‹ voltar

'E o terceiro anjo seguiu-os, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta e a sua imagem e RECEBER O SINAL NA TESTA OU NA MÃO há de beber do vinho da ira de Deus, que se deitou no cálice da sua ira, e será atormentado com fogo e enxofre, na presença dos santos anjos e na presença do Cordeiro. E a fumaça do seu tormento subirá para todo o sempre. Os adoradores da besta e de sua imagem e aqueles que receberam o sinal com seu nome não terão nenhum descanso dia e de noite. Aqui está a paciência dos santos, que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.' (Apocalipse 14, 9-12)


MARCA DA BESTA - Soldados podem em breve ter monitores de saúde implantáveis e cirurgias robóticas feitas remotamente

 

Nota do site: A notícia abaixo se refere a monitoramento de soldados norte-americanos. Certamente a ideia será copiada e adotada em todos os exércitos, nas diversas nações. A tendência é adotar o uso do chip em todas as áreas de atividade humana. Mais um passo em direção ao controle total da população mundial. Veja o artigo abaixo:

 

Artigo:

 

Soldados podem em breve estar carregando dispositivos de monitoramento que podem alertar médicos a milhares de quilômetros de distância para emergências médicas e a necessidade de tratamento. Os dispositivos podem até ser implantados em soldados e monitorar continuamente seu status, disse o principal médico do Exército ao descrever o futuro próximo da medicina do Exército.

‘Devemos estar monitorando todos os soldados, o tempo todo, procurando padrões de ferimentos ou outros sinais para detecção precoce', disse a tenente-general Nadja West, cirurgiã geral do Exército, durante uma palestra em 08 de maio na Associação do Exército dos EUA, em Arlington, Virgínia. 'Nós podemos fazer melhor quando cada soldado é um sensor, e nós podemos monitorar continuamente as informações retiradas deles.’

n/d

Os monitores enviariam fluxos de dados detalhados sobre a saúde de um soldado. Por exemplo, um dispositivo pode medir os níveis de açúcar no sangue e um médico ou enfermeiro a centenas ou milhares de quilômetros de distância pode verificar o diabetes de um soldado e recomendar o tratamento ou calibrar a insulina.

‘Há uma explosão de portáteis ​​e em breve serão monitores periféricos implantáveis’, disse West. 'Eles revolucionam completamente como nós podemos acompanhar e impactar a saúde de um soldado e a saúde de um paciente'.

Este novo exame de sangue pode detectar lesões cerebrais traumáticas em tropas. O primeiro exame de sangue para avaliar o TBI (Traumatic Brain Injury, em inglês) atende uma necessidade crítica, dizem especialistas militares.

Por: Kathleen Curthoys

Os soldados enfrentam ambientes em que a ameaça pode ser desconhecida, e esses dispositivos farão a diferença, disse ela. Diplomatas norte-americanos em Havana, Cuba, adoeceram no ano passado de uma causa misteriosa, possivelmente um tipo de onda sonora, que permanece desconhecida, acrescentou ela, como exemplo. Monitorá-los e seu ambiente poderia ter levado à detecção precoce e possivelmente melhor entendimento do que aconteceu.

Os comandantes podem usar esse tipo de tecnologia para decidir quem enviar na próxima missão, disse West.  ‘Apenas imagine um comandante tendo essa informação, onde aquela pessoa está e como ela está’, disse ela. O comandante veria não apenas se 'são eles implantáveis ​​ou não', mas seu estado de saúde.

‘Se você tivesse um piloto entrando em uma cabine, não gostaria de saber se ele está com sono ou não?’, disse West. 'Se você tem as ferramentas para prever, é incrível o que você pode evitar.'

Dispositivos de monitoramento estão disponíveis agora, e a medicina do Exército está trabalhando em como escalar a capacidade e garantir o fluxo de informações, disse ela. O dispositivo é uma das muitas inovações na assistência médica, a qual está mudando dramaticamente, e o Exército está mudando com ela, disse West.

Ambientes austeros

A percepção de que os militares não podem mais contar com a ‘hora crítica’ para o tratamento de doenças ou lesões está levando a se pensar sobre o que vem a seguir nos cuidados médicos. As tropas serão enviadas para a frente em unidades com pegada menor e, muitas vezes, sem o luxo do espaço aéreo incontestável, disse West.

A emboscada e os assassinatos ocorridos em outubro de quatro soldados americanos no Níger colocam em primeiro plano as tropas que enfrentam o perigo em locais remotos.

‘Podemos não ter o precioso socorrista que salva vidas com o qual estamos acostumados nos últimos 17 anos. Nossos soldados podem ficar isolados por 72 horas ou mais, exigindo cuidados prolongados em campo quando feridos em um ambiente austero’, disse West. 'Nossos médicos serão confrontados com mais, com menos, por mais tempo. Isso significa que não há acesso fácil a departamentos de emergência, suítes operacionais ou cirurgiões de trauma.'

A tenente-general Nadja West, cirurgiã do Exército, diz que o Exército deve buscar uma nova mentalidade e inovações tecnológicas para prestar assistência médica aos soldados em uma época em que a 'hora crítica' do tratamento nem sempre é possível. (Pablo Martinez Monsivais / AP)

Essa é a realidade dos médicos do Exército. Este novo ambiente exige mudanças significativas na forma como os médicos e soldados são treinados e equipados, disse West, e as mudanças estão ocorrendo agora. Os postos de comando em um futuro próximo terão capacidades médicas integradas a eles, para que os pacientes possam ser monitorados e as chamadas feitas a um cirurgião recomendem procedimentos para salvar vidas.Cirurgias robóticas são outra tecnologia em desenvolvimento. Agora, é uma questão de 'com que rapidez podemos escalá-lo em toda a nossa empresa', disse West. Tal cirurgia foi testada em Fort Campbell, Kentucky, por exemplo, com médicos lá e uma conexão de satélite com soldados em uma área remota. A tecnologia usada em todo o mundo hoje permite que os cirurgiões operem virtualmente, disse West.

O Exército investiu em seu primeiro centro médico virtual no Centro Médico do Exército de Brooke, no Texas, que, segundo ela, expandirá a capacidade e as capacidades e salvará mais vidas. Uma mudança de mentalidade é necessária agora, disse West, “uma que abre nossas mentes para possibilidades completamente novas quanto ao como, quando, onde e por quem a assistência à saúde é fornecida”.

 

Fonte: https://www.armytimes.com/news/your-army/2018/05/18/soldiers-may-soon-have-implantable-health-monitors-and-robotic-surgeries-done-remotely/

 

Leia também:

Virgem Maria: Não coloqueis no corpo nenhum chip, estes são o prelúdio do microchip com que o anticristo dominará a humanidade. Não deixeis que vos governem a mente, nem as emoções, nem os pensamentos, nem as decisões (30-07-2017)

 

Jesus o Bom Pastor: Rebanho Meu, ficai alertas e vigilantes, porque a marca da besta, o microchip, já começou a ser implantado na população de algumas nações (23-04-2012)

 

Jesus o Bom Pastor: Rebanho Meu, por nenhum motivo vos deixeis marcar com o selo da besta, o microchip; é preferível morrer antes de deixar-vos marcar. Confiai em Mim e Eu não permitirei que sejais marcados! (01-05-2017)

 

Virgem Maria: Por meio do microchip, o homem será anulado no seu pensamento e a liberdade que o meu Filho deu ao homem ser-lhe-á arrebatada definitivamente (07-07-2017)

 

Coletânea sobre o Microchip

 


Busca


Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018





Acessos

Curta nossa página no facebook



Rainha Maria

Glória de Deus

Mulher Vestida de Sol