‹ voltar



Visões e revelações a Maria Lataste - O VERBO DE DEUS FEITO HOMEM (Livro Dois - Capítulos 21 a 30)

n/d Marie Lataste (21-02-1822 / 10-05-1847) foi uma vidente católica francesa, freira e escritora. Ela recebeu uma forte impressão da presença divina, aos 11 anos de idade, em sua primeira comunhão. Cerca de um ano depois, Marie viu na Missa durante a Elevação da Hóstia, uma luz brilhante que parecia inflamar seu amor pelo Senhor Eucarístico e aumentar à medida que esse amor aumentava. Logo ela foi lançada em severas provações e tentações interiores. Seu diretor espiritual permitiu-lhe fazer um voto anual de virgindade, e o Santíssimo Sacramento tornou-se o pensamento central de sua vida. De acordo com sua própria narrativa, no final de 1839, quando tinha 17 anos, ela viu Cristo no altar. Na Epifania de 1840, isto se repetiu, e durante três anos inteiros cada vez que ela assistia à Missa, esta graça lhe era concedida. Quase diariamente ela recebia dos lábios de Jesus instruções formando uma completa educação espiritual e doutrinária. Ela nunca mencionou isto, exceto a seu confessor. Em 1840 M. l'Abbé Pierre Darbins sucedeu M. Farbos como pároco de Mimbaste. Marie lhe revelou sua alma. Ele pediu a ajuda do diretor do seminário de Dax, e eles concordaram em ordená-la a colocar por escrito tudo o que sobrenaturalmente ela tinha ouvido e visto no passado, e tudo o que ela poderia ouvir e ver no futuro. Após muitas objeções e atrasos, ela obteve permissão para entrar na Sociedade do Sagrado Coração, recentemente fundada, e partiu para Paris, em 21 de abril de 1844, sozinha. Ela foi recebida no Hotel Biron pela Madame de Boisbaudry, que a mandou examinar por um guia espiritual experiente. Ela foi admitida como irmã leiga no dia 15 de maio. Ainda noviça, ela foi enviada a Rennes na esperança de que uma mudança de ar melhorasse sua saúde. Os votos de Marie haviam sido adiados na esperança de uma melhoria em sua saúde. Mas no domingo, 9 de maio, ela ficou tão doente de repente que o fim parecia próximo. Ela foi autorizada a pronunciar seus votos, pouco antes de receber os últimos sacramentos. Seus restos mortais foram levados mais tarde para Roehampton, perto de Londres.

 

LIVRO DOIS – Capítulo 21

“Minha filha", disse-me um dia o Salvador Jesus, "quanto mais perto de mim, mais se aproximam de Deus, apegando-se a Ele; quanto mais longe de mim, mais se avança na morte. Pelo pecado, o homem tinha colocado um muro de separação entre ele e Deus, de modo que era impossível para o homem chegar a Deus e jamais encontrar graça diante dele. Vim à Terra, por misericórdia ao homem, para derrubar este muro de separação por minha morte e meus méritos, para restaurar o homem à graça com Deus, e para dar-lhe os meios de ir novamente a Deus. Isto significa que sou eu. Eu sou a porta que leva ao céu e a Deus, e ninguém vai ao Deus, ninguém entra no céu, a não ser por mim. Portanto, quanto mais perto de mim, mais perto de Deus, pois estou eternamente com meu Pai e descanço em seu seio. Quanto mais eles tentam me agradar, mais eu espalho minhas graças, que são o vínculo mais forte entre a alma e Deus. Quanto mais alguém se afasta de mim, mais alguém se afasta de Deus, pois Deus só está comigo, e aquele que está separado ou afastado de mim só pode estar afastado e separado de Deus. Aquele que não está comigo está contra mim. Aquele que não está comigo, dissipa o que eu lhe dei.

