria. No céu, Deus, meu Pai, que recebeu a expiação, me devolve toda a glória que lhe dei; os anjos que adoraram o mistério de minha encarnação, que o anunciaram aos homens, que testemunharam minha vida escondida em Nazaré, minha vida pública na Judéia, minha paixão, minha morte e minha ressurreição, estão felizes de me ver face a face, vitorioso sobre Satanás, o pecado e a morte. Os santos que me seguiram em meu triunfo se esquecem de celebrar apenas seu libertador.

"Quero compartilhar a glória de minha ascensão com você, minha filha, e com todos os cristãos. Um dia ressuscitarás e todos eles se erguerão para a glória, se fizerem a vontade de meu Pai do céu como eu faço; e para que tenhas forças para fazê-lo, eu te abençôo, minha filha, e desejo que esta bênção te sustente em tua vida, te prenda à vontade de Deus, e te prenda a mim para sempre. "

Agradeci ao Salvador Jesus e me retirei em paz.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 13

Um dia eu estava lendo estas palavras do salmista: "O Senhor jurou e não se arrependeu de seu juramento. Você é sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque. "

O Senhor Jesus me disse: "Estas palavras, minha filha, são dirigidas a mim: eu sou aquele eterno sacerdote segundo a ordem de Melquisedec; eu sou aquele que foi ungido com o óleo do Senhor, coroado rei e sacerdote por meu Pai na eternidade. Vim ao Calvário para cumprir minha função como sacerdote, oferecendo-lhe o sacrifício de minha vida como um sacrifício de agradável odor, o único capaz de acalmá-lo. Assim, eu era sacerdote e vítima ao mesmo tempo. Eu era sacerdote e Deus, oferecendo a Deus um Deus sacrificado por Sua glória. Renovo este sacrifício do Calvário todos os dias através do ministério do sacerdote no sacrifício santo do altar, que é uma representação do sacrifício da cruz. Lá eu não me ofereço mais de maneira sangrenta como na cruz, mas mesmo assim é oferecido um verdadeiro sacrifício, e lá ainda sou sacerdote e vítima, sacerdote e sacrificado, Deus imolador e Deus imolado. É sempre a mesma vítima que é oferecida a Deus, porque é a única que lhe agrada, a única que Ele pede, a única que Ele quer aceitar.

"Que abundantes frutos de graça você e todos os cristãos podem obter participando da Santa Missa, seja no corpo ou somente no espírito. Você pode oferecer a Vítima do Altar a Deus para glorificá-lo, honrá-lo, amá-lo cada vez mais e apegar-se cada vez mais a Ele, para satisfazê-lo cada vez mais por seus pecados e iniquidades, bem como pelos pecados e ofensas de seus parentes, seus amigos e todos aqueles pelos quais você tem alguma obrigação particular de rezar. Você pode oferecer a Deus a Vítima do Altar para agradecer a Ele por todas as graças que Ele lhe concedeu, seus pais, a Igreja Católica, os santos e Maria. Você pode oferecer a Deus a vítima do altar para pedir-lhe as graças necessárias para você, para seus parentes, para seus amigos, para a santa Igreja, para pedir o alívio e a libertação das almas de seus irmãos que ainda estão no purgatório. Finalmente, você pode participar da vítima que lhe é oferecida e atraí-la para dentro de você verdadeira ou espiritualmente, dependendo se você a recebe através da verdadeira comunhão ou através da comunhão espiritual.

"O sacerdócio, de acordo com a ordem de Melquisedeque dá a você, minha filha, a continuação do grande benefício da redenção. Este sacerdócio, em sua plenitude, reside em mim. Eu o derramei sobre meus apóstolos, e meus apóstolos, através deles e seus sucessores, o transmitiram e o transmitirão para sempre, até o fim dos tempos, àqueles que serão escolhidos por meu Pai, para que através de toda a terra a santa oblação lhe seja oferecida até a consumação dos séculos. Para que vocês possam apreciar melhor meu sacerdócio e o sacrifício de meu sacerdócio, e os efeitos desse sacrifício, eu lhes revelarei os mistérios do mesmo. Todos eles estão contidos no sacramento de meu amor, um sacramento que perpetua a vítima imolada no Calvário pelas mãos do Sumo Sacerdote, que era tanto Filho de Deus quanto Filho do Homem. "

 

LIVRO DOIS - Capítulo 14

Eis como ele me falou sobre isso:

"O Senhor apontou sua força; o Senhor manifestou seu poder; o Senhor abriu o tesouro de sua misericórdia; o Senhor deu a conhecer a severidade de seus julgamentos e a severidade de sua justiça. É no sacramento de seu amor que o Senhor revelou seu poder; é no sacramento de seu amor que o Senhor abriu o tesouro de sua misericórdia; é no sacramento de seu amor que o Senhor deu a conhecer o rigor de seus julgamentos e a severidade de sua justiça para com aqueles que o profanam. Não posso me cansar de falar com você sobre este assunto; às vezes derramo meu coração no seu; compartilho de seus sentimentos, você a quem fiz meus amigos e confidentes".

"Enquanto meu coração arde de amor pelos homens, quão indiferentes eles são! Eu os faço ouvir minha voz, não por mim, mas por meus servos e por minha graça: eles a desprezam, desprezam meus servos. Eu os procuro e eles se escondem; eu corro atrás deles e eles fogem de mim; eles pisam em minhas ameaças e em minhas promessas. Por que você faz isso? O que eu fiz com você para que me tratasse assim? Do que você reclama? O que você encontra em mim que o desagrada? Não se deixa uma pessoa sem um motivo. Qual é a razão que o obriga a me abandonar? Examinemo-lo de boa fé e, se for bom, autorizo que me deixem. Para você, minha filha, que sabe estas coisas, ame-me, una-se aos meus servos; ultrapasse-os no amor, se puder, faça reparações de alguma forma pela indiferença dos outros. "

No dia seguinte, "Ontem eu lhes disse que o Senhor havia sinalizado sua força no sacramento de seu amor". Você não acha que é preciso toda a força do amor de um Deus para permanecer sempre neste sacramento, apesar dos sacrilégios, dos insultos, das irreverências, dos insultos que lá recebo todos os dias e a cada hora? Você não acha que eu precisava de toda a força do amor de um Deus para instituir este sacramento? E mesmo assim, não hesitei por um momento. Mas não imaginem que eu não estava plenamente consciente de todas as ofensas que receberia nele: eu conhecia até mesmo a mínima palavra, até mesmo o mínimo pensamento de desprezo, as ofensas contra meu Pai e contra mim mesmo, que seriam mais sensíveis para mim do que qualquer outro pecado. Entretanto, isto não foi capaz de me deter, e mesmo que todas as pessoas na terra me tivessem desprezado e insultado, se apenas uma alma tivesse se beneficiado deste sacramento e encontrado salvação nele, eu o teria instituído.

