‹ voltar



Nossa Senhora das Lágrimas (Siracusa)

 

(Siracusa – Sicília – Itália)

(1953)

Em Siracusa, Sicília, nos dias 29, 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 1953, uma imagenzinha de Nossa Senhora derramou abundantes lágrimas, fenômeno que pôde ser observado por muitas pessoas, por autoridades eclesiásticas e civis. A Lacrimação ocorreu na Via degli Orti di San Giorgio, 11, na casa de um jovem casal, Angelo Iannuso e Antonina Lucia Giusto. Antonina, que esperava seu primeiro filho, teve uma gravidez difícil, com perda de visão recorrente: por volta das três horas da manhã do dia 29 de agosto sua visão desapareceu completamente, para voltar ao normal às 8h30 da manhã, quando Antonina viu lágrimas caindo pela face de uma Madonnina de gesso, colocada à cabeceira da cama.

O meio-busto esmaltado (23 cm de base por 28 cm de altura), montado sobre um suporte de vidro opalino, representando Nossa Senhora mostrando seu Imaculado Coração, foi um presente recebido de casamento no dia 21 de março daquele ano. A Lacrimação foi repetida pelo menos 58 vezes e a notícia espalhou-se rapidamente, fazendo da casa de Iannuso o destino de peregrinações incessantes.

Espalhou-se logo a notícia: da cidade, da Sicília, da Itália toda, e depois de toda a Europa começaram a acorrer devotos e curiosos. Quintuplicaram os trens para Siracusa, e as passagens de avião eram reservadas com semanas de antecedência. Apesar do calor tórrido, a multidão era imensa. Veículos de todos os tipos e de todas as cores, ao longo das estradas, seguiam para lá. Os doentes eram colocados numa praça de 100m² à vista da “Madonina” exposta em um nicho aos olhos da multidão. Durante dezoito horas por dia, padres e religiosos se revezavam tocando objetos na imagem. Na própria casa dos Iannuzo formou-se logo o “Comitê da Virgem que chora” para exame dos miraculados. Em princípio, os interrogatórios eram exigentes e severos, depois os médicos cansaram. O arcebispo de Siracusa, dom Baranzini, acompanhado de todas as autoridades eclesiásticas da Província, celebrou a santa missa em plena rua. n/d

O pároco, Padre Giuseppe Bruno, com a permissão da Cúria, submeteu o fenômeno a uma comissão médica, presidida pela doutora Michele Cassola.

A comissão foi à casa de Iannuso em 1º de setembro: cerca de um centímetro cúbico do líquido jorrando dos olhos da Madonnina foi tomado. Submetido a análise microscópica, o líquido mostrou vestígios de proteínas e uratos, as mesmas substâncias encontradas nas lágrimas de uma criança e de um adulto. O líquido foi classificado como "lágrimas humanas" e, após um exame do quadro, o fenômeno foi declarado como cientificamente inexplicável.

O relatório analítico sobre o líquido que jorrava dos olhos da Madonna afirma: "O líquido em exame é muito ligeiramente opalescente e contém corpúsculos minúsculos, ligeiramente amarelados. A quantidade de líquido a ser examinada é de aproximadamente um centímetro cúbico e não permite qualquer reação macroquímica. Portanto, uma série de microreações orientativas são realizadas, com testes comparativos de água destilada, água de nascente e soro fisiológico (9 por mil solução de cloreto de sódio); além disso, são realizadas algumas reações específicas e fundamentais, relacionadas a pesquisas químico-físico-biológicas, comparando a secreção lacrimal do adulto (tirada do Dr. Cassola pelo Dr. Cotzia) e a secreção lacrimal de uma criança de dois anos e sete meses de idade, pertencente à creche de Syracuse: Galeota Giuseppe di Santo - Via Molo.

As microreações químicas também são examinadas em vários aumentos sob o microscópio, com observação de todo o campo da reação química, determinando a aparência do precipitado, sempre em comparação com as preparações das reações de comparação como acima. Para este fim, as reações foram preparadas em lâminas de microscópio bem limpas e após a observação ocular, ou seja, a olho nu, foi iniciada a observação microscópica (após ter colocado o vidro de cobertura), confortada pelos testes de comparação dos líquidos acima mencionados e das lágrimas segregadas pelos sujeitos humanos, tomadas, como dissemos anteriormente, no Laboratório.

A observação das diversas reações foi verificada por cada membro da Comissão e a observação visual foi apoiada por uma avaliação técnica e científica precisa e pela coordenação do que havia sido observado. As microreações realizadas também foram limitadas àquelas pesquisas características e relacionadas à composição do material que compõe o relevo da Madonnina".

No domingo 30 de agosto do mesmo ano, um cineasta amador de Syracuse, Nicola Guarino, conseguiu filmar uma lágrima, documentando o fenômeno em cerca de trezentos quadros. Outros filmes amadores documentando a lacrimação são mantidos na cúria do bispo em Siracusa, e têm sido frequentemente exibidos em vários programas de televisão.