Eu não sou como os homens: entre os homens, pode-se deixar um amigo ou se afastar de um amigo sem ofendê-lo; mas quem me deixa ou se retira de mim me ofende e me faz mal. Pois ninguém pode se separar ou se afastar de mim a não ser pelo pecado, e o pecado é uma ofensa a Deus e um insulto ao Filho do Homem e a Deus. Quanto mais alguém se separa de mim, mais pecado comete; quanto mais ele viola minhas leis, mais ele é contra Deus. É assim que aquele que não está comigo está contra mim.

Aquele que não está comigo, dissipa-se. Se alguém não está unido comigo pela caridade, todas as boas obras não são nada, não servem para nada e, portanto, são dissipadas longe do céu, longe de mim, longe de Deus. Quando uma alma, carregada de mérito, peca mortalmente, tudo é perdido por ela, pelo céu, por mim, por Deus.

Finalmente, quanto mais alguém se separa de mim, mais conhece a morte. Eu sou a vida. Quando alguém se separa de mim ou da vida, cai na morte; pois o pecado é a morte, e a pessoa é separada de mim somente pela morte. Quanto mais pecados se comete, mais se separa de mim, e mais a morte se apodera dos pecadores; e esta morte não é a morte temporal, mas a morte da eternidade, que é punida eternamente pela justiça de Deus; como a vida da alma, a vida da graça, será a vida da eternidade, que Deus recompensa com o dom eterno de si mesmo àqueles que terão esta vida, na hora de sua visitação e passagem.

Permanece na vida para que Deus te encontre viva, minha filha; permanece na vida, isto é, permanece comigo; permanece na vida, isto é, permanece unida a mim; sede um comigo, e tereis minha vida e a posse eterna de Deus. Não prejudiquem os insensatos que estão contra mim, que se dissipam de mim e morrem na separação de mim. Mantenha sua vida; ao me manter sempre com você, você certamente não a perderá jamais.” Estas palavras do Salvador Jesus haviam causado uma profunda impressão em meu espírito; eu desejava que todas as almas estivessem unidas a ele e estivessem para sempre apegadas a ele.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 22

Um dia eu estava pensando na indiferença geral dos homens para com o Salvador Jesus, e fiquei muito triste. O Salvador Jesus veio até mim e disse: 'Filha, qual é a causa de sua aflição? Eu lhe disse: 'Senhor, o que me aflige é a indiferença, a frieza, a cegueira e a dissipação dos homens; você morreu por eles, e eles não pensam nisso'. Ah, minha filha", disse-me o Salvador Jesus, "este foi o tema de minha maior tristeza quando eu estava na Terra".

Se você soubesse o quanto sofri durante minha vida por causa deste pensamento; se soubesse o quanto sofri especialmente no Jardim das Oliveiras, quando quis olhar, como Salvador, tudo o que aconteceria no mundo após minha morte, e ficar sozinho comigo mesmo, sem consolações divinas ou humanas, no meio daquele espetáculo horrível que trouxe um suor frio de sangue e água. Todo o meu povo, todos aqueles que me eram queridos como Filho do Homem, estavam longe de mim, e se meu Pai estava comigo, ele estava lá naquela hora somente por causa de seu rigor e justiça, que viu em mim os crimes do mundo inteiro, pelos quais eu tinha querido me expiar. Eu estava diante de Deus, meu Pai, como um pobre criminoso, por amor aos homens, e vi que os homens nem notaram tal degradação de minha parte.

A contrição de minha alma foi como um imenso mar de amargura, porque senti a grandeza da ofensa que o pecado estava fazendo a Deus, já que eu era Deus, e vi os homens nem mesmo prestando atenção à intensidade de minha dor e confusão. Por um momento deixei minha natureza humana sozinha diante dos tormentos que iria suportar, e foi tão assustador que gritei: "Pai, deixe este cálice passar de mim, se for possível!