"Mas eu vi um número infinito de coisas boas produzidas por este sacramento: tantos doentes encontrarão nele seu remédio e sua cura; tantos fracos encontrarão força; tantos pecadores encontrarão nele o selo de sua reconciliação e de sua santificação; tantos justos encontrarão nele seu consolo e novas graças para santificar-se ainda mais! A visão de tantas pessoas fracas que seriam fortalecidas por ele, de tantas pessoas doentes que seriam aliviadas por ele, e de tantas almas que não seriam salvas sem este sacramento, me fez instituí-lo apesar de todos os insultos e desprezos que eu receberia! O que você acha disto? Não é preciso toda a força do amor de um Deus, não é preciso um amor como o de um Deus para fazer tal coisa, e para fazê-lo sem nunca vacilar?

"Venha, minha filha, vamos apertar novamente os doces laços que nos prendem. Ame-me cada vez mais: temos sido tão felizes por estarmos juntos com tanta frequência! Não se surpreenda que eu tenha dito: "Nós somos felizes", pois desde que tenho prazer em estar com os filhos dos homens, você não acha que eu gosto de entrar em seus corações? Você nunca poderá compreender o prazer que tenho em visitar almas que me amam. Deixo-a com este pensamento. "

No dia seguinte ele me disse: "Ontem eu lhe disse como Deus sinalizou seu poder no sacramento de seu amor, hoje eu quero lhe explicar como o Senhor fez seu poder aparecer neste sacramento. Este pequeno hospedeiro é a coisa mais augusta da religião, pois contém o próprio Deus, todas as perfeições de Deus, todos os meus méritos, para que aquele que o recebe possa dizer: 'Possuo no meu coração Aquele que fez todas as coisas, que sustenta todas as coisas, Aquele que o céu e a terra não podem conter, todos os méritos do meu Salvador, em suma, possuo tudo.

"O poder do Senhor aparece quase tanto neste mistério quanto no da Encarnação. Pois no mistério da Encarnação, um Deus deixa o seio de seu Pai até onde pode, desce do alto de sua glória e magnificência para o ventre de uma Virgem, e esconde sua divindade, assumindo a natureza humana. Mas neste sacramento Ele esconde sua divindade e humanidade na forma de um pãozinho. Estou em mil anfitriões, assim como em um, estou igualmente presente em todos os lugares onde há algum anfitrião consagrado, e sou apenas um; todos, se houvesse mil milhões, me receberiam por inteiro, e a abundância de graças, cada um de acordo com sua disposição. Não se pode dizer que, no sacramento de seu amor, o Senhor fez manifestar seu poder?

"Que amor pelos homens! Não contente de tomar sua forma e viver entre eles, de ensinar-lhes o caminho para o céu por minhas palavras, a conduta que deveriam seguir por meu exemplo, e de ter morrido por eles, eu não posso me separar deles. E como o amor é insaciável e só pode ser satisfeito pelo próprio amor, e como um coração devorado e consumido pelo amor só pode ser saciado amando mais, instituí este divino sacramento para que eu pudesse estar sempre com eles para ajudá-los, fortalecê-los e ajudá-los em suas necessidades.

"O Profeta estava muito certo ao dizer: Ele deu a conhecer ao Seu povo o poder de Suas obras; e como? Ao dar-lhes a herança das nações. Agora eu sou a porção, a recompensa, a herança dos filhos de Deus, e todos os homens são chamados a recebê-la. Não estou em meu sacramento por poucos, em poucos lugares ou por um tempo, mas por todos, em todo o mundo, e por todo o tempo que o mundo perdurará". Apresentarei este sacramento a todas as gerações como um eterno e sempre novo espetáculo do poder de Deus. Minha filha, você já entendeu a grandeza da Eucaristia como você entende agora? O poder de Deus ainda aparece neste sacramento pelo bem e pelos bons efeitos que ele produz nas almas. E quantas pessoas testemunhariam para mim a verdade do que estou dizendo aqui! "

No dia seguinte: "É neste sacramento de seu amor que o Senhor abriu o tesouro de sua misericórdia". Nela se encontram toda a bondade e misericórdia de Deus, pois nesta hóstia estão todas as perfeições de Deus, todas as virtudes, todas as graças, pois aquele que nela habita é o autor da graça e o Deus das virtudes. É lá que Deus ama demonstrar misericórdia, estando lá por bondade e misericórdia. Um amigo seria muito elogiado, que pelo bem de seu amigo teria se despojado de seus pertences, teria sido exilado com ele. Mas eu morri pelos homens, e desejei morar entre eles no exílio, para poder confortá-los, fortalecê-los, aliviá-los e suprir suas necessidades com o que precisam. Pois quem não veio para rezar com fé, esperança, submissão, constância e perseverança, e foi ouvido? Ah, minha filha, eu te digo a verdade, se os homens são tão fracos, tão carentes de virtude, é porque não pedem o suficiente: a maioria se reúne em minha casa, reza algumas orações, com algum fervor, se quiserem; outros os dizem com os lábios, na confusão e dissipação de suas mentes. E como você espera que um Deus ciumento e justo receba e responda essas orações?

"Que homem há que, afligido, veio com uma disposição santa e não foi aliviado? É precisamente para aqueles que estão sobrecarregados pela lei que eu estou na Eucaristia, pois eu disse: 'Vinde a mim, todos vós que estais sobrecarregados, e eu vos aliviarei'. Convido não apenas os justos, mas também os pecadores, desde que estejam dispostos a renunciar sinceramente a seus pecados; estar aqui como num trono de graça e misericórdia para receber aqueles que se apresentam. Peço-lhes que renunciem aos seus pecados, aos seus hábitos pecaminosos, e estou pronto, se eles quiserem me conceder o que lhes peço, para que tomem banho em suas cabeças com abundância tanto de minhas graças como de minhas bênçãos, para derramar sobre eles toda a misericórdia do meu coração, dar-lhes todo o meu amor, tomá-los em meus braços como ovelhas errantes devolvidas ao redil, rodeá-los de minha solicitude como uma mãe com seu filho doente, consagrar-me em uma palavra a eles para que sejam meus para sempre. Não é uma indicação da imensidade da minha misericórdia estar assim entre os filhos dos homens, em cada momento do dia e em cada lugar da terra, sob as espécies eucarísticas? Não é um mistério insondável da misericórdia divina que o Filho de Deus se ponha inteiramente à disposição dos homens com tudo o que ele é, com tudo o que ele tem? Ah, minha filha, quantos lamentos mais tarde nos corações de milhares de homens, por não terem usado minha misericórdia neste sacramento quando tão facilmente puderam; mas então minha misericórdia terá passado, pois já com o tempo o sacramento do meu altar terá se levantado para lançar contra eles julgamentos cheios de severidade e justiça. "

