‹ voltar



Perigo à vista: Estudo mostra crescimento de 2000% do coronavírus nos esgotos

 

Abastecimento de cidades com água captada de lagos, lagoas, rios onde desaguam esgotos pode gerar um ciclo perpétuo de propagação e de aumento exponencial de casos de contaminação por coronavírus??? Infelizmente, a abordagem da reportagem não foi esta. Mas, fica aí a pergunta...

 

Ações de combate a propagação da Covid-19 são debatidas em São Leopoldo

Conforme estudo, carga viral presente no esgoto cresceu 2000%.

18/02/2021 | 10:02
Stephany Sander

Depois que um estudo de monitoramento da carga viral do novo coronavírus no esgoto de São Leopoldo (RS) apontou um crescimento de 2.000% na carga viral no material coletado na ETE Vicentina (Estação de Tratamento de Esgoto Vicentina), o Comitê de Atenção ao Coronavírus do município convocou uma reunião emergencial. Nela, entidades e secretarias do Executivo municipal farão um debate para definir mais ações de combate a propagação do vírus. A quantidade de cópias genômicas por litro coletadas subiu de 73.190 (Cg/l), coletada em 11 de janeiro, para 1.535.990 (Cg/l), na amostra coletada no dia 1º de fevereiro.

O estudo é resultado do monitoramento ambiental do novo coronavírus em águas residuárias e de superfície do Rio Grande do Sul, através de uma pesquisa coordenado pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), em parceria com o Serviço Municipal de Água e Esgoto (Semae) e outras intuições, como a Universidade Feevale e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

O objetivo da pesquisa é investigar a disseminação do SARS-CoV-2 no sistema de esgoto em áreas de interesse da Vigilância em Saúde. “Os dados são pouco animadores, pois estes números, combinado com o aumento de óbitos, demonstram que as pessoas não estão testando mesmo com sintomas, por isso vamos reunir nosso comitê municipal para anunciar algumas medidas”, afirmou o prefeito de São Leopoldo, Ary Vanazzi. Segundo o vice-prefeito e diretor-geral do Semae, Ary Moura, a ETE Vicentina, ponto da última coleta, atende cerca de 54 mil habitantes dos bairros Santos Dumont, Rio dos Sinos, São Miguel, Centro e Vicentina. “A pesquisa permite mensurar uma maior ou menor circulação do vírus na população que contribui para aquele esgoto. Se o vírus está presente no esgoto, consequentemente também pode estar presente nas águas do rio, arroios, açudes e afluentes, portanto quanto mais esgoto tratado, menos doenças são transmitidas à população”, destaca.

Fonte:  https://www.correiodopovo.com.br/notícias/cidades/ações-de-combate-a-propagação-da-covid-19-são-debatidas-em-são-leopoldo-1.572577

Busca


Terça-feira, 02 de Março de 2021







Acessos




Mulher Vestida de Sol