Minha apresentação, porém, foi tão grande que acrescentei imediatamente: "Seja feita a tua vontade, não a minha! Oh, minha filha, não lhe direi mais nada sobre meus sofrimentos exteriores, mas você nunca será capaz de compreender tudo o que sofri dentro de mim, quando, pregado na cruz, perto de meu último suspiro, vi que meu sangue havia sido derramado, não para a salvação de todos, mas para a reprovação de muitos.

Ó dor acima de toda dor, tristeza acima de toda tristeza, sofrimento acima de todo sofrimento! Menos penoso para mim foi o coroamento com espinhos, menos doloroso foi o desnudamento de minhas roupas, e minha fixação à cruz. Meu coração, quem alguma vez dirá a intensidade de sua dor durante as três horas em que fiquei na cruz? Minha alma, você não se afogou em um oceano de amargura mais amarga? Ó vida do meu corpo! Você não teria sido aniquilado mil vezes, se minha divindade não o tivesse retido?

Não, minha filha, jamais o mundo viu uma dor como a minha neste momento. Compensem como vocês fazem por meus sofrimentos; sofram comigo, e em seus sofrimentos digam a vocês mesmos que nunca chegarão perto de tudo o que eu mesmo sofri. Sofra um pouco por mim, já que sofri tanto por você.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 23

Num domingo da Quaresma, antes da bênção do Santíssimo Sacramento, ouvi o Salvador Jesus dizer com grande gentileza: "Meus filhos", disse ele aos fiéis reunidos no lugar santo, "todos vocês cantam meus louvores, todos vocês me dirigem seus desejos! Sede dóceis em vossos corações à minha voz que vos fala, e aproveitai este tempo de misericórdia que vos dou por bondade para convosco. Voltai para mim, vós que pecastes; estou esperando por vós com meu coração paternal para vos tomar em meus braços. Não temam minhas reprovações. Não o censurarei se você retornar a mim com sinceridade. Direi a cada um de vocês em particular: Meu filho, abrace-me. Como é grande a alegria que sinto ao seu retorno após a aflição de seu erro! Oh, o que fiz por você! Quanta dor você me custou! Não, você nunca mais me deixará, nem vai querer afligir meu coração paterno. Vem, meu filho, eu te lavarei em meu sangue e te vestirei com o manto branco da minha graça. Assim, falarei a todos vocês no segredo e no silêncio de seus corações. Entendam, todos vocês, quão grande é minha misericórdia e quão avidamente busco o pecador, especialmente neste tempo santo. Eu o chamo, eu o convido, eu lhe insisto, eu o persigo com minha graça. Volte para mim com uma penitência sincera. Eu sou seu pai, sejam meus filhos.

Corri atrás de você com incansável ardor, como um bom pastor; como uma ovelha ferida, permita-me carregá-lo sobre meus ombros. Que nada o impeça; que não haja dificuldades ou obstáculos para você. O diabo lhe mostrará que eles são muito maiores do que eles são. Esteja disposto e você triunfará sobre tudo com minha graça.

Venham, todos vocês, e recebam a veste nupcial no sacramento da penitência, e depois participem da festa do Cordeiro Pascal. Viajantes fatigados do tempo à eternidade, este alimento lhes dará força e vigor. Venha a mim, eu sou seu.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 24

Eu o tinha ouvido no domingo anterior; sua voz, em vez de ser doce, gentil e toda paternal, me parecia ser a voz de Deus irritado contra os pecadores. Sua boca estava cheia de ameaças, e ele disse algo assim: "Meu povo, eu vim para fazer vocês ouvirem minha voz e repreendê-los por suas iniquidades. A terra é um viveiro de corrupção. Olhei para a direita e não vi nada além de vaidade e mentira; olhei para a esquerda e não vi nada além de repulsa e infâmia. Olhei para o passado, e a história dos séculos é apenas um longo registro de terríveis crueldades; olho para o presente e vejo todos os homens se levantando contra Deus, blasfemando seu nome e violando suas leis. Mas eu me levantarei contra esses grandes pecadores, farei meu trovão ribombar sobre suas cabeças e meu relâmpago sacudirá a terra sob seus pés.