No dia seguinte: "É no sacramento de seu amor que o Senhor faz conhecer a severidade de seus julgamentos e o rigor de sua justiça contra aqueles que a profanam. Estes julgamentos cairão sobre dois tipos de pessoas: sobre aqueles que não me recebem e sobre aqueles que me recebem indignamente. Os primeiros estão em estado de morte. São como uma árvore que não tem mais seiva, que murcha e morre; são como um peixe do mar que é retirado da água, que não está mais em seu elemento e morre; são como um homem que não só gostaria de manter sua força e vigor, mas também de viver sem comer ou beber. Eu sou a seiva da alma; sou o elemento em que ela sabe e pode se mover e agitar; sou seu alimento, sua bebida, e aquele que não come minha carne eucarística e não bebe meu sangue não terá vida; ele morre mais e mais a cada dia, e o dia de sua morte será o dia em que lhe mostrarei meu rigor e minha justiça nas profundezas do abismo.

"Vocês, povo sacrílego, como são ingratos! Não se encontram palavras para expressar a negritude de seu crime. Que punições você não merece, quer seja instruído ou ignorante? Vocês que são educados e conhecem melhor a grandeza deste sacramento são mais culpados, ministros de Satanás, do que os professores e os chefes dos sacerdotes, pois devem conhecer minha divindade melhor do que eles. Eles me entregaram nas mãos dos homens, e vocês me entregam nas mãos de meus maiores inimigos, os demônios. E vós, que sois ignorantes, deixai-vos instruir. Você é tão ignorante que não sabe que receber este sacramento em estado de pecado mortal é cometer sacrilégio?

"Aquele que comunga indignamente é culpado do sangue de um Deus, e torna-se como os judeus que o tomaram sobre si, e carrega a maldição que eles trouxeram sobre si mesmos. Eles são, e sempre serão, os monumentos e objetos dos castigos de Deus, e sobre suas cabeças pende a justiça. Espalhados aqui e ali, eles cumprem a palavra que eu havia dito: 'Eles serão espalhados e sua cidade será destruída de cima para baixo, para que não fique uma pedra sobre outra'. A comunhão indigna é um pecado tão grande que todos o abominam; e ainda assim não há nada mais comum. Aquele que é culpado sente a confusão e se torna como os judeus; pois todo o mundo tem um desprezo secreto pelos judeus, um certo horror. As crianças suportam a punição do crime de seus pais: este povo é tão insensível que é lamentável. Da mesma forma, aquele que recebe a comunhão de maneira indigna cai numa indiferença que o torna insensível a tudo, ou então é devorado pelo remorso de sua consciência, e assim este sacramento carrega consigo o castigo.

"Uma primeira comunhão indigna perturba muito uma alma, uma segunda a põe para dormir um pouco, uma terceira e as outras que faz depois a fazem cair na insensibilidade, no desprezo mesmo pelas coisas sagradas, numa segurança e numa letargia mortal. Quão raramente alguém que profanou os sacramentos durante sua vida os recebe bem na morte, e quantos morrem em desespero ou naquela indiferença que os torna insensíveis a tudo! Aquele que faz uma comunhão indigna sente no fundo de seu coração um medo, um desespero, um ódio a Deus que é o começo daquilo que o devorará na eternidade. Tudo, em vez de levá-lo à confiança, o leva ao desespero. Falamos com ele sobre os últimos sacramentos? Mas a memória daqueles (sacramentos) que ele profanou durante sua vida o perturba. Uma cruz é apresentada a ele? Mas esta visão, em vez de consolá-lo, reprova-o por seu crime. A maioria deles morre nesta insensibilidade, eles morrem! e muitas vezes pensando em tudo menos em mim, e estes sacramentos são como a confirmação de sua reprovação.

"Assim, é verdade dizer que o Senhor mostra neste sacramento a severidade de Seus julgamentos e o rigor de Sua justiça. Ele não pune nenhum outro pecado tão severamente como a comunhão sacrílega. Finalmente, tudo está contido nestas palavras que eu disse: "Aquele que Me recebe indignamente come e bebe sua condenação. Como isto é assim, minha filha, tente avançar cada vez mais no meu amor e no amor pelo sacramento do meu altar. Então será para você um mistério inefável de misericórdia para o tempo e para a eternidade. Através deste sacramento manteremos a intimidade de nosso relacionamento, fortaleceremos cada vez mais nossos laços. Você me amará mais e eu lhe oferecerei favores maiores e mais especiais. "

No dia seguinte, tive a alegria de voltar para o Salvador Jesus. Ele falou comigo assim: "Minha filha, quem te atrai para o altar? - Senhor", respondi, "é a vossa presença em vosso sacramento". - O que você sente quando vem ao meu templo? - Eu sinto, Senhor, a doçura de tua misericórdia e a bondade de tua virtude sobre mim. - Você encontra uma atração em meu tabernáculo? Sim, Senhor, uma atração irresistível; sou como o veado sedento que anseia por uma fonte de água viva, e a encontro em Ti. Sou como uma pobre criança abandonada que precisa derramar seu coração no coração de sua mãe, e eu o derramo em você. Sou como um exilado que espera no caminho para encontrar um amigo que lhe fala de sua pátria, e o encontro aqui todos os dias para me falar do céu. Vós sois tudo para mim, meu Deus, e compreendo bem a verdade das palavras de vosso Profeta, que gritou: "Meu Deus, vossos tabernáculos estão cheios de bondade: um único dia passado perto de vós é melhor do que mil passados nas tendas dos pecadores". - O que é que mais o atrai para mim? - É o seu coração ardendo de amor e a doçura de suas palavras. - Você está sempre feliz e contente perto de Mim? - Sim, Senhor, quando penso apenas em Ti. - Como assim? - Senhor, porque eu sei que Vós me amais e eu quero amar-Vos cada vez mais. - Você ficaria insatisfeita e infeliz de qualquer outra forma? - Sim, Senhor, quando penso nos pecadores, nos insultos que recebes, na dor que te aflige; então, meu Deus, não sou mais feliz, sofro mais do que a morte, gostaria de morrer por esses pecadores e ingratos para que não te ofendas nem te aflijas e, não podendo fazê-lo, gemo em silêncio e sofro no meu coração. - Minha filha, esses sentimentos a honram; vejo que você compreende bem o valor de minha presença no sacramento do altar, e sabe encontrar e saborear nele toda a doçura e bondade de um Deus feito homem e vítima eucarística para a salvação e consolação dos homens. Oh, você tem razão em ficar triste pelos ultrajes que recebo, pela ingratidão e indiferença dos pecadores, e especialmente pelos muitos sacrilégios cometidos todos os dias. Você ficaria muito mais triste se compreendesse a grandeza e a realidade das ofensas que recebo; mas você não pode compreender, sua inteligência é muito limitada para isso, e até mesmo seu amor ainda é muito fraco. Ah, pelo menos, penetrar mais e mais em meu coração a cada dia; estudar mais e mais todos os seus segredos e todas as suas gentilezas; você gostará sempre mais e você evitará o que poderia me desagradar ou me descontentar em você. Você vai me compensar, minha querida filha, pela indiferença de tantos outros pelo ardor de seu amor. Minha filha, minha amada, a esposa do meu coração, o objeto dos meus cumprimentos, por que sou tão bom para você, por que tenho o prazer de lhe dar testemunhos tão elevados do meu amor? Deixe-me dizer-lhe: é para que você nada me recuse, para que você também seja toda minha, para que você se torne uma imagem fiel de seu Salvador, para que você seja humilde como eu, submissa e obediente como eu, santa como eu, em uma palavra, para que você possa me amar como eu a amo. "