O pronunciamento dos Bispos da Sicília

Comunicado dos bispos sicilianos a respeito da "Madonna das Lágrimas": Os Bispos da Sicília reunidos ontem para a habitual Conferência em Bagheria (Palermo) ouviram o extenso relatório de Sua Excelência Monsenhor Ettore Baranzini, Arcebispo de Siracusa, primeiro sobre a "lacrimação" da imagem do coração do Imaculado Coração de Maria, que ocorreu repetidamente nos dias 29-30-31 de agosto e 1 de setembro de 1953 em Siracusa, na Via degli Orti n. Tendo examinado cuidadosamente os testemunhos relevantes nos documentos originais, eles concluíram unanimemente que a realidade da lacrimação não pode ser posta em dúvida. "Eles fazem um voto de que esta manifestação da Mãe Celestial entusiasmará a todos para uma penitência salutar e para uma devoção mais viva ao Imaculado Coração de Maria, esperando a pronta construção de um Santuário que perpetuará a memória do prodígio". (Palermo, 12 de dezembro de 1953.  † Ernesto Cardeal Ruffini, Arcebispo de Palermo)

Curas maravilhosas

Houve cerca de 300 curas físicas consideradas extraordinárias pela comissão médica criada para este fim (até meados de novembro de 1953). Aqui estão apenas alguns dos testemunhos da época, extraídos de um documento datado de novembro de 1953 e com a aprovação eclesiástica de Can. Salvatore Cilia, então Vigário Geral da Arquidiocese de Siracusa:

A primeira a ser curada foi Antonina Giusto Iannuso, a proprietária do quadro de gesso e a primeira pessoa a notar a presença de lágrimas; ela não teve mais problemas nem com a gravidez atual nem com as gestações subsequentes.

Salvatore Aliffi, um menino de Syracuse de quase dois anos de idade, foi diagnosticado com uma neoplasia em seu reto, mas depois que seus pais se voltaram para a intercessão de Maria em desespero, a criança não teve mais nenhum problema.

Enza Moncada, uma menina de três anos de idade de Syracuse, sofria uma paralisia no braço direito desde a idade de um ano; depois que o algodão abençoado foi aplicado na frente da foto, ela começou a mover seu braço.

Caterina Ferracani, 38 anos, de Syracuse, sofreu uma trombose cerebral e ficou paralisada e muda. Ao retornar de uma visita à Madonnina e depois de aplicar o algodão abençoado, ela recuperou sua voz.

Tranchida Bernardo, 38 anos, de Trapani, ficou paralisado após um acidente de trabalho. Um dia, ele foi hospitalizado em Livorno, enquanto uma mulher e um homem falavam sobre os eventos em Siracusa. O homem envolvido na discussão foi cético e disse que só acreditaria em milagres se visse o paralítico caminhar. A mulher então ofereceu à Tranchida um pedaço de algodão abençoado. À tarde, Tranchida telegrafou para casa para dizer que estava completamente curado. A história também foi noticiada no Corriere della Sera em Milão. Tranchida veio mais tarde a Siracusa para homenagear Maria.

Anna Gaudioso Vassallo testemunhou, junto com seu marido médico, que estava resignada a ter seu fim por causa de um tumor maligno em seu reto, resultado da metástase de um tumor retirado de seu útero. Enviada de volta para casa sem esperança por doutos professores, ela decidiu ir rezar aos pés do quadro milagroso, e seu marido, em sua oração esperançosa, aplicou-lhe um pedaço de algodão abençoado no local dolorido. Na noite de 30 de setembro, a Sra. Anna sentiu como se uma mão estivesse removendo o adesivo e, pela manhã, descobriu que ele havia saído. Indecisa em voltar a colocá-lo, ela ouviu sua sobrinha de cinco anos que lhe disse para não fazê-lo porque a Madonna tinha falado com seu coraçãozinho, dizendo-lhe que ela tinha feito um milagre para sua tia. Numerosos exames médicos subsequentes estabeleceram que ela tinha sido completamente curada de sua doença.

O Relicário contendo as Lágrimas de Maria

O Relicário exposto em um santuário no Altar Superior da Cripta é o coração do Santuário, pois contém as Lágrimas de Maria. O autor foi o Prof. Biagio Poidimani de Syracuse, professor da Academia de Belas Artes de Roma. O Relicário repousa sobre um pé com uma base octogonal e, acima do cabo, há três planos sobrepostos. No primeiro andar há parte de um pano bordado usado pela Sra. Antonina Giusto para cobrir e proteger a foto, que muitas vezes estava completamente molhada de lágrimas; metade de um lenço, também impregnado de lágrimas, doado pela Sra. Lisetta Toscano Piccione; o tubo de ensaio no qual foi colocado o líquido retirado dos olhos da foto pela Comissão Científica em 1 de setembro (cerca de 30 gotas); algumas bolas de algodão de lã.

Nos cantos do santuário há quatro estátuas: Santa Lúcia, padroeira da cidade de Siracusa; São Marciano, o primeiro bispo da cidade; São Pedro e São Paulo, pilares da Igreja, ligados à história da primeira comunidade cristã em Siracusa: Paulo porque, segundo os Atos dos Apóstolos, permaneceu em Siracusa por três dias; Pedro porque, segundo a tradição, quando era bispo de Antioquia, enviou seu discípulo Marciano como o primeiro bispo da cidade de Siracusa.

No segundo andar, quatro painéis lembram o prodígio: a reprodução da imagem prodigiosa; a lacrimação no quarto do casal Iannuso; a exibição da imagem na Via degli Orti; a imagem colocada na Piazza Euripide, o primeiro "Santuário ao ar livre".

Finalmente, no terceiro andar, guardado por quatro anjos, está a urna de vidro que contém o frasco com as últimas lágrimas, as que restam após a investigação científica.

Em 8 de maio de 1954, o Relicário foi selado e o pergaminho atestando sua autenticidade foi assinado. Na base do Relicário há uma inscrição em latim: "Ó Virgem das Lágrimas, arrancai da dureza de nossos corações lágrimas de arrependimento - 29 de agosto de 1953".

O Relicário sempre visitou as comunidades paroquiais que o solicitam.

Abaixo, o documentário sobre a Lacrimação: 

 

Saiba mais visitando o site oficial do Santuário Basílica Nossa Senhora das Lágrimas – Siracusa : https://www.madonnadellelacrime.it


Busca


Domingo, 28 de Novembro de 2021




Acessos








Mulher Vestida de Sol