Eu iluminarei seus olhos com o fogo de meu relâmpago e os envolverei na névoa impenetrável de minhas nuvens. Por isso, vou lançar uma consternação entre eles. Homens vingativos, saibam disso bem, só a mão de Deus deve se armar para a vingança. Se você recebeu um insulto, reclame a Deus.

Pereçam seu ouro e sua prata, homens gananciosos; e se se apegarem a suas riquezas, perecerão como elas. Você não sabe que nada impuro jamais entrará no reino dos céus? Quem são vocês, grandes homens, diante do Filho de Deus, que se humilhou até a morte da cruz? Meu Pai, se minha voz não for ouvida pelos homens, corte todos aqueles que vivem e têm as mãos manchadas de sangue, corações cheios de iniquidade, almas escravizadas a Satanás. Meu Pai, cria-me um novo povo, e que este povo glorifique vosso nome no tempo e na eternidade.”

A voz do Salvador Jesus foi terrível e me assustou; mas no momento da bênção me recuperei um pouco, pois vi seu rosto retomar seu ar habitual de gentileza e bondade.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 25

“Estou cheio de bondade", disse-me um dia o Salvador Jesus, "e nada se iguala aos encantos e amabilidade que há em mim. Minha palavra não é como a dos homens, seguida de arrependimento e amargura. No entanto, há alguns que estão entediados em minha presença, que não sabem como conversar comigo; seus corações estão cheios de aridez e secura em relação a mim, e não um sentimento de amor os leva até mim. O que deve ser feito então, minha filha? Eu lhes ensinarei. Que estas almas permaneçam silenciosamente em minha presença em adoração, que se humilhem e me peçam graça e perdão por suas iniquidades, dizendo apenas: "Senhor Jesus, perdoa-me" ou "Senhor Jesus, tem piedade de mim" ou "Senhor Jesus, vem em meu auxílio". Não são as longas orações que me agradam; prefiro muito um coração humilde e contrito às mais longas e melhores orações; quais devem ser as orações que a boca sozinha pronuncia e que o coração não dita?

Quando vocês se encontrarem neste estado de aridez e secura, adorem-me pensando em minha grandeza divina e em minha soberana majestade. Estimule a si próprio a se arrepender de suas faltas, e considere-se um pobre pecador. Pense que eu sou seu pai e você é meu filho, e seu coração encontrará uma palavra de afeição por mim. Se você imaginar que você é muito pobre e que eu sou um rei piedoso que não sabe recusar nada, você saberá o que deve me pedir; em você, um pobre doente coberto de enfermidades e feridas, você sem dúvida quererá recuperar sua saúde; este desejo o inspirará a se dirigir a mim como você deve.

Há várias maneiras de se ocupar utilmente quando você está perto de mim. Por um lado, se você não quer ficar cansado, você também não deve ceder à covardia; é preciso se fazer violência, excitar-se um pouco, deter seu pensamento em algo piedoso, e olhar para esta ocupação santa como a melhor das orações e como o melhor aproveitamento do tempo passado perto de mim. Vai, minha filha, eu te abençôo.