Um dia, após a Sagrada Comunhão, vi o Salvador Jesus em meu coração, como já o havia visto muitas vezes antes no altar, sentado em um trono dourado. Olhei para Ele por um longo tempo, adorei-o dentro de mim e renovei a oferta de tudo o que tinha. Pensei que estava todo fechado em meu coração, de joelhos, perto de Jesus.

Logo, senti-me inclinada a deixar meu coração para seguir uma atração que não pude resistir e que me chamou ao altar. Imediatamente vi, com os olhos do espírito, dois anjos com grandes asas cada um ao lado do altar. Com uma de suas asas cobriram o topo do tabernáculo; espalharam a outra sobre a frente e o velaram completamente. As penas de suas asas pareciam lâminas transparentes de ouro e brilhavam em meus olhos como raios de sol. Vi dois outros anjos semelhantes a crianças pequenas; eles não se assentavam em nenhuma parte; suas asas os sustinham na frente do tabernáculo. Eles estavam de frente para o povo, com as mãos fechadas no peito e os olhos fechados, e gritavam em voz alta: "Aqui está o Senhor, adorem-no! adorem-no! Outros dois desceram do céu, como os primeiros. Eles tinham um incensário em suas mãos. Eles incensaram o altar sem cessar e fizeram inclinações profundas para testemunhar seu respeito e submissão ao Deus da Eucaristia. Finalmente, um sétimo estava diante do altar. Ele era alto como os dois primeiros, e também portava asas grandes. Ele tinha um olhar severo, seus braços estavam nus, e seu manto descia até os joelhos. Ele levantou sua voz ao povo e disse em voz alta: "Aqui habita Aquele que os anjos adoram com grande reverência, com medo e tremor, tomados de um legítimo medo em sua presença. Se você soubesse tão bem quanto nós a grandeza da Suprema Majestade, você o adoraria com medo e tremor e com a maior reverência. No entanto, o que você faz? Você não o insulta na cara dele com sua imodéstia e irreverência? Que diferença entre homens e anjos! Não quero falar-lhes por vaidade ou ostentação, mas pela glória de Deus, o Criador dos homens e dos anjos.

"Os anjos saíram das mãos do Criador em estado de graça e santidade. Estas inteligências celestes eram os espíritos sem corpos, destinados a adorar continuamente a majestade divina, para serem também os executores de Sua vontade. Houve um julgamento para todos os anjos. Aqueles que foram fiéis mantiveram o destino que Deus lhes havia dado, e ali encontraram sua felicidade; eternamente gratos ao seu Criador e sua recompensa, adoram-No incessantemente em recolhimento e silêncio, e cumprem Sua vontade em toda parte. Aqueles que foram infiéis foram para sempre separados de Deus, e o inferno se abriu para engoli-los.

"Deus também criou o homem justo e santo. O homem se rebelou contra Deus. O que Deus fez então ao homem? Ele o condenou por toda a eternidade? Não, Deus teve misericórdia do homem; Ele se tornou o próprio homem; Ele morreu para redimi-lo. Não basta; ele quis continuar sua encarnação, sua redenção e sua vida para o homem na Eucaristia. A esta vista, não correrão todos os homens, cheios de gratidão e amor, para este Deus encarnado, para este Deus Salvador, para este Deus anfitrião e vítima, para este Deus sacramento de vida e de amor? Não virão todos os homens para receber as graças que este Deus do tabernáculo quer derramar sobre eles? Não virão para recebê-lo como alimento, para saciar sua sede em seu sangue como em uma fonte misteriosa que ele faz fluir até o fim dos tempos? Você veio para insultá-lo, para repreendê-lo, ou então deixará seu Deus em paz e esquecido. Vocês devem estar cheios de medo e tremores quando se aproximam dele, porque vocês são criaturas e ele é o Criador, porque ele é Deus e vocês não são nada e pecadores, e vocês o desafiam, seus tolos e imprudentes! Ah, ai dos que desprezam o Deus da Eucaristia! Ai dos que profanam o Corpo e o Sangue do Deus da Eucaristia! Ai das pessoas sacrílegas que sempre querem viver em revolta! Eles recusam a Deus seu dever e seu amor; Deus não lhes recusará suas condenações e sua vingança."

Quando este anjo terminou de falar, um dos dois que cobriram o topo e a frente do tabernáculo com suas asas veio e tomou seu lugar. Seu rosto estava cheio de bondade e gentileza. Ele falou e disse: "Filhos de Deus, Aquele que vos libertou e salvou habita entre vós, e tem prazer em estar convosco! Embora o anjo que você ouviu lhe tenha dito que você deveria estar perto dele com medo e tremor, que isso não o impeça de aproximar-se dele com confiança e, sobretudo, com amor. Ah, se você conhecesse a grandeza de sua misericórdia e a doçura de sua presença, você viria até ele com mais frequência. Sim, venha até ele, combinando medo e amor ao mesmo tempo, unindo confiança e medo, e esta mistura admirável tornará seus sentimentos preciosos para ele e fará com que ele o abençoe com efusão. Se você não puder ter sentimentos de qualquer tipo dentro de você quando o receber ou se aproximar dele, não se assuste. Vocês não são senhores de seus sentimentos; se não têm sentimentos em vocês, ele não os exige; o que ele pede é que vocês se ofereçam como são, com o que é seu e dentro de vocês, e que vocês lhos ofereçam com alegria e felicidade. Desta forma, você oferecerá a Ele tudo o que puder, e ao oferecê-lo você oferecerá somente o que Ele colocou em você. Repito a você, venha com frequência, venha todos os dias ao seu Deus, confie nele, ame-o e ele o verá com um olhar favorável, testemunhará o quanto ele também o ama e o quanto estima tudo o que você faz por ele. "

