‹ voltar



Nossa Senhora de Puy (França)

 

Na estrada que passa pelo santuário de Nossa Senhora do Espinho, no alto das montanhas do Jura, há o santuário de Nossa Senhora do Puy. Todos os cruzados passavam por ele a caminho da Terra Santa em peregrinação para resgatar os Lugares Santos das mãos dos infiéis.

Dificilmente havia um cavaleiro que não fosse se despedir de Nossa Senhora do Puy e pedir a ela que cuidasse de seus entes queridos, caso ele não voltasse. Perto desse santuário, vivia um nobre rico, senhor de um belo e espaçoso castelo no desfiladeiro, que oferecia hospitalidade a todos enquanto faziam suas devoções à Mãe de Deus e se entregavam de corpo e alma à Graciosa Virgem Maria. Le Puy afirma ser o local da primeira visão da Santíssima Virgem após sua morte, quando ela apareceu a uma mulher doente no século I d.C. Aconteceu da seguinte maneira.

Por volta do ano 46, São Pedro enviou missionários para uma terra que era então conhecida como Gália (atual França). São Jorge de Velay foi o primeiro bispo daquela região. Por volta do ano 70, havia uma viúva de Ruessium chamada Villa, que era recém-convertida e ficou doente com febre alta. Villa rezou à Santíssima Virgem para ser curada, e Maria lhe apareceu, pedindo que Villa subisse o Monte Anis para ser curada. Villa, acreditando na aparição, fez com que seu servo a levasse até o local indicado. Quando chegaram ao local, o servo colocou Villa para descansar em uma grande rocha. Villa adormeceu e, quando acordou, descobriu que estava completamente curada.

Enquanto dormia, a mulher viu, em um sonho, uma mulher celestial, cujas vestes deslumbrantes flutuavam como uma névoa branca e cuja cabeça era circundada por uma coroa de pedras preciosas; essa mulher, de beleza extraordinária, estava cercada por um séquito de espíritos angelicais.

"Quem", perguntou a filha dos gauleses a um dos espíritos abençoados, "quem é essa rainha tão graciosa, tão nobre e tão bela, que vem a mim, uma pobre mulher doente, em minha extrema aflição?"

"É a Mãe de Deus", respondeu o anjo; "ela escolheu esta rocha para ser invocada aqui e o encarregou de informar seu servo George sobre isso. Para que você não tome a ordem do Céu por um sonho vão, levante-se, mulher, você está curada."

Quando acordou, a mulher, de fato, não tinha mais languidez nem febre. Cheia de gratidão, ela não perdeu tempo e correu para o bispo, relatando-lhe com sua própria boca a mensagem do anjo.

Parece que a Mãe de Deus desejava que uma igreja fosse construída ali, pois quando Villa contou ao bispo George sobre sua cura milagrosa, ele mesmo subiu o monte com alguns membros do clero para ver o local. Ao chegar ao local, São Jorge ficou surpreso ao se deparar com uma visão impossível. Apesar de estarmos no meio do verão, o pico do Monte Anis estava inexplicavelmente coberto de neve. Então, enquanto eles se maravilhavam, um veado saiu de um matagal e parou diante deles, marcando com seus passos cuidadosos o contorno da rocha sobre a qual Villa havia sido curada recentemente. São Jorge mandou construir uma cerca ao redor da rocha para preservar o local, mas foi somente muito mais tarde que o lugar se tornou o local de um novo altar da igreja.

Foi somente no ano 221, mais de um século depois, que a Virgem Maria, acompanhada por anjos, apareceu a uma mulher paralítica que lhe pediu ajuda por meio de uma oração fervorosa. Maria disse à mulher para subir ao Monte Anis, o que ela fez imediatamente. Ao chegar à cerca que São Jorge havia erguido no local, a mulher foi curada instantaneamente. A Mãe de Deus apareceu à mulher para pedir que uma igreja fosse construída em sua homenagem naquele solo sagrado.

O Papa Calisto I deu permissão para que a igreja fosse construída, e foi São Marcial quem a construiu. Ele deixou ali uma relíquia de valor inestimável: uma das sandálias da Santíssima Virgem Maria. Quando a igreja ficou completamente pronta, o bispo foi a Roma para solicitar uma consagração solene para a igreja. Ele não tinha ido muito longe quando encontrou dois idosos dignos, cada um deles carregando um baú dourado. Eles disseram que os baús continham relíquias preciosas trazidas de Roma para serem depositadas na nova igreja do Monte Anis e disseram ao bispo que os anjos celestiais já haviam consagrado a igreja. Dizendo isso, os dois desapareceram.

O bispo voltou para sua igreja descalço e, ao entrar, encontrou-a brilhantemente iluminada por 300 tochas. O altar havia sido ungido com óleo há pouco tempo e exalava um aroma agradável. Por ter sido consagrada por anjos, a igreja nunca recebeu nenhuma outra consagração e recebeu o nome de "Igreja dos Anjos".