“Senhor", disse-lhe eu, "deixa-me estar novamente perto de ti; quero ouvir tua voz, já que eu mesma não posso falar contigo. Sua voz está cheia de consolações. Ah, vossas palavras, meu doce Salvador, não são como as palavras dos homens, eu sei bem; elas não são como as que leio nos livros, e você estava certo em me dizer que a fala humana é como um tambor que ressoa ou um címbalo que retine, batendo no ouvido mas não tocando o coração, se sua graça não o acompanha. Mas, Senhor, fale novamente com sua serva, você tem as palavras da vida eterna; fale comigo, Salvador Jesus, e me ensine como eu devo escutá-lo.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 26

O Salvador Jesus permaneceu por um momento em silêncio, e lançou sobre mim um olhar de bondade divina, que penetrou até as profundezas da minha alma: Ele me disse: "Você quer que eu lhe ensine como deve escutar minha palavra; minha filha, estou pronto para satisfazê-la, porque as impressões que ela produz nos corações que a escutam com boas disposições produzem frutos que durarão até a vida eterna, porque minha palavra não só tem consigo a unção que toca o coração, mas sua luz brilhante também vem para iluminar o espírito e dissipar a escuridão que está nele.

Feliz será para sempre, minha filha, se você ouvir minha palavra! Se você ouvir como deve, esta audiência bem afinada a levará a realizar o que eu lhe direi e a inspirará. Estas, então, são as disposições com as quais você deve escutar minha palavra: pureza de coração ou o desejo de adquirir esta pureza; submissão e obediência para corresponder à graça de minha palavra; fidelidade para conformar sua conduta ao que ela lhe prescreverá.

“A pureza de coração ou o desejo de adquirir esta pureza.” O homem não é perfeito na Terra, mas existe um certo grau de perfeição ao qual o homem deve aspirar e no qual deve avançar com todo seu poder; este grau é a pureza de coração ou a ausência de todo pecado mortal. Quem quer ouvir minha palavra, quem a ouve, deve ter esta pureza de coração ou o desejo de adquirir e aumentar esta pureza. Quanto mais puro, mais abundante é minha palavra, mais doce e gentil ela é, mais bem ela faz. Quanto mais alguém deseja ouvir minha palavra a fim de se tornar perfeito, mais unido a Deus, mais eu a faço ouvir; mas eu me calo quando alguém deseja ouvi-la apenas para se vangloriar deste favor e poder dizer: "O Senhor está falando comigo, o Senhor me fez ouvir sua voz! pois isso seria para me ofender e me desagradar muito.

"A submissão e obediência à minha palavra e à graça". Normalmente esta graça é precedida por outra que dispõe o coração e o prepara. A pessoa é livre para recebê-la ou rejeitá-la; às vezes, porém, esta graça preventiva é tão absoluta que não pode ser rejeitada; mas é rara e eu peço correspondência a esta graça. Pode-se se privar da graça da minha palavra por uma falsa humildade, dizendo: "Não mereço que o Senhor fale comigo", e fugindo da atração que se sente. É verdade que ninguém merece que eu fale com ele, e todos devem reconhecer isso; mas também é preciso saber que eu não olho para o mérito pessoal, mas apenas para minha misericórdia e minha bondade paternal. Devem, portanto, submeter-se a mim e não recusar minha palavra em nenhuma circunstância, quando me agrada fazê-los ouvir; podem privar-se da graça de minha palavra por não escutarem atentamente, às vezes com menos atenção. Sou como o noivo dos hinos que vem batendo gentilmente na porta de sua noiva. Se a alma que ouve minha palavra é como a noiva de quem falo, ela fará como ela faz. Ela se levantará e virá e abrirá a porta para mim, ou seja, deixará tudo para ouvir minha palavra. Minha voz será um mandamento para ela; ela me obedecerá escutando atentamente, caso contrário eu me retirarei e não mais me farei ouvir. Portanto, você deve manter seus ouvidos sempre abertos, para que possa me ouvir quando eu quiser falar.

"Por fim, você deve conformar sua conduta com as prescrições de minha palavra. Pois seria melhor, minha filha, nunca ter ouvido minha palavra do que não fazer o que ela prescreve. Não me ofendo se desde o início se resiste à minha palavra por medo de ser enganado, pois fazê-lo é agir com prudência. Mas resistir ainda quando se está razoavelmente seguro de que é de fato minha palavra que se ouve, é desagradar-me e ofender-me. Ouvir minha palavra e não agir de acordo com ela é pecar contra mim.