Este anjo, depois de ter falado assim, se prostrou entre os dois anjos, cada um dos quais tinha um incensário na mão. E tirou do altar um vaso dourado cheio de incenso perfumado e derramou metade dele no incensário do anjo à sua direita, e a outra metade no do anjo à sua esquerda; e a fumaça subiu até a abóbada, e encheu todo o santuário, e eu não vi nada mais.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 15

O que mais me comoveu na Paixão do Salvador Jesus foi o sofrimento de seu coração divino. “Minha filha", disse-me ele um dia, "você não faria nada por este coração que tanto fez por você? Ele sofreu mais do que os homens jamais poderiam entender e, portanto, mais do que você mesmo jamais entenderá. Você terá o prazer de jejuar um dia de cada semana em homenagem ao sofrimento do meu coração pelos homens, desde que seu diretor permita que você o faça. Diga várias vezes por dia, e apenas uma vez de joelhos, esta oração: "Coração amoroso de meu Salvador, eu te adoro; coração bondoso de meu Jesus, eu te amo; coração misericordioso, eu te dou meu coração, e estou muito comovida por tudo o que você fez e sofreu por mim". Sim, eu te dou o meu coração por inteiro; atai-o para sempre, incendiai-o com vosso amor, inspirai-o com vossos sentimentos, fazei-o conhecer vossas vontades e praticar vossas virtudes."

Depois disto Jesus me recomendou ter uma grande devoção ao seu coração divino, assegurando-me que nada poderia ser mais agradável para ele, e que eu encontraria nesta devoção força e coragem no desânimo, alegria na tristeza, paz nos problemas, e felicidade na aflição.

“Minha filha", disse-me o Salvador Jesus, "dá-me o teu coração!" E ele me enviou um anjo para recebê-lo. Eu levei meu coração, eu o dei ao anjo, o anjo o deu a Jesus. Jesus tomou-o em suas mãos, pressionou-o contra o seu, levantou os olhos para o céu e gritou: "Meu Pai, recebe este coração em união com o meu! "O mensageiro de Jesus levou meu coração para o céu". Foi colocado sobre um altar. Eu o vi crescer de tal forma que cobriu todo o altar. Em seguida, o perfuraram com uma lança; a lança permaneceu fixa ali, e as chamas saíram do meu coração. Eu queria saber o que isso significava. E Jesus me disse: "Abençoado, minha filha, é aquele que é sábio na sabedoria de Deus. Abençoado é o homem sábio, que por sua sabedoria percorre um caminho estreito. Abençoado é o homem sábio que por sua sabedoria remove de seus olhos a venda que cobre os olhos da maioria dos homens e não caminha na escuridão. Abençoado é o homem sábio que por sua sabedoria constrói um temperamento capaz de resistir às intempéries climáticas. Abençoado é o homem sábio que por sua sabedoria permanece como um pilar de ferro em meio à tristeza e alegria, dor e prazer. Abençoado é o homem sábio que por sua sabedoria se torna avarento com seu tempo e nada negligencia para aumentar seu tesouro. Abençoado é o homem sábio que por sua sabedoria cultiva seu jardim e arranca as ervas daninhas, que ele queima ao chão e joga ao vento. Abençoado é o homem sábio que por sua sabedoria guarda seu jardim, para que o inimigo não danifique as flores nem tire os frutos. Abençoado é o homem sábio que por sua sabedoria está pronto e em guarda para se defender e expulsar os ladrões. Minha filha, deixo estes pensamentos com você; você entenderá o significado deles: pense neles durante o dia."

Durante todo o dia eu me lembrei das palavras do Salvador Jesus e compreendi as lições que Ele queria me dar. Eu estava sofrendo muito, me pareceu que meu coração havia desaparecido. À noite, pensei novamente no que tinha visto e ouvido pela manhã. Comecei novamente a rezar, mas a força não ajudou minha vontade, não pude rezar, mas me uni ao coração de Jesus, e implorei a Ele que tivesse misericórdia de mim. Imediatamente vi um anjo derramando água escura sobre meu coração, que ainda estava queimando no altar dourado do céu, que ele segurava em um copo. Imediatamente as chamas se apagaram. Uma grande de fumaça saiu e a lâmina afundou mais.

Um novo anjo apareceu com outro copo, cheio de água muito clara; ele o derramou sobre meu coração, que se tornou tão brilhante como a neve ao sol. Novas e mais altas chamas saíram do meu coração, depois elas também desapareceram. O anjo tirou a lança do meu coração, partiu-a em dois, atirou-a ao chão e ungiu a ferida com pomada de um pequeno frasco que ele segurava na mão. Este anjo então cobriu meu coração com um véu preto espesso, e o carregou assim velado até Jesus. O Salvador tomou-o em suas mãos, e meu coração voltou a ficar como antes de descansar no altar do céu. Depois de pressioná-lo pela segunda vez em seu coração, Jesus o enviou de volta para mim pelo anjo a quem eu o tinha dado pela manhã. O anjo falou comigo longamente, recomendando humildade, e concluiu dizendo: "Tudo o que você viu será cumprido na realidade, como se fosse certo que à meia-noite não haverá sol e que amanhã será dia. Mais uma vez, não se vanglorie de nada. Deus é o mestre de seus dons, ele os entrega a quem lhe agrada, sem considerar o mérito de ninguém."

O anjo se retirou; eu tinha meu coração em minhas mãos e não sabia o que fazer com ele. Imediatamente, uma multidão de pequenos animais negros quis me arrancar ele. Eu dificilmente poderia me defender e segurá-lo. Chamei Jesus para me ajudar; Ele veio e me disse: "Aproxima-te, minha filha". Eu me aproximei mais. Ele pegou meu coração, pressionou-o contra o dele pela terceira vez, e disse, levantando os olhos para o céu: "Pai, derrama tuas abundantes bênçãos sobre este coração.” Depois disso, ele colocou meu coração de volta em seu lugar, e eu o senti batendo novamente dentro de mim.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 16