O local tornou-se um ponto popular para os peregrinos na rota para Santiago de Compostela, na Espanha, e não havia lugar na França mais frequentado. Alguns dos peregrinos que visitaram Puy incluem Santo Antônio de Pádua, São Domingos e São Vicente Ferrer, entre muitos outros. O imperador Carlos Magno visitou a igreja nos anos 772 e 800 e a escolheu como um dos locais para a coleta de esmolas para sustentar o papa, dinheiro que ficou conhecido como "Pence de Pedro". A lista de homens santos e grandes que vieram como peregrinos é tão impressionante quanto o número de pessoas comuns. O Papa São Leão IX declarou que a Mãe de Deus não recebe em nenhum lugar uma veneração mais especial e filial, e que Notre Dame de Puy era o santuário mais ilustre da França.

Diz-se que o bispo Adhemar de Montheil, que vivia em Puy, foi a primeira pessoa a tomar a Cruz dos Cruzados quando o Papa Urbano II estava pregando e incentivando a primeira Cruzada. Atuando como Legado da Santa Sé, esse bispo acompanhou o famoso cavaleiro Godfrey de Bouillion em sua jornada para a Terra Santa. O Papa Urbano II rezou pelo sucesso da cruzada na igreja de Notre Dame de Puy, na Festa da Assunção, no ano de 1095. Pouco antes de partir, o bispo Adhemar de Montheil também rezou ali pela libertação da Terra Santa, quando, tomado por uma súbita inspiração, levantou-se e deu voz a uma nova e bela oração à Santíssima Virgem Maria, cantando - "Salve Regina, Mater Misericordiae, vita, dulcedo et spes nostra, salve!" ou "Salve, Rainha sagrada, Mãe de misericórdia, salve nossa vida, nossa doçura e nossa esperança!" Essa oração costumava ser conhecida como o Hino de Puy e era uma oração muito querida dos cavaleiros da Primeira Cruzada, dirigida a Nossa Senhora no céu.

O rei Luís IX da França se reuniu com o rei de Aragão em Puy no ano de 1245 e, em 1254, São Luís presenteou a catedral com uma imagem de Maria em ébano. O rei havia trazido a estátua da Terra Santa, onde era conhecida por ser uma estátua de grande antiguidade. Ela mostrava a Santíssima Virgem sentada em um trono e segurando o Menino Jesus no colo. Nos anos seguintes, essa estátua foi levada em procissão para implorar a intervenção da Virgem Maria em tempos de fome, guerra ou peste. A estátua sobreviveu durante toda a Idade Média, embora a imagem original tenha sido queimada por revolucionários ateus em 1793, durante a Revolução Francesa. A que está sendo exibida atualmente é uma cópia da original.

Le Puy observa um jubileu privilegiado ou ano santo sempre que a Sexta-feira Santa cai na festa da Anunciação; isso não acontece com frequência - a última vez foi em 1932, e a próxima será depois do ano 2000.

Em 1860, uma grande estátua de Nossa Senhora da França foi abençoada em Le Puy; ela é feita do metal de mais de duzentas peças de artilharia, capturadas pelos franceses em Sevastopol na Guerra da Crimeia. Ela tem cerca de 16 metros de altura e pesa aproximadamente 10 toneladas. Antes do surgimento de Lourdes, Le Puy, Chartres e Liesse eram os maiores centros marianos da França.

Quando a consagração do santuário de Puy estava para acontecer, o bispo ficou sabendo que ele havia sido consagrado por anjos; as portas se abriram sozinhas; os sinos tocaram sozinhos; as velas foram encontradas acesas e o Santo Crisma que os anjos haviam usado foi encontrado ainda fresco sobre os altares e as paredes.

Embora São Jorge tenha sido seu primeiro bispo e tenha demarcado o local da igreja, ela não foi construída até o ano 221. A própria Maria deu o encargo a São Evódio, bispo de Vosi, que recebeu ordens de Nossa Senhora para transferir sua sede episcopal para Puy.

A Catedral de Notre Dame de Puy n/d

A Catedral de Notre Dame de Puy está localizada no ponto mais alto da cidade, embora seja bastante difícil adivinhar que se baseia em uma rocha. Todo o espaço ao redor da catedral foi densamente construído na Idade Média. E, no entanto, é uma rocha e tem um nome - Anis.

A igreja se tornou uma catedral, é claro, não imediatamente: o prédio foi concluído e reconstruído ao longo de mil anos, o que, como você sabe, é como um dia para o Senhor Deus. A catedral em forma de cruz foi construída do século V ao XV, incorporando estilos e tendências arquitetônicas completamente diferentes, do bizantino ao mouro.

O caminho para a catedral é uma escadaria com 134 degraus que conduz diretamente ao centro da nave. Na decoração da fachada do edifício, os arquitetos usaram arenito branco, tijolo vermelho e fragmentos processados de lava vulcânica. Da entrada principal da catedral abre-se uma vista deslumbrante sobre a vila, onde ainda se conservam edifícios dos séculos X-XII, para não falar de alguns edifícios posteriores.

A Catedral de Le Puy-en-Velay está listada como Patrimônio Mundial da UNESCO precisamente como parte da rota histórica da peregrinação 'Caminho de Santiago', que termina na catedral espanhola de Santiago de Compostela.

Fontes: https://www.roman-catholic-saints.com/our-lady-of-puy.html
https://santosepulcro.co.il/pt/religious-objects/kafedralnyy-sobor-i-statuya-devy-marii-v-le-pyui-an-vele-/

Busca


Terça-feira, 23 de Abril de 2024










Mulher Vestida de Sol