Minha filha, aumenta cada vez mais a pureza de teu coração, recebe minha palavra com submissão, corresponde a esta graça, corresponde ao que ela prescreve, e permanece sempre nos sentimentos da maior humildade; minha palavra não voltará a mim em vão e estéril, ela me trará cem vezes mais os dons que depositarei em ti através dela e através de minha graça. Vá em paz, minha filha, eu a abençôo pela segunda vez.” Eu me retirei.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 27

O Salvador Jesus me disse um dia: “Minha filha, alegra-te; aquele que amas está morto, mas ressuscitou; está cheio de vida, não morrerá mais. Que as filhas de Sião também se regozijem porque seu amado virá até elas. Elas não serão abandonadas e esquecidas para sempre; seu noivo virá até elas. O dia de sua chegada será o dia de sua glória; o rosto de seu noivo será arrebatadoramente belo. Lute, minha filha, e deixe-os também lutar com coragem, sofrer com paciência, trabalhar com ardor. Não procure consolações no mundo; dificilmente encontrará alguma, ou pelo menos serão insuficientes para você. Eu sou o Consolador dos aflitos; só eu posso realmente consolar; se você me tem com você, o que mais você poderia querer? Além de mim, tudo é vaidade. Afastem-se de tudo e se apeguem a mim. Eu os consolarei em suas aflições, os apoiarei em seus infortúnios, os fortalecerei em suas lutas.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 28

“Minha filha, trabalhai", me disse o Salvador Jesus, "trabalhai seriamente para vossa salvação; o dia do Senhor está se aproximando. Agora é dito: prepare-se para o grande dia do Senhor. Ele resolveu se levantar contra seus inimigos, e os dissipará com seu poderoso fôlego e os esmagará, e seus julgamentos permanecerão imutáveis. Ainda hoje escuto aqueles que me dizem: 'Senhor, não nos castigue em sua ira, nem nos retribua por nossos pecados'. Mas quando meu dia chegar, vou me levantar contra todos aqueles que não são meu povo. Mas os orgulhosos, os vingativos, os gananciosos, os imorais sexualmente, os luxuriosos, os intemperados, os preguiçosos, os ambiciosos e os traiçoeiros não são meu povo, pois eles não me reconhecem como seu rei.

O orgulhoso disse: “Minha própria satisfação, a glória de meu nome, a estima dos homens, este é meu Deus e meu rei.”

O vingativo disse: “Vingar todas as ofensas que me foram cometidas, arrancar um olho por um olho, e um dente por um dente, este é meu Deus e meu rei.”

O imoral disse: “Satisfazer todas as minhas paixões, este é meu Deus e meu rei.”

O homem intemperado disse: “O prazer da mesa, as festas copiosas e delicadas, este é meu Deus e meu rei.”

O avarento disse: “Acumular ouro sobre ouro, prata sobre prata, posses sobre posses, este é meu Deus e meu rei.”

O preguiçoso disse: "Descansar, inatividade completa, esse é meu Deus e meu rei".

O ambicioso disse: "Levantar, crescer, alcançar o auge das honras e do poder, este é meu Deus e meu rei".

O pérfido disse: "Enganar, fazer o mal secretamente, esse é meu Deus e meu rei".

Mas não conheço o povo dos orgulhosos, dos vingativos, dos sexualmente imorais, dos intemperados, dos gananciosos, dos preguiçosos, dos ambiciosos e dos hipócritas, nem seus deuses, nem seus reis; levantar-me-ei contra este povo, seus deuses e seus reis, e eu os exterminarei em minha maldição eterna. Este povo não ouve minha voz, nem me conhece; nem os conhecerei, e eu serei eternamente surdo aos seus gritos". Se me perguntarem: 'Quem é vosso povo?' responderei: 'Meu povo são todos aqueles que me reconhecem como Deus e Rei, que obedecem às minhas ordens e leis, que me dão suas mentes e seus corações'. Este é o meu povo, o povo que proclamarei no dia que escolhi, o qual ninguém sabe porque é o meu dia, e que em breve trarei à luz, quando menos se pensar nisso, apesar de todos os sinais de advertência que serão dados no céu e na terra.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 29