O Salvador Jesus me disse um dia: "Por que tive tanto trabalho? Por que sofri tanta dor? Por que derramei todo o meu sangue? Se eu olho para os homens, apesar de todos os meus esforços para detê-los, vejo que todos eles se afastam dos caminhos da justiça. Agora, minha filha, está feito, não há meio-termo para você! Você deve, como o resto dos homens, escolher o mestre que deseja: seu Salvador, que deseja sua salvação, ou Satanás, que deseja apenas sua destruição eterna. Ele quer que você fique do seu lado. Você não pode ser de ambos. Ninguém pode servir a dois senhores, pois ou ele vai amar um e odiar o outro, ou vai honrar um e desprezar o outro. De sua escolha depende sua felicidade eterna ou infelicidade. Pense sobre isso e depois escolha. – “Ah, Senhor", respondi, "minha escolha foi feita há muito tempo, eu juro, eu quero ser toda sua. - Que seja feito a você, minha filha, de acordo com sua palavra; você escolhe a parte boa, ela não lhe será tirada. Você escolhe a parte boa. De que forma e por que Satanás deve prevalecer sobre seu Salvador? O que ele tem feito por você? Ele lhe deu a morte e eu lhe dei a vida. O que ele tem feito por você? Ele os separou de Deus, e eu os reuni com Ele. O que ele fez com você? Ele a expulsou do céu, e eu lhe dei as chaves. O que ele tem feito por você? Ele lhe deu o inferno por sua herança e eu lhe dei o céu. O que ele promete a você? Prazeres, bens, honras, riquezas, e Ele só lhe dá dor, tribulação, vergonha e pobreza. O que o seu Salvador lhe promete? A riqueza de Sua graça e as consolações de Seu amor. Você já o encontrou infiel? Eu lhe prometo felicidade eterna; você acha que eu a conduzirei ao abismo do inferno? Não, não, minha palavra é uma palavra de verdade, ela nunca passará. Se você seguisse Satanás, você participaria do eterno anátema pronunciado contra ele, e pereceria com ele para sempre. Que preço você pagaria pelos prazeres transitórios e mentirosos que ele lhe daria, uma eternidade de sofrimento e tribulação! Como sua escolha deve decidir seu destino futuro, escolha bem, minha filha, e que sua escolha, uma vez feita, nunca seja abandonada. Você me quer como parte de sua herança; bem, eu lhe prometo que nunca me separarei de você se você não se separar de mim. Enquanto você estiver na Terra, me encontrará cheio de misericórdia para com você e sempre pronto para recebê-la quando você vier até mim. Conheço todos os sentimentos de seu coração e alma, e os aceitarei em todas as circunstâncias se você os oferecer a Mim, e quanto mais sinceramente os oferecer a Mim, mais agradáveis eles serão para Mim, e mais você terá direito à minha misericórdia. Ó minha filha, que minha misericórdia seja derramada sobre você sempre durante sua vida, pois na hora de sua morte somente minha justiça terá seu efeito. Não imitem aqueles por quem derramo meu sangue e que o esquecem, que desprezam minhas leis e me abandonam para entregarem-se a Satanás. Minha justiça terá motivos para perguntar-lhes um dia: Por que o Filho do Homem fez tanto por você? Por que ele sofreu a morte da cruz? Por que ele derramou seu sangue? Ai de vocês que tornaram desnecessário o seu derramamento! Minha filha, todos os homens têm liberdade. Não lhes peço nada por minha própria causa. Eu sou auto-suficiente e penso apenas neles. Seja toda minha, e lembre-se que aqueles que dizem: Senhor, Senhor, não entrarão no reino de Deus por causa disso.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 17

O Salvador Jesus disse-me uma vez: "Eu não vim para trazer a paz à terra, mas a divisão". O filho se levantará contra o pai por mim, e o pai contra o filho, e a mãe contra a filha.

"Você me entenderá, minha filha, e não encontrará nenhuma contradição entre estas palavras e outros ensinamentos que eu lhe dei em outros tempos. Vim do céu para a terra para dirigir ao céu o espírito dos homens que rastejavam sobre a terra. Minha graça trabalha no coração nessa mesma direção. Tantas vezes vemos almas tão apanhadas pela minha graça que nada as prende aos bens ou coisas da terra, e que gostariam de abandonar tudo, de esquecer tudo, a fim de estarem comigo a sós. Outros deixam os caminhos comuns dos cristãos para caminhar por caminhos mais altos que os aproximam de Mim. Bem, minha filha, entre estas inclinações de minha graça e as inclinações da natureza há a divisão que eu vim trazer a este mundo. Sim, eu divido os movimentos da natureza e os movimentos da graça; eu divido aqueles que seguem os movimentos da graça e aqueles que, por outro lado, são dirigidos apenas pelos movimentos da natureza. Há uma divisão entre eles como entre o céu e a terra, o mundo e eu. Há uma divisão entre a criança que eu chamo para meu sacerdócio e o pai que lhe dá a herança de seus antepassados; há uma divisão entre a filha que me escolhe para seu marido e a mãe que quer um casamento de carne e sangue, não uma aliança espiritual e divina entre Mim e sua filha. Se você soubesse apenas os efeitos desta divisão, se você apenas visse as lutas entre estes pais tolos e os corações de seus filhos, entre estes pais cegos e a vontade de seus filhos, entre estes pais carnais e seus filhos apoiados pela minha graça! Abençoadas são as crianças que não se deixam dominar pela voz do pai e da mãe nesta circunstância, e escutam minha voz. Sua resistência pode por um momento fazer explodir a raiva de sua família; mas como eles escutaram minha voz, eles se tornarão uma fonte de bênção para sua família.

"Ai, pelo contrário, ai três vezes, ai para sempre dos pais que desviam seus filhos do caminho a que os chamo, para jogá-los no caminho do mundo, do pecado e do inferno! Minha filha, não há abominação que por vezes não tenha sido cometida a este respeito; você tremeria como uma folha ao vento das tempestades se eu lhe falasse dos excessos parricidas que eu conheço. Vós, pais e mães indignos do nome, que roubais a seus filhos uma herança eterna para lhes dar uma herança temporal, que roubais a seus filhos as alegrias da graça para lhes dar o remorso do crime, que roubais a seus filhos a paz de uma boa consciência para lhes dar as torturas de uma alma coberta de iniquidade, que roubais a seus filhos a liberdade dos filhos de Deus para lhes dar as pesadas correntes dos filhos de Belial! Por que vocês já geraram, pais depravados? Por que seus seios não permaneceram estéreis, mães sem coração? Pai, por que você não preferiu enfiar uma adaga no coração de seus filhos? Mães, por que vocês não sufocaram o fruto de seu ventre no berço dele? Se você os tivesse exposto em um lugar público onde os transeuntes os tivessem acolhido; se ao menos os tivesse jogado nas águas de um rio onde os banhistas os tivessem acolhido em seus braços! Mas não, vocês os mergulharam na iniquidade e os entregaram ao mundo, às suas paixões e a Satanás. Ai, ai de vocês!

"Como eu disse, minha filha, quando eu estava na terra, seria melhor para alguém ter uma pedra de moinho amarrada ao pescoço e jogada no mar do que escandalizar uma criança pequena. O que devo dizer dos pais e mães que não escandalizam seus filhos, mas que fazem-se de seus inimigos mais cruéis e os enterram, como se estivessem vivos, noite e dia no vício, em vez de deixá-los praticar o bem a que tinham direito e que queriam me dar? Oh, minha filha, essas pessoas não agem como pais e mães, mas como o escritório infernal de Satanás.

Como tenho pena dessas crianças e o quanto eu cuido delas! Ah, se eles tivessem apenas a constância de olhar para mim; se eles soubessem apenas como me chamar em seu auxílio! Se eles quisessem ter esperança em Mim, nada os atrasaria, nada os deteria; eles esqueceriam seu pai terreno e pensariam apenas no seu Pai celestial. Eles não temeriam o Pai que pode matar seus corpos, mas o Pai que pode lançá-los para sempre nas chamas do inferno.

"Como eu lamento a cegueira destes pais! É Deus quem pede seus filhos, e eles dizem a Deus: "Não terás nossos filhos". Foi Deus quem lhes deu, e não tem Deus o direito de pedir por eles, de levá-los a Seu serviço e de derramar bênçãos especiais sobre eles? Deus não é o primeiro Pai dessas crianças? Ele não tem, portanto, direitos superiores aos dos pais? É correto disputá-las? É direito de Deus? É correto para as crianças não apenas insistir para que não se entreguem a Deus, mas que realmente as impeçam de fazê-lo? Oh, se eles soubessem apenas entender melhor seus próprios interesses!

"Se um rei da terra pedisse a seus pais por sua filha como esposa, eles não ficariam felizes em entregá-la a ele? Não veriam a escolha deste príncipe como uma grande honra para sua família? O que é um rei da terra diante do rei do céu, minha filha? Mas este é o pensamento de muitos pais, que prefeririam um rei da terra ao rei do céu e da terra como genro. Que insulto a Deus! Que injustiça para Ele! É também um insulto e uma injustiça para com as crianças. É um ultraje, pois em vez de enobrecê-los, eles são rebaixados. É uma injustiça, pois, iluminados pela luz divina, eles vêem a verdade que foi feita para eles, que eles querem agarrar, e são impedidos de fazê-lo por aqueles que lhes deram à luz, a fim de entregá-los à mentira, ao crime e depois à condenação! Ó cegueira! Ó crime! Ó horrível e parricida obstinação!

"Ai, ai três vezes, ai para sempre dos pais divididos com seus filhos quando minha voz é ouvida por eles! Felicidade, felicidade e bênção para sempre aos pais unidos com seus filhos quando minha voz é ouvida por eles e chega aos seus corações! "

 

LIVRO DOIS - Capítulo 18

Um dia, depois de comungar, eu me retirei para o meu coração, onde Jesus estava sentado em seu trono. Imediatamente vi, à minha esquerda, um imenso fosso cercado por uma série de longas estacas douradas. Nesta vala eu vi um monumento soberbo, dourado no interior e de um brilho arrebatador. Este monumento, na forma de uma torre quadrada, estava aberto no topo. Pareceu-me ouvir um vento violento, vindo de debaixo da terra, soprando para dentro da torre, de onde saiu uma fumaça espessa, preta e muito abundante. O cheiro da fumaça era insuportável. Nesta visão, eu disse para mim mesma: "Esta é uma imagem sensível do mundo". O brilho, o brilho do mundo fascina as almas, as engana e as precipita no largo e vasto poço do inferno. Você se deixará enganar por esse falso brilho? Você buscará esses prazeres enganosos? Não, não, você sempre se separará do mundo, sempre fugirá dele como seu maior inimigo, sempre se agarrará a Jesus, apesar das dores, tribulações e cruzes que virão em seu caminho.

Imediatamente uma pessoa que eu nunca havia visto antes se aproximou de mim e disse: "Você tem a disposição que acabou de mostrar? - Sim", respondi, "estas são as verdadeiras disposições de minha alma". "Ela me perguntou pela segunda vez: "Você está nas disposições que acabou de manifestar? - Sim", respondi, "estas são as verdadeiras disposições de minha alma". "Ela me perguntou pela terceira vez: "Você está nas disposições que acabou de manifestar? - Sim", respondi, "estas são as verdadeiras disposições de minha alma". - Bem", disse ela, "venha e me siga". "Eu a segui, e chegamos a uma porta que estava fechada. Antes de abri-la, ela me disse: "Você tem coragem? Eu respondi afirmativamente, mas minha voz não estava muito confiante. Ela me perguntou novamente: "Você tem coragem? Eu respondi no mesmo tom. Você tem coragem?" Ela me perguntou uma terceira vez. Então, desafiando-me, gritei: "Senhor, vem em meu auxílio e dá-me tua força e virtude! E eu respondi imediatamente depois, com firmeza sobre-humana: "Sim, eu tenho coragem; não tenho medo de nada.

A porta se abriu e eu subi uma longa escadaria que me levou a um apartamento no final do qual havia outra escadaria. Ao entrar neste apartamento, um homem, escondido atrás da porta, me golpeou com um forte golpe de seu bastão, o que me tirou quase todas as minhas forças. Eu mal consegui subir a segunda escada. Mas eu subi. Lá encontrei um homem que, movido pela compaixão por minha fraqueza, me ofereceu um copo de água. Esta água me refrescou e me deu alguma força. Subi outro lance de escadas e lá vi um homem poderoso vindo em minha direção, que me deu dois golpes que me atordoaram. Eu caí no chão e não consegui me levantar. Na minha aflição, gritei: "Senhor, ajuda-me! Então, a pessoa que estava comigo e outra que subiu correndo, me pegou nos braços e me carregou por outro lance de escada onde encontrei um grande crucifixo. Ajoelhei-me, beijei os pés do Salvador, falei-lhe de minhas tristezas e pedi a Ele que me livrasse de meus inimigos. O Senhor Jesus me disse, do alto de sua cruz: "Vai, minha filha, tuas tristezas são pequenas em comparação com minhas tristezas; levanta-te, anda e pensa em teus sofrimentos daqueles que eu sofri; este pensamento te dará força e coragem."

Beijei os pés do Salvador novamente; subi outro lance de escadas e cheguei a um apartamento cujo piso e teto pareciam ser um gelo. As paredes foram colocadas com espelhos menores de vários tamanhos, que receberam seu brilho do espelho acima e abaixo; e eu disse a mim mesma: "Este piso e teto representam Jesus Cristo no céu e na terra, derramando sua luz sobre os santos, que a refletem e a devolvem uns aos outros, e depois, passando de um para o outro, ela retorna ao Salvador Jesus". Eu também devo ver novamente a luz que ele me envia de seu trono no céu e de seu trono no tabernáculo, e refletir essa luz para iluminar a escuridão do meu próximo e trazê-lo de volta a Jesus, até onde Deus me permita.