Um dia, o Salvador Jesus falou-me assim: "Filha, os mortos ouvirão a voz do Filho do Homem, e aqueles que o ouvirem viverão. Estas palavras podem ser entendidas de muitas maneiras. Com estes mortos quero dizer aqueles que morreram à graça de Deus através do pecado. Agora, quando um homem é mergulhado no abismo do pecado, quando sua vida não passa de um tecido de crimes, minha voz, no entanto, vem até ele para despertá-lo de seu estado e dizer-lhe: Lázaro, saia do túmulo. Se ele ouvir minha voz, se ele sentir as inspirações de minha graça, este Lázaro sairá do túmulo de seu pecado, ele encontrará novamente a vida, que consiste na amizade de Deus.

Quando chega a morte temporal, ou seja, a separação da alma do corpo, a alma, embora imortal, se encontrará morta ou viva: morta ou separada de Deus que é sua vida, viva ou unida a Deus que a anima por sua graça. Minha voz será ouvida pelos mortos no exato momento de sua morte. Se a alma está morta ou separada de Deus, ela não ouvirá minha voz; ai dessa alma! pois o céu não é para a morte, mas para a vida. Se a alma estiver unida a Deus, ouvirá minha voz, e minha voz estará cheia de doçura e amizade; será a voz que promete e dá recompensa. Ó alma feliz! pois a vida deve estar com a vida, e a vida é Deus; ela participará da vida de Deus e, portanto, estará com Ele para sempre.

A morte estará eternamente na morte, a escuridão na escuridão, a vida eternamente com a vida, a luz com a luz".

Minha filha, nunca caia na morte de sua alma, permaneça sempre unida a Deus, e quando a morte de seu corpo vier, você ouvirá minha voz.

 

LIVRO DOIS - Capítulo 30

Eu estava meditando numa manhã de domingo no Juízo Final, quando ouvi a voz do Salvador Jesus. Ele me disse: “Filha, meu reino será um reino de ouro, meu cetro um cetro de ferro; minha mão estará armada com o poder que meu Pai me deu sobre os homens, e eu aparecerei em minha glória com minha cruz, que será a glória de uns e a vergonha e condenação de outros.

Na terra a cruz me trouxe vergonha aos olhos dos homens; na terra traz vergonha para aqueles que a abraçam e andam nos meus passos, mas então trará glória para mim e para eles. Os homens morrem, mas não permanecerão para sempre na sepultura, eles se erguerão novamente como eu. Seus corpos reduzidos a pó voltarão à vida, e a voz d’Aquele que foi capaz de criá-los do nada terá o poder de chamá-los de volta à existência. Mães tristes que choram na terra pela perda do fruto de seu ventre, consolem-se; vocês encontrarão seus filhos. Maridos desconsolados que choram a perda de suas esposas, sejam consolados; vocês encontrarão aquela que foi objeto de seus mais legítimos e mais doces afetos. Crianças que choram a perda daqueles que por sua ternura o educaram na vida, se consolem; vocês encontrarão seus pais e suas mães.

Todos vocês a quem a morte veio afligir, lembrem-se que a morte morrerá e a vida voltará para nunca mais acabar. Será então o grande dia da minha glória, o grande dia do meu poder, o grande dia da minha justiça, e a minha justiça e o meu poder despertarão todos os mortos. Eles devem aparecer diante de mim. Todos se levantarão, mas nem todos serão reunidos; todos se levantarão, mas eu terei duas palavras diferentes para os ressuscitados. Vou dizer uma palavra de bênção para uns e uma maldição para outros. Eu enviarei meus anjos e eles separarão os justos dos pecadores, os escolhidos dos condenados. Eu abençoarei alguns por toda a eternidade e os outros receberão minha maldição por toda a eternidade. Estas duas palavras separarão para sempre os justos dos maus, e todos os laços serão quebrados, laços de sangue, laços de amizade, laços de proteção. Os abençoados de meu Pai não terão mais relação com os amaldiçoados que o abismo engolirá.

Ó minha filha, como deve ser assim, e como não há nada de tão doloroso para dois corações que se amam como separação, não se preocupariam pais e mães, maridos e esposas, irmãos e irmãs, se realmente se amassem um ao outro, se certificassem de que se reuniriam para sempre na eternidade? Esta é a única separação que os deve afligir, a união que eles devem buscar.

Como avidamente eles se reuniriam aos pés da minha cruz, para que minha cruz os reunisse um dia para a eternidade aos pés de meu Pai que está nos céus! Se o fizessem, minha cruz talvez na vida se transformasse em sua vergonha e confusão; mas naquele dia e por toda a eternidade seria sua mais brilhante glória.

Mas se eles fugirem de minha cruz e de sua ignomínia e humilhação, isso os cobrirá com humilhação e ignomínia eternas; unidos na mesma condenação, serão separados para sempre por seus corações, e sua união aumentará suas penas e seus suplícios.

Então, minha filha, todos os olhos serão abertos e verão a verdade; então pais e mães entenderão o errado ou o certo que tiveram ao liderar seus filhos; então jovens homens e jovens mulheres não culparão seus companheiros e suas companheiras de enganá-los usando de suas vidas; então magistrados se reprovarão pela indignidade e baixeza de sua conduta; então reis condenarão sua política astuta e criminosa. Então todos serão iguais perante mim, porque minha justiça pesará todos eles para dar-lhes recompensa ou punição. Só haverá o bem ou o mal, o céu ou o inferno, a vida com Deus ou com Satanás.

Minha cruz novamente iluminará o mundo naquele dia, ela abrirá o céu e fechará o inferno. Os eleitos se apegarão a ela para morar com Deus, ela conduzirá os condenados de volta à morada do castigo eterno e da maldição.

Minha filha, caminha sempre mais e mais na perfeição, siga o exemplo de minha mãe. Cada dia e cada momento do dia aumente seus méritos; você também deve crescer em idade e virtude. O dia da manifestação de minha glória será o dia de vossa glória, o dia da manifestação de minha justiça será o dia em que vossa alma encontrará favor com Deus, e o dia da manifestação suprema de meu poder será o dia em que ascendereis ao céu em corpo e alma pela eternidade.

Assim me falou o Salvador Jesus; estas palavras permaneceram profundamente gravadas em minha alma, e quando vêm pensamentos de desânimo, elas me dão apoio e ajuda e eu abençôo o Salvador Jesus.

Para sempre bênção, ação de graças, glória a Jesus no Santo Sacramento do altar. Amém.

Fonte: http://www.livres-mystiques.com/partieTEXTES/MarieLataste/Verbe_de_Dieu_2.html

 

Leia também:

 

Visões e revelações a Maria Lataste - DEUS, A SANTÍSSIMA TRINDADE (Livro Um - Capítulos 1 a 8)

 

Visões e revelações a Maria Lataste - DEUS, A SANTÍSSIMA TRINDADE (Livro Um - Capítulos 9 a 17)

 

Visões e revelações a Maria Lataste - O VERBO DE DEUS FEITO HOMEM (Livro Dois - Capítulos 1 a 10)

 

Visões e revelações a Maria Lataste - O VERBO DE DEUS FEITO HOMEM (Livro Dois - Capítulos 11 a 20)


Busca


Terça-feira, 21 de Setembro de 2021




Acessos








Mulher Vestida de Sol