Imediatamente o vidro superior se abriu em forma de torre, e foi disposto em forma de escada, cujos degraus, brilhantes e polidos, levaram a um pequeno pavilhão sem paredes, mas tudo em colunas, de um brilho deslumbrante, Jesus estava no meio. Ele me chamou; eu subi até Ele, e conforme avançava, sentia meu coração mais inflamado de amor pelo meu Salvador. Quando eu estava perto dele, ele estendeu sua mão para mim; eu me ajoelhei e me perdi na doçura de sua presença, sentindo uma felicidade acima de toda a felicidade do mundo, e não pude deixar de gritar: "Salvador Jesus, como é belo o teu serviço! Como é feliz viver perto de ti, contigo, em ti!

 

LIVRO DOIS - Capítulo 19

Um dia, o Salvador Jesus, falando comigo em particular, disse: "O céu foi abaixado e a terra foi elevada, e esta descida e união uniram o céu e a terra. Você entende isso, minha filha? - Eu respondi: "Sim, Senhor". - Um sol desceu do céu para a terra; subiu ao céu e ainda permanece na terra; sua luz é brilhante, mas muitos não a vêem. Você conhece este sol, minha filha, e você vê sua luz? - Eu respondi: "Sim, Senhor".

Ele acrescentou: "A terra tem um poço cuja fonte está no céu. Todos os filhos do pai de família têm um balde cada um para retirar desta fonte. Alguns têm um balde maior, outros têm um menor. Alguns tiram dela água cheia de vida, outros, veneno mortal. Você entende, minha filha? - Eu respondi: "Sim, Senhor". "

Ele continuou: "Eu vejo uma escada que vai da terra para o céu. Ao pé da escada há um abismo. Ao descer no abismo, você sobe a escada, e cada degrau que desce no abismo o eleva até os degraus da escada. Você entende, minha filha, como pode ser assim? - Eu respondi: "Sim, Senhor". "

Finalmente, o Salvador Jesus me disse um dia: "Minha filha, aqui está algo que parece estranho. Os homens são crianças e, por isso mesmo, são sensatos. Os homens são insensatos e por sua insensatez são sábios. Os homens são cegos e por sua cegueira têm uma visão muito clara de muitas coisas. Os homens são surdos e por sua surdez ouvem perfeitamente. Os homens são burros e falam perfeitamente. Eles estão aleijados e ainda se movem. Os homens parecem mortos e estão vivos, e não precisam da ressurreição. Você entende, minha filha, essas aparentes contradições, e você encontra a verdade nelas? Sim, Senhor. "

Não há nada tão claro, de fato, como as respostas a estas perguntas do Salvador Jesus.

Ele é o sol que veio do céu para dar luz à terra, que permaneceu na terra para lhe dar luz, mas cuja luz não é vista pelos ímpios; Ele é o poço da terra, cuja fonte está no céu, e que através da Eucaristia dá água viva aos santos e veneno mortal aos impuros; ele é a escada que conduz da terra ao céu; a seus pés está um abismo, a humildade; e quanto mais nos humilhamos, mais nos elevamos até ele. As crianças são os retos e piedosos; os tolos são aqueles que seguem as máximas da cruz; os surdos são aqueles que fogem do mundo; os mudos são aqueles que não participam da conversa do mundo; os coxos são aqueles que são castos; os mortos são aqueles que esquecem o tempo e pensam na eternidade.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 20

O Salvador Jesus me disse um dia: "Minha filha, eu sou a pedra do escândalo contra a qual os poderes do inferno e os filhos das trevas sempre lutaram e lutarão até o fim dos tempos, apenas para quebrar como um vidro contra uma pedra de pavimentação. Fui perseguido antes de vir à terra, na pessoa de meus antepassados de acordo com a carne e em todos os crentes da velha lei. Pois eu sou o filho de Davi, e Davi o filho de Adão, e Adão o filho de Deus. Adão se rebelou contra Deus, e me prometeram como Redentor, e entre os filhos de Adão, a família de Abraão, Isaac e Jacó sozinha guardou a memória da promessa que havia sido feita, e esperou no Salvador prometido. Esta esperança e fé foram a âncora de salvação para este povo, como para todos os homens que vieram e virão. Não se pode ser salvo sem esperar e acreditar em Mim, pelo menos de uma forma implícita. E porque o povo judeu acreditava e esperava por um Salvador, eles observavam a lei que eu lhes dei no Sinai; e porque os patriarcas primitivos acreditavam e esperavam em Mim, eles observavam a lei natural que eu havia colocado em seus corações. E os poderes do inferno se levantaram contra essas leis e contra mim, e os filhos das trevas também se levantaram contra essas leis e contra mim. Eles lutaram e foram quebrados nos abismos que os engoliram.

"A lei do mundo, antes do meu nascimento temporal, era eu o único; e por minha causa, que era a lei do mundo, Adão e os seus filhos que andavam em retidão, os patriarcas e meu povo foram perseguidos. Eu era uma pedra de tropeço para seus inimigos; eles se separaram de mim para cair sobre mim e eu os destruí.

"Fui perseguido durante minha vida na Terra; fui perseguido novamente após minha morte, minha ressurreição e minha ascensão ao céu. Ainda sou um obstáculo para alguns, como na lei antiga, pois ainda sou a lei do mundo.

"Sou um tropeço para os judeus, que rejeitam a ignomínia da cruz e não querem que eu reine sobre eles. Teria sido melhor para eles se eu nunca tivesse vindo ao mundo. Eu sou um obstáculo para os hereges que rejeitam os dogmas de minha religião: sua razão será quebrada contra minha divindade e meus mistérios. Sou um empecilho para os maus cristãos que se ruborizam para mim, minha religião, minhas máximas e meus preceitos. Recusarei-me a conhecê-los no dia do julgamento, mas eles serão reconhecidos pelo Rei do mundo e reinarão com ele na escuridão e nos abismos do inferno.

"Deve o Filho de um rei ter vergonha de seu nascimento, de seu título de príncipe, das honras que ele vê seu Pai receber e que ele mesmo lhe dá? Sou o autor da eterna realeza comunicada ao homem, uma comunicação que ocorrerá no céu, no seio de Deus, ou perto de Satanás e com Satanás, no seio da maldição e dos sofrimentos do inferno.

"Ah, nunca se rompa contra mim, minha filha: venha a mim com confiança, e você viverá com meu Pai na eternidade".

 

Fonte: http://www.livres-mystiques.com/partieTEXTES/MarieLataste/Verbe_de_Dieu_2.html

 

Leia também:

Visões e revelações a Maria Lataste - DEUS, A SANTÍSSIMA TRINDADE (Livro Um - Capítulos 1 a 8)

Visões e revelações a Maria Lataste - DEUS, A SANTÍSSIMA TRINDADE (Livro Um - Capítulos 9 a 17)

Visões e revelações a Maria Lataste - O VERBO DE DEUS FEITO HOMEM (Livro Dois - Capítulos 1 a 10)


Busca


Terça-feira, 26 de Outubro de 2021




Acessos








Mulher Vestida